Exercícios Ajudam o Sistema Imunológico se Proteger Contra Futuros Cânceres

Exercícios Protegem o Sistema Imunológico

Resumo da matéria -

  • Em um estudo realizado ao longo de três meses, exercícios demonstraram transformar as células imunológicas em uma forma mais potente de combate à doença em sobreviventes de câncer que haviam acabado de completar o tratamento quimioterápico
  • Pesquisadores e organizações para o câncer recomendam a prática regular de exercícios como prioridade para reduzir os riscos de desenvolvimento de câncer e ajudar a melhorar os resultados em casos de instalação da doença
  • Exercícios também reduzem os riscos de desenvolvimento de câncer reduzindo os níveis elevados de insulina. Isto cria um ambiente de baixo açúcar que desencoraja o crescimento e a propagação de células cancerígenas. Uma pesquisa realizada também encontrou evidências que sugerem que exercícios podem ajudar no desencadeamento da apoptose (morte programada de células) em células cancerígenas
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Se você é como a maioria das pessoas, quando pensa em redução dos riscos de desenvolvimento de câncer, exercícios provavelmente não estão no topo de sua lista.

No entanto, existem evidências convincentes de que a prática de exercícios pode não somente ajudar a barrar os riscos de desenvolvimento de câncer, como também ajudar pacientes com câncer a melhorar rapidamente e ajudar na prevenção contra a recorrência da doença.

Pesquisa realizada também mostrou que exercícios podem minimizar os efeitos colaterais do tratamento convencional do câncer.

Um estudo preliminar apresentado no VI encontro Biologia Integrativa dos Exercícios em meados de outubro ajuda a explicar por que exercícios são tão eficazes na redução dos riscos de desenvolvimento de cânceres secundários em sobreviventes ou por que eles podem reduzir os riscos de desenvolver câncer em primeiro lugar.

Exercícios Melhoram a “Sobrevivência ao Câncer” do Sistema Imunológico

Dezesseis sobreviventes do câncer que haviam acabado de completar o tratamento quimioterápico participaram de um estudo realizado durante três meses. O programa de atividades físicas, personalizado individualmente, incluiu:

  • Treinamento de força
  • Treinamento de resistência
  • Exercícios cardiovasculares
  • Exercícios de flexibilidade, equilíbrio e postura

Os pesquisadores examinaram as células imunológicas no sangue dos participantes antes e após a conclusão do programa de 12 semanas e a análise mostrou que uma grande porção das células T foi alterada para uma forma mais eficaz de combate à doença, chamada de “células T naïve”.

Conforme reportado pelo Medical News Today:

“O [pesquisador líder] Bilek explicou o seguinte: ‘O que estamos sugerindo é que com exercícios você pode livrar-se das células T que não são úteis e abrir espaço para células T que podem ser úteis’.

Esta pesquisa é importante porque ela não apenas enfatiza as vantagens dos exercícios para pacientes e sobreviventes de câncer, como também demonstra como eles podem beneficiar pessoas saudáveis.

No entanto, o aumento de ‘sobrevivência ao câncer’, ou o poder do sistema imunológico em bloquear o surgimento de cânceres é particularmente benéfico para pessoas que estão sofrendo de câncer, ou que tenham sobrevivido a ele.

Bilek concluiu: 'Existe uma litania de benefícios positivos promovidos pelos exercícios. Se os exercícios realmente fortalecem o sistema imunológico e potencialmente melhoram a sobrevivência ao câncer, esta é outra coisa que devemos educar os pacientes como motivo para que eles programem atividades regulares ao longo do dia e tornem isso prioridade em suas vidas.’”

Enxergando Exercícios como Medicamentos

Além de transformar as células imunológicas em uma forma potente de combate à doença e melhorar a circulação dessas células imunológicas, outra forma primária de os exercícios reduzirem os riscos de desenvolvimento de câncer é reduzindo os níveis elevados de insulina.

Isto cria um ambiente com baixo açúcar desencorajando o crescimento e propagação das células cancerígenas. Também foi sugerido que a apoptose (morte programada de células) é desencadeada pela prática de exercícios, promovendo a morte das células cancerígenas.

O truque, portanto, é entender como usar os exercícios como ferramenta precisa. Gosto de sugerir enxergá-los como um “medicamento” que necessita ser cuidadosamente prescrito para obtenção de seus benefícios máximos.

Isto garante que você esteja recebendo o suficiente para alcançar os benefícios, não em demasia a ponto de causar lesões, e a variedade correta para equilibrar toda a estrutura física e manter a força, a flexibilidade e os níveis aeróbicos e anaeróbicos.

