Óleo de Krill

Resumo da matéria

  • O óleo de krill é muitas vezes comparado ao óleo de peixe, mas existem várias diferenças entre os dois que fazem do óleo de krill uma opção mais ideal
  •  A deficiência de ômega-3 pode aumentar o risco de uma série de doenças importantes, como diabetes tipo 2, doenças cardíacas, doença de Parkinson e Alzheimer, câncer, artrite e outras - e talvez até acelerar o processo de envelhecimento
  • O óleo de krill é a forma mais ambientalmente sustentável de ômega-3 de origem animal, e a colheita dele é estritamente regulamentada. Uma nova organização também permitirá que os cientistas conduzam pesquisas ambientais importantes enquanto ajudam a garantir a sustentabilidade da pesca de krill no Antártico
Artigo Anterior Próximo Artigo

Pesquisa Demonstra a Superioridade do Óleo de Krill Comparado Ao Óleo de Peixe

6 Março 2017 | 3,442 Visualizações |

Por Dr. Mercola

Já há muitos anos a minha fonte favorita de gorduras omega-3 — se você não está regularmente comendo de fontes seguras de frutos do mar como o salmão selvagem do Alasca, sardinhas ou anchovas - tem sido o óleo de krill. Na verdade, fui um dos primeiros a promover o krill como uma fonte excepcional de ômega-3 de origem animal.

O óleo de krill é muitas vezes comparado ao óleo de peixe, mas há realmente uma série de diferenças entre os dois que fazem do krill uma opção mais ideal. Fui inicialmente criticado pela minha recomendação de krill como uma opção mais saudável e ambientalmente mais amigável do que o óleo de peixe.

Mas ao longo dos anos o krill começou a receber mais atenção por parte dos pesquisadores, e cada vez que um novo estudo sobre o óleo de krill aparecia nas revistas, sua lista de benefícios à saúde crescia ainda mais e as diferenças entre o óleo de peixe e o óleo de krill se tornavam mais claras.

Vantagens do Óleo de Krill Sobre o Óleo de peixes

Maior potência

Estudos têm mostrado que o óleo de krill pode ser 48 vezes mais potente do que o óleo de peixe. Isso significa que você precisa de uma quantidade muito menor dele do que do óleo de peixe, como confirmado por um estudo de 2011 publicado na revista Lipids.

Os pesquisadores deram aos participantes do estudo menos de 63% do EPA / DHA baseado em krill do que ao grupo que usou óleo de peixe, mas ambos os grupos mostraram níveis sanguíneos equivalentes - o que significa que o krill era mais potente.

Contém fosfolipídios

Ácidos graxos são solúveis em água, mas não podem ser transportados na sua forma livre no sangue - eles precisam de uma "embalagem" feita de veículos de lipoproteína. No óleo de krill, a gordura ômega-3 é anexada a fosfolípides, o que significa que seu corpo pode facilmente absorvê-la.

No óleo de peixe, os ômega-3 são ligados aos triglicérides que devem ser quebrados em seu intestino para seus ácidos graxos básicos de DHA e EPA. Cerca de 80 a 85 por cento do total é simplesmente eliminado no seu intestino. Estudos confirmam que o óleo de krill é absorvido de 10 a 15 vezes melhor que o óleo de peixe.

Ele é também capaz de atravessar eficientemente a barreira hematoencefálica para atingir importantes estruturas cerebrais.

Os fosfolipídios são também um dos principais compostos de high-density lipoproteins (lipoproteínas de alta densidade-HDL), que são benéficos, e ao permitir que suas células mantenham a integridade estrutural, os fosfolipídios ajudam suas células a funcionar adequadamente.

Contém fosfatidilcolina

Quando você consome óleo de peixe, seu fígado tem que ligá-lo à fosfatidilcolina para que ele seja utilizado pelo seu corpo. O óleo de krill já contém fosfatidilcolina, o que é outra razão para sua biodisponibilidade superior.

A fosfatidilcolina é composta parcialmente de colina, o precursor do neurotransmissor vital acetilcolina, que envia sinais nervosos para o seu cérebro e para a trimetilglicina, que protege o fígado.

A colina é importante para o desenvolvimento do cérebro, aprendizagem e memória. Na verdade, a colina desempenha um papel vital no desenvolvimento do cérebro fetal e infantil, por isso ela é particularmente importante se você está grávida ou amamentando.

Resiste à oxidação

O óleo de peixe é bastante propenso à oxidação, e a oxidação leva à formação de radicais livres. Consumir radicais livres aumenta ainda mais sua necessidade de antioxidantes.

O óleo de peixe é muito baixo em antioxidantes, ao passo que o óleo de krill contém astaxantina — provavelmente o mais potente antioxidante na natureza - razão pela qual o óleo de krill é tão estável e resistente à oxidação.

As avaliações independentes de Oxygen Radical Absorbance Capacity (Capacidade de Absorção do Radical Oxigênio-ORAC) estabeleceram que o óleo de krill (cortesia da astaxantina) tem mais de 300 vezes o poder antioxidante da vitamina A e da vitamina E; 47 vezes a da luteína; mais de 34 vezes o poder antioxidante da CoQ10.

Livre de contaminantes

Os peixes são muito propensos à contaminação por mercúrio e outros metais pesados, devido à poluição generalizada da água. O krill antártico não é propenso a esta contaminação.

Não só eles são obtidos de águas mais limpas, mas já que o krill se encontra na parte mais baixa da cadeia alimentar, ele se alimenta de fitoplâncton e não de outros peixes contaminados.

Ecologicamente sustentável

O krill é muito mais sustentável do que o peixe porque é a maior biomassa do mundo, fazendo da pesca de krill uma das práticas mais sustentáveis do planeta. A colheita de krill também é cuidadosamente regulada, e apenas 1 a 2 por cento da biomassa total de krill é colhida a cada ano.

A população de krill é monitorada pela Commission for the Conservation of Antarctic Marine Living Resources (Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos -CCAMLR). O Marine Stewardship Council (Conselho de Administração Marinha -MSC) certifica que a colheita é feita de acordo com critérios de sustentabilidade rigorosos para evitar a sobrepesca.

Influência metabólica superior

Os pesquisadores descobriram que o óleo de krill é muito superior ao óleo de peixe quando se trata de ter uma influência benéfica sobre a sua expressão genética e metabolismo.

Os genes têm "interruptores" que podem ser ligados e desligados, que controlam praticamente todos os processos bioquímicos em seu corpo, e nutrientes como gorduras ômega-3 controlam esses interruptores.

Os ácidos graxos ajudam a direcionar processos metabólicos, como produção de glicose, síntese lipídica, energia celular, oxidação e dezenas de outros. Agora sabemos que vários tipos e fontes de gordura ômega-3 afetam o tecido do fígado de forma diferente, que é o que um estudo de 2011 em Frontiers in Genetics foi idealizado para examinar.

Ele comparou os fígados de camundongos alimentados com óleo de krill àqueles alimentados com óleo de peixe, observando a expressão gênica desencadeada por cada um. Embora o óleo de peixe e óleo de krill contenham ômega-3, eles diferem muito na maneira como afetam os genes que controlam seu metabolismo. O óleo de krill:

  •  Melhora o metabolismo da glicose no fígado, ao passo que o óleo de peixe não faz isso
  • Promove o metabolismo lipídico; o óleo de peixe não
  • Ajuda a regular a cadeia respiratória mitocondrial; o óleo de peixe não
  • Diminui a síntese de colesterol, enquanto que o óleo de peixe aumenta

Assim, o óleo de krill ajudará a baixar seus níveis do triacilglicerol e colesterol e aumentará sua produção de energia, enquanto que o óleo de peixe não faz nenhum dos dois.

No ano passado, um estudo italiano confirmou que o óleo de krill ajuda a melhorar o metabolismo de lipídios e glicose e a função mitocondrial, o que pode ajudar a proteger contra a esteatose hepática causada por uma dieta pouco saudável (como dietas ricas em gorduras insalubres).

