Catorze motivos para ter um frasco de óleo de rícino em casa


Usos do óleo de rícino

Resumo da matéria -

  • O óleo de rícino é extraído das sementes de mamona (Ricinus communis). Ele é um triglicerídeo composto por ácidos graxos, sendo 90% ácido ricinoleico, o principal ingrediente de cura no óleo de rícino
  • Além de esfregar ou massagear diretamente sobre a pele, você também pode fazer uma compressa de óleo de rícino, que acredito ser o truque final dessa terapia holística
  • São incríveis os benefícios oferecidos por este óleo versátil — este artigo destaca 14 usos do óleo de rícino.
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Muitos de você provavelmente conhecem o óleo de rícino como o preparado imediato que os curadores antigos recomendavam para um grande número de indisposições — de prisão de ventre a febre, e até mesmo como tratamento contra vermes parasitas. O óleo de rícino é considerado um dos melhores remédios que existem.

Já escrevi anteriormente sobre os mistérios — e possíveis usos na saúde — do óleo de rícino e apesar de haver poucas pesquisas apoiando seus efeitos medicinais em potencial, acredito que são incríveis os benefícios oferecidos por esse óleo versátil.

Ele é um dos remédios naturais mais conhecidos com um histórico longo o suficiente para pelo menos garantir maior exploração científica — mesmo assim, não seria exagerado experimentá-lo com cuidado em casa antes de usá-lo.

Usos do óleo de rícino remontam a séculos atrás

O óleo de rícino é extraído das sementes de mamona (Ricinus communis), planta originária da Índia embora seja plantada atualmente em países mediterrâneos como Argélia, Egito e Grécia. Na França, a mamona é cultivada como uma planta ornamental devido à sua folhagem grande e bonita.

Várias civilizações antigas, incluindo os egípcios, chineses e persas, valorizavam a mamona por seus usos diversos, tais como combustível para lampiões e como ingrediente em bálsamos e cremes.

Durante a Idade Média, a mamona ficou famosa na Europa por tratar problemas de pele. O médico grego Dioscorides até mesmo descreveu como extrair o óleo da planta, mas alertou que as sementes deveriam ser usadas externamente apenas, pois são "extremamente laxantes".

O óleo de rícino é um triglicerídeo composto por ácidos graxos, sendo 90% ácido ricinoleico. Outras sementes e óleos, como o óleo de soja e óleo de algodão, também contêm esse ácido graxo único, embora em concentração muito menor.

Diz-se que o ácido ricinoleico é o principal ingrediente de cura no óleo de rícino e, segundo David Williams, pesquisador médico, quiroprático e bioquímico, ele é:

"...eficaz na prevenção do desenvolvimento de inúmeras espécies de vírus, bactérias, leveduras e fungos. É um tratamento tópico certeiro para micoses, ceratoses, inflamações na pele, lesões, (dedos) e unhas do pé infectadas por fungos, acne e prurido crônico (coceira).

Em seu artigo, Williams também diz que na Índia, as mamonas são geralmente usadas para diversos problemas de saúde, como disenteria, asma, prisão de ventre, doença intestinal inflamatória e infecções na bexiga e vagina.

Catorze maneiras de usar o óleo de rícino em casa

Se você tem um frasco de óleo de rícino em casa, bom para você; caso contrário, seria bom comprar um frasco de uma marca de alta qualidade imediatamente. Você ficará impressionado com os vários usos desse óleo versátil. O site Natural Living Ideas oferece 14 maneiras de usar o óleo de rícino, que eu resumi abaixo:

  1. Laxante seguro e natural. Um estudo de 2010 destacou como as compressas de óleo de rícino ajudaram a reduzir de modo eficaz a prisão de ventre entre idosos. O órgão americano FDA (Food and Drug Administration) afirma que esse óleo é "geralmente considerado seguro e eficaz" no uso como laxante.

    A ingestão oral do óleo de rícino pode "limpar" o trato digestivo em duas a cinco horas. No entanto, lembre-se de tomar a dose certa. Os adultos podem tomar 1 a 2 colheres de sopa, enquanto as crianças de 2 a 12 anos devem tomar apenas 1 a 2 colheres de chá.

    Bebês com menos de 2 anos não devem tomar mais do que 1 colher de chá por vez. Ao administrar para crianças, tente misturá-lo no suco de fruta fresco para que fique com sabor mais agradável.
  2. Alívio de dores musculares. Esfregue nos músculos após um treino intenso para promover circulação sanguínea e aliviar as dores. Misture-o com óleo de menta ou óleo de camomila romana para um efeito extra de cura e alívio.
  3. Alivia as dores nas articulações. O ácido ricinoleico do óleo de rícino tem um efeito descongestionante no sistema linfático, que é responsável por coletar o resíduo dos tecidos e levá-lo até a corrente sanguínea para que seja eliminado.

