A Deficiência de Vitamina D Durante a Gravidez Aumenta o Risco de seu Filho ter Autismo

Enigma do biscoito azul

Resumo da matéria -

  • Pesquisas recentes demonstraram que a deficiência de vitamina D durante a gravidez está associada a um aumento das características relacionadas ao autismo em crianças de seis anos de idade. A deficiência foi definida como ter nível de vitamina D abaixo de 25 nmol / L (10 ng/mL)
  • A vitamina D regula um gene responsável pela conversão de triptofano em serotonina. A serotonina é essencial durante o desenvolvimento do cérebro fetal. Quando há falta de vitamina D, um nível baixo de serotonina pode produzir defeitos neurológicos
  • Otimizar seus níveis de vitamina D durante a gravidez também pode reduzir o risco de parto prematuro pela metade e reduzir o risco de seu filho ter esclerose múltipla
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Houve um aumento dramático e preocupante nas taxas de transtorno do espectro autista (TEA) nos últimos 30 anos e os especialistas acreditam que essas taxas continuarão a aumentar.

Quando eu estava na faculdade de medicina há mais de 35 anos, a incidência de autismo era de 1 em 10.000.

De acordo com um relatório de 2013 do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (U.S. Department of Health and Human Services -DHHS) e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), os dados coletados da Pesquisa Nacional de Saúde Infantil de 2007 e 2011-2012 sugeriram que 1 em cada 50 crianças entre os as idades de 6 e 17 anos tinha TEA.

Em abril de 2016, o CDC relatou uma taxa de TEA de 1 em 68. No entanto, essa taxa é baseada apenas em crianças de 8 anos em 11 estados (Arkansas, Arizona, Colorado, Geórgia, Maryland, Missouri, Nova Jersey, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Utah e Wisconsin).

Apesar dessa limitação, a prevalência de 1 em 68 é a que está listada no site de Dados e Estatísticas de Autismo do CDC, e é aquela mais frequentemente citada nos noticiários. Enquanto isso, uma pesquisa do governo emitida em 2015 afirma que a taxa de TEA pode chegar a ser tão alta quanto 1 criança a cada 45 com idades entre 3 e 17.

O que Está Causando esse Aumento Rápido no Autismo?

De forma pertubadora, o CDC também informa que impressionantes 1 em cada 6 crianças tem alguma forma de deficiência de desenvolvimento, que vão desde deficiências de fala e linguagem até deficiências intelectuais mais graves, incluindo autismo e paralisia cerebral.

De acordo com as projeções da Dra. Stephanie Seneff, cientista de pesquisa sênior do MIT, nas próximas duas décadas, metade de todas as crianças nascidas terão algum tipo de transtorno autista se a atual tendência continuar inalterada.

Se essa projeção se materializar, isso significa o fim do nosso país. Sem algum tipo de inteligência artificial avançada, não há como qualquer país possa sobreviver, e muito menos prosperar, com metade dos adultos sendo autistas. Então, que fator é responsável por esta epidemia?

Um número crescente de pesquisas indica que os distúrbios cerebrais são o resultado de uma exposição excessiva a toxinas, incluindo o Roundup, um pesticida comumente usado, tanto durante a gravidez quanto após o nascimento.

Dois outros fatores críticos parecem estar relacionados com um microbioma do intestino danificado e deficiência de vitamina D, sendo este último o foco deste artigo.

A Deficiência de Vitamina D Durante a Gravidez Aumenta o Risco de Autismo

Por um tempo, a ideia de que a deficiência de vitamina D pode desempenhar um papel no autismo foi pouco mais do que uma suspeita lógica, com base no fato de que o cérebro humano contém receptores de vitamina D, sugerindo que a vitamina D é importante para o desenvolvimento e função corretos do cérebro.

Um número crescente de pesquisas agora está começando a validar esta hipótese. Mais recentemente, um grande estudo de coorte baseado em população multiétnica publicado na Molecular Psychiatry revelou que a deficiência de vitamina D durante a gravidez foi associada a um aumento nas características relacionadas ao autismo em crianças de seis anos de idade.