Idealmente, os médicos prescreveriam “doses” específicas e intervalos. Para fazer isso de forma adequada, os oncologistas, inteligentemente, desenvolveriam relacionamentos com treinadores físicos e prescreveriam sessões de treinamento para seus pacientes.

Se você tem câncer, recomendo fortemente discutir a prática de exercícios com seu oncologista e/ou trabalhar com um profissional de treinamento físico que pode ajudá-lo a elaborar um programa seguro e eficaz.

Infelizmente, muitas diretrizes da saúde pública ainda focam somente nos aspectos aeróbicos dos exercícios e este foco exclusivo pode levar a desequilíbrios que podem, na verdade, impedir uma saúde ótima.

É importante incluir uma ampla variedade de técnicas em sua rotina física, tais como treinamento de força, exercícios aeróbicos, atividades de construção do core e alongamento.

Mais importante de tudo, no entanto, é certificar-se de incluir exercícios de alta intensidade, de explosão, uma ou duas vezes por semana, com os quais você aumenta a frequência cardíaca ao limite anaeróbico em 20 a 30 segundos e, assim, você recupera-se em 90 segundos. Estes exercícios podem aumentar a produção natural do organismo de hormônios de crescimento humano.

Evidências Convincentes que Apoiam a Ideia de Que Exercícios São Profiláticos do Câncer

Nos anos 1980 a noção de que exercícios podem ajudar na prevenção contra o câncer começou a receber devida atenção.

De acordo com um estudo publicado 12 anos atrás no British Medical Journal, que explorou a relação entre exercícios e câncer, exercícios afetam diversas funções biológicas que podem diretamente influenciar os riscos de desenvolvimento de câncer.

Estes efeitos incluem alterações:

Na capacidade cardiovascular

No equilíbrio de energia

Na capacidade pulmonar

Na função imunológica

Na motilidade intestinal

Na defesa antioxidante

Nos níveis hormonais

Na reparação do DNA

Grupos Para o Câncer Recomendam a Prática de Exercícios como Parte do Cuidado Padrão

Pesquisa realizada no passado mostrou que pacientes com câncer de cólon e de mama que praticam exercícios regularmente demonstram metade da taxa de recorrência dos pacientes que não se exercitam.

A instituição Macmillan Cancer Support também observou que exercícios podem ajudar na diminuição de alguns dos efeitos colaterais do tratamento convencional, incluindo:

Redução da fadiga e melhora dos níveis energéticos

Gerenciamento do estresse, ansiedade, mau humor ou depressão

Melhora da saúde óssea

Melhora da saúde cardíaca (alguns medicamentos usados na quimioterapia e a radioterapia podem causar problemas cardíacos ao longo da vida)

Construção de força muscular, alívio das dores e melhora da amplitude dos movimentos

Manutenção do peso saudável

 Melhora da qualidade do sono

Melhora do apetite

Prevenção contra constipação

Dicas de Exercícios para Pacientes com Câncer

Se você tem câncer ou qualquer outra doença crônica, você certamente necessitará personalizar sua rotina física às suas circunstâncias individuais, levando em consideração seu nível físico e saúde atual.

Geralmente, você será capaz de fazer parte de um programa regular de exercícios – um que envolva uma variedade de exercícios, como treinamento de força, construção do core, alongamento, aeróbico e anaeróbico – com poucas alterações necessárias.

No entanto, às vezes você pode sentir que precisa de exercícios de intensidade mais baixa, ou por duração mais curta. Sempre ouça seu corpo e se sentir que precisa de um intervalo, descanse.

Apenas lembre-se de que praticar exercícios por apenas alguns minutos todo dia é melhor do que não praticar qualquer exercício e você provavelmente vai sentir resistência aumentando e será capaz de completar sequências mais desafiadoras com o passar dos dias.

Caso você esteja sofrendo devido ao sistema imunológico muito enfraquecido, você pode querer exercitar-se em casa em vez de ir a uma academia pública. Porém, lembre-se de que a prática de exercícios finalmente o(a) ajudará a melhorar o sistema imunológico, portanto, é muito importante continuar com o programa, mesmo que você sofra de doença crônica ou câncer.

Portanto, se seu organismo não o(a) permite praticar exercícios, ou devido a dores ou devido à piora do problema subjacente, então você não tem opção prática a não ser honrar os sinais do organismo e praticar menos exercícios. Mesmo que seu organismo precise desesperadamente de exercícios para melhorar, você só vai piorar a situação se violar as limitações atuais.

A Prevenção Contra o Câncer Começa com as Opções de Estilo de Vida

Evite açúcar, especialmente frutose. Todas as formas de açúcar são prejudiciais à saúde em geral e promovem câncer. A frutose, no entanto, é claramente uma das mais prejudiciais e deve ser evitada o máximo possível.

