Diabetes

Resumo da matéria

  • O diabetes tipo 2 pode ser totalmente prevenido e quase 100% reversível, basta implementar mudanças simples e baratas no estilo de vida, sendo uma das mais importantes a eliminação de açúcar (principalmente a frutose) e grãos da sua dieta
  • O diabetes NÃO é uma doença de açúcar no sangue, mas um transtorno de sinalização de insulina e leptina. Os níveis elevados de insulina não são apenas sintomas do diabetes, mas também de doenças cardíacas, doenças vasculares periféricas, derrame, pressão arterial alta, câncer e obesidade
  • Os medicamentos para diabetes não são a resposta — a maioria dos remédios para o diabetes tipo 2 ou aumentam o nível de insulina ou reduzem o açúcar no sangue (e falham em tratar a causa básica) e vários podem ter efeitos colaterais graves.
Artigo Anterior Próximo Artigo

As mentiras deliberadas que falam sobre o diabetes

28 Julho 2016 | 1,350 Visualizações |

Por Dr. Mercola

A maioria dos diabéticos encontra-se em um buraco escuro de desamparo, sem nenhuma ideia sobre como reverter seu problema. A maior preocupação é que mais da metade das pessoas com diabetes tipo 2 NEM sabem que têm diabetes — e 90% das que têm um problema chamado pré-diabetes também não sabem da sua situação.

Diabetes tipo 1 e dependência da insulina

Também conhecido como diabetes mellitus, o diabetes tipo 1 é um problema de saúde crônico caracterizado por níveis elevados de glicose no sangue, geralmente chamado de "nível alto de açúcar no sangue".

O diabetes tipo 1, apelidado de "diabetes juvenil", é um tipo relativamente raro. Ele ocorre em pessoas com menos de 20 anos e não tem nenhuma cura conhecida.

O que mais preocupa sobre o diabetes juvenil é que esses números têm crescido continuamente, juntamente com o diabetes tipo 2. Em jovens brancos não hispânicos de 10 a 14 anos, as taxas aumentaram 24% nas últimas décadas.

Mas isso foi ainda maior em crianças negras, a taxa aumentou 200%! E, segundo estudos recentes, esses números devem duplicar até 2020 em todos os jovens.

No diabetes tipo 1, o próprio sistema imunológico destrói as células do pâncreas que produzem insulina. O resultado é a perda do hormônio insulina. Os diabéticos tipo 1 precisam receber suplemento de insulina pelo resto de suas vidas, caso contrário, a morte virá rapidamente. Atualmente, além do transplante de pâncreas, não há nenhuma cura conhecida para o diabetes tipo 1.

Diabetes tipo 2: quase 100% de cura

O tipo de diabetes mais comum é o tipo 2, que afeta 90 a 95% dos diabéticos. Neste tipo, seu corpo produz insulina mas não consegue reconhecer e usá-la adequadamente. É considerado um estágio avançado de resistência à insulina. A resistência à insulina permite que a glicose no seu corpo aumente e cause diversas complicações.

Os sinais do diabetes podem estar todos ali, mas o fato geralmente ignorado é que o diabetes tipo 2 pode ser totalmente prevenido e quase 100% curável. Alguns dos sinais que você pode ser diabético são:

Sede em excesso Extrema fome (mesmo após comer)
Náusea e possíveis vômitos Ganho ou perda de peso incomum
Maior fadiga Irritabilidade
Visão turva Cicatrização lenta de feridas
Infecções frequentes (cutânea, urinária e vaginal) Dormência ou formigamento nas mãos e/ou pés

Informações erradas sobre o diabetes

O diabetes NÃO é uma doença do açúcar no sangue, mas uma doença de sinalização de insulina e leptina que evolui com o passar do tempo, indo primeiramente para um estado de pré-diabetes e depois para o diabetes total se jamais verificado.

Um dos motivos por que a medicina popular falha no tratamento do diabetes com qualquer substância que não sejam comprimidos ou injeções de insulina – e às vezes até piora – é porque ela se nega a agir na causa básica. A sensibilidade à insulina é crucial neste quesito.

O objetivo do pâncreas é produzir o hormônio insulina e secretá-lo no fluxo sanguíneo, ajustando, assim, os níveis de glicose aos níveis que seu corpo precisa para viver.

A função da insulina, então, é agir como uma fonte de energia para suas células. Em outras palavras, você PRECISA de insulina para viver e, geralmente, o pâncreas faz o trabalho de fornecer a quantidade certa para o seu corpo. Mas alguns fatores de risco e outras circunstâncias podem colocar em risco o funcionamento correto de seu pâncreas.

