Deficiência de Magnésio

Resumo da matéria

  • Apenas cerca de 25 por cento dos adultos estão recebendo a quantidade diária recomendada de magnésio (e mesmo isso pode não ser o suficiente)
  • A deficiência de magnésio pode desencadear 22 problemas de saúde, de ansiedade a diabetes
  • Os primeiros sinais de deficiência de magnésio incluem perda de apetite, dor de cabeça, náuseas, fadiga e fraqueza
Artigo Anterior Próximo Artigo

Magnésio: Uma Deficiência Invisível que Pode Estar Prejudicando a sua Saúde

8 Maio 2017 | 8,553 Visualizações |


Por Dr. Mercola

O magnésio é um mineral usado por todos os órgãos do corpo, especialmente o coração, os músculos e os rins. Se você sofre de fadiga ou fraqueza inexplicadas, ritmos cardíacos anormais ou mesmo espasmos musculares ou contração ocular, seus baixos níveis de magnésio podem ser os culpados.

Se você fez recentemente um exame de sangue, você pôde supor que ele mostraria uma deficiência de magnésio. Mas apenas 1 por cento do magnésio no seu corpo é distribuído através do seu sangue, fazendo uma amostra simples de magnésio de um exame de sangue de soro de magnésio não ser muito útil.

A maior parte do magnésio é armazenada em seus ossos e órgãos, onde é usada para muitas funções biológicas. No entanto, é bem possível ser deficiente e não saber disso, razão pela qual a deficiência de magnésio foi apelidada de "deficiência invisível.”

De acordo com algumas estimativas, até 80 por cento dos americanos não estão recebendo o suficiente de magnésio e podem estar deficientes. Outras pesquisas mostram que apenas cerca de 25 por cento dos adultos nos EUA estão recebendo a quantidade diária recomendada de 310 a 320 miligramas (mg) para as mulheres e de 400 a 420 miligramas (mg) para os homens.

Ainda mais preocupante, consumir até essa quantidade é "apenas o suficiente para afastar a deficiência completa", de acordo com a Dra. Carolyn Dean, uma médica e naturopata.

A Deficiência de Magnésio Pode Desencadear 22 Problemas de Saúde

O magnésio é muitas vezes considerado principalmente um mineral para o seu coração e ossos, mas isso é falso. Os pesquisadores já detectaram 3.751 locais de ligação com o magnésio em proteínas humanas, indicando que seu papel na saúde e doença humanas pode ter sido amplamente subestimado.

O magnésio também é encontrado em mais de 300 enzimas diferentes no seu corpo e desempenha um papel nos processos de desintoxicação do seu corpo, fazendo dele um elemento importante em ajudar a se evitar danos causados por produtos químicos ambientais, metais pesados e outras toxinas. Além disso, o magnésio é necessário para:

  • Ativar os músculos e nervos
  • Criar energia em seu corpo ativando adenosina trifosfato (ATP)
  • Ajudar na digestão de proteínas, carboidratos e gorduras
  • Servir como um bloco de construção para a síntese de RNA e DNA
  • Atuar como precursor de neurotransmissores como a serotonina

A Dra. Dean estuda e escreve sobre magnésio há mais de 15 anos. A última edição de seu livro, The Magnesium Miracle (O Milagre do Magnésio), saiu em 2014 e você pode aprender sobre 22 problemas médicos que a deficiência de magnésio desencadeia ou causa, todos eles cientificamente comprovados. Isso inclui:

Ansiedade e ataques de pânico

Asma

Coágulos de sangue

Doenças intestinais

Cistite

Depressão

Desintoxicação

Diabetes

Fadiga

Doença cardíaca

Hipertensão

Hipoglicemia

Insônia

Doença renal

Doença hepática

Enxaqueca

Doenças musculoesqueléticas (fibromialgia, câimbras, dor crônica nas costas, etc.)

Problemas dos nervos

Problemas Obstétricos e ginecológicos (TPM, infertilidade e pré-eclâmpsia)

Osteoporose

Fenômeno de Raynaud

Cáries

 

 

Os primeiros sinais da deficiência de magnésio incluem perda de apetite, dor de cabeça, náuseas, fadiga e fraqueza. Uma deficiência contínua de magnésio pode levar a sintomas mais graves:

Dormência e formigamento

Contrações e câimbras musculares

Convulsões

Alterações de personalidade

Ritmos cardíacos anormais

Espasmos coronários

O Papel do Magnésio na Diabetes, Câncer e Mais

A maioria das pessoas não pensa sobre o magnésio quando pensa sobre como prevenir doenças crônicas, mas ele desempenha um papel essencial. Por exemplo, existem diversos estudos significativos sobre o papel do magnésio em manter seu metabolismo funcionando eficientemente— especialmente em termos de sensibilidade à insulina, regulação da glicose e proteção contra a diabetes tipo 2.