Melhore o nível de vitamina D. A vitamina D influencia praticamente todas as células do corpo e é um dos mais potentes combatentes naturais do câncer. A vitamina D é, na verdade, capaz de entrar nas células cancerígenas e desencadear a apoptose (morte celular). Se você tem câncer, seu nível de vitamina D deve estar entre 70 e 100 ng/ml.

A vitamina D funciona sinergicamente com todos os tratamentos de câncer que conheço, sem efeitos colaterais.

Limite a proteína. Uma nova pesquisa enfatizou a importância das vias mTOR. Quando estas estão ativas, o crescimento do câncer é acelerado. A melhor forma de barrar esta via é limitando a proteína a um grama de proteína por quilograma de peso corporal magro, ou aproximadamente um pouco menos que meio grama de proteína por libra de peso corporal magro.

Para a maioria das pessoas esta faixa está entre 40 e 70 gramas de proteína por dia, cerca de 2/3 para metade do que elas estão consumindo atualmente.

Evite produtos de soja não fermentados. A soja não fermentada é rica em estrógenos vegetais, ou fitoestrógenos, também conhecidos como isoflavonas. Em alguns estudos, a soja parece funcionar em consonância com o estrógeno humano para aumentar a proliferação das células mamárias, aumentando as chances de mutações e células cancerígenas.

Melhore a sensibilidade do receptor de insulina e de leptina. A melhor forma de realizar isto é evitando açúcar e grãos e restringindo carboidratos na maioria dos vegetais fibrosos. Também certificando-se de praticar exercícios, especialmente com o Peak Fitness.

Mantenha um peso corporal saudável. Isto acontecerá naturalmente quando você começar a alimentar-se de forma correta de acordo com seu tipo nutricional e praticar exercícios. É importante perder excesso de gordura corporal porque a gordura produz estrógenos.

Beba um copo de suco de vegetal verde orgânico diariamente. Por favor, reveja minhas instruções para produção de sucos para obter informações mais detalhadas.

Consuma bastante gordura ômega-3 proveniente de animais, como óleo de krill. A deficiência em ômega-3 é fator subjacente comum para o câncer.

Curcumina. Este é o ingrediente ativo do açafrão e, em altas concentrações, pode ser adjunto útil no tratamento de câncer. Por exemplo, demonstrou potencial terapêutico importante na prevenção contra metástase do câncer.

Evite beber álcool ou, pelo menos, limite as bebidas alcoólicas a uma por dia.

Evite campos eletromagnéticos o máximo possível. Até cobertores elétricos podem aumentar os riscos de desenvolvimento de câncer.

Evite terapia de reposição hormonal sintética, especialmente se você possui fatores de risco de desenvolvimento de câncer de mama. Câncer de mama é um câncer relacionado ao estrógeno e, de acordo com um estudo publicado no Journal of the National Câncer Institute (Jornal do Instituto Nacional do Câncer), as taxas de câncer de mama em mulheres caíram em paralelo à redução do uso de terapia de reposição hormonal.

(Existe risco similar para mulheres jovens que fazem uso de contraceptivos orais. As pílulas de controle da natalidade, que são também compostas por hormônios sintéticos, foram associadas a cânceres cervical e de mama).

Se você está experimentando sintomas excessivos da menopausa, você deve considerar a terapia hormonal bioidêntica que usa hormônios molecularmente idênticos aos que o organismo produz e não causam estragos a seu organismo. Esta é uma alternativa muito mais segura.

Evite BPA, ftalatos e outros xenoestrógenos. Estes são compostos parecidos com os estrógenos que foram associados ao aumento dos riscos de desenvolvimento de câncer de mama.

Certifique-se de não estar deficiente em iodo, pois existem evidências convincentes que associam a deficiência em iodo a certas formas de câncer. O Dr. David Brownstein, autor do livro Iodine: Why You Need It, Why You Can't Live Without It (Iodo: Por que Você Precisa Dele, Por que Você Não Pode Viver Sem Ele, em tradução livre), é um defensor do iodo para câncer de mama.

Ele possui, na verdade, potentes propriedades anticancerígenas e demonstrou provocar morte celular na mama e nas células do câncer de tireoide.

Evite queimar sua carne. A carne feita no carvão ou na chama está associada ao aumento dos riscos de desenvolvimento de câncer de mama. A acrilamida — carcinógeno produzido quando alimentos amiláceos são assados, torrados ou fritos – também demonstrou aumentar o risco de desenvolvimento de câncer.