Perda de Memória ou Demência?

Escaneamento Cerebral Através de IRM

Resumo da matéria -

  • Se alterações na memória ou na capacidade de raciocínio são intensos o suficiente para serem notados por amigos ou familiares, você pode estar enfrentando um comprometimento cognitivo leve (CCL)
  • Se as alterações mentais são tão significantes a ponto de interferir em sua capacidade de desenvolver atividades ou viver de forma independente, você pode estar enfrentando demência
  • Uma dieta cetogênica rica em gordura, moderada em proteínas e baixa em carboidratos líquidos é essencial para a proteção da saúde cerebral e é recomendada para praticamente todas as pessoas, porém especialmente para aquelas preocupadas com sua saúde cerebral
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Praticamente todo mundo tem momentos de esquecimento, porém como saber se esses lapsos de memória são normais do dia a dia ou se são um sinal de algo mais sério como demência?

Esta é uma preocupação comum, especialmente com o aumento da idade.

Conforme envelhecemos, a velocidade de processamento de informações no cérebro pode se reduzir, o que significa que pode levar mais tempo para lembrarmos o nome do autor do livro que estamos lendo ou o nome de nosso colega de infância.

A palavra está na ponta da língua, porém mesmo que não possamos lembrá-la, podemos reestruturar os pensamentos para levar a mensagem adiante. Isto é muito comum e é denominado “momento sênior” ou, conforme os neurocientistas o chamam “alterações desajustadas da atividade cerebral.”

Exemplos destes momentos são: envio de um e-mail à pessoa errada ou esquecimento de um compromisso.

Isto ocorre porque o cérebro interpreta várias atividades diárias como padrões e pode retroceder à sua default mode network (rede de modo padrão - DMN), parte do cérebro responsável pelo pensamento concentrado internamente, tal como devaneio, durante este período.

Em resumo, o cérebro faz um pequeno intervalo quando você realmente precisa de sua atenção focada, causando um lapso de memória menor, porém completamente normal.

Perda de Memória: Momento de Preocupação

Se alterações na capacidade de memorização ou de pensamento são intensos o suficiente a ponto de serem notados pelos amigos e familiares, você pode estar enfrentando um comprometimento cognitivo leve (CCL). O CCL é um declínio leve da habilidade cognitiva que aumenta o risco de desenvolvimento de demência mais grave, incluindo a doença de Alzheimer.

Se as alterações mentais são tão significantes a ponto de interferir na sua capacidade de desenvolver atividades ou viver de forma independente, você pode estar enfrentando demência. Por exemplo, é normal ter problemas para encontrar a palavra correta de vez em quando, porém se você esquece palavras com frequência e repete frases e histórias durante um diálogo, isto pode ser um problema.

Outra bandeira vermelha é sentir-se perdido ou desorientado em locais familiares (oposto de necessitar informações para chegar-se a um determinado local de vez em quando). 

Se você é capaz de descrever um momento em que se esqueceu de algo, como por exemplo, perder as chaves, isto é um bom sinal; um sinal mais sério é não ser capaz de lembrar-se de situações onde a perda de memória causou um problema mesmo que seus entes queridos as descreva para você. Outros sinais de alerta de CCL ou demência são:

  • Dificuldade em realizar tarefas diárias como pagar contas ou cuidar da higiene pessoal
  • Fazer a mesma pergunta repetidamente
  • Dificuldade em fazer escolhas
  • Mostrar pouco discernimento ou comportamento social inapropriado
  • Alterações na personalidade ou perda de interesse nas atividades favoritas
  • Lapsos de memória que colocam pessoas em perigo, como deixar o fogo aceso
  • Incapacidade de reconhecer rostos ou objetos familiares
  • Negar a existência de um problema de memória e ficar bravo (a) quando as pessoas o trazem à tona

Sinais Precoces de Alerta para Alzheimer

Sinais de Alzheimer/demência Alterações típicas relacionadas à idade

Pouco discernimento e tomada de decisões

Tomar uma decisão ruim de vez em quando

Incapacidade de gerenciar um orçamento

Esquecer um pagamento mensal

Perder a noção da data ou da estação

Esquecer que dia é hoje e lembrar-se em seguida

Dificuldade em manter uma conversa

Esquecer, às vezes, qual palavra usar

Perder coisas e não ser capaz de refazer os passos para encontrá-las

Perder coisas de vez em quando

Se sua Memória Está Falhando, Mude para uma Dieta Cetogênica AGORA

Se sua memória falha com frequência suficiente para se ter um mínimo de preocupação ou dúvida, este é o momento para reagir. A realidade é que você pode desfrutar de uma boa função cerebral mesmo em idade avançada e a perda de memória pode ser um sinal precoce de que alterações cerebrais sérias estão por vir.

Uma dieta cetogênica rica em gordura, moderada em proteínas e baixa em carboidrato líquido é essencial para a proteção da saúde cerebral e é recomendada para praticamente todo mundo, especialmente para pessoas preocupadas com sua saúde cerebral.

Este tipo de dieta envolve a restrição de todos os carboidratos com exceção dos vegetais e a substituição deles por quantidades pequenas a moderadas de proteína de alta qualidade e grandes quantidades de gordura benéfica.

É uma dieta que ajudará na otimização do peso e na redução do risco de desenvolvimento de doenças degenerativas crônicas ao mesmo tempo em que protege o cérebro. Alimentar-se desta forma irá ajudá-lo a converter o modo queima de carboidrato para o modo queima de gordura, o que, por sua vez, aciona a produção de cetonas (também conhecidas como corpos cetônicos ou cetoácidos).

As cetonas podem alimentar o cérebro e evitar a atrofia cerebral. Elas podem ainda restaurar e renovar os neurônios e a função neural no cérebro depois que o dano estabeleceu-se. Além da dieta cetogênica, outra fonte primária de cetonas são os triglicérides de cadeia média (TCM) encontrados no óleo de coco. Conforme observado no British Journal of Nutrition (Revista Britânica de Nutrição):

"Ao contrário de outras gorduras dietéticas ricas em ácidos graxos de cadeia longa, o óleo de coco abrange ácidos graxos de cadeia média (TCM). Os TCM são os únicos facilmente absorvidos e metabolizados pelo fígado e podem ser convertidos em cetonas.

Corpos cetônicos são fonte alternativa importante de energia cerebral e podem ser benéficos a pessoas que estão desenvolvendo ou que já se encontram com problemas de deficiência de memória, como a doença de Alzheimer (DA)."

Os TCM do Óleo de Coco são um Alimento Fenomenal para o Cérebro

Muitas pessoas já ouviram falar que o peixe é alimento para o cérebro devido à sua alta concentração de gorduras ômega-3. Estas são certamente importantes, porém igualmente são os TMCs. Triglicérides de cadeia média (TCM) são gorduras que não são processadas pelo organismo da mesma forma que os triglicérides de cadeia longa.

Normalmente, a gordura levada ao organismo deve ser misturada à bile liberada da vesicular biliar antes de poder ser decomposta no sistema digestivo. Porém, os triglicérides de cadeia média seguem diretamente para o fígado, naturalmente convertendo o óleo em cetonas, desviando totalmente da bile.

O fígado, então, imediatamente libera cetonas no fluxo sanguíneo onde são transportadas ao cérebro para serem usadas como combustível.

Na verdade, as cetonas parecem ser a fonte preferida de alimento para o cérebro em pessoas afetadas pela doença de Alzheimer. De acordo com uma pesquisa realizada pela Dra. Mary Newport, somente duas colheres de sopa de óleo de coco (em torno de 35 mililitros [ml] ou 7 colheres rasas de chá) o (a) suplementariam com o equivalente de 20 gramas de TCM, quantidade indicada tanto como medida preventiva contra doenças neurológicas degenerativas como tratamento para casos já estabelecidos.

Uma pesquisa intrigante igualmente mostrou garantias do óleo de coco para o tratamento da doença de Alzheimer. Um estudo concluiu que 40 ml de óleo de coco extravirgem diariamente levaram a melhoras consideráveis da situação cognitiva em mulheres com Alzheimer. Outra revisão observou que:

" … [E]vidências apóiam o conceito de que o coco pode ser benéfico no tratamento da obesidade, da dislipidemia, da resistência à insulina e da hipertensão – estes são os fatores de risco para DCV e diabetes tipo 2 e também para DA.

Ademais, compostos fenólicos e hormônios (citocininas) encontrados no coco podem auxiliar na prevenção do acúmulo de peptídeos β-amiloides, potencialmente inibindo um passo chave para a patogenia da DA."

Estratégias Dietéticas Adicionais para Ajudar na Prevenção do Alzheimer

A fim de reverter a tendência de desenvolvimento de Alzheimer, simplesmente devemos reaprender a nos alimentar para obtermos saúde ótima. Produtos processados de conveniência estão literalmente nos matando, contribuindo não somente com a demência, porém igualmente com a diabetes, com doenças cardíacas e com o câncer.

Além de seguir a dieta cetogênica, as seguintes estratégias dietéticas são igualmente importantes:

Evite açúcar e frutose refinada. Idealmente, você deve manter os níveis de açúcar no menor patamar e a quantidade total de frutose abaixo de 25 gramas por dia, ou tão baixa quanto 15 gramas por dia se você possui resistência à insulina/leptina ou qualquer transtorno relacionado.

Evite glúten e caseína (primariamente trigo e produtos lácteos pasteurizados, porém não gordura láctea, como manteiga, por exemplo). Uma pesquisa realizada mostra que a barreira hematoencefálica é negativamente afetada pelo glúten. O glúten igualmente deixa seu intestino mais permeável, permitindo que as proteínas entrem no fluxo sanguíneo, local onde não pertencem.

Isto, então, sensibiliza seu sistema imunológico e promove inflamações e autoimunidade, ambos contribuindo para o desenvolvimento do Alzheimer.

Melhore a flora intestinal consumindo regularmente alimentos fermentados ou tomando um suplemento probiótico de alta potência e alta qualidade.

Aumente o consumo de todas as gorduras saudáveis, incluindo ômega-3 de origem animal. Fontes de gordura saudável são: abacate, manteiga produzida com leite orgânico proveniente de animal alimentado com pasto natural, gemas de ovos de animal criado em pasto orgânico, cocos e óleo de coco, amêndoas cruas, produtos lácteos crus, carne de animal alimentado no pasto e aves criadas no pasto natural. Certifique-se também de ingerir gorduras ômega-3 de origem animal.

O alto consumo de gorduras ômega-3 EPA e DHA ajuda através da prevenção do dano celular causado pela doença de Alzheimer, retardando, assim, sua progressão e reduzindo o risco de desenvolvimento do distúrbio.

Reduza o consumo calórico em geral e/ou o jejum intermitente. As cetonas são mobilizadas quando você substitui carboidratos por óleo de coco e outras fontes de gorduras saudáveis. O jejum intermitente é uma ferramenta poderosa para que o organismo inicie o processo de recordação da queima gordura e reparo da resistência à insulina/leptina, fator contribuinte primário para o Alzheimer.

Melhore os níveis de magnésio. Existe uma pesquisa preliminar empolgante que fortemente sugere declínio dos sintomas de Alzheimer com o aumento dos níveis de magnésio no cérebro. Infelizmente, a maioria dos suplementos de magnésio não ultrapassa a barreira hematoencefálica, porém um novo suplemento, o magnésio treonato, parece prometer ser o futuro no tratamento desta condição e pode ser superior a outras fórmulas.

Tenha uma dieta nutritiva rica em ácido fólico. Vegetais, sem dúvida, são a melhor forma de ácido fólico e devíamos todos consumir muito vegetal cru fresco todos os dias. Evite suplementos como ácido fólico, que é uma versão sintética inferior de ácido fólico.

