O Mel Mata Bactérias que Causam a Sinusite Crônica

Tamanho da fonte:
Mel de Manuka

O mel é muito eficaz em matar bactérias em todas as suas formas, especialmente os biofilmes resistentes a medicamentos que muitas vezes tornam difícil o tratamento de rinossinusite crônica.

Um estudo descobriu que, de 11 cepas de três biofilmes isolados, o mel era muito mais eficaz do que os antibióticos geralmente utilizados para matar bactérias planctônicas e de biofilme.

As descobertas podem ter implicações clínicas importantes no tratamento de rinossinusite crônica refratária, que afeta 31 milhões de pessoas por ano apenas nos Estados Unidos e está entre as três doenças crônicas mais comuns na América do Norte.

Por Dr. Mercola

Voltar às raízes e usar terapias naturais que não pioram os problemas causados pelo uso excessivo de antibióticos é claramente um grande passo na direção certa.

Os antibióticos tradicionais são cada vez mais ineficazes contra muitos micróbios, chegando ao ponto de o Centers for Disease Control declarar que “quase todas as infecções bacterianas significativas no mundo estão tornando-se resistentes aos tratamentos antibióticos mais comumente receitados”.

Voltar a usar o mel como uma terapia de cura natural faz todo o sentido do mundo. O mel foi usado como uma terapia convencional na luta contra a infecção até o início do século 20, momento em que seu uso desapareceu lentamente à medida que a penicilina tornou-se o principal ator dessa peça.

Mas hoje existe um número razoável de estudos que reconfirmam seus benefícios medicinais.

O The International Journal of Lower Extremity Wounds afirma que descobertas positivas foram feitas através dos seguintes testes, em relação ao uso de mel nas feridas:

  • Dezessete ensaios controlados randomizados envolvendo um total de 1965 participantes
  • Cinco ensaios clínicos de outras formas envolvendo 97 participantes
  • Dezesseis ensaios feitos em um total de 533 feridas em animais

Há também uma grande quantidade de evidências na forma de estudos de caso publicados.

Uma coisa para lembrar aqui, porém, é que nem todo mel é apropriado para uso medicinal. A atividade antibacteriana em alguns méis é 100 vezes mais poderosa do que em outros.

As Extraordinárias Propriedades Curativas do Mel de Manuka

Em julho de 2007, a Food and Drug Administration forneceu à Derma Sciences, um fabricante de produtos para tratamentos de feridas de Nova Jersey, liberação para vender curativos de machucados e queimaduras de mel de manuka como dispositivos médicos nos EUA - os curativos, denominados MEDIHONEY Wound & Burnings podem ser encontrados na internet em lojas de suprimentos médicos. A Amazon.com também os vende.

O mel de manuka aprovado para uso medicinal demonstrou ter propriedades especiais anti-infecciosas, antibacterianas e anti-inflamatórias.

Os testes clínicos descobriram que o mel de manuka da Nova Zelândia, feito com pólen coletado das flores do arbusto manuka (uma planta medicinal), pode efetivamente erradicar mais de 250 cepas clínicas de bactérias, incluindo variedades resistentes, como:

  • MRSA (Staphylococcus aureus resistente à meticilina)
  • MSSA (Staphylococcus aureus sensível à meticilina)
  • VRE (enterococos resistentes à vancomicina)

Também é eficaz em matar a bactéria Helicobacter Pylori, que pode causar úlceras no estômago.

O que é o Fator Único de Manuka (Unique Manuka Factor -UMF)?

O mel de manuka é classificado de acordo com seu “Fator Único de Manuka” (Unique Manuka Factor -UMF). É assim chamado porque ninguém ainda conseguiu descobrir a substância única envolvida que dá a ele sua extraordinária atividade antibacteriana.

O mel libera peróxido de hidrogênio através de um processo enzimático, o que explica suas qualidades antissépticas gerais, mas o mel de Manuka ativo contém “outra coisa” que o torna muito superior a outros tipos de mel quando se trata de matar bactérias. Portanto, o número UMF é a descrição padrão da força antibacteriana do mel.

Para obter sua classificação, uma amostra do lote de mel é colocada em uma placa com uma cultura bacteriana. A área onde o crescimento bacteriano cessa é então medida. Esta área é comparada a uma área similar produzida por uma solução de fenol e água. O número UMF refere-se à porcentagem equivalente de fenol em água, portanto, por exemplo, um mel com uma classificação UMF de 10 possui a mesma resistência antibacteriana que 10% de fenol.

Uma classificação de UMF 10 ou superior é recomendada para uso medicinal. Se você estiver com um problema, usar mel cru e orgânico também é aceitável. Mas evite usar o mel processado ou refinado geralmente encontrado no supermercado.

O “Mel Estadunidense Nota A” tem mais de 75 por cento de probabilidade de ser um mel obtido por gavagem e regurgitação de xarope de milho rico em frutose, com sabor e cores artificiais. Devido ao seu pH e à sua falta de características enzimáticas naturais, antibacterianas ou antimicrobianas, este tipo de mel pode causar mais danos do que benefícios.

Como Prevenir Infecções Recorrentes dos Seios Paranasais

Embora eu não tenha me concentrado especificamente no uso de mel para tratar as infecções de sinusite acima, eu acredito que ele claramente pode ajudar, e não faria mal manter um pouco disponível em seu gabinete de remédios naturais.

As infecções dos seios paranasais (sinusite) atingem 1 em cada 7, ou cerca de 37 milhões a cada ano, e os profissionais de saúde relatam anualmente cerca de 33 milhões de casos de sinusite crônica nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Portanto, as infecções dos seios paranasais e suas dificuldades é uma realidade de muitos.

A má qualidade dos alimentos, a exposição excessiva a produtos químicos tóxicos e um estilo de vida corrido em combinação com uma má adaptação a altos níveis de estresse o colocam em maior risco de desenvolver infecções dos seios paranasais (bem como de todos os outros tipos de doença). Portanto, a manutenção de um sistema imunológico robusto e a criação de um ambiente inóspito para a proliferação bacteriana e fúngica podem ajudar a prevenir a ocorrência de infecções sinusais em primeiro lugar.

Aqui estão algumas das minhas principais medidas preventivas:

Evite comer açúcar ou grãos, conforme detalhado no meu plano de nutrição

Consumir óleo de krill ou de peixe de boa qualidade, rico em gorduras ômega-3 DHA e EPA

Coma óleo de coco. O óleo de coco é rico em ácido láurico, conhecido por ser antiviral, antibacteriano e antifúngico. No entanto, tenha cuidado com o óleo que você escolher, uma vez que muitos óleos de coco contêm toxinas de fungos. Isso ocorre porque eles são comumente feitos com copras, ou cocos secos, que muitas vezes são contaminados com microtoxinas. Então, para aproveitar plenamente os benefícios deste óleo de coco, você deve certificar-se de encontrar uma empresa que use apenas cocos frescos para fazer seu óleo.

Evite comer qualquer um destes alimentos mico tóxicos

Durma bem

Faça exercícios regularmente

Para mais detalhes e ótimas dicas sobre como tratar a sinusite sem o uso de remédios, analise meu artigo anterior, Como Livrar-se dos Males dos Seios Paranasais.

+ Recursos e Referências