O estudo, que atraiu ampla atenção da mídia internacional, é o primeiro estudo que examina a associação entre deficiência de vitamina D gestacional e autismo ou características relacionadas ao autismo em amostras da população em geral. De acordo com os autores:

“Aqueles que eram deficientes em 25OHD [25-hidroxivitamina D] apresentaram pontuações significativamente maiores (mais anormais) de SRS [Escala de Capacidade de Resposta Social ou [Social Responsiveness Scale no original em inglês].

As conclusões persistiram: (a) quando restringimos os modelos à prole com ascendência europeia, (b) quando ajustamos a estrutura da amostra usando dados genéticos, (c) quando o 25OHD foi inserido como uma medida contínua nos modelos e (d) quando nós corrigimos o efeito da estação na amostragem de sangue...

É viável que um suplemento de vitamina D seguro, barato e acessível ao público em grupos de risco possa reduzir a prevalência desse fator de risco.

Assim como a suplementação pré-natal de folato reduziu a incidência de espinha bífida, especulamos que a suplementação pré-natal de vitamina D pode reduzir a incidência de autismo.”

Duas Considerações Importantes

Todas as mães participando deste estudo deram à luz entre abril de 2002 e janeiro de 2006. As crianças foram acompanhadas até a idade de seis anos.

Os níveis de vitamina D foram avaliados na metade da gestação (entre 18 e 25 semanas) a partir de amostras de sangue materno e sangue do cordão umbilical ao nascer. Há dois pontos que gostaria de destacar em relação a este estudo.

1. A deficiência de vitamina D foi definida como uma concentração de 25 OHD abaixo de 10 nanogramas por mililitro (ng/mL) ou 25 nmol por litro (nmol/L). Um nível de vitamina D entre 10 a 19,96 ng/mL (25 a 49,9 nmol/L) foi considerado insuficiente, enquanto um nível de 20 ng/mL (50 nmol/L) ou mais foi considerado suficiente.

Outros importantes pesquisadores de vitamina D produziram provas convincentes que demonstraram que qualquer coisa abaixo de 40 ng/mL (100 nmol/L) é insuficiente, e qualquer coisa abaixo de 20 ng/mL (50 nmol/L) representa um estado de deficiência.

Se esses níveis mais altos tivessem sido usados aqui, poderia ter resultado em uma correlação ainda maior entre os sintomas de TEA e o nível de vitamina D. Para uma gravidez e bebê saudáveis, recomendo fortemente que o seu nível de vitamina D esteja entre 40 e 60 ng/mL (100 e 150 nmol/L).

2. A concentração de 25OHD neste estudo foi definida como a soma de 25-hidroxivitamina D2 e ​​25-hidroxivitamina D3), medida no sangue.

Isso significa que inclui todas as fontes de vitamina D, seja da exposição ao sol, suplementos e/ou alimentos. A vitamina D2 viria de fontes de plantas irradiadas e a D3 seria proveniente de fontes animais.

No entanto, quando se trata de aumentar o seu nível de vitamina D, há razões para suspeitar que a ingestão de vitamina D (como D3 ou D2, tendo a última realmente demonstrado ter desvantagens significativas ou efeitos colaterais) pode não fornecer os mesmos benefícios da exposição sensível ao sol.

Para saber mais sobre essa diferença, veja minha entrevista anterior com o Seneff. Se você, por qualquer motivo, não pode obter exposição solar suficiente durante todo o ano para aumentar ou manter níveis otimizados, então um suplemento de vitamina D3 é certamente aconselhável.

É melhor do que nada, mas idealmente, para obter TODOS os benefícios da vitamina D, busque fazer uma exposição sensível aos raios ultravioletas (UV), sendo muito cuidadoso para não sofrer queimaduras pelo sol.