Ao estimular certas vias metabólicas mitocondriais, incluindo a oxidação de ácidos graxos, complexos de cadeias respiratórias e o ciclo de Krebs, o óleo de krill ajuda a restaurar um metabolismo energético mitocondrial saudável.

O Óleo de Krill Pode Melhorar Dúzias de Doenças

Doença cardiovascular, hiperlipidemia; diminui a pressão arterial, níveis de triglicérides 7 e o colesterol LDL (ruim), e aumenta o colesterol HDL (bom).

A pesquisa sugere até mesmo que o ômega-3 do óleo de krill pode superar as estatinas se somado a exercícios para abaixar o colesterol.
Em um estudo, seis semanas de suplementação baixaram os níveis de colesterol em 33 por cento.

Enquanto isso, pacientes tomando uma medicação feita de estatina combinada com uma dieta de baixo teor de gordura e exercícios diários durante vários meses baixaram o seu colesterol em uma média de 20 por cento.

Inflamação, redução da proteína C reativa

Estresse oxidativo

Artrite: Osteoartrite e artrite reumatóide  (RA).

Em um estudo, 300 mg de óleo de krill por dia reduziram significativamente a inflamação, dor, rigidez e comprometimento funcional após apenas sete dias e ainda mais profundamente após 14 dias.

Síndrome metabólica, incluindo obesidade, fígado gorduroso e diabetes tipo 2 (reduzindo a inflamação e açúcar no sangue)

Síndrome pré-menstrual (TPM) e dismenorreia

Disfunção neurológica/cognitiva, incluindo: perda de memória, envelhecimento cerebral, distúrbios de aprendizagem e TDAH, autismo e dislexia, Doença de Parkinson

Câncer de cólon

Doenças renais

Doença de Crohn

Doenças autoimunes, tais como lúpus e nefropatia

Previne o parto prematuro e promove o desenvolvimento do cérebro infantil

Parceria Única Garante a Sustentabilidade Enquanto Promove a Pesquisa

Como mencionado, a biomassa antártica do krill está sob a supervisão de uma organização internacional de 25 países chamada de Commission for the Conservation of Antarctic Marine Living Resources (CCAMLR). Ela é responsável pela gestão da pesca sustentável do krill e pelo monitoramento do estoque de krill.

A CCAMLR está bem organizada e desenvolveu programas de pesquisa robustos para ajudar a garantir medidas de conservação bem-sucedidas no Oceano Antártico. Eles também têm a autoridade para fazer microgestão adicional, numa base de estação a estação, para neutralizar quaisquer preocupações que possam ter sobre a força da população de krill durante uma época de colheita em particular.

Além disso, o MSC certifica que os navios de pesca de krill o colham em conformidade com critérios de sustentabilidade rigorosos. O krill antártico da Aker BioMarine é certificado pelo MSC desde 2010. A Aker BioMarine também fornece apoio financeiro a instituições científicas, e permite que cientistas independentes usem suas plataformas de pesquisa a bordo sem nenhum custo.

Por cinco dias ao ano, eles também permitem que cientistas independentes os acompanhem em áreas específicas para documentar os impactos ambientais no krill e em predadores que dependem do krill para a sua sobrevivência.

No ano passado,a Aker BioMarine cofundou o Antarctic Wildlife Research Fund (Fundo de Pesquisa da Vida Selvagem Antártica-AWR), que é uma colaboração entre cientistas, empresas - incluindo Mercola.com - e os principais grupos ambientalistas.

O objetivo é angariar fundos para a pesquisa do krill e seu papel no ecossistema antártico. De acordo com o presidente da AWR Mark Epstein, "A criação do Antarctic Wildlife Research Fund é crucial para expandir o nosso conhecimento sobre as populações de krill no Oceano Antártico", e estou orgulhoso de apoiar este esforço para garantir a conservação da Antártida.
Você pode acompanhar o progresso dos cientistas financiados pela AWR no site Extreme Scientist. Abaixo está um vídeo feito por alguns dos investigadores que trabalham neste lugar frio e bonito.

