Como a nutrição influencia o câncer

dieta câncer

Resumo da matéria -

  • O câncer não é uma doença genética nuclear, mas ocorre como resultado de danos mitocondriais, que acionam mutações genéticas nucleares que podem levar ao câncer
  • A função mitocondrial pode ser melhorada amplamente através da dieta Ingerir quantidades maiores de gorduras saudáveis e quantidades menores de carboidratos líquidos, juntamente com quantidades moderadas de proteína de alta qualidade, é o segredo
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

É possível que o dano cromossômico seja simplesmente um marcador do câncer e não a verdadeira causa da doença? Provas contundentes mostram que este é o caso, e, na palestra em destaque, o cirurgião ortopédico Dr. Gary Fettke analisa algumas dessas provas.

Tendo lutado ele próprio contra um câncer, Fettke percebeu a influência da nutrição no câncer e a importância de ter uma dieta rica em gorduras saudáveis e baixa em carboidratos líquidos (carboidratos totais menos fibras, ou seja, carboidratos sem fibra). Fettke não é o único a promover o modelo metabólico do câncer.

O modelo metabólico do câncer

O projeto Cancer Genome Atlas (Câncer Genoma Atlas) começou em 2006 com o objetivo de sequenciar os genomas de células cancerígenas. Foi o maior projeto governamental já concebido, envolvendo 10.000 vezes a quantidade de sequenciamento genético feito pelo

Human Genome Project (Projeto Genoma Humano). Infelizmente, os resultados não atenderam às expectativas originais.

A evidência mostrou claramente que algo mais além da simples mutação genética estava em jogo. As mutações encontradas nas células cancerígenas eram simplesmente muito aleatórias. Alguns tipos de câncer nem tinham qualquer mutação genética os acionando. Então qual poderia ser o fator?

Em poucas palavras, pensava-se que os defeitos genéticos nucleares eram responsáveis pelo câncer que aparecia posteriormente a jusante. O dano mitocondrial aparece primeiro, e então aciona as mutações genéticas nucleares que podem levar ao câncer.
Além disso, os cientistas estão descobrindo agora que a disfunção mitocondrial está no núcleo de praticamente TODAS as doenças, colocando a função mitocondrial bem no centro de praticamente todo programa de bem-estar e prevenção contra doenças.

Como observa Fettke, uma das principais considerações é o metabolismo da glicose dentro da mitocôndria — uma teoria apresentada inicialmente pelo Dr. Otto Warburg na década de 20.

Em 1931, Warburg ganhou o Prêmio Nobel em Fisiologia ou Medicina por sua descoberta de que as células cancerígenas têm um metabolismo de energia fundamentalmente diferente em comparação às células saudáveis. Como resultado, as células cancerígenas não têm a mesma flexibilidade metabólica que as células saudáveis.

Células cancerígenas são limitadas metabolicamente para alimentar-se de açúcar

Uma célula pode produzir energia de forma aeróbica, na mitocôndria, ou anaeróbica, no citoplasma. O metabolismo anaeróbico produz níveis excessivos de ácido láctico, que pode ser tóxico.

Warburg descobriu que, na presença de oxigênio, as células cancerígenas produzem ácido láctico em excesso, e isso ficou conhecido como o Efeito Warburg. Então o que isso nos diz sobre as origens nutricionais do câncer? Em poucas palavras, as descobertas de

Warburg nos dizem que o açúcar "alimenta" o câncer enquanto as gorduras fazem com que ele "morra de fome".

As células saudáveis podem utilizar glicose ou corpos cetônicos da gordura como uma fonte de energia, mas o câncer está metabolicamente restrito ao uso de glicose apenas. As células cancerígenas, em grande parte, carecem de flexibilidade metabólica e simplesmente não conseguem metabolizar as cetonas, e é por isso que a cetose nutricional parece ser tão eficaz contra o câncer.

O câncer, na verdade, poderia ser classificado de modo mais preciso como uma doença metabólica mitocondrial. Poucas pessoas herdam genes que as predispõem ao câncer. A maioria herda genes que evitam o câncer. As mutações herdadas geralmente atrapalham a função da mitocôndria, e o risco maior de câncer é resultado dessa fraqueza.

