Ômega 3

Resumo da matéria

  • Pesquisas recentes sugerem que altas doses (4 gramas) das gorduras ômega 3 EPA e DHA podem ajudar a melhorar a recuperação após um ataque cardíaco
  • Outro estudo revelou que aqueles que sobreviveram a um ataque cardíaco e tomaram 1 grama de gordura ômega 3 de origem animal por dia durante três anos tiveram uma redução de 50% de chance de morte cardíaca súbita
  • É importante entender que o ômega 3 com origem em animais marinhos e plantas NÃO são intercambiáveis. O ALA de origem vegetal é uma fonte de energia, enquanto o DHA e o EPA são elementos estruturais importantes de suas células
Artigo Anterior Próximo Artigo

Os Ômega 3 Podem Melhorar a Recuperação Após um Ataque Cardíaco

7 Agosto 2017 | 878 Visualizações |
Edição: Português

Por Dr. Mercola

Cada vez mais pesquisas apontam a importância das gorduras ômega 3 de origem animal para a saúde do coração. Depois de analisar este assunto com cuidado, eu agora estou convencido de que manter um nível saudável de ácido docosahexaenoico (DHA) pode ser uma das prioridades alimentares mais importantes.

O DHA é uma gordura ômega 3 de carbono 22 proveniente de frutos do mar. As gorduras ômega 3 podem ser obtidas tanto de fontes de animais marinhos quanto de plantas, mas, ao contrário da crença popular, NÃO são intercambiáveis.

O ácido alfa linolênico (ALA), uma gordura ômega 3 de 18 carbonos encontrada em plantas como sementes de linho e chia converte-se em DHA, mas tipicamente menos de 1 a 3 por cento, o que está longe da quantidade que você precisa para a saúde do seu cérebro e coração.

Embora as gorduras ômega 3 com origem vegetal e animal sejam importantes para a saúde, o DHA de origem animal é o mais fortemente associado à saúde do coração e outros benefícios importantes para a saúde.

Além disso, o DHA, através da sua nuvem de elétrons, tem a capacidade de transformar a luz diretamente em uma corrente elétrica de corrente contínua, o que é particularmente importante para estabelecer seu relógio biológico e ritmo circadiano.

O DHA e o EPA Protegem sua Saúde Cardíaca

Pesquisas recentes sugerem que comer peixes gordurosos e outros alimentos ricos em ômega 3, incluindo certas fontes de origem vegetal, pode reduzir seu risco de sofrer um ataque cardíaco fatal (infarto do miocárdio) em cerca de 10%. Tomadas DEPOIS de um ataque cardíaco, as gorduras ômega 3 também podem melhorar significativamente suas chances de sobrevivência.

Um grande teste descobriu que aqueles que sobreviveram a um ataque cardíaco e tomaram 1 grama de gordura ômega 3 de origem animal por dia durante três anos tiveram uma redução de 50% de chance de morte cardíaca súbita. Outro estudo controlado recente com placebo descobriu que altas doses de suplementação de ômega 3 ajudam seu coração a se recuperar após um ataque cardíaco.

Um total de 360 pacientes vítimas de ataque cardíaco foi dividido em dois grupos. O grupo de tratamento recebeu 4 gramas de ômega 3 através de um óleo de peixe chamado Lovaza. O grupo de placebo recebeu óleo de milho. Após seis meses, o grupo de tratamento apresentou uma redução de 5,6 por cento na cicatrização do músculo cardíaco não danificado.

Seus corações também tiveram sua capacidade de bombear sangue melhorada em comparação ao grupo de controle. Dito isto, vale a pena notar que o óleo de milho é um péssimo placebo. Os placebos devem ser completamente inertes, como a água. O óleo de milho é na verdade uma gordura ômega 6 industrial nociva contaminada com transgênicos que afeta negativamente seu coração.

Eu não digo isso para desvalorizar os resultados, mas foi demonstrado que a prescrição de ômega 3, devido à sua forma semissintética de ômega 3 marinho que é ligada a ésteres etílicos, tende a ter uma fraca taxa de absorção em comparação às formas naturais de triglicerídeos (como óleo de peixe ou óleo de krill).

O uso de um placebo de óleo de milho pode, portanto, fazer com que o remédio pareça mais potente do que realmente é. Segundo a Reuters:

“Algumas pessoas são mais capazes de absorver e utilizar o óleo de peixe, e aqueles com o maior aumento nos níveis de glóbulos vermelhos dos níveis de ômega 3 tiveram uma redução de 13 por cento no sangue restante no ventrículo esquerdo, em comparação com uma redução de 6 por cento com o grupo que usou óleo de peixe em geral.”