A Maioria das Pessoas Pode se Beneficiar da Suplementação Com Ômega-3

Embora eu recomende que se obtenha a maior parte de suas necessidades nutricionais com comida de verdade, existem casos em que a suplementação faz grande sentido. O ômega-3 de origem animal é um deles, já que a maioria dos peixes realmente está demasiadamente contaminada para se comer grandes quantidades de forma segura. (Exceções incluem salmão do Alasca capturado no meio selvagem e peixes gordurosos menores como sardinhas e anchovas.)

Não se engane, as gorduras ômega-3 de origem animal são realmente decisivas para uma saúde excelente, e muitos americanos são extremamente deficientes deste nutriente. Para piorar, a maioria das pessoas também consome demasiadas gorduras ômega-6 danificadas, encontradas nos óleos vegetais e em alimentos processados.

De acordo com a pesquisa publicada em 2009, a deficiência de ômega-3 pode causar ou contribuir para até 96.000 mortes prematuras por ano. Baixas concentrações de EPA e DHA demonstraram que resultam em um risco maior de morte por todas as causas e aceleram o declínio cognitivo. Aqueles que sofrem de depressão também demonstraram ter níveis mais baixos de ômega-3 no sangue do que indivíduos não deprimidos.

Independentemente da sua idade e sexo, adicionar um suplemento de ômega-3 de origem animal de alta qualidade como óleo de krill em sua dieta diária é uma das estratégias mais simples e mais eficazes que você pode implementar para proteger sua saúde. As mulheres grávidas precisam prestar especial atenção a este conselho, já que a maioria das mulheres têm grandes deficiências desta gordura, e isso pode significar problemas para seu filho.

É importante perceber que seu corpo não pode fabricar gorduras ômega-3, por isso um feto deve obter todas as suas gorduras ômega-3 da dieta de sua mãe. Portanto, a ingestão dietética de uma mãe e as concentrações plasmáticas de DHA influenciam diretamente o estado de DHA do feto em desenvolvimento, o que pode afetar o desenvolvimento do cérebro e a saúde ocular de seu filho.

Da mesma forma, crianças sendo amamentadas são dependentes da gordura ômega-3 do leite materno, por isso é essencial que as mulheres tenham suprimentos adequados de ômega-3 para melhorar tanto a sua própria saúde quanto a do seu filho durante este tempo.

Considerações A Se Fazer Ao Se Comprar Suplementos de Óleo de Krill

  • Certifique-se de que seja feito de krill antártico, pois é de longe o mais abundante.
  • Verifique se a empresa possui uma certificação de sustentabilidade válida do MSC, que garante que ela é colhida de acordo com os padrões internacionais de conservação.
  • O óleo de krill deve ser processado a frio para preservar seus benefícios biológicos. Certifique-se de que não foi usado hexano para extrair o óleo do krill. Infelizmente, alguns dos óleos de krill mais populares no mercado usam este agente químico perigoso.
  • O óleo também deve estar livre de metais pesados, PCBs, dioxinas e outros contaminantes.
  • • As cápsulas duras são preferíveis a cápsulas moles porque estas últimas permitem que mais oxigênio alcance o conteúdo, o que promove a oxidação (isto é, acelera a rancidez). Na ausência de oxigênio, não pode ocorrer oxidação.

Óleo de Krill Possui Muitos Benefícios e Praticamente Nenhuma Desvantagem

Como você pode ver, o óleo de krill supera o óleo de peixe regular em uma série de maneiras diferentes. Para começar, você precisa de muito menos para obter os mesmos resultados, por isso é uma escolha mais acessível.

E, embora a gordura ômega-3 de origem animal seja importante para a saúde geral, o ômega-3 do óleo de krill parece ser particularmente eficaz em sustentar níveis normais de lipídios e a saúde cardiovascular.

Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.