A boa notícia é que é possível otimizar sua função mitocondrial abordando determinados fatores de estio de vida, como dieta e exercício, e esse conhecimento revela uma maneira totalmente nova de olhar e tratar o câncer.

A dieta de alimentos processados é um importante fator que promove o câncer

O que causa a produção de radicais livres? A inflamação é um fator importante, e nossa dieta moderna de alimentos processados é altamente inflamatória.

Entre os principais culpados estão as gorduras poli-insaturadas (GPs), gorduras trans e o açúcar de adição em todas as suas formas, principalmente a frutose processada (como o xarope de milho de alta frutose), bem como os grãos refinados. Os ingredientes artificiais também podem promover a inflamação.

Ao reduzir a quantidade de carboidratos líquidos que você come, você terá quatro conquistas que resultarão em menor inflamação e estimulação do desenvolvimento do câncer. Você irá:

  • Reduzir o nível sérico de glicose
  • Reduzir seu nível de mTOR
  • Reduzir seu nível de insulina
  • Reduzir o fator de crescimento insulínico-1 (IGF-1, um hormônio potente que atua na glândula pituitária para induzir efeitos metabólicos e endócrinos, incluindo o crescimento celular e a replicação. Os níveis elevados de IGF-1 estão associados ao câncer de mama e outros tipos de câncer)

De fato, um dos motivos básicos por que uma dieta rica em gorduras e com poucos carboidratos líquidos (cetose nutricional) funciona tão bem é porque ela reduz a inflamação para quase zero. E quando a inflamação desaparece, seu corpo pode se curar.

O que o câncer precisa para crescer

Para se desenvolver e crescer, as células cancerígenas precisam de combustível na forma de glicose, além de materiais de construção na forma de proteína, ácidos graxos, fosfato e acetato. Esses materiais de construção não estão prontamente disponíveis no seu fluxo sanguíneo, então as células cancerígenas "roubam" eles das células ao redor.

O processo que permite que as células cancerígenas invadam o tecido ao redor é conhecido como Efeito Warburg Reverso. Este efeito é baseado na geração de peróxido de hidrogênio causada pela interação entre os radicais sem oxigênio e água.

O câncer invasivo ou metástico, em essência, é o resultado do Efeito Warburg e do Efeito Warburg Reverso. Eu recomendo a visualização do vídeo em destaque para obter um melhor entendimento sobre esses processos e como eles contribuem para a formação e propagação do câncer. Conforme observado por Fettke, o conhecimento de tudo isso nos apresenta um conjunto totalmente novo de opções de prevenção e tratamento do câncer, tais como:

  • Limitar ou eliminar o açúcar e os carboidratos líquidos (carboidratos sem fibra) para evitar alimentar células cancerígenas
  • Limitar ou eliminar os óleos GP e as gorduras trans para evitar a formação de radicais livres nocivos e as partículas de LDL prejudiciais, pequenas e densas
  • Limitar a proteína (recomendo usar a fórmula de meio grama de proteína por 500 gramas de massa magra) para evitar estimular a via mTOR
  • Aumentar a ingestão de antioxidantes (através de alimentos integrais e/ou suplementos) para compensar os danos dos radicais livres
  • Aumentar o consumo de gorduras saudáveis para alimentar as células sãs enquanto deixa as células cancerígenas morrerem de fome

A importância da dieta para o sucesso do tratamento do câncer

Lembre-se, o aspecto fundamental que deve ser abordado é o defeito metabólico mitocondrial, e isso envolve reduzir drasticamente os carboidratos sem fibra da sua dieta e aumentar as gorduras de alta qualidade. Isso não quer dizer uma dieta baixa em carboidratos totais.

Você precisa consumir bastantes vegetais frescos, orgânicos e cheios de fibras (baixo teor de carboidratos líquidos).

Você pode até mesmo ingerir centenas de gramas de vegetais por dia já que as fibras serão convertidas em ácidos graxos de cadeia curta, que irão melhorar sua capacidade de queimar gordura como combustível e também nutrir seu microbioma.

Você pode substituir os carboidratos sem fibra por gorduras até 70 a 85% saudáveis, juntamente com uma moderada quantidade de proteína de alta qualidade, uma vez que a proteína em excesso também pode acionar o desenvolvimento do câncer estimulando o mTOR, que acelera o seu crescimento. Essa é a verdadeira solução. Se você não fizer isso, outros tratamentos podem não funcionar.

Segundo Fettke, estudos mostram que a cetose nutricional, ou seja, comer uma dieta rica em gorduras e com poucos carboidratos líquidos melhora significativamente a saúde de pacientes que estão passando por tratamento convencional de câncer, como a quimioterapia.

Também é importante lembrar que a glicose é um combustível inerentemente "ruim", já que produz espécies de oxigênio e radicais livres secundários bem mais reativos que a queima de gordura. Mas, para queimar gordura, suas células devem ser saudáveis e normais.

As células cancerígenas carecem de flexibilidade metabólica para queimar gordura e é por isso que uma dieta saudável rica em gorduras parece ser uma estratégica tão eficaz contra o câncer.

Quando seu corpo deixa de queimar glicose como combustível principal para queimar gordura como combustível, as células cancerígenas realmente têm que lutar para permanecer vivas, já que a maioria de suas mitocôndrias é disfuncional e não consegue usar oxigênio de modo eficaz para queimar combustível.

Ao mesmo tempo, as células saudáveis recebem o combustível ideal e preferido, que reduz os danos oxidativos e otimiza a função mitocondrial. O efeito final é que as células saudáveis começam a se desenvolver enquanto as células cancerígenas morrem de fome.

Diretrizes gerais de proporção de nutrientes para a saúde mitocondrial e prevenção do câncer

Para ter ótima saúde, você precisa de quantidades suficientes de carboidratos, gorduras e proteínas. No entanto, desde o advento dos alimentos processados e da agricultura industrial, é cada vez mais importante ser específico na discussão desses nutrientes. Existem gorduras saudáveis e não saudáveis. O mesmo vale para os carboidratos e proteínas.

Muitas das vantagens ou riscos estão relacionados ao modo como o alimento foi cultivado, cuidado e/ou processado.

Para obter a cetose nutricional, é importante monitorar sua ingestão de carboidratos líquidos e o consumo total de proteínas. O cálculo de carboidratos líquidos é feito tomando-se o número total de carboidratos em gramas e subtraindo a quantidade de fibras contidas no alimento. O número resultante são os carboidratos líquidos.

Para saúde ideal e prevenção de doenças, recomendo manter os carboidratos líquidos abaixo de 40 ou 50 gramas por dia.

Como converter os requisitos ideais de proteína em alimentos

Quantidades importantes de proteína podem ser encontradas na carne, peixe, ovos, laticínios, legumes, nozes e sementes. Alguns vegetais também contêm boas quantidades de proteína — por exemplo, brócolis.

Para saber se você está ingerindo bastante proteína ou não, basta calcular a necessidade do seu corpo com base na sua massa magra, subtraindo a porcentagem de gordura corporal de 100; anote tudo que você come por alguns dias. 

Depois, calcule a quantidade diária de proteína que você consumiu de todas as fontes. De novo, você tem como objetivo meio grama de proteína por 500 gramas de massa magra. Se você está ingerindo bem mais do que o ideal, diminua a quantidade conforme necessário.

Você pode usar o gráfico abaixo ou simplesmente buscar no Google os alimentos que deseja e encontrará rapidamente os gramas de proteína que ele contém.

Carne vermelha, porco, aves e frutos do mar têm, em média, 6 a 9 gramas de proteína por 28 gramas.
A quantidade ideal para a maioria das pessoas seria uma porção de 85 gramas de carne ou frutos do mar (e não bifes de 250 ou 340 gramas!), o que fornece cerca de 18 a 27 gramas de proteína
Os ovos contêm cerca de 6 a 8 gramas por ovo. Portanto, uma omelete de dois ovos oferece cerca de 12 a 16 gramas de proteína
Se você acrescenta queijo, é preciso calcular aquela proteína também (verifique o rótulo do queijo)
As sementes e nozes contêm, em média, 4 a 8 gramas de proteína por um quarto de xícara O feijão cozido tem, em média, 7 a 8 gramas por meia xícara
Os grãos cozidos têm, em média, 5 a 7 gramas por xícara A maioria dos vegetais contém cerca de 1 a 2 gramas de proteína por 28 gramas

Cuidado com as gorduras não saudáveis

Quando se trata de gordura, é fundamental distinguir as que são saudáveis das que não são. A grande maioria das gorduras que as pessoas comem não é saudável na realidade. Como regra geral, evite todos os óleos vegetais processados e engarrafados, que são geralmente ricos em gorduras ômega 6 danificadas.

