alimentos fermentados

Resumo da matéria

  • Anormalidades no sistema imunológico, tais como alergias e transtornos autoimunes, são resultados comuns da Síndrome Psicológica Intestinal (GAPS), pois cerca de 85 por cento do sistema imunológico está localizado na parede intestinal
  • Alimentos fermentados tanto são quelantes potentes (desintoxicantes) quanto contêm quantidade muito maior de probióticos, se comparados com suplementos probióticos, tornando-os ideais para a manutenção ótima da flora intestinal
  • Se você nunca consumiu alimentos fermentados antes, uma porção muito grande pode provocar crises curativas, o que acontece quando os probióticos extinguem os patógenos do intestino. Quando os patógenos são extintos, eles liberam toxinas potentes. Se você nunca consumiu alimentos fermentados em sua vida, você deve começar com bastante cuidado e gradualmente, iniciando com uma colher de chá de repolho fermentado (chucrute) em uma refeição. Observe suas reações por alguns dias antes de consumir outra porção pequena
Artigo Anterior Próximo Artigo

Alimentos Fermentados Contêm 100 Vezes Mais Probióticos do Que um Suplemento

3 Setembro 2017 | 2,832 Visualizações |

Por Dr. Mercola

A Dra. Natasha Campbell-McBride é uma neurologista oficialmente treinada na Rússia cujo filho desenvolveu autismo.

Como resultado de sua própria pesquisa sobre o autismo, ela acabou desenvolvendo o que poderia ser uma das mais profundamente importantes estratégias de tratamento não somente para o autismo, mas igualmente para uma ampla gama de transtornos neurológicos, psicológicos e autoimunes.

Em minha opinião, sua Síndrome Psicológica Intestinal e o Programa Nutricional para a Síndrome Fisiológica Intestinal (GAPS) são vitalmente importantes para a MAIORIA das pessoas, pois a maioria das pessoas possui saúde intestinal ruim devido à dieta pobre e exposição tóxica.

Discutimos anteriormente como o programa GAPS pode ajudar pessoas com autismo e outros transtornos neurológicos e psiquiátricos, como:

  • Dislexia e dispraxia
  • Depressão
  • Transtorno obsessivo compulsivo
  • Transtorno bipolar
  • Epilepsia

O Que é a Síndrome Fisiológica Intestinal?

Nesta entrevista, discutimos como o intestino afeta o sistema imunológico, uma vez que existe profunda dinâmica entre eles. A Dra. McBride comenta os problemas relacionados à Síndrome Psicológica Intestinal no seu primeiro livro de mesmo nome.

Seu próximo livro comentará a Síndrome Fisiológica Intestinal, relacionada a doenças não localizadas no sistema nervoso, porém em algum outro local do organismo, como:

  • Artrite
  • Asma e alergias
  • Problemas dérmicos
  • Problemas renais
  • Problemas digestivos e
  • Transtornos autoimunes

Anormalidades no sistema imunológico são resultado comum da GAPS e tais anormalidades imunes estão na raiz de praticamente todas as doenças degenerativas.

“Por que isto ocorre? Porque cerca de 85 por cento do sistema imunológico está localizado na parede intestinal,” diz ela. “Este fato foi estabelecido por pesquisa básica sobre a fisiologia nos anos 1930 e 1940.

O intestino, sua parede digestiva, é o órgão imunológico mais importante do organismo. Há um entendimento muito estreito e uma relação ocorrendo entre a flora intestinal que vive dentro do sistema digestivo e o sistema imunológico...

A flora intestinal – o estado da flora intestinal e a composição dos micróbios encontrados na flora intestinal – promove efeito sobre a formação das células imunológicas que você produzirá a qualquer momento, o que elas estarão fazendo e quão equilibrado seu sistema imunológico estará.”

Como a Flora Intestinal Conduz o sistema Imunológico

Existem dois “braços” primários no sistema imunológico:

1. Imunidade Th1 é responsável pelas reações normais a qualquer coisa do meio ambiente, desde pólen até caspa animal, ácaros domésticos, produtos químicos, alimentos e qualquer outra coisa com a qual você tenha contato. Th1 é mantida forte e saudável pela flora intestinal.

Enquanto sua flora intestinal está normal, você não sentirá qualquer sintoma adverso ao expor-se a estes tipos de influências ambientais, porém se sua flora intestinal estiver anormal, sua Th1 torna-se incrivelmente debilitada.

2. Imunidade Th2 é desenvolvida para tratar funções imunológicas dentro do organismo e não está equipada para lidar com as influências ambientais. No entanto, ela tentará compensar caso sua Th1 torne-se debilitada.

Infelizmente, uma vez que ela não esteja apropriadamente equipada para esta função, ela acaba lidando com as influências ambientais, como pólen e alimentos, de forma inadequada; o resultado final disto são alergias e intolerâncias.

É importante perceber que alergias alimentares e intolerâncias são grupos de alergias bem diferentes das alergias anafiláticas mais graves. Intolerâncias alimentares causadas pela Th1 debilitada (devido à anormalidade da flora intestinal) não são mediadas pela mesma imunoglobulina que as alergias verdadeiras.

Intolerâncias alimentares podem manifestar-se horas, dias ou até mesmo semanas mais tarde, tornando a identificação de alergias alimentares muito difícil.

Para tornar a situação ainda mais difícil, estas alergias e intolerâncias alimentares podem resultar em todo tipo de reação, desde enxaqueca até espirros, erupções cutâneas ou dores abdominais ou articulações inchadas. Ou podem resultar em psoríase ou piorar eczemas.

Ao mesmo tempo, por estar sua flora intestinal anormal, o revestimento intestinal começa a deteriorar-se, uma vez que ele é ativamente mantido pela flora intestinal. (As bactérias benéficas do intestino fazem com que as células que revestem todo o trato digestivo permaneçam saudáveis, bem alimentadas e protegidas contra ataques químicos ou microbianos).

Conforme o revestimento intestinal se deteriora, as articulações entre as células abrem-se fazendo com que o intestino fique poroso ou “vazante”.

Então, qual a resposta?  

A chave para a solução de questões de saúde NÃO é determinar os alimentos contra os quais você está reagindo e evitá-los. Em vez disso, você precisa focar na cura do revestimento intestinal, porque esta é provavelmente a causa principal de seu problema. Esta será igualmente sua estratégia mais econômica, pois o teste para detecção de alergias pode ser bastante caro.

A GAPS e a Doença Autoimune

Transtornos autoimunes são um efeito colateral muito comum da GAPS. A medicina convencional identificou cerca de 200 condições autoimunes diferentes até o momento e a lista continua crescendo.

A anormalidade da flora do trato digestivo pode facilmente levar ao supercrescimento de:

  • Bactérias patogênicas
  • Vírus patogênicos
  • Fungos
  • Vermes
  • Protozoários

Uma vez que o revestimento intestinal começa a deteriorar, estes agentes causadores de doenças podem facilmente ser absorvidos no fluxo sanguíneo e circular por todo o organismo. Alguns deles têm afinidades com certas proteínas e ligar-se-ão a elas.

Quando isso ocorre, acontece uma alteração na forma tridimensional da molécula daquela proteína. Quando o sistema imunológico depara-se com esta proteína que parece estranha, ele atacá-la-á e começará a produzir anticorpos contra ela.

A GAPS e a Esclerose Múltipla

Curiosamente, quando o organismo fica incapaz de limpar sozinho uma toxina em particular, ele convidará e empregará micróbios do meio ambiente para ajudá-lo a limpar estas toxinas.

Infelizmente, isto não é o que ocorre hoje em dia. Tipicamente, assim que uma pessoa começa a sentir formigamentos, dormência e outros sintomas, ela corre para o médico que imediatamente irá colocá-la sob alguma forma de medicamento que, tipicamente, possui efeito enfraquecedor do sistema imunológico.

Como resultado, os vírus espalham-se e tornam-se ainda mais estabelecidos e a doença torna-se crônica e permanente.

Você Possui Anticorpos Naturais Contra Praticamente Todas as Doenças Autoimunes...

Tudo começa no útero. Assim que o timo do bebê se desenvolve, as proteínas flutuando no fluxo sanguíneo, compartilhadas entre a mãe e o bebê, começam a educar o sistema imunológico do bebê e alocar uma célula de resposta particular para cada proteína encontrada.

Condições autoimunes se desenvolvem quando o sistema imunológico ataca tecidos ou proteínas em particular no organismo, porque foram contaminados por toxinas ou algum outro tipo de influência ambiental. E lembre-se, este desequilíbrio, esta influência tóxica, origina-se no sistema digestivo ou na parede intestinal.

Infelizmente, a medicina convencional é amplamente ignorante com relação a esta pesquisa e não enxerga transtornos autoimunes como transtornos digestivos, como a Dra. McBride está convencida de ser o caso.

A Importância dos Alimentos Fermentados

Você sabia que o número de bactérias no organismo supera o número de células em cerca de dez para um? Estas bactérias, por sua vez, são compostas por benéficas e prejudiciais. O equilíbrio ideal é 85 por cento de bactérias boas e 15 por cento de bactérias ruins. Manter esta proporção ideal é tudo quando falamos sobre a importância dos probióticos.

É importante entender, porém, que probióticos não são um conceito novo. A única coisa nova é que você pode consumi-los em forma de pílulas. Porém, historicamente, a humanidade consumiu grandes quantidades de probióticos na forma de alimentos fermentados e cultivados, inventados muito antes do advento da refrigeração e outras formas de conservação alimentar.

Alimentos fermentados não somente promovem uma ampla variedade de bactérias benéficas, como igualmente proporcionam muito mais delas, portanto é uma alternativa muito econômica. Aqui está um caso típico: não é comum encontrar um suplemento probiótico contendo mais de 10 bilhões de unidades formadoras de colônias.

Porém, quando minha equipe testou vegetais fermentados produzidos por culturas iniciadoras de probióticos, eles tinham 10 trilhões de unidades formadoras de colônias de bactérias. Literalmente, uma porção de vegetais foi igual a uma garrafa inteira de probiótico de alta potência!  Portanto, claramente, você ficará melhor usando alimentos fermentados.

Como o Processo de Fermentação Funciona

“A Mãe Natureza é extremamente sábia e extremamente gentil. Ela preencheu todas as frutas e vegetais orgânicos, a poeira do nosso solo e toda matéria vegetal com lactobacilos. As folhas do repolho fresco, se este for cultivado organicamente (não aquele de fazendas químicas), serão cobertas com lactobacilos — bactérias lacto-fermentadas.

Você não precisa adicionar nada. Você só precisa cortá-lo. Adicione um pouco de sal nos estágios iniciais. (O sal é adicionado no estágio inicial para interromper a multiplicação de bactérias putrefativas). Então, conforme os Lactobacillus param de trabalhar e começam a multiplicar-se, eles produzem ácido lático. É por isso que são chamados Lactobacillus. São nada menos que ácido lático.”

Como Reduzir as Chances de Ocorrência de “Crises Curativas”

Existe um cuidado que necessita ser discutido aqui e é o potencial para a tão conhecida crise curativa, ou o que a Dra. McBride chama de reação de extinção, provocada pela extinção massiva de bactérias patogênicas, vírus, fungos e outros patógenos perigosos através da reintrodução de quantidades massivas de probióticos.

Isso pode piorar significativamente qualquer que seja o problema de saúde que você esteja enfrentando antes de melhorar. A razão disto é que quando os probióticos extinguem os patógenos, aqueles micróbios patógenos liberam toxinas. Estas toxinas são as causadoras do problema com o qual você começou, seja ele depressão, ataques de pânico, artrite reumatoide, esclerose múltipla ou qualquer outro sintoma.

Quando uma grande quantidade de toxina é repentinamente liberada, os sintomas também repentinamente aumentarão.

“Se você nunca consumiu alimento fermentado em sua vida, você deve começar com cuidado e gradualmente,” alerta a Dra. McBride.

Ela recomenda iniciar com apenas UMA COLHER DE CHÁ de vegetal fermentado, como chucrute, em UMA das refeições e, então, esperar alguns dias para ver qual será sua reação. Se for viável, você pode consumir outra porção e gradualmente aumentá-la.

“Porém se a extinção for muito extensa, você deve parar. Deixe a extinção diminuir e, então, consuma uma pequena porção de chucrute, ou até mesmo apenas uma colher de chá do suco dele primeiro; não o repolho em si.

Então, consuma duas colheres de chá por dia e assim por diante, até que extinção suficiente ocorra no organismo e a flora intestinal tenha alterado de forma suficiente para que você esteja pronto(a) para consumir o repolho em si.”

É importante notar que, além de conter quantidades massivas de bactérias benéficas, os alimentos fermentados igualmente contêm muitas enzimas ativas que agem como potentes desintoxicantes.

“A cura ocorre seguindo dois passos para frente, um passo para trás, dois passos para frente, um passo para trás” diz a Dra. McBride. “Porém, você saberá que a próxima etapa será menor. A extinção e a desintoxicação não demorarão tanto quanto na etapa anterior.

Vivemos em um mundo tóxico e muitos de nós possuímos camadas acumuladas de toxicidade em nossos organismos.

O organismo limpará todas elas, porém você saberá que cada etapa demorará menos e será menos severa. Finalmente, você terá uma saúde completa e radiante. Você vai se sentir 100 por cento saudável, não importa o quanto estava doente.”

Recursos e Referências
Artigo Anterior Próximo Artigo

Aviso legal: Todo o conteúdo deste site baseia-se nas opiniões do Dr. Mercola salvo expresso em contrário. Os artigos individuais baseiam-se nas opiniões do respectivo autor, que detém os direitos autorais conforme indicado. As informações deste site não pretendem substituir a relação individual com um profissional de saúde qualificado nem devem ser consideradas recomendação médica. Sua finalidade é compartilhar conhecimentos e informações a partir da pesquisa e experiência do Dr. Mercola e sua comunidade. O Dr. Mercola incentiva você a tomar suas próprias decisões de saúde com base na sua pesquisa e em conjunto com um profissional de saúde qualificado. Se você estiver grávida, amamentando, tomando medicação ou tiver um problema de saúde, consulte o seu médico antes de usar produtos baseados neste conteúdo.