Uma maior ingestão de magnésio reduz o risco de ter o metabolismo da glicose e da insulina prejudicados e retarda a progressão da pré-diabetes para a diabetes na meia-idade. Os pesquisadores declararam que: "A ingestão de magnésio pode ser particularmente benéfica para compensar o risco de desenvolver diabetes, se você possui um alto risco."

Múltiplos estudos também demonstraram que uma maior ingestão de magnésio  está associada a uma maior densidade mineral óssea tanto em homens quanto em mulheres, e uma pesquisa feita na Noruega até mesmo identificou uma associação entre o magnésio na água potável e um menor risco de fraturas de quadril.

O magnésio pode até mesmo ajudar a reduzir o risco de câncer, e um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition mostrou que uma maior ingestão de magnésio na dieta foi associada a um menor risco de tumores colorretais.

Os resultados da meta-análise indicaram que, para cada 100 mg de aumento na ingestão de magnésio, o risco de tumor colorretal diminuía em 13 por cento, enquanto o risco de câncer colorretal era reduzido em 12 por cento. Os pesquisadores observaram que os efeitos anticancerígenos do magnésio podem estar relacionados à sua capacidade de reduzir a resistência à insulina, o que pode afetar positivamente o desenvolvimento de tumores.

Fatores Surpreendentes que Influenciam Seus Níveis de Magnésio

Algas e vegetais de folhas verdes como o espinafre e a acelga podem ser excelentes fontes de magnésio, como o são alguns grãos, nozes e sementes, como as da abóbora, girassol e sementes de gergelim. Os abacates também contêm magnésio. Fazer juicing com seus vegetais é uma excelente opção para garantir que você está recebendo quantidade suficiente dele em sua dieta.

No entanto, a maioria dos alimentos cultivados hoje é deficiente em magnésio e em outros minerais, portanto conseguir quantidade suficiente dele não é simplesmente uma questão de comer alimentos ricos em magnésio (embora isso seja importante também). De acordo com a Dra. Dean:

“O magnésio é cultivado a partir do solo muito mais do que o cálcio... Cem anos atrás, conseguiríamos talvez 500 miligramas de magnésio em uma dieta comum. Agora temos sorte se conseguirmos 200 miligramas.”

Herbicidas como o glifosato também atuam como quelantes, efetivamente bloqueando a absorção e utilização de minerais em tantos dos alimentos cultivados atualmente. Como resultado disso, pode ser bem difícil encontrar alimentos realmente ricos em magnésio. Cozinhar e processar esgota ainda mais o magnésio.

Enquanto isso, certos alimentos podem na verdade influenciar a absorção de magnésio pelo seu corpo. Se você beber álcool em excesso, por exemplo, isso pode interferir na absorção de vitamina D do seu corpo, que por sua vez é útil na absorção de magnésio. Se você comer muito açúcar, isso também pode fazer com que seu corpo excrete magnésio através de seus rins, “resultando em uma perda de líquido", de acordo com a Dra. Danine Fruge, diretora médica associada da Pritikin Longevity Center, na Flórida. Os seguintes fatores também estão associados a menores níveis de magnésio:

  • Ingestão excessiva de refrigerante ou cafeína
  • Menopausa
  • Idade mais avançada (os adultos mais velhos são mais suscetíveis a ser deficientes em magnésio porque a absorção diminui com a idade e os idosos são mais suscetíveis a tomar remédios que podem interferir na absorção)
  • Certos remédios, incluindo diuréticos, certos antibióticos (como gentamicina e tobramicina), corticosteróides (prednisona ou Deltasone), antiácidos e insulina
  • Um sistema digestivo insalubre, que prejudica a capacidade do seu corpo de absorver magnésio (doença de Crohn, intestino permeável, etc.)

O Cálcio, a Vitamina K2 e a Vitamina D Devem ser Equilibrados com Magnésio

Pode parecer que você poderia remediar os riscos de se ter pouco magnésio simplesmente tomando um suplemento, mas não é assim tão simples. Quando você está tomando magnésio, você também precisa considerar o cálcio, a vitamina D3 e a vitamina K2, já que todos estes trabalham sinergicamente uns com os outros. Quantidades excessivas de cálcio sem o contrapeso do magnésio podem levar a um ataque cardíaco e morte súbita, por exemplo.

Se você tem muito cálcio e não tem magnésio suficiente, seus músculos tendem a ter espasmos, e isso tem consequências, particularmente para o seu coração. "O que acontece é que a função do músculo e do nervo pelos quais o magnésio é responsável é diminuída. Se você não tem bastante magnésio, seus músculos entram em espasmo. O cálcio faz com que o músculo se contraia. Se você tivesse um equilíbrio, os músculos fariam o que devem fazer. Eles relaxam, contraem-se e criam sua atividade”, explica a Dra. Dean.

