Crise mundial da água toma grandes proporções

poluição da água

Resumo da matéria -

  • Os Jogos Olímpicos atraíram atenção renovada para o problema da poluição da água no Brasil; 30% das tubulações de esgoto no Rio de Janeiro são expostas, permitindo que os resíduos fluam livremente pelas ruas
  • A contaminação das fontes de água em todo o planeta tem aumentado o custo do tratamento hídrico em 50% em algumas áreas, fazendo com que seja cada vez mais difícil fornecer água potável
  • Dois fatores importantes que contribuem para a contaminação da água e para os custos de tratamento são as fazendas funcionando em áreas que abastecem cidades próximas com água, e a grande quantidade de pessoas morando em ou próximo a vertentes subterrâneas
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A água pura e limpa, em quantidade suficiente, é um dos pilares mais importantes para a saúde.

Infelizmente, grande parte da água de torneira está longe de ser pura, contendo uma grande variedade de subprodutos desinfetantes, flúor, radiação, metais pesados, escoamentos agrícolas, medicamentos farmacêuticos e ácido perfluorooctanóico (PFOA), uma substância química utilizada na produção de Teflon e de retardadores de chama.

E essa é uma lista curta. O pior é que mais da metade das mais de 300 substâncias químicas detectadas na água potável dos Estados Unidos nem foi regulamentada.

Todo ano surgem alertas vermelhos sobre água potável tóxica nos Estados Unidos, com motivos que variam conforme o local. A contaminação de Flint, Michigan, atraiu a atenção necessária para o problema nos Estados Unidos, e, ao mesmo tempo, expôs a inércia política e as mentiras que permitem que essas coisas aconteçam.

Jogos Olímpicos destacam o problema da poluição da água no Brasil

Os Jogos Olímpicos atraíram atenção renovada para o problema da poluição da água no Brasil.

Segundo relatórios, 30% das tubulações de esgoto no Rio de Janeiro são expostas, permitindo que os resíduos fluam livremente pelas ruas. A Baía de Guanabara, onde acontecem as competições de vela, está gravemente contaminada com coliformes fecais.

Somente metade do esgoto da cidade recebe tratamento antes de ser despejado em canais. Mas o Brasil certamente não está sozinho. A poluição da água é um problema importante em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. A infraestrutura em decadência apenas contribui para esse problema difícil.

Obter água potável é cada vez mais difícil

Segundo um estudo recente, a contaminação das fontes de água em todo o planeta tem aumentado o custo do tratamento hídrico em 50% em algumas áreas, fazendo com que seja cada vez mais difícil fornecer água potável para todos os habitantes.

De acordo com os pesquisadores, dois fatores importantes que contribuem para a contaminação e consequente aumento nos preços são fazendas funcionando em áreas que abastecem cidades próximas com água, e a grande quantidade de pessoas morando em ou próximo a vertentes subterrâneas.

Em algumas áreas, os agricultores estão experimentando novos métodos de conservação para impedir o escoamento tóxico e proteger a qualidade da água. Entre as estratégias estão a construção de pântanos artificiais e "biorreatores" subterrâneos conectados aos sistemas de drenagem para capturar nutrientes.

Outros começaram a usar métodos de cultivo de cobertura e de plantio direto para retardar o escoamento de fertilizantes e pesticidas. A Iniciativa de Vertentes Saudáveis na Bacia do Rio Mississipi gasta US$ 30 milhões por ano para frear a poluição agrícola nas vertentes de alta prioridade.

Segundo um estudo, seria preciso US$ 2,7 bilhões por ano para reduzir a zona morta no Golfo, gerada pela poluição agrícola que acompanha o rio Mississipi.

Lagos e rios nos Estados Unidos estão altamente poluídos

Embora alguma contaminação da água seja invisível, outra é claramente evidente. Não há dúvidas, por exemplo, sobre o fluxo de esgoto e as praias cheias de lixo do Rio de Janeiro.

As florações de alga são outro sinal de que o escoamento agrícola contaminou um curso de água, o nitrogênio alimentando os micro-organismos em proliferação, tornando a água espessa e de cor vermelha brilhante, verde neon ou marrom lodoso, com um cheiro forte acompanhando.

Uma vez que os micro-organismos extraem o oxigênio da água, os peixes e outros organismos da água se sufocam e morrem em grande quantidade. As bactérias também são perigosas para aqueles que entram em contato com a água.
Algumas questões também foram levantadas sobre os possíveis perigos de comer frutas e vegetais irrigados com água infestada por algas.

O lago Erie em Ohio é outro ponto problemático. Esta ampla reserva de água fresca não só está contaminada com florações de algas, como a contaminação com substâncias químicas é tão grave que o lago já incendiou algumas vezes. Outros lagos gravemente afetados em Ohio são o Buckeye Lake e o Grand Lake St. Marys.

Quatro distritos da Flórida declaram estado de emergência com florações de algas

Neste verão, a presença de algas tóxicas também é impressionante na Flórida, fazendo com que quatