Preste Atenção a Estes Sinais e Sintomas Característicos da Apendicite


Sinais e Sintomas da Apendicite

Resumo da matéria -

  • Algumas pessoas têm o apêndice localizado atrás do cólon – se este for o caso, a dor pode manifestar-se na parte inferior das costas ou como dor pélvica
  • Seu médico verificará se há irritação peritoneal, rigidez abdominal e endurecimento dos músculos abdominais como resposta à aplicação de pressão sobre o apêndice inflamado
  • Sendo capaz de detectar os sinais logo no início, é possível realizar um teste preciso para diagnóstico da apendicite e evitar que a doença piore
Tamanho da fonte:

A apendicite é uma condição aguda que pode manifestar-se sem aviso. Repentinamente, você sente uma série de sintomas, particularmente dor, que pode rapidamente passar de suave a extremamente debilitante.

Mas, como exatamente identificar a apendicite entre outras doenças relacionadas ao abdômen ou à digestão? Aqui você aprenderá a identificar se está com apendicite.

Onde Está Localizada a Dor da Apendicite?

Se você conversar com pessoas que já sofreram de apendicite, elas dirão que a dor é o sintoma mais inesquecível que experimentaram.  Ela começa com uma sensação de dor enfadonha gradual, como se fosse uma cãibra ou dor muscular no meio do abdômen, próxima ao umbigo.

Os movimentos do corpo tendem a aumentá-la – simples atos como tossir, espirrar, mexer as pernas ou o abdômen, ou até mesmo o percurso acidentado de um carro pode desencadear sofrimento extremo. Porém, diferente da dor abdominal que surge em outras doenças, a dor da apendicite se transfere. O local da dor da apendicite se move do centro do abdômen para a parte inferior direita e fica mais localizada e aguda.

Isto acontece porque, conforme o apêndice torna-se mais inflamado e dilatado, o revestimento da parede do abdômen, conhecido como peritônio, fica irritado.

Uma vez que a dor se move para esta parte do corpo, o que acontece em apenas algumas horas, ela fica mais constante e aguda.

“Pacientes dizem que esta é uma dor diferente de qualquer outra que eles já experimentaram” e é geralmente tão excruciante que os faz acordar no meio da noite.

Em algumas pessoas, a dor da apendicite ocorre em outras áreas do abdômen. Por exemplo, mulheres grávidas podem sentir a dor na parte superior direita do abdômen, pois o apêndice muda de posição para acomodar o bebê em crescimento.

Algumas pessoas possuem o apêndice atrás do cólon – se este for o caso, a dor pode manifestar-se na parte inferior das costas ou como dor pélvica.

Outros Sinais de Apendicite que Devem ser Observados

Depois que a dor se manifesta, outros sintomas desta doença ocorrem. Isto pode variar de pessoa para pessoa, dependendo da gravidade ou progressão da doença. Se você perceber quaisquer destes sintomas juntamente com a dor característica da apendicite, consulte um médico imediatamente:

  • Febre moderada. A febre que ocorre junto com a apendicite pode ficar entre 37,2 e 38 graus Celsius e pode ocorrer junto com calafrios. Se a febre piorar e ficar acima de 38 graus, pode significar que o apêndice já se rompeu.
  • Náusea e vômito. Os sintomas podem ser similares aos de uma gastroenterite. A apendicite também pode causar perda de apetite.
  • Constipação ou diarreia. Algumas pessoas também sentem-se inchadas ou podem ter problemas para liberar gases, indicando obstrução parcial ou total do intestino. A diarreia pode também apresentar muco.
  • Irritação peritoneal. Isto acontece quando, pressionando a parte inferior direita do abdômen e, em seguida, soltando, você sente dor. Se você apresentar irritação peritoneal, não pressione a área novamente. Em vez disso, consulte um médico imediatamente.

