Um Suplemento Pode Ajudar na Prevenção de Cálculos Renais?


Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Qualquer pessoa que já tenha experimentado a dor (e, por vezes, agonia) causada por um cálculo renal pode ter pensado: “Não seria ótimo se fosse descoberto algo que pudesse preveni-la?"

Como frequentemente acontece na ciência, tais desejos são os mesmos dos pesquisadores. Neste exemplo, um suplemento dietético com poder de dissolver os pequenos causadores de problemas antes que estes causem estragos no organismo pode ser a solução.

Pesquisadores da Universidade de Houston (UH) estão chamando-o de possível “ferramenta de prevenção”. Você pode estar pensando que, se ele pode realmente fazer com que isto aconteça, ele é provavelmente um medicamento maravilhoso.

Cristais de oxalato de cálcio, que compõem a base destes instantâneos, porém poderosos causadores de problemas, são essencialmente depósitos de mineral rígido que se formam nos rins.

O problema começa quando eles se alojam no trato urinário e ficam estáticos. Um ou mais cálculos podem restringir o fluxo urinário, causando outro nível de desconforto. De acordo com o site MedicineNet.com:

"Cristais de oxalato de cálcio são os componentes mais comuns dos cálculos que se formam nos rins, [são os] depósitos de mineral que se formam dentro dos rins. Eles podem ficar presos no trato urinário, bloqueando a micção e causando uma dor enorme."

Se o cálculo for pequeno, ele pode passar pelo trato urinário sem ser percebido. Porém, se for um cálculo grande, não é nada agradável. O jornal Daily Mail relatou que na Hungria, o maior cálculo renal já registrado pesava cerca de 1,13 kg. É desnecessário dizer que cálculos maiores necessitam de procedimento cirúrgico para serem retirados.

Sintomas de Cálculos Renais

A localização técnica para os cálculos renais é o tubo que conecta o rim à bexiga, chamada de ureter. Quando eles se desenvolvem, os sintomas previamente mencionados podem incluir:

  • Urgência persistente de urinar
  • Febre e calafrios (indicando infecção)
  • Urina com sangue e/ou turva
  • Dor ao urinar
  • Episódios de dor com duração de 20 minutos a uma hora
  • Náusea e/ou vômito
  • Dor irradiando para baixo na lateral do corpo e de volta na virilha e baixo abdômen 

Hidroxicitrato Proveniente da Garcinia Cambogia: Possível Prevenção de Desenvolvimento de Cálculos Renais

Um estudo, publicado na Nature em meados de 2016 descreveu o desenvolvimento de um suplemento para cálculos renais, um extrato de um composto chamado hidroxicitrato proveniente da fruta asiática garcinia cambogia, também conhecida como tamarindo Malabar.

O Hidroxicitrato é capaz de, sob determinadas condições, não somente dissolver os cristais, porém igualmente inibir seu crescimento. Se tudo acontecer da forma como se espera, o hidroxicitrato seria o avanço mais dramático no tratamento de cálculos renais em três décadas.

Cientistas esperam que o suplemento seja uma alternativa viável ao citrato de potássio (tal como a marca Urocit-K) o qual, embora seja um aliviador eficaz da dor causada pela passagem do cálculo pelo rim, geralmente causa efeitos colaterais, contrariando o infortúnio que ele foi projetado para solucionar:

  • Dor de estômago
  • Náusea
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Arritmia cardíaca

No entanto, ainda não foram realizados testes rigorosos em humanos. Na verdade, o suplemento ainda é apenas um conceito, porém um conceito que faz sentido. Jeffrey Rimer, autor líder do estudo e professor associado ao engenheiro químico da UH, informou que ele e seus colegas conduziram uma combinação de estudos, alguns experimentais.

Estudos que Envolvem o Hidroxicitrato

De acordo com o jornal Science Daily, em estudos comparativos realizados com citrato (CA) contra o hidroxicitrato (HCA), ambos inibiram o crescimento de cristais de oxalato de cálcio, porém o último foi “mais potente e demonstrou qualidades ímpares que são vantajosas para o desenvolvimento de novas terapias".

"A equipe de pesquisadores, então, usou microscopia de força atômica, ou MFA, para estudar interações entre os cristais CA e HCA sob reais condições de crescimento. A técnica permitiu a eles registrar o crescimento de cristais em tempo real com resolução próxima à molecular.

[Jihae] Chung [aluno de pós-graduação da UH que trabalhou no estudo] notou que as imagens da AFM registraram os cristais realmente encolhendo ao ser expostos a concentrações específicas de HCA.

Rimer suspeitou que os resultados iniciais fossem uma anormalidade, pois é raro ver um cristal realmente dissolver em soluções de crescimento altamente super saturadas. Os inibidores mais eficazes relatados na literatura simplesmente param o crescimento dos cristais."

O que Chung verificou demonstrou-se preciso, promovendo o próximo passo: determinação de como e por que os cristais encolheram. Outros dois autores do estudo aplicaram a teoria da densidade funcional (TDF):

"… [Um] método computacional altamente preciso usado para estudar a estrutura e as propriedades do material, para entender como o HCA e o CA ligam-se ao cálcio e aos cristais de oxalato de cálcio.

Eles descobriram que o HCA formava uma ligação mais forte com as superfícies dos cristais, induzindo uma estirpe que é aparentemente aliviada pela liberação do cálcio e do oxalato, levando à dissolução do cristal. " 

O próximo passo requeria que humanos fossem incluídos nos testes de forma que sete participantes tomaram hidroxicitrato por três dias, que era tempo suficiente para que os pesquisadores estabelecessem que ele fosse expelido pela urina, o que era um dos requisitos para uso do suplemento como tratamento.
Embora a segurança em longo prazo necessite ser estabelecida, assim como as dosagens e novos testes em humanos, Rimer acredita que os resultados iniciais sejam promissores:

"Se ele funcionar in vivo, de forma similar aos testes em laboratório, o HCA possui o potencial para reduzir a taxa de incidência de pessoas com doenças crônicas causadas por cálculos renais."

Giannis Mpourmpakis, Ph.D., outro autor do estudo e professor assistente de engenharia química e de petróleo da Escola Swanson de Engenharia da Universidade de Pittsburgh, disse:

"Ficamos muito entusiasmados em identificar um mecanismo nível molecular sob o qual o oxalato de cálcio cresce e degrada-se em seu ambiente natural. Eventualmente, isto irá nos ajudar a controlar o ciclo de vida dos cristais."

Estatísticas Relacionadas a Cálculos Renais

Os rins mais saudáveis funcionam de diversas formas para a saúde ótima. Mais importante ainda, os rins filtram todo o sangue do organismo a cada meia hora, removendo resíduos e excesso de fluido, de acordo com a Fundação Nacional dos Rins. Eles igualmente:

  • Regulam o nível de fluido
  • Ativam a vitamina D para manter os ossos fortes
  • Liberam o hormônio para produção de células vermelhas
  • Mantêm os minerais do sangue em equilíbrio
  • Liberam um hormônio regulador do sangue

Mais de meio milhão de pessoas nos EUA chegam à sala de emergência para alívio da dor que é considerada excruciante causada por cálculos renais. Infelizmente, a condição está tornando-se mais e mais predominante. Até este momento, elas afetam estimados 12 por cento de homens e 7 por cento de mulheres. O jornal Harvard Health relata:

"Para muitas pessoas, cálculos renais não são uma coisa única: Em cerca de metade das pessoas que já teve um, outro aparece dentro de sete anos se medidas preventivas não forem tomadas. A maioria dos cálculos ocorre quando o cálcio combina-se a uma de duas substâncias: oxalato e fósforo. Os cálculos podem igualmente formar-se a partir do ácido úrico, sendo formados conforme o organismo metaboliza a proteína."

  • Pressão alta e diabetes são as duas causas líderes de doenças renais
  • Cerca de 26 milhões de americanos adultos possuem doença renal e não sabem
  • Um em cada 3 americanos adultos está atualmente em risco
  •  Doenças renais são a nona causa líder de óbito nos EUA
  • Todo ano, doenças renais matam mais pessoas do que câncer de mama ou próstata
  •  Afro-americanos estão 3,5 vezes mais suscetíveis à insuficiência renal
  • Uma vez que o rim não funciona, diálise ou transplante de rim é necessário
  • Em 2013, mais de 47.000 americanos morreram devido a doenças renais
  • Todo dia, 13 pessoas morrem na fila de transplante de rim

Cálculos renais igualmente aumentam o risco de desenvolvimento de doenças renais crônicas. Uma séria estatística inclui:

Formas de Prevenção do Desenvolvimento de Cálculos Renais

A maioria dos médicos sabe que uma das causas mais predominantes do desenvolvimento de cálculos renais (conhecida como nefrolitíase) é a desidratação, portanto, beber muita água é uma das melhores formas de evitar seu desenvolvimento.  Condições como diabetes, pressão alta e obesidade aumentam o risco.

Outra recomendação é limitar o consumo de proteína para meio grama de proteína por meio quilo de massa corporal, o que colocaria a maioria das pessoas na faixa de 40 a 70 gramas por dia (0,04 a 0,07 quilos). Se você tem propensão a desenvolver cálculos renais, quantidades excessivas de carne vermelha podem ser especialmente problemáticas porque a carne reduz os níveis de citrato, produto químico da urina que ajuda na prevenção da formação de cálculos em primeiro lugar.

A maioria dos americanos consome muito mais proteína do que realmente precisa, o que pode exacerbar problemas com cálculos renais. Ao consumir mais proteína do que o organismo necessita, o organismo necessita retirar mais material orgânico de nitrogênio do sangue, o que estressa os rins. Pode ocorrer desidratação crônica.

Os médicos igualmente incentivam as pessoas em risco de desenvolvimento de cálculos renais a consumirem alimentos que contenham altas quantidades de oxalato, tais como:

  • Acelga
  • Beterraba
  • Chá
  • Batata doce
  • Ruibarbo
  • Chocolate
  • Quiabo
  • Amêndoas
  • Espinafre

No entanto, estes alimentos contêm altas quantidades de magnésio, que ajuda na prevenção da combinação do cálcio com oxalato, tipo mais comum de cálculo renal. O magnésio é um mineral que possui capacidade de prevenir a formação de cálculos renais – se você consumir o suficiente.

Estima-se que a deficiência de magnésio afete em torno de 80 por cento da população americana. Ela foi associada ao desenvolvimento de cálculos renais porque atua na forma como o organismo trata o cálcio. O excesso de cálcio pode tornar-se tóxico, portanto deve existir um equilíbrio.