    Se o sistema linfático não estiver funcionando corretamente, como nas pessoas com artrite, surge a dor na articulação. Massagear o óleo de rícino nas articulações pode ajudar a aliviar a congestão e ativar seu sistema linfático.

    Um estudo de 2009 publicado no Phytotherapy Research confirma isso e revela que o óleo de rícino ajuda a aliviar a dor de pacientes com osteoartrite no joelho.
  4. Ajuda a tratar doenças fúngicas. Diz-se que o óleo de rícino é tão eficaz quanto os medicamentos antifúngicos no tratamento de infecções comuns como micose, micose da virilha e pé-de-atleta.

    Basta aquecer o óleo, aplicá-lo na área afetada antes de ir para a cama e deixá-lo de um dia para o outro. Repita por uma semana ou até que a infecção tenha desaparecido totalmente.
  5. Estimula o crescimento saudável do cabelo. Massagear o óleo de rícino no couro cabeludo (e até mesmo nas sobrancelhas) pode estimular os folículos e causar o crescimento adicional de cabelo. Faça isso todas as noites e talvez você veja a melhoria em até duas semanas. O óleo de rícino pode funcionar em áreas que também foram afetadas pela perda de cabelo.
  6. Proporciona uma cor mais intensa ao cabelo. O óleo de rícino fixa a umidade no seu cabelo, dando a ele uma aparência mais abundante e cheia. Para obter esse efeito, aqueça uma colher de sopa do óleo e use as pontas dos dedos para cobrir cada fio, passando os dedos pelas mechas para cobrir o máximo de cabelo possível.
  7. Rímel natural. Derreta uma colher de sopa de cera de abelha em banho-maria, adicione 2 colheres de sopa de carvão vegetal ou cacau em pó (dependendo da cor do seu cabelo) e óleo de rícino e misture até obter a consistência desejada.

    Esse rímel caseiro não contém nenhum ingrediente químico tóxico, diferentemente de outros produtos de beleza convencionais disponíveis. Como alternativa, aplique o óleo de rícino nos cílios todas as noites para deixá-los mais cheios e espessos.
  8. Hidratante para a pele. Os ácidos graxos do óleo de rícino podem nutrir e hidratar a pele seca. Devido à sua natureza viscosa, ele permanece e penetra facilmente no tecido cutâneo.

    Lembre-se que menos é mais — basta esfregar uma colher de chá cheia na palma das mãos e aplicar em toda a pele.
  9. Elimina as manchas e outros problemas de pele. Diga adeus às feias e vergonhosas protuberâncias da pele com a ajuda do óleo de rícino.

    Devido a suas propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias, ele pode ter alguns efeitos benéficos sobre fibromas moles, acne e verrugas. Um estudo publicado no Journal of International Toxicology também revelou que o óleo de rícino pode ter efeitos positivos na dermatite de contato ocupacional.
  10. Ajuda a ter uma boa noite de sono. Diz-se que a aplicação de uma pequena quantidade de óleo de rícino sobre as pálpebras pode ajudar a fazê-lo adormecer com mais facilidade. O óleo de rícino pode promover um sono mais longo e profundo.
  11. É muito eficaz nas cólicas dos bebês. Às vezes, a cólica aparece nos primeiros meses de vida do bebê e pode causar longos períodos de choro em excesso. Sua causa exata ainda é desconhecida embora se acredite que os gases sejam o grande culpado. Para usar o óleo de rícino contra cólica, basta esfregá-lo suavemente sobre o abdômen do seu filho. 
  12. Trata as feridas do seu animal doméstico com segurança. Se você vir pequenos cortes ou ferimentos na pele do seu cachorro ou gato, coloque um pouco de óleo de rícino para ajudar a curar devido aos seus efeitos antimicrobianos e anti-inflamatórios. Se seu animal lambe a ferida (como a maioria dos animais), o óleo não é nocivo, mas pode causar fezes moles.
  13. Pode ser usado como conservante alimentar. Os produtos com grãos secos podem ser revestidos com óleo de rícino não só para evitar que estraguem, mas também para protegê-los contra micróbios e pestes. No entanto, em termos gerais, o consumo de grãos deve ser mínimo para se ter uma saúde ideal.
  14. Lubrificante multiuso. Se você tem itens na casa que precisam de lubrificação, como dobradiças, tesouras ou moedores de carne que rangem, o óleo de rícino funciona perfeitamente. Devido à sua viscosidade consistente, o óleo de rícino não congela, então pode ser usado em temperaturas quentes ou muito frias.

Quando usado de modo tópico, não é necessário misturar o óleo de rícino com um óleo veicular, apenas certifique-se de testar o óleo em uma região pequena da pele para verificar se tem alergia ou reação cutânea.