Lembre-se de que a vitamina D é um indicador biológico indireto da exposição aos raios UVB e é provável que você prejudique mecanismos importantes e muitos ainda não descobertos se você enganar seu corpo obtendo vitamina D sem exposição solar.

Um destes mecanismos dos quais estamos cientes atualmente é que você sentirá a falta da radiação do infravermelho próximo da exposição ao UVB do sol, que equilibrou o UVB e tem muitas funções importantes. A radiação do infravermelho próximo ativará a citocromo C oxidase em sua mitocôndria e ajudará a otimizar a produção de ATP entre muitas outras funções importantes.

Como a Vitamina D Influencia o Autismo

A cientista biológica Dra. Rhonda Patrick, publicou dois artigos que apresentam uma hipótese verdadeiramente elegante sobre como a vitamina D pode influenciar o autismo. Para entender por que a vitamina D desempenha um papel tão importante na função cerebral (e disfunção), é importante entender que a vitamina D realmente é convertida em um hormônio esteroide (outros hormônios esteroides incluem estrogênio e testosterona).

Como um hormônio esteroide, ela regula mais de 1.000 processos fisiológicos diferentes, e considera-se que ela controla pelo menos 5 por cento do genoma humano. Quando você tem vitamina D suficiente no seu corpo, ela liga-se aos receptores de vitamina D localizados em todo o seu corpo, agindo assim como uma chave que abre a porta proverbial.

O complexo de receptores de vitamina D pode penetrar no interior do DNA, onde reconhece a sequencia do código que indica o complexo do receptor de vitamina D para ativar o gene (tornando-o ativo) ou desativado (tornando-o inativo).

A pesquisa de Patrick identificou um gene regulado pela vitamina D que codifica uma enzima externa chamada triptofano hidroxilase (TPH). A TPH é responsável pela conversão de triptofano (que você obtém da proteína dietética) em serotonina, um neurotransmissor envolvido na regulação do humor e no desenvolvimento do cérebro.

Você tem dois genes TPH diferentes no seu corpo - um no seu cérebro e outro no seu intestino. O que está no seu cérebro produz a serotonina no cérebro, e o do seu intestino converte o triptofano em serotonina no intestino, e o último não pode atravessar a barreira hematoencefálica para entrar no seu cérebro.

Este é um ponto importante porque, embora muitos entendam que a maioria (cerca de 90 por cento) da serotonina do seu corpo seja produzida no intestino e não no cérebro, o pensamento prevalente tem sido que a serotonina intestinal irá influenciar automaticamente a função cerebral.

Uma vez que ela não é capaz de atravessar a barreira hematoencefálica, este não é o caso. Os dois sistemas de serotonina estão completamente separados. Sua serotonina intestinal desempenha um papel na coagulação do sangue, o que é um benefício importante. Por outro lado, muita serotonina intestinal ativará as células T, fazendo com que elas proliferem e promovam a inflamação.

A Vitamina D Mantém a Serotonina Intestinal sob Controle

O que Patrick descobriu é que, no intestino, a vitamina D desativa o gene responsável pela fabricação de TPH (a enzima que converte o triptofano em serotonina). Desta forma, a vitamina D ajuda a combater a inflamação no intestino causada por níveis excessivos de serotonina.

Enquanto isso, no cérebro, o gene de triptofano hidroxilase possui uma sequência que causa a reação oposta. Aqui, a vitamina D ativa o gene, aumentando assim a produção de serotonina! Não é necessário dizer que, quando você tem quantidades suficientes de vitamina D, duas coisas acontecem simultaneamente:

  1. A inflamação intestinal é reduzida, cortesia da desativação do gene associado à produção de serotonina.
  2. Os níveis de serotonina no cérebro são aumentados pela ativação de genes e no cérebro, a serotonina desempenha um papel importante no humor, controle de impulsos, planejamento em longo prazo, comportamento em longo prazo, ansiedade, memória e muitas outras funções cognitivas e comportamentos, incluindo a barreira sensorial - a capacidade de filtrar estímulos estranhos ou sem importância.

Desde a publicação do primeiro artigo de Patrick em 2014, um grupo independente da Universidade do Arizona validou bioquimicamente suas descobertas, confirmando que a vitamina D realmente ativa o gene de triptofano hidroxilase 2 (TPH2) em uma variedade de tipos de células neuronais.

Antes da publicação desse artigo, isso simplesmente não era conhecido, e essa é uma descoberta significativa que pode ajudar a jogar muita luz sobre a influência da vitamina D no autismo, já que a maioria das crianças autistas não tem somente disfunção cerebral, como também inflamação intestinal.

Sua pesquisa demonstra claramente quão importante é ter vitamina D suficiente para prevenir e tratar ambos os problemas. Para saber mais, ouça a entrevista de Patrick, incluída acima para sua conveniência.

Ter um Nível Baixo de Vitamina D Está Associado à Esclerose Múltipla

A vitamina D é vital durante a gravidez por muitas outras razões também. A pesquisa demonstrou que as crianças nascidas de mulheres com níveis adequados de vitamina D apresentam um menor risco de esclerose múltipla (EM) e outras doenças autoimunes, como a doença inflamatória intestinal e diabetes tipo 1, na infância e vida adulta.

Um recente estudo dinamarquês mostrou que os recém-nascidos com níveis de vitamina D acima de 20 ng/mL (50 nmol/L) eram 47 por cento menos propensos a desenvolver EM aos 30 anos em comparação com aqueles com níveis de vitamina D abaixo de 12 ng/mL (30 nmol/L) no nascimento. A EM é uma doença neurodegenerativa crônica dos nervos em seu cérebro e coluna vertebral, causada por um processo de desmielinização. Tem sido considerada uma doença “sem esperança” com poucas opções de tratamento.

Um estudo apresentado na reunião anual da Associação americana de medicamentos neuromusculares e eletrodiagnósticos (American Association of Neuromuscular and Electrodiagnostic Medicin -AANEM) em 2014 mostrou que a deficiência de vitamina D é surpreendentemente prevalente entre aqueles diagnosticados com EM e outras condições neuromusculares. Aqui, a deficiência de vitamina D foi definida como ter um nível de 25OHD3 de 30 ng/mL (75 nmol/L) ou menor.

Dos pacientes diagnosticados com doença neuromuscular, 48 por cento eram deficientes em vitamina D. Apenas 14 por cento estavam acima de “normal”, que era constituído por um nível de vitamina D de 40 ng/mL (100 nmol/L). De acordo com um dos autores:

“Embora a conexão entre deficiência de vitamina D e doença neurológica seja provavelmente complexa e ainda não totalmente compreendida, este estudo pode levar os médicos a considerar verificar os níveis de vitamina D nos seus pacientes com condições neurológicas e a fazer a suplementação quando necessário.”

Além disso, cerca de uma dúzia de outros estudos também observaram uma forte ligação entre EM e deficiência de vitamina D. Por exemplo, uma série de estudos confirmou que seu risco de EM aumenta  quanto mais longe você viver do equador, sugerindo que a falta de exposição ao sol amplifica seu risco.

A Otimização de Vitamina D Pode Diminuir o Risco de Nascimento Prematuro pela Metade

Todos os anos, mais de meio milhão de partos prematuros acontecem nos EUA, e isso é o assassino número um dos recém-nascidos. Uma pesquisa mostra que metade desses partos prematuros poderia ser facilmente evitada simplesmente aumentando-se os níveis de vitamina D das mulheres grávidas. Entre as populações afro-americanas e hispânicas, de 70 a 75 por cento de todos os partos prematuros poderiam ser prevenidos.

Descobertas similares foram documentadas entre partos de gêmeos, que tendem a ter um maior risco de parto prematuro. Um estudo de 2013 revelou que as mulheres grávidas de gêmeos que tinham um nível mínimo de vitamina D de 30 ng/mL (75 nmol/L) no final do segundo trimestre apresentaram uma redução de 60 por cento nos partos prematuros.

De acordo com um artigo de 2015 produzido por pesquisadores da GrassrootsHealth e da Universidade Médica da Carolina do Sul, as mulheres com níveis de vitamina D de 40 a 60 ng/mL (100 a 150 nmol/L) têm uma taxa de parto prematuro 46 por cento menor do que a população em geral. As mulheres com um nível de vitamina D igual ou superior a 40 ng/mL (100 nmol/L) no terceiro trimestre tiveram um risco 59 por cento menor de parto prematuro do que aquelas com níveis abaixo de 20 ng/mL (50 nmol/L).

Além disso, como observado em um comunicado de imprensa: “Outra descoberta importante foi um aumento constante do tempo de gestação (quanto tempo o bebê permaneceu no útero), correlacionando-se com o aumento da vitamina D até cerca de 40 ng/mL, onde este atingiu um patamar estável.” Em outras palavras, 40 ng/mL ou 100 nmol/L é “o nível mágico” para a prevenção do parto prematuro.

E mais um estudo de 2015 revelou as seguintes correspondências entre os níveis de vitamina D e parto prematuro (menos de 37 semanas de gestação):

  • Entre as mulheres com um nível de vitamina D inferior a 20 ng/mL (50 nmol/L), a incidência de parto prematuro foi de 11,3 por cento
  • Entre aquelas com um nível de vitamina D de 20 a 29,96 ng/mL (50 a 74,9 nmol/L), a taxa de parto prematuro foi de 8,6 por cento
  • Entre aquelas com 30 ng/mL (75 nmol/L) ou maior, a taxa de parto prematuro foi de 7,3%

Vitamina D - Uma Maneira Simples e Barata de Melhorar sua Saúde e a do seu Filho

No vídeo acima, Glen Depke entrevista a Dra. Carol Wagner, neonatologista e principal investigadora do Protect Our Children NOW!, uma campanha de saúde pública destinada a aumentar a consciência geral sobre a importância dos níveis otimizados de vitamina D para a saúde das mulheres e das crianças.

Nele, Wagner cita a pesquisa realizada por sua equipe mostrando que 4.000 unidades internacionais (UI) de vitamina D3 por dia parecem ser uma quantidade ideal para mulheres grávidas.

Dito isto, sua necessidade pode ser maior ou menor, dependendo do seu nível atual, então certifique-se de fazer um exame para determinar qual é o seu nível de vitamina D - idealmente antes de engravidar e rotineiramente durante a gravidez e amamentação - e tome qualquer quantidade de vitamina D3 que você precisar para alcançar e manter um nível de 40 a 60 ng/mL (100 a 150 nmol/L). Ele certamente não pode ser inferior a 40 ng/mL (100 nmol/L).

Eu sugiro fortemente levar essa informação a sério e compartilhá-la com qualquer pessoa que possa beneficiar-se dela. Otimizar sua vitamina D é uma das maneiras mais fáceis e menos caras de reduzir seu risco de complicações e parto prematuro. Também pode reduzir significativamente o risco de seu filho ter TEA, EM e outras condições de saúde crônicas.

O exame de vitamina D que você procura é chamado de 25 (OH) D ou 25-hidroxivitamina D. Este é o marcador oficialmente reconhecido do seu nível geral de D e está mais fortemente associado à saúde geral. O outro teste de vitamina D disponível, chamado 1,25-dihidroxi vitamina D (1,25 (OH) D), não é muito útil para determinar a suficiência de vitamina D.

Embora a luz solar seja a maneira ideal de otimizar sua vitamina D, o inverno e o trabalho impedem que mais de 90% dos que leem este artigo obtenham níveis ideais sem suplementação. Apenas lembre-se de também aumentar a sua ingestão de vitamina K2 e magnésio, quer por meio de alimentos ou suplementos, e busque mudar-se para ou ficar de férias por longos períodos de tempo nos subtrópicos para obter vitamina D naturalmente a partir da exposição ao sol.