Ômega 3 de Origem Animal Beneficia a Saúde do Coração de Muitas Maneiras

As gorduras ômega 3 de origem animal, em especial o DHA, beneficiam a sua saúde cardiovascular de diversas formas, ao:

Reduzir a pressão sanguínea

Reduzir as concentrações de triglicerídeos

Melhorar a função endotelial (que ajuda a promover o crescimento de novos vasos sanguíneos)

Combater ou impedir a arritmia cardíaca

Ajudar a prevenir a trombose (um coágulo de sangue dentro de um vaso sanguíneo)

Impedir a formação de depósitos de gordura e fibrose na camada interna das suas artérias

Combater a inflamação

Outros Benefícios para a Saúde das Gorduras Ômega 3

Seu coração não é de modo algum o único órgão que precisa de ômega 3 para ter um funcionamento otimizado. Estas gorduras saudáveis também são importantes para a digestão, atividade muscular, coagulação do sangue, acuidade visual, memória e aprendizado, divisão celular básica e função dos receptores celulares. Por exemplo, pesquisas sugerem que os ômegas 3 são importantes para:

Ossos saudáveis e fortes

Regulação do humor

Redução do risco de doença de Parkinson

Redução do risco de morte por TODAS as causas

Proteger seus tecidos e órgãos da inflamação

Desenvolvimento do cérebro e dos olhos nos bebês , e prevenção de parto prematuro

Reduzir o risco de doença de Alzheimer

Retardar a progressão para psicose em pacientes com alto risco de esquizofrenia

Proteção contra osteoartrite e artrite reumatóide (AR)

Proteção contra a síndrome metabólica, incluindo obesidade, fígado gorduroso e diabetes tipo 2 (ao reduzir a inflamação e o açúcar no sangue)

Melhoria da síndrome pré-menstrual (TPM) e dismenorreia

Redução do risco de disfunção neurológica/cognitiva, incluindo: perda de memória, envelhecimento cerebral, distúrbios de aprendizagem e TDAH, autismo e dislexia

Redução do risco de doença de Crohn

Redução do risco de câncer de cólon.

Pacientes com câncer de cólon que consumiram um mínimo de 0,3 gramas de ômega 3 de peixes por dia também reduziram o risco de morrer na próxima década em 41%

Redução do risco de doença renal

Redução do risco de doenças autoimunes, como lúpus e nefropatia

Existem Diferenças Cruciais Entre Ômega 3 de Origem Animal e Vegetal

Como mencionado anteriormente, existem diferenças importantes entre o ômega 3 com origem em animais marinhos e de plantas:

Ômega 3 com origem em animais marinhos

Fontes: Peixes gordos (como salmão, anchovas, sardinhas e arenque), óleos de peixe e de krill.

Conteúdo de ômega 3 primário: DHA e EPA, ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa (Polyunsaturated Fatty Acids-PUFA) que consistem em 22 e 20 carbonos, respectivamente, que seu corpo pode usar prontamente.

Efeitos biológicos: DHA e EPA são elementos estruturais com muitos efeitos biológicos, principalmente atividade anti-inflamatória e de comunicação dentro da célula e entre as células. O DHA é especialmente importante, pois é um componente de cada célula em seu corpo.

Mais de 90 por cento da gordura ômega 3 encontrada no tecido cerebral é DHA, tornando-o muito importante para a saúde do cérebro. Todas as outras gorduras ômega 3 são encontradas apenas em pequenas quantidades, incluindo ALA, independentemente de quanto ALA você consuma.

O EPA e DHA também provavelmente desempenham um papel em ajudar seu corpo a utilizar adequadamente a luz solar. Eles também têm uma influência profundamente importante na saúde mitocondrial.

Ômega 3 de origem vegetal

Fontes: Certas plantas, como sementes de linhaça, sementes de chia, nozes (especialmente a noz da nogueira) e folhas de legumes.

Conteúdo de ômega 3 primário: ALA: um PUFA de cadeia curta constituído por 18 carbonos. Ômega 3 derivados de plantas são desprovidos de EPA/DHA.

O ALA é um precursor do EPA e do DHA. No entanto, é necessária uma enzima para converter o ALA de carbono 18 mais curto em ômega 3 de cadeia longa. Na maioria das pessoas, esta enzima não funciona muito bem e, portanto, a taxa de conversão é excepcionalmente pequena.

Normalmente, menos de 1 por cento do ALA é convertido em DHA. Sua conversão também depende de ter níveis adequados de outras vitaminas e minerais.

Portanto, embora uma pequena quantidade de ALA que você consuma possa ser convertida pelo seu corpo em ômega 3 de cadeia longa, essa é uma estratégia altamente ineficiente e nem de longe tão útil quanto a suplementação de DHA e EPA com origem em animais marinhos.

Efeitos biológicos: Fonte de energia (gordura).

Como você pode ver, o ALA é principalmente uma fonte de energia, enquanto EPA e DHA são elementos estruturais. Então, EPA e DHA não são apenas “alimentos”; eles são elementos que realmente compõem suas células, e essas são duas funções completamente diferentes. EPA e DHA são amplamente distribuídos em todo o seu corpo, incluindo seu coração e cérebro, e é por isso que a deficiência é tão prejudicial para o seu cérebro e função cardíaca.

Além disso, uma pesquisa mostra que há transportadores específicos em sua barreira hematoencefálica, na placenta (nas mulheres grávidas) e provavelmente também no seu fígado, que transporta as moléculas EPA e DHA de maneira muito precisa para as membranas celulares à qual pertencem.