Fatores de risco do diabetes tipo 2 (Fonte: The National Diabetes Education Program)

45 anos ou mais Sobrepeso ou obesidade
Histórico familiar de diabetes Hipertensão
Inatividade física Depressão
Histórico de diabetes gestacional Doença cardiovascular aterosclerótica
Níveis de HDL-C inferiores a 35mg/dL Triglicerídeos em jejum acima de 250 mg/dL
Tratamento com glicocorticoides e antipsicóticos atípicos Apneia obstrutiva do sono
Determinadas condições de saúde relacionadas à resistência à insulina Membro da população de alto risco (afro-americano, hispânico/latino, nativo ou americano asiático)

Se você tiver um ou mais desses fatores de risco, ou se seus níveis de glicose no sangue forem altos, você será testado para diabetes e receberá insulina, seja em comprimido ou injeção — e às vezes ambos.

Seu médico dirá que o objetivo de tomar essas injeções ou comprimidos é baixar o nível de açúcar no sangue. Ele pode até mesmo explicar a você que isso é necessário porque a regulação de insulina exerce um papel importante na sua saúde e longevidade.

Talvez também diga que os níveis elevados de glicose não são apenas sintomas do diabetes, mas também de doenças cardíacas, doenças vasculares periféricas, derrame, pressão arterial alta, câncer e obesidade.

E, é claro, seu médico terá razão em tudo isso.

Mas será que ele iria além dessa explicação para lhe dizer qual a participação da leptina nesse processo? Ou que quando seu corpo desenvolve a resistência à leptina você está a caminho do diabetes, se é que não chegou lá?
Provavelmente não.

Diabetes e resistência à leptina e insulina

A leptina é um hormônio produzido nas células de gordura. Uma das suas principais funções é regular o apetite e o peso corporal. Ela avisa o cérebro quando comer, o quanto comer e quando parar de comer, e é por isso que é chamado de "hormônio da saciedade". Ele avisa seu cérebro o que fazer com a energia contida. 

Não muito tempo atrás, descobriu-se que os ratos sem leptina ficaram muito obesos. De modo semelhante, nos humanos, quando você se torna resistente à leptina, isso imita a deficiência de leptina e é muito fácil ganhar peso rapidamente.

Você pode agradecer a descoberta da leptina e sua função no corpo a Jeffrey M. Friedman e Douglas Coleman, dois pesquisadores que descobriram esse hormônio em 1994. O interessante é que Friedman deu o nome leptina com base na palavra grega "leptos", que significa "magro", depois de ter descoberto que os ratos que receberam a injeção de leptina sintética ficaram mais ativos e perderam peso.

Mas quando Friedman também descobriu que as pessoas obesas têm níveis muito elevados de leptina no sangue, ele viu que havia algo mais. E esse “algo mais” era que a obesidade pode causar resistência à leptina — em outras palavras, o caminho sinalizador da leptina é torto nas pessoas obesas, fazendo com que o corpo produza excesso de leptina assim como a glicose quando você tem resistência à insulina.

Friedman e Coleman também descobriram que a leptina é responsável pela sinalização da precisão de insulina e de sua resistência à insulina.

Portanto, a função principal da insulina NÃO é diminuir o nível de açúcar no sangue, mas armazenar energia extra (glicogênio, um amido) para o consumo atual e futuro. Sua capacidade de reduzir o açúcar no sangue é simplesmente um "efeito colateral" desse processo de armazenamento de energia.

No final das contas, isso quer dizer que o diabetes é uma doença da insulina e do mau funcionamento na sinalização de leptina.

E é por isso que "tratar" o diabetes enfocando apenas a redução do nível de açúcar no sangue pode ser uma abordagem perigosa. Ela simplesmente não trata do problema real de erro de comunicação metabólica que acontece em todas as células do corpo quando os níveis de leptina e insulina são afetados e param de funcionar juntos do modo como deveriam.

Tomar insulina pode até mesmo significar um problema maior para alguns pacientes com diabetes tipo 2, uma vez que irá piorar a resistência à leptina e insulina com o passar do tempo. A única maneira conhecida de reestabelecer a sinalização correta de leptina (e insulina) é por meio da alimentação.

E eu prometo, sua alimentação pode ter uma influência mais significativa sobre a saúde do que qualquer outra droga ou modalidade de tratamento médico conhecida.

Frutose: a força propulsora por trás do diabetes e da obesidade

O Dr. Richard Johnson, chefe do departamento de Nefrologia na Universidade de Colorado, é especialista em resistência à leptina e seu papel em torná-lo diabético. O Dr. Johnson tem sido um colaborador importante em meus artigos sobre açúcar, obesidade e diabetes. Seu livro, The Fat Switchacaba com vários mitos antigos sobre a alimentação e a perda de peso.

O Dr. Johnson explica como o consumo de frutose ativa uma potente chave biológica que faz com que ganhemos peso. Metabolicamente, este é um recurso altamente benéfico que permite que várias espécies, incluindo as pessoas, sobrevivam a tempos de escassez de comida.

Infelizmente, se você vive em um país desenvolvido atualmente, onde a comida é abundante e facilmente disponível, essa chave de gordura perdeu sua vantagem biológica, e, em vez de ajudar várias pessoas a viver mais tempo, ela funciona de modo prejudicial, matando-os prematuramente.

Talvez você tenha interesse em saber que a "morte por açúcar" não é um exagero. A impressionante quantidade de frutose na dieta padrão é um fator importante no aumento das taxas de diabetes neste país. Embora a glicose seja projetada para ser usada pelo corpo para obter energia (o açúcar normal é 50% glicose), a frutose se divide em diversas toxinas que podem acabar com a sua saúde.

Os medicamentos para diabetes NÃO são a resposta

A maioria dos tratamentos convencionais de diabetes tipo 2 usam medicamentos que aumentam o nível de insulina ou reduzem o nível de açúcar no sangue.

Como já expliquei, o problema é que o diabetes NÃO é uma doença do açúcar no sangue. Concentrar-se nos sintomas do diabetes (que é o nível alto de açúcar no sangue) em vez de tratar a causa é uma prática fútil e pode ser muito perigosa.

Quase 100% dos diabéticos tipo 2 podem ser curados com êxito sem remédios. Talvez você se surpreenda em saber que você pode comer, se exercitar e viver rumo à recuperação.

Dieta eficaz para o diabetes e dicas de estilo de vida

Eu simplifiquei as várias maneiras eficazes de aumentar sua sensibilidade à insulina e à leptina – para prevenir ou reverter o diabetes – em seis passos fáceis e altamente viáveis.

  • Pratique exercícios físicos. Contrário à maioria das recomendações de evitar fazer exercícios quando se está doente, ficar em forma é altamente importante para controlar o diabetes e outras doenças. Na verdade, é uma das maneiras mais rápidas e poderosas de reduzir a resistência à insulina e à leptina.
  • Elimine grãos e açúcares e TODOS os alimentos processados, principalmente aqueles feitos com frutose e xarope de milho rico em frutose. O tratamento convencional do diabetes fracassou nos últimos 50 anos em parte por causa de seus princípios alimentares falhos. 

    Elimine TODOS os açúcares e grãos – até mesmo os "saudáveis" como grãos integrais, orgânicos ou germinados – da sua dieta. Evite pães, massas, cereais, arroz, batata e milho (que é, na realidade, um grão). Até que seu nível de açúcar no sangue fique sob controle, restrinja o consumo de frutas também.

    É muito importante eliminar as carnes processadas. Em um estudo inovador que comparava as carnes processadas com as não processadas pela primeira vez, os pesquisadores da Harvard School of Public Health descobriram que o consumo de carnes processadas está associado a um risco 42% maior de doenças cardíacas e a um risco 19% maior de diabetes tipo 2.

    O que é interessante é que eles não encontraram nenhum risco de doença cardíaca ou diabetes entre pessoas que ingeriram carnes vermelhas processadas, como gado, porco ou ovelha.
  • Além da frutose, elimine as gorduras trans, que aumentam o risco de diabetes e inflamação ao interferir nos receptores de insulina.
  • Consuma muitas gorduras ômega 3 de origem animal de alta qualidade.
  • Monitore seu nível de insulina em jejum. Tão importante quanto o nível de açúcar em jejum, seu nível de insulina em jejum, ou A1-C, deve ficar entre 2 e 4. Quanto maior o nível, pior é a sensibilidade à insulina.
  • Consuma probióticos. Seu intestino é um ecossistema vivo de diversas bactérias. Quanto mais bactérias boas você tiver, mais forte será sua imunidade e melhor será seu funcionamento geral. Melhore sua flora intestinal consumindo alimentos fermentados como natto, missô, quefir, queijo orgânico cru e hortaliças cultivadas. Você também pode ingerir um suplemento probiótico de alta qualidade.
  • A exposição ao sol é uma promessa no tratamento e prevenção do diabetes, com estudos que revelam uma conexão importante entre os altos níveis de vitamina D e um risco menor de desenvolver o diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e síndromes metabólicas.
Recursos e Referências
Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.