(Também tenha cuidado com o azeite de oliva. Embora saudável, até 80% do azeite de oliva é na verdade adulterado com óleos vegetais ômega 6 oxidizados, então se certifique de que seja certificado por terceiros como genuíno.)

Outra regra geral: não tenha medo de gorduras saturadas naturalmente! Elas estão entre as gorduras saudáveis. Entre as fontes de gorduras saudáveis que você deseja incluir mais na sua dieta estão:

Azeitonas e azeite de oliva (com certificado de autenticidade por terceiros) Coco e óleo de coco Manteiga feita de leite orgânico de vacas alimentadas com pasto e manteiga de cacau
Nozes cruas, como macadâmia e pecã, e sementes como gergelim preto, cominho, abóbora e sementes de cânhamo Gema de ovo orgânico Abacate
Carnes de animais alimentados com pasto Banha de porco, gordura animal e manteiga líquida Gordura ômega 3 de origem animal como óleo de krill

Cetose natural pode oferecer esperança e saúde
Fettke conclui sua palestra listando diversos benefícios conhecidos da cetose nutricional no tratamento do câncer, tais como:

É seguro É bem tolerado
Pode ser usado com outros tratamentos de câncer (e pode até mesmo melhorar a eficácia dos tratamentos de câncer tradicionais) As cetonas protegem as células ao redor, reduzindo o poder de propagação do câncer
Ele dá aos pacientes um senso de controle, o que demonstrou melhorar as taxas de sobrevivência Se é considerado útil como tratamento, deve ser certamente considerado para prevenção
Dá aos pacientes esperança, que também aumenta a sobrevivência É o tratamento de câncer mais acessível que existe

Um experimento radical na cetose nutricional

Para dar uma ideia de como a cetose nutricional pode beneficiar sua saúde além da prevenção do câncer, veja o caso do Dr. Peter Attia. Seu experimento é um exemplo muito claro dos efeitos que a dieta pode ter nos marcadores de saúde em geral.

O Dr. Attia é um médico com treinamento na Universidade de Stanford dedicado a ciência metabólica, que decidiu ser ele mesmo o rato do laboratório — com resultados incríveis.

Embora ele sempre tenha sido ativo e estado em forma, a genética não estava ao seu lado. Sua tendência natural pendia para a síndrome metabólica, apesar de ser tão disciplinado em relação à dieta e exercícios. Então ele decidiu experimentar a cetose nutricional para ver se podia melhorar seu estado de saúde geral. 

Durante 10 anos, ele consumiu 80% de suas calorias de gordura saudável e monitorou continuamente seus marcadores metabólicos, como níveis de glicemia, porcentagem de gordura corporal, pressão arterial, níveis de lipídeos e outros. 

Ele viu uma melhoria em todas as medidas de saúde, como se pode ver na tabela abaixo. Uma ressonância magnética confirmou que ele havia perdido não só a gordura subcutânea, mas também a gordura visceral, que é o tipo mais prejudicial.

Seu experimento mostra como a dieta pode produzir grandes mudanças no corpo, mesmo começando em relativamente boa forma. E, se você começar com uma condição física fraca, então as mudanças poderão ser ainda mais notáveis.

ANTES DEPOIS
Glicemia em jejum 100 75 a 95
Porcentagem de gordura corporal 25 10
Circunferência da cintura em polegadas 40 31
Pressão arterial 130/85 110/70
LDL 113 88
HDL 31 67
Triglicerídeos 152 22
Sensibilidade à insulina Aumentou em mais de 400% Aumentou em mais de 400%
+ Recursos e Referências