Porque eu Prefiro Recomendar o Óleo de Krill ao Óleo de Peixe

Os peixes gordurosos e o óleo de peixe têm sido há muito a fonte principal de gordura ômega 3 de origem animal. O óleo de krill é uma fonte mais recente, e uma pesquisa sugere que ele tem uma série de benefícios superiores aos peixes e ao óleo de peixe. Uma das diferenças mais importantes é que o óleo de peixe é ligado a triglicerídeos e ésteres metílicos, enquanto o óleo de krill está ligado a triglicerídeos e fosfolipídeos.

Os ésteres não são eficientemente absorvidos, enquanto os fosfolipídeos são. O fato de que o óleo de krill é ligado a fosfolipídeos torna seu EPA e DHA mais biodisponível do que aquele no óleo de peixe. Os fosfolipídeos são de fato extremamente importantes para a vida, pois esta membrana é necessária para tudo o que constitui uma célula.

Os fosfolipídeos também são um dos compostos principais nas lipoproteínas de alta densidade (High-Density Lipoproteins -HDL), que é algo que você quer ter a mais e ao permitir que suas células mantenham a integridade estrutural, os fosfolipídeos ajudam suas células a funcionar adequadamente. O óleo de Krill também é capaz de atravessar de forma eficiente sua barreira hematoencefálica para alcançar importantes estruturas cerebrais.

No óleo de peixe, os ômega 3 estão ligados a triglicerídeos e ésteres que devem ser decompostos no seu intestino para virarem os ácidos graxos básicos DHA e EPA. Cerca de 80 a 85 por cento são simplesmente eliminados no intestino. Outra razão para a biodisponibilidade superior do óleo de krill tem a ver com o fato de que ele contém fosfatidilcolina (um precursor do neurotransmissor vital acetilcolina).

Quando você consome óleo de peixe, seu fígado tem que ligá-lo à fosfatidilcolina para que ela seja utilizada pelo seu corpo. Seu fígado pode ignorar essa etapa quando você toma o óleo de krill, já que a fosfatidilcolina já está lá.

Outras Características que Tornam o Óleo de Krill uma Escolha Superior

O óleo de krill é mais potente do que o óleo de peixe. Isso significa que você precisa de muito menos óleo de krill do que óleo de peixe, conforme confirmado por um estudo feito em 2011. Os pesquisadores deram aos indivíduos menos de 63 por cento o EPA / DHA baseado em krill do que o grupo que recebeu óleo de peixe, mas ambos os grupos apresentaram níveis sanguíneos equivalentes.

O óleo de krill tem influência superior em seu metabolismo e expressão genética. Os genes têm “interruptores” que podem ser ativados e desativados, controlando praticamente todos os processos bioquímicos no seu corpo e nutrientes como as gorduras ômega 3 controlam esses interruptores.

Os ácidos graxos também ajudam a direcionar processos metabólicos, como produção de glicose, síntese lipídica, energia celular, oxidação e dezenas de outros. Ao estimular certas vias metabólicas mitocondriais, incluindo a oxidação de ácidos graxos, os complexos da cadeia respiratória e o ciclo de Krebs, o óleo de krill ajuda a restaurar um metabolismo de energia mitocondrial saudável.

Vários tipos e fontes de gordura ômega 3 afetam o tecido do fígado de forma diferente, o que um estudo de 2011 foi destinado a examinar. Ele comparou os fígados de ratos alimentados com o óleo de krill com os que se alimentavam com óleo de peixe, observando a expressão do gene desencadeada por cada um.

Embora tanto o óleo de peixe quanto o óleo de krill contenham ômega 3, eles diferem muito na maneira como afetam os genes que controlam seu metabolismo. O óleo de krill:

Melhora o metabolismo da glicose no fígado, ao passo que o óleo de peixe não

Promove o metabolismo lipídico; o óleo de peixe não

Ajuda a regular a cadeia respiratória mitocondrial; o óleo de peixe não

Diminui a síntese de colesterol, enquanto o óleo de peixe a aumenta

O óleo de krill também resiste à oxidação, enquanto o óleo de peixe é bastante propenso à oxidação, o que, por sua vez, leva à formação de radicais livres - que não é o que você está buscando ao tomar um suplemento de ômega 3! O óleo de peixe também é baixo em antioxidantes, enquanto o óleo de krill contém astaxantina, que atualmente é considerado um dos mais potentes antioxidantes na natureza.

Isso é em grande parte o que torna o óleo de krill tão estável e resistente à oxidação.

Por último, mas não menos importante, enquanto os peixes estão propensos a todos os tipos de contaminação, cortesia da poluição da água, o krill antártico não é propenso a tal contaminação. Eles não só são pescados de águas mais limpas, mas estando os krill está na base da cadeia alimentar, eles se alimentam de fitoplâncton, ao contrário de outros peixes contaminados.

O krill também é muito mais sustentável do que os peixes porque é a maior biomassa do mundo. A colheita de krill também é cuidadosamente regulada, e apenas 1 a 2 por cento da biomassa total de krill é colhida anualmente.

Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.