Além de esfregar ou massagear diretamente sobre a pele, você pode fazer uma compressa de óleo de rícino, que acredito ser o truque final dessa terapia holística. O falecido curador psíquico Edgar Cayce foi o primeiro a promover o uso das compressas de óleo de rícino para cura. Mais tarde, ele foi pesquisado pelo Dr. William McGarey de Phoenix, Arizona.

McGarey, um clínico geral e seguidor dos ensinamentos de Cayce, disse que se usadas adequadamente, as compressas de óleo de rícino podem ajudar muito o sistema imunológico.

Para saber como fazer e usar uma compressa de óleo de rícino, assista a esse vídeo da Associação de Pesquisa e Esclarecimento de Edgar Cayce (Edgar Cayce’s Association for Research and Enlightenment) que busca transformar as vidas através dos ensinamentos de Cayce. (Disponível somente em inglês)

Óleo de rícino pode estimular trabalho de parto — mas recomenda-se extrema cautela

Outro uso popular tradicional do óleo de rícino é como estimulante do trabalho de parto. Pesquisadores descobriram em estudos com ratos que o ácido ricinoleico faz com que os intestinos e o útero se contraiam, estimulando o trabalho de parto. Um estudo revelou que dentre 100 mulheres grávidas examinadas, mais da metade do grupo que recebeu o óleo de rícino entrou em trabalho de parto em um período de 24 horas. No entanto, não recomendo usá-lo dessa forma devido aos possíveis efeitos colaterais prejudiciais. 

Um estudo de 2001 mostrou que todas as mulheres grávidas que receberam óleo de rícino tiveram náusea posteriormente. Outro estudo também alertou que as contrações induzidas pelo óleo de rícino podem causar a passagem de mecônio (primeiras fezes do bebê) enquanto ele ainda está dentro do útero — colocando-o em risco de aspiração do mecônio, podendo provocar doenças respiratórias neonatais. Segundo os autores do estudo:

"A maioria dos efeitos colaterais causados pela ingestão do óleo de rícino inclui fadiga, náusea, vômitos e diarreia. Além disso, o óleo de rícino afetou o índice de APGAR do recém-nascido no primeiro minuto...É muito importante que as mulheres recebam a dose apropriada da parteira ou obstetra antes de tentar a indução com o óleo de rícino".

Você sabia que as sementes de mamona contêm um ingrediente letal?

Apesar de suas propriedades de cura em potencial, você deve saber que a mamona também contém um potente veneno chamado ricina. Encontrada nos grãos de mamona crus e na "pasta" deixada para trás depois do óleo de rícino ser processado, a ricina, se administrada através de transfusão oral, nasal ou intravenosa, evita a síntese proteica e mata suas células.

A ricina é tão potente que a ingestão ou inalação de apenas 1 miligrama pode ser fatal, assim como o consumo de quatro a oito sementes de mamona pode levar à morte. Não existe antídoto para ela; é por isso que a ricina é usada também como um agente químico de guerra.

No entanto, você não precisa se preocupar com o envenenamento de ricina a partir do óleo de rícino, pois ela é extraída dos grãos de mamona durante o processo de fabricação. O Relatório Final do International Journal of Toxicology sobre o óleo de rícino confirma isso, afirmando que a ricina não "se divide" no óleo de rícino, por isso que o óleo é usado com segurança em produtos cosméticos sem qualquer efeito.

Use o óleo de rícino, mas tenha cuidado com os possíveis efeitos colaterais

Assim como com qualquer óleo à base de ervas, recomendo que você use o óleo de rícino com cuidado, já que ele pode apresentar efeitos colaterais negativos. As pessoas com pele sensível podem sofrer reações alérgicas se usarem o óleo de modo tópico, e é por isso que recomendo fazer um teste de contato antes de aplicá-lo abundantemente em grandes regiões na pele.

Se consumido internamente, o ácido ricinoleico que ele contém irritará a mucosa intestinal, que é responsável por aliviar a prisão de ventre. No entanto, isso também pode causar mal-estar e desconforto gastrointestinal, além de tontura e náusea. Portanto, se você sofre de problemas digestivos como síndrome do intestino irritável, úlceras, cólicas, diverticulite, colite ou hemorroidas, aconselho que você não use esse óleo. Aqueles que passaram por cirurgia recentemente também devem evitar o uso do óleo de rícino.

Por fim, certifique-se de comprar o óleo de rícino orgânico de uma fonte conhecida. Muitos dos óleos de rícino comerciais vendidos nas lojas atualmente vêm das sementes de mamona que foram provavelmente pulverizadas com pesticidas ou processadas com solventes e outros agentes poluentes químicos, danificando seus componentes benéficos e até mesmo contaminando o óleo.