Diretrizes Gerais de Estilo de Vida para Prevenção do Alzheimer

Além da dieta, existem diversos fatores de estilo de vida que podem contribuir ou retardar a saúde neurológica. As seguintes estratégias são, portanto, igualmente importantes em qualquer plano de prevenção de Alzheimer:

Exercícios. Exercícios levam ao crescimento do hipocampo e à melhora da memória e foi sugerido que exercícios podem acionar uma alteração na forma como a proteína precursora de amiloides é metabolizada, desta forma retardando o estabelecimento e progressão do Alzheimer.

Exercícios igualmente aumentam o nível de proteína PGC-1alfa. Uma pesquisa realizada demonstrou que pessoas com Alzheimer possuem menos PGC-1alfa em seus cérebros e células que contêm mais desta proteína produzem menos da proteína amiloide tóxica associada ao Alzheimer.

Melhore os níveis de vitamina D com exposição segura ao sol. Fortes ligações entre baixos níveis de vitamina D em pacientes com Alzheimer e resultados precários em testes cognitivos foram reveladas. Pesquisadores acreditam que níveis ótimos de vitamina D podem elevar a quantidade de químicos importantes no cérebro e proteger as células cerebrais através do aumento da eficácia das células gliais em levar neurônios danificados de volta à forma saudável.

A vitamina D pode igualmente exercer alguns de seus efeitos benéficos sobre o Alzheimer através de suas propriedades anti-inflamatórias e imunológicas características. Manter o nível suficiente de vitamina D (50 a 70 ng/ml) é imperativo para o funcionamento apropriado do sistema imunológico no combate a inflamações, igualmente associado ao Alzheimer.

Evite e elimine o mercúrio de seu organismo. Obturações feitas com amálgama, que possui 50 por cento de mercúrio em peso, são uma das principais fontes de toxicidade por metal pesado. No entanto, você deve estar saudável antes de removê-las.

Uma vez ajustado (a) à dieta descrita em meu plano de nutrição otimizada, você pode seguir o protocolo de desintoxicação do mercúrio e, então, procurar por um dentista biológico para retirar as amálgamas.

Evite e elimine o alumínio do organismo. Fontes de alumínio são: antitranspirantes, panelas antiaderentes, adjuvantes de vacinas, etc. Para obter dicas sobe como fazer a desintoxicação do alumínio, por favor, leia meu artigo "First Case Study to Show Direct Link between Alzheimer's and Aluminum Toxicity (Primeiro Estudo de Caso para Mostrar a Relação Direta entre o Alzheimer e a Toxicidade pelo Alumínio)."

Evite vacinas contra gripe, uma vez que elas contêm tanto mercúrio quanto alumínio, bem conhecidos como agentes neurotóxicos e imunotóxicos.

Evite medicamentos anticolinérgicos e medicamentos à base de estatinas. Medicamentos que bloqueiam a acetilcolina, neurotransmissor do sistema nervoso, demonstraram aumentar o risco de desenvolvimento de demência. Estes medicamentos são: alguns aliviadores de dores noturnos, anti-histamicos, auxiliares do sono, alguns antidepressivos, medicamentos para controle da incontinência e alguns aliviadores narcóticos de dor.

Medicamentos à base de estatina são particularmente problemáticos porque inibem a síntese do colesterol, esgotam a coenzima Q10 e os precursores neurotransmissores do cérebro e evitam entrega adequada de ácidos graxos essenciais e antioxidantes solúveis em gordura ao cérebro inibindo a produção da biomolécula condutora indispensável conhecida como lipoproteína de baixa densidade.

Desafie sua mente diariamente. Estímulo mental, especialmente aprendizado de algo novo como aprender a tocar um instrumento ou aprender um novo idioma, está associado à redução do risco de desenvolvimento do Alzheimer. Pesquisadores suspeitam que o desafio mental ajuda na construção do cérebro, tornando-o menos suscetível a lesões associadas à doença de Alzheimer.