Ao equilibrar o cálcio e magnésio, também tenha em mente que as vitaminas K2 e D precisam ser consideradas. Estes quatro nutrientes realizam juntos uma dança intrincada, com um apoiando o outro. A falta de equilíbrio entre esses nutrientes é uma das razões pelas quais os suplementos de cálcio se tornaram associados a um aumento no risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais e por que algumas pessoas experimentam toxicidade por vitamina D.

Parte da explicação para estes efeitos colaterais adversos é que a vitamina K2 mantém o cálcio em seu lugar apropriado. Se você for deficiente em K2, o cálcio adicionado pode causar mais problemas do que resolver, acumulando-se nos lugares errados, como nos tecidos moles.

Da mesma forma, se você optar por uma vitamina D oral, você também precisa consumi-la em seu alimento ou tomar suplemento de vitamina K2 e mais magnésio. Tomar megadoses de suplementos de vitamina D sem quantidades suficientes de K2 e magnésio pode levar à toxicidade da vitamina D e sintomas de deficiência de magnésio, que incluem a calcificação inadequada que pode danificar o coração.

Dicas Para Aumentar Seus Níveis de Magnésio

Uma maneira de realmente aumentar o seu magnésio, bem como muitos outros nutrientes importantes de origem vegetal, é fazer juicing com seus legumes. Eu normalmente bebo de 473 ml a 946 ml de suco de vegetais verdes frescos todos os dias, e esta é uma das minhas principais fontes de magnésio. Alimentos orgânicos podem ter mais magnésio se foram cultivados em solos ricos em nutrientes, mas é muito difícil fazer essa determinação.

Se você optar por um suplemento, esteja ciente de que há uma grande variedade de suplementos de magnésio no mercado, porque o magnésio deve estar ligado a outra substância. Não existe um suplemento com 100% de magnésio.

A substância utilizada em qualquer composto pode afetar a absorção e a biodisponibilidade do magnésio e pode proporcionar benefícios à saúde ligeiramente diferentes ou direcionados. A tabela a seguir resume algumas das diferenças entre as várias formas. O treonato e o citrato de magnésio são algumas das melhores fontes, pois parecem ser capazes de penetrar as membranas celulares, incluindo a sua mitocôndria, o que resulta em níveis mais elevados de energia.

Além disso, ele também penetra sua barreira hematoencefálica e parece fazer maravilhas no tratamento e prevenção da demência e na melhora da memória. Se você tomar um suplemento, você pode usar o "teste intestinal" para determinar se está tomando muito magnésio. A Dra. Dean explica:

“A melhor maneira de saber se você está conseguindo magnésio suficiente é o "teste intestinal". Você sabe que tem muito magnésio quando suas fezes se tornam soltas. Isso, de fato, pode ser uma bênção para as pessoas com prisão de ventre... [que] é uma das muitas maneiras pelas quais a deficiência de magnésio se manifesta.”

Além de tomar um suplemento, outra maneira de melhorar a sua situação de magnésio é tomar banhos de sulfato de magnésio (também conhecido como Sal de Epsom) regularmente ou escalda-pés. O Sal de Epsom é um sulfato de magnésio que pode ser absorvido pelo seu corpo através da sua pele. O óleo de magnésio também pode ser usado para aplicação tópica e absorção.

Qualquer que seja o suplemento que você escolher, certifique-se de evitar qualquer um que contenha estearato de magnésio, um aditivo comum, mas potencialmente perigoso.

Glicinato de magnésio é uma forma quelatada de magnésio que tende a fornecer os mais altos níveis de absorção e biodisponibilidade e é tipicamente considerado ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência.

Óxido de magnésio é um tipo não quelatado de magnésio, ligado a um ácido orgânico ou um ácido graxo. Contém 60 por cento de magnésio, e tem propriedades de amolecimento de fezes

Cloreto de magnésio / Lactato de magnésio contém apenas 12 por cento de magnésio, mas tem uma absorção melhor do que os outros, como o óxido de magnésio, que contém cinco vezes mais magnésio

Sulfato de magnésio / Hidróxido de magnésio (leite de magnésia) são tipicamente usados como laxantes. Esteja ciente de que é fácil sofrer uma overdose com estes, por isso SOMENTE os tome conforme orientado

Carbonato de magnésio, que possui propriedades antiácidas, contém 45% de magnésio

Taurato de magnésio contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido. Juntos, eles tendem a proporcionar um efeito calmante em seu corpo e mente

Citrato de magnésio é o magnésio com ácido cítrico, que como a maioria dos suplementos de magnésio tem propriedades laxantes, mas é bem absorvido e econômico

Treonato de magnésio é um tipo mais novo, emergente, de suplemento de magnésio que parece promissor, principalmente devido à sua habilidade superior de penetrar a membrana mitocondrial, e pode ser o melhor suplemento do magnésio no mercado

Recursos e Referências

Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.