Obtendo um Diagnóstico Adequado de Apendicite

A apendicite pode, algumas vezes, ser difícil de diagnosticar. Isto acontece porque somente 50 por cento dos pacientes apresentam os sintomas típicos. Se você experimentar dor abdominal intensa juntamente com outros sinais característicos, seu médico solicitará diversos exames para confirmar o diagnóstico, incluindo:

  • Exame físico. O médico verificará se há irritação peritoneal, rigidez abdominal e endurecimento dos músculos abdominais em resposta à aplicação de pressão sobre o apêndice inflamado. Ele igualmente verificará o reto inferior e poderá solicitar às mulheres um exame pélvico para verificação de problemas ginecológicos que causam dor.
  • Exame de sangue. Este exame verificará se há aumento dos níveis de células brancas no sangue, o que pode indicar infecção no organismo.
  • Exame de Urina. Isto ajudará a descartar infecção na bexiga e outras condições.
  • Teste de gravidez (para mulheres)
  • Ultrassom abdominal, tomografia computadorizada (TC) ou radiografia. Isto ajudará a confirmar se o apêndice está inchado.

Como Prevenir a Apendicite: É Possível Prevenir Esta Condição?

Especialistas ainda não determinaram precisamente como prevenir que a apendicite afete uma pessoa.  Acredita-se que não exista uma forma certeira de evitar esta doença. No entanto, algumas mudanças efetivas no estilo de vida e nas táticas dietéticas podem ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento da apendicite.

Uma Dieta Rica em Fibras Pode Ajudar a Evitar Esta Condição

Incluir uma grande quantidade de vegetais e frutas frescas ricas em fibras nas refeições é uma estratégia maravilhosa de prevenção contra a apendicite. Na verdade, ela realmente ocorre com menos frequência em pessoas que consomem alimentos ricos em fibra e em pessoas que vivem em países onde grandes quantidades de fibra são predominantes na dieta.

Mas, como exatamente a fibra ajuda a eliminar o risco de desenvolvimento desta doença? Basicamente, a fibra amolece o bolo fecal e aumenta seu peso e tamanho, fazendo com que seja mais fácil de eliminar. Isto significa que as fezes ficam menos predispostas a ficarem presas no apêndice.

Mas, isto não é tudo que a fibra faz, uma vez que ela também serve como combustível para bactérias benéficas, permitindo a elas produzir compostos que ajudam a regular as funções imunológicas. Manter uma dieta rica em fibras solúveis também reduz o risco de morte prematura por qualquer causa, uma vez que elas ajudam a evitar uma série de doenças crônicas.

Alguns dos melhores alimentos ricos em fibra que você pode consumir são:

Vegetais como brócolis e couve de Bruxelas
Raízes e tubérculos, incluindo batata doce, cebolas e nabo mexicano
Casca da semente de psílio orgânico, linho, cânhamo e semente de chia
Frutas vermelhas (em quantidades moderadas)
Ervilha
Amêndoas cruas
Feijão verde
Couve flor
 Feijões 

Particularmente, suplementos de psílio orgânico são uma excelente fonte de fibra, em complemento à fibra que você consome de outros alimentos. Consumi-los três vezes ao dia pode fornecer 18 gramas de fibra dietética, tanto solúvel como insolúvel, deixando-o (a) próximo dos ideais 50 gramas (mínimos) por 1000 calorias ingeridas.

Lembre-se de adquiri-los de fontes confiáveis, uma vez que o psílio é amplamente pulverizado com pesticidas. Use somente casca de semente de psílio 100 por cento pura e orgânica e não variedades sintéticas ou semissintéticas.

Cogumelos são outra ótima fonte de fibra e seu conteúdo de fibra varia enormemente, dependendo da variedade. Estes fungos comestíveis possuem até mesmo propriedades medicinais e podem promover a saúde do sistema imunológico e ajudar a prevenir o câncer. Os cogumelos podem, igualmente, ajudar no controle da glicose e dos níveis de lipídios do sangue.

Tenha em mente que uma dieta rica em fibra caminha de mãos dadas com a ingestão de quantidades adequadas de água pura, o que é necessário para que o bolo fecal passe facilmente pelo trato digestivo.

Outras Dicas para Ajudar a Prevenir a Apendicite

Uma vez que a apendicite pode ser causada por uma infecção, faz sentido manter o sistema imunológico em boas condições para evitar ser uma vítima dela. Você pode fazer isto consumindo uma dieta bem balanceada com probióticos e seguindo estratégias saudáveis de estilo de vida como gerenciamento do nível de estresse  e realização de exercícios físicos.

O consumo de suplementos que podem ajudar a manter o organismo resistente contra infecções pode ser igualmente útil. Isto inclui betacaroteno, vitamina C e zinco. E, finalmente, mantenha-se familiar com os sintomas deste distúrbio. Sendo capaz de detectar os sinais logo no início, você pode realizar um exame para diagnosticar a apendicite e evitar que a doença piore.

Medicamentos e Tratamento para Apendicite: Como Lidar com Esta Dolorosa Doença

Se você sofrer de apendicite, o método convencional de tratamento que a maioria dos médicos recomenda é a realização de uma apendicectomia, que é basicamente a remoção cirúrgica do apêndice. Isto é geralmente aconselhado para evitar o risco de rompimento, que pode causar outras complicações.

Tipos de Apendicectomia

Existem dois tipos de apendicectomia, ambas conduzidas sob anestesia geral. Dependendo da progressão da inflamação e da condição do apêndice, seu médico determinará qual das duas será a mais adequada para seu caso:

  • Laparoscopia — Também conhecida como “cirurgia laparoscópica”, este é o procedimento preferido hoje em dia devido a seu rápido período de recuperação. No entanto, este é geralmente aconselhado se o apêndice ainda não estiver rompido. Também é recomendado para pacientes obesos e idosos.

    Três ou quatro pequenas incisões são feitas no abdômen e, então, instrumentos especiais e pequenas ferramentas cirúrgicas são inseridas e usadas para remover o apêndice.  Subsequentemente, pontos dissolúveis (ou pontos regulares que o médico terá que retirar após vários dias) serão usados para fechar as incisões.
  • Cirurgia aberta. Se o apêndice já estiver rompido, se você já tiver realizado uma cirurgia aberta no abdômen ou se o médico não tiver experiência em cirurgia laparoscópica, este é o procedimento recomendado.

Uma incisão única e maior é feita na parte inferior direita do abdômen de forma que o apêndice possa ser removido. No entanto, se a peritonite (infecção do revestimento abdominal) já tiver ocorrido, um corte longo no meio do abdômen pode ser necessário. Este procedimento é chamado laparotomia.

O período de recuperação após a cirurgia de apendicite depende do tipo de procedimento. Pacientes que fizeram a laparoscopia podem ir para casa após um dia, porém os que fizeram a cirurgia aberta podem ter que ficar hospitalizados por até uma semana antes de serem liberados.

Atividades normais podem ser retomadas em poucas semanas, porém atividades mais pesadas devem ser evitadas por quatro ou seis semanas após o procedimento cirúrgico para dar tempo suficiente ao organismo para se restabelecer.  Como acontece com qualquer procedimento cirúrgico, uma apendicectomia pode ainda colocar submetê-lo a certos riscos e complicações, tais como:

  • Sangramento
  • Infecção
  • Dano a outros órgãos (particularmente aqueles próximos do apêndice)
  • Bloqueio do intestino

A Cirurgia de Apendicite é a Única Opção?

Devido à sua natureza invasiva, riscos potenciais (incluindo o risco de contrair infecções hospitalares) e longo período de recuperação, alguns especialistas estão, atualmente, determinando outras opções para o tratamento da apendicite.

Um estudo publicado no Journal of the American College of Surgeons (Revista da Faculdade Americana de Cirurgiões) concluiu que antibióticos podem ser uma alternativa viável à cirurgia. Os pesquisadores revisaram 77 casos simples de apendicite aguda que cumpriram certos critérios.

Trinta pacientes tiveram antibióticos intravenosos administrados por 24 horas e antibióticos orais por uma semana em vez de passarem por cirurgia. Os pacientes cuja condição não melhorou depois das primeiras 24 horas tiveram seus apêndices removidos cirurgicamente.

Dentre estes participantes, somente dois necessitaram cirurgia em até 24 horas, enquanto um terceiro necessitou apendicectomia após ser liberado por não ter apresentado melhora. No entanto, nenhum dos pacientes apresentou complicações. Os outros 27 participantes que não realizaram a cirurgia perderam poucos dias de aula e voltaram às suas atividades normais muito mais cedo do que aqueles que realizaram a cirurgia de remoção do apêndice.

Se o Médico Receitar Antibióticos, Certifique-se de Consumir Alimentos Probióticos

Apesar de o consumo de antibióticos não ser altamente aconselhável e, de fato, poder apresentar efeitos colaterais adversos e levar à resistência a eles, isto pode ser o menor dos dois males comparando-os à cirurgia.

Se seu médico o (a) aconselhar a tentar este método, no entanto, certifique-se de restaurar a flora intestinal com probióticos. Isto ajudará a manter o equilíbrio otimizado da flora intestinal, o que é essencial para a imunidade e para afastar infecções.

No entanto, não consuma probióticos simultaneamente com antibióticos. As chances são de que o antibiótico irá somente matar as bactérias boas. Em vez disso, consuma-os algumas horas antes ou após o consumo do antibiótico.  

De acordo com Greg Leyer, Ph.D. em Microbiologia Alimentar e diretor chefe científico dos Laboratórios UAS, empresa dedicada à fabricação de probióticos, você pode rapidamente restaurar a comunidade microbiana do intestino ao estado saudável se continuar com a administração de probióticos após o término do consumo de antibióticos.

Leyer também aconselha o consumo de levedura de Saccharomyces, um tipo benéfico de levedura que ajuda a evitar a diarreia associada ao antibiótico, que é uma complicação comum relacionada ao uso desta classe de medicamento.

"Quinze a vinte e cinco por cento das pessoas que tomam antibióticos acabam tendo diarreia associada ao antibiótico. Os probióticos – incluirei a Saccharomyces neste grupo – têm demonstrado possuir benefícios fantásticos na redução do risco de desenvolvimento daquele tipo de complicação secundária do tratamento com antibióticos," adiciona.

Outros Tratamentos Naturais para Apendicite

Existem algumas técnicas naturais que podem ajudar a lidar com a dor que aparece por causa da apendicite, porém lembre-se que você não deve confiar exclusivamente nestas técnicas para tratar esta condição. Elas devem ser usadas como tratamento adjunto e com aprovação do médico.

Abaixo estão algumas soluções naturais para apendicite que podem ser úteis especialmente se a infecção for detectada no estágio inicial:

Compressa de óleo de rícino – Isto pode ajudar no alívio do bloqueio do apêndice e na redução da inflamação. Para prepará-la, simplesmente dobre um tecido grande, coloque duas colheres de óleo de rícino e aplique-a no abdômen, deitado (a). Você pode repetir este procedimento três vezes por semana por dois ou três meses. Tomar óleo de rícino por via oral igualmente pode ajudar no alívio da constipação e melhorar os movimentos intestinais.

Gengibre – Esta raiz pode reduzir a inflamação e a dor, enquanto alivia o vômito e as náuseas. Beba chá de gengibre fresco duas ou três vezes ao dia ou massageie óleo de gengibre em seu abdômen por alguns minutos diariamente.

Alho – É um potente anti-inflamatório que pode aliviar a inflamação e a dor. Coma dois ou três dentes crus com o estômago vazio por dia.

Sementes de feno-grego – Ajudam a evitar acúmulo de resíduos intestinais e excesso de muco, o que reduz o risco de piora do problema. As sementes de feno-grego igualmente ajudam no alívio da dor.

Limão fresco - Misturado com uma pequena quantidade de mel, o limão ajuda a evitar indigestão e constipação, alivia a dor e aumenta a imunidade.

Manjericão - Ajuda a baixar a febre que vem junto com a apendicite. Também é ótimo para aliviar a indigestão e os gases intestinais. Ferva uma porção de folhas de manjericão fresco com uma colher de chá de gengibre moído e beba a mistura duas vezes ao dia por dois dias.

Suco de vegetais – Suco feito com uma mistura de beterraba, pepino e cenoura pode ser útil para pacientes com apendicite.

Finalmente, não se esqueça de manter-se hidratado (a). Beber quantidades adequadas de água pura e limpa ao longo do dia é essencial para manter a saúde, tanto para quem tem apendicite quanto para quem não tem.