O Papel dos Baixos Níveis de Magnésio na Resistência à Insulina e na Diabetes

Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

O magnésio é o quarto mineral mais abundante no seu corpo.

Se você não tem quantidade suficiente dele, seu corpo simplesmente não pode funcionar da melhor forma.

Níveis insuficientes de magnésio celular preparam o cenário para a deterioração da função metabólica correta, que tipicamente leva a problemas de saúde mais significativos.

Conforme relatado por GreenMedInfo, pesquisadores já detectaram 3751 locais de ligação de magnésio em proteínas humanas, refletindo a importância desse mineral para um grande número de processos biológicos.

Por exemplo, o magnésio desempenha um papel nos processos de desintoxicação do seu corpo e, portanto, é importante para minimizar danos causados por produtos químicos ambientais, metais pesados e outras toxinas.

Mesmo a glutationa, considerada por muitos como o antioxidante mais poderoso do seu corpo, requer magnésio para ser produzido.

O magnésio também desempenha papéis na prevenção da enxaqueca, doenças cardiovasculares (incluindo pressão alta, ataques cardíacos e derrames), morte súbita cardíaca, e até mesmo reduz a morte por todas as causas.

Este mineral importante é requerido por mais de 300 enzimas diferentes do seu corpo, que desempenham papéis importantes nos seguintes processos bioquímicos, muitos dos quais são cruciais para uma função metabólica correta:

Criação de ATP (trifosfato de adenosina), as moléculas de energia do seu corpo

Formação correta de ossos e dentes

Relaxamento dos vasos sanguíneos

Ação do músculo cardíaco

Promoção de uma função intestinal correta

Regulação dos níveis de açúcar no sangue

Por que o Magnésio é tão Vital para se ter uma Função Metabólica Correta?

O mecanismo pelo qual o magnésio controla a homeostase da glicose e da insulina parece envolver dois genes responsáveis pela homeostase de magnésio. O magnésio também é necessário para ativar a tirosina quinase, uma enzima que funciona como um interruptor de “ligado” ou “desligado” em muitas funções celulares e é necessária para o bom funcionamento de seus receptores de insulina.

Já se sabe que as pessoas com resistência à insulina também experimentam um aumento da excreção de magnésio na urina, o que contribui ainda mais para a diminuição dos níveis de magnésio. Esta perda de magnésio parece ser secundária ao aumento da glicose urinária, o que aumenta a produção de urina.

Portanto, a ingestão inadequada de magnésio parece provocar um círculo vicioso de baixos níveis de magnésio, níveis elevados de insulina e glicose e excesso de excreção de magnésio. Em outras palavras, quanto menor o nível de magnésio do seu corpo, menos capaz ele é de “retê-lo”.

É algo raro que tantos estudos em todo o mundo alcancem um acordo universal sobre um assunto! A evidência é clara: se você deseja otimizar seu metabolismo e manter seu risco de diabetes tipo 2 baixo, uma das coisas que você precisa fazer é consumir magnésio suficiente. Infelizmente, esta não é a realidade, uma vez que 80% dos americanos são deficientes em magnésio.

Os seus Níveis de Magnésio estão Suficientes?

Pesquisas dietéticas sugerem que a maioria dos americanos simplesmente não está obtendo magnésio suficiente somente com a alimentação. Outros fatores que podem tornar você mais propenso à deficiência de magnésio incluem:

Um sistema digestivo pouco saudável o que prejudica a capacidade do seu corpo de absorver magnésio (doença de Crohn, intestino permeável, etc.)

Diabetes: especialmente se mal controlada, levando ao aumento da perda de magnésio na urina

Idade: os adultos mais velhos são mais propensos a ser deficientes em magnésio porque a absorção diminui com a idade e os idosos são mais propensos a tomar medicamentos que podem interferir na absorção

Rins pouco saudáveis: o que contribui para a perda excessiva de magnésio na urina

Alcoolismo: até 60 por cento dos alcoólatras têm baixos níveis sanguíneos de magnésio

Certos remédios: diuréticos, antibióticos e remédios utilizados para tratar o câncer podem resultar em deficiência de magnésio

A Deficiência de Magnésio Pode Levar a Arritmias Cardíacas, Espasmos Coronários e Convulsões

Não há um exame de laboratório que lhe dê uma leitura precisa do estado do magnésio nos seus tecidos. A razão para isso é que apenas um por cento do magnésio no seu corpo é encontrado no seu sangue.

