vesícula biliar

Resumo da matéria


Artigo Anterior Próximo Artigo

Cinco dicas importantes se você já teve pedra na vesícula ou retirou a vesícula biliar

19 Outubro 2016 | 39,856 Visualizações |
Edição: Português

Por Dr. Joseph Mercola
com Rachael Droege

O jornal regional New York Times me entrevistou sobre o tema vesícula biliar e eu achei que seria útil falar sobre esse problema comum. Já vi centenas de pacientes que retiraram a vesícula e não me lembro de nenhum deles me dizer que seu cirurgião o tenha alertado para fazer algo que compensasse a remoção desse órgão importante.

Quase todos eles foram informados de que não precisavam da vesícula biliar e que não havia problema algum em removê-la. Isso é uma ignorância repreensível, pois condena o paciente a uma deficiência permanente de ácidos graxos essenciais.

Por quê? Porque depois que seu fígado produz a bile, que emulsifica as gorduras para melhor digestão dessa gordura, metade dela vai para o intestino delgado e a outra metade é armazenada na vesícula até que seja necessária. Cerca de 500.000 vesículas são retiradas todos os anos nos Estados Unidos, geralmente devido às pedras, que afetam cerca de 15% dos americanos.

As pedras na vesícula se formam quando a bile fica muito tempo na vesícula e acaba se alojando ali. Embora a maioria das pedras de vesícula se dissolva naturalmente e não cause sintomas, se a pessoa ignorar os sintomas de alerta e não tratar os motivos por que a vesícula não está funcionando corretamente, então a doença poderá avançar até o ponto em que o pâncreas fique inflamado ou a vesícula seja gravemente infectada e possa ter que ser removida para salvar sua vida.

Sinais de doença da vesícula biliar

Se você tem algum dos sintomas a seguir, então sua vesícula pode não estar funcionando corretamente:

  1. Dor ao pressionar a vesícula, logo abaixo da última costela no lado direto, no mesmo eixo do mamilo. Isso ocorre normalmente devido à "lama biliar" (bile espessa) presente na vesícula.
  2. Pedra detectada em ultrassonografia da vesícula.
  3. Fezes gordurosas e soltas que tendem a flutuar no vaso sanitário. Isso indica absorção inadequada de gordura.

Métodos de tratamento

  • Como disse na minha entrevista, o exercício físico regular é uma das melhores coisas que você pode fazer para tratar a disfunção da vesícula biliar. Esse é um excelente passo proativo de prevenção, mas a maioria das pessoas não se preocupa com a vesícula até que tenha um problema. Infelizmente, quando isso acontece, só o exercício já não resolve.
  • Nesse momento, uma lavagem da vesícula biliar pode oferecer alívio e, depois que os sintomas diminuírem, um programa intenso de exercícios cardiovasculares pode ajudar, melhorando permanentemente a vesícula.
  • Também é fundamental que você melhore a sua alimentação. É preciso parar de comer açúcares, reduzir ou eliminar os grãos e eliminar todos os líquidos, exceto água. Você pode consultar meu plano nutricional para garantir que esteja comendo a quantidade suficiente de alimentos saudáveis.

Além disso, a vesícula geralmente fica infectada quando está doente e a ingestão de grandes quantidades de probióticos de alta qualidade também ajudará a corrigir o problema.

O que fazer se você retirou a vesícula biliar

As gorduras de alta qualidade, principalmente as gorduras ômega 3, são essenciais para a boa saúde e se você não tiver uma vesícula, sua capacidade de absorção será deficiente. Tentar digerir a gordura sem a bile é como tentar lavar pratos gordurosos sem detergente – não funciona direito.

Se sua vesícula foi retirada, então você precisa oferecer um nível maior de enzimas digestivas de gordura (lipases) para compensar isso.

A menos que você tenha feito um transplante de vesícula biliar, o que é improvável, será preciso continuar tomando as enzimas pelo resto da vida para garantir que as gorduras possam ser absorvidas e usadas pelo corpo em suas várias funções importantes.

 

 

Recursos e Referências


Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.