Cinquenta a sessenta por cento dele reside nos seus ossos, e o restante está nos tecidos moles. Uma vez que a maior parte do seu magnésio está armazenada dentro de suas células e ossos, em vez de no plasma sanguíneo, não há exames de sangue satisfatórios para avaliar isso.

Dito isto, alguns laboratórios especializados fornecem um teste de magnésio RBC, que é razoavelmente preciso. Outros testes que o seu médico pode usar para avaliar o seu estado de magnésio incluem um teste de urina de 24 horas ou um teste epitelial sublingual. Ainda assim, isso só pode dar uma estimativa dos seus níveis, e os médicos normalmente precisam avaliá-los à luz dos sintomas que você apresenta.

Os primeiros sinais de deficiência de magnésio podem incluir dores de cabeça, perda de apetite, náuseas e vômitos, e fadiga ou fraqueza. No entanto, a deficiência contínua de magnésio pode levar a sintomas muito mais graves, como:

  • Ritmos cardíacos anormais e espasmos coronários
  • Cãibras musculares e contrações
  • Convulsões
  • Dormência e formigamento
  • Mudanças de personalidade

No seu livro, The Magnesium Miracle (O Milagre do Magnésio)a Dra. Carolyn Dean lista 100 fatores que irão ajudá-lo a decidir se você pode ou não estar deficiente.

Você também pode seguir as instruções na postagem do blog dela, “Gauging Magnesium Deficiency Symptoms” (Medindo os Sintomas de Deficiência de Magnésio), que lhe dará uma lista de verificação que você pode usar em intervalos de algumas semanas. Isso irá ajudá-lo a avaliar a quantidade de magnésio que você precisa para eliminar seus sintomas de deficiência.

Sua Melhor Fonte de Magnésio: Comida de VERDADE

A maioria das pessoas pode manter seus níveis de magnésio na faixa terapêutica sem recorrer a suplementos, simplesmente ao se alimentar de uma dieta variada, incluindo muitos legumes de folhas verdes escuras. No entanto, é importante lembrar que o teor de magnésio dos seus alimentos depende da riqueza do magnésio no solo onde eles foram cultivados.

A maioria dos solos agora está muito esgotada de nutrientes e, por essa razão, alguns especialistas em magnésio, como a Dra. Dean, acreditam que praticamente todos precisam tomar suplementos de magnésio. Os alimentos orgânicos podem ter mais magnésio se cultivados em solos ricos em nutrientes, mas é muito difícil determinar isso.

Uma maneira de realmente aumentar o seu magnésio, bem como muitos outros nutrientes importantes à base de plantas, é fazer sucos de legumes. Normalmente eu tomo de um quartilho (473 ml) a um quarto líquido americano (946 ml) de suco de legumes verdes frescos todos os dias, e essa é uma das minhas principais fontes de magnésio.

Um artigo no GreenMedInfo lista mais de 20 alimentos que são excepcionalmente ricos em magnésio, incluindo os seguintes (para a lista completa, consulte a reportagem original). Todas as porções listadas equivalem a 100 gramas, ou um pouco mais de três onças:

Alga marinha, ágar, secas (770 mg)

Temperos, manjericão, secos (422 mg)

Tempero, folhas de coentro, secas (694 mg)

Linhaça (392 mg)

Sementes de abóbora secas (535 mg)

Manteiga de amêndoa (303 mg)

Cacau, pó seco, não adoçado (499 mg)

Soro de leite, doce, seco (176 mg)

Suplementos de Magnésio, de A a Z

As atuais orientações do governo para a ingestão de magnésio entre adultos exigem de 300 a 420 mg por dia (dependendo do sexo, idade, gravidez e lactação), mas muitas pessoas consomem menos de 300 mg por dia.

A pesquisa atual sugere que muitos se beneficiariam de ter uma maior ingestão, cerca de 700 mg por dia ou mesmo mais. O magnésio é perdido no suor durante o exercício e usado em quantidades maiores quando uma pessoa está estressada.

Se você optar por um suplemento, lembre-se de que existe uma grande variedade de suplementos de magnésio no mercado, porque o magnésio deve estar ligado a outra substância. Simplesmente não existe um suplemento com 100% de magnésio.

A substância utilizada em qualquer composto pode afetar a absorção e a biodisponibilidade do magnésio e pode fornecer benefícios de saúde ligeiramente diferentes ou direcionados.

A tabela a seguir resume algumas das diferenças entre as várias formas. O treonato de magnésio é provavelmente uma das melhores fontes, pois parece penetrar nas membranas celulares, incluindo sua mitocôndria, o que resulta em níveis de energia mais elevados.

Além disso, ele também penetra na sua barreira hematoencefálica e parece fazer maravilhas para tratar e prevenir a demência e melhorar a memória.

Além de tomar um suplemento, outra maneira de melhorar o seu estado de magnésio é tomar regularmente banhos de sal de Epsom ou banhos de pés. O sal de Epsom é um sulfato de magnésio que pode ser absorvido pelo seu corpo através da sua pele.

O óleo de magnésio também pode ser usado para aplicação tópica e absorção. Qualquer que seja o suplemento que você escolher, certifique-se de evitar qualquer um que contenha estearato de magnésio, um aditivo como, mas potencialmente perigoso.

O glicinato de magnésio é uma forma quelatada de magnésio que tende a fornecer os mais altos níveis de absorção e biodisponibilidade e normalmente é considerado ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência

O óxido de magnésio é um tipo de magnésio não quelatado, ligado a um ácido orgânico ou a um ácido graxo. Contém 60 por cento de magnésio e tem propriedades de amaciamento de fezes

O cloreto de magnésio/lactato de magnésio contém apenas 12 por cento de magnésio, mas tem uma absorção melhor do que de outros, como o óxido de magnésio, que contém cinco vezes mais magnésio

O sulfato de magnésio/hidróxido de magnésio (leite de magnésia) são normalmente utilizados como laxantes. Esteja ciente de que é fácil sofrer uma overdose com estes, portanto SOMENTE tome a dose indicada

O carbonato de magnésio, que tem propriedades antiácidas, contém 45% de magnésio

O taurato de magnésio contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido. Juntos, eles tendem a proporcionar um efeito calmante no seu corpo e mente

O citrato de magnésio é magnésio com ácido cítrico, que tem propriedades laxantes

O treonato de magnésio é um recente e emergente tipo de suplemento de magnésio que parece promissor, principalmente devido à sua capacidade superior de penetrar na membrana mitocondrial e pode ser o melhor suplemento de magnésio no mercado

Equilibre seu Magnésio com Cálcio, Vitamina K2 e D

Um dos principais benefícios de se obter seus nutrientes através de uma dieta variada de alimentos integrais é que você tem menos probabilidade de acabar tendo excesso de um nutriente e quantidade insuficiente de outro.

Os alimentos, em geral, contêm todos os cofatores e os co-nutrientes necessários nas proporções corretas para se ter uma saúde otimizada... a sabedoria da natureza elimina a as adivinhações. Quando você está usando suplementos, você precisa aprender mais sobre o modo como os nutrientes influenciam e interagem uns com os outros.

Por exemplo, é importante manter um equilíbrio adequado entre o magnésio, o cálcio, a vitamina K2 e a vitamina D. Atualmente, uma proporção adequada de magnésio a cálcio é de 1:1, de acordo com a Dra. Dean, que estudou esta questão pelos últimos 15 anos.

Estes quatro nutrientes trabalham em sinergia e a falta de equilíbrio entre eles é o motivo pelo qual os suplementos de cálcio tornaram-se associados ao aumento do risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais e por que algumas pessoas experimentam toxicidade de vitamina D.

A Prevenção da Diabetes tipo 2 Requer um Tratamento de Múltiplas Frentes

A diabetes tipo 2, que envolve a perda de insulina e sensibilidade à leptina, é facilmente prevenida e quase 100 por cento reversível sem remédios. No entanto, prevenir-se contra esta doença terrível requer uma abordagem multifacetada. Conseguir magnésio o suficiente é apenas uma parte da fórmula.

A principal força motriz por trás da obesidade e da diabetes tipo 2 é o consumo excessivo da frutose dietética, que tem efeitos adversos sobre todos os seus hormônios metabólicos, por isso é importante controlar o açúcar na sua dieta, em particular a frutose. Outros fatores essenciais de estilo de vida incluem exercício e otimizar sua flora intestinal.

Se você foi diagnosticado com diabetes tipo 2, é melhor evitar o método farmacêutico. Os remédios para diabetes não tratam o problema subjacente, e muitos, como Avandia, podem ter efeitos colaterais perigosos. A Avandia está ligada a um aumento de 43 por cento de risco de ataque cardíaco e um aumento de 64 por cento de risco de morte cardiovascular, em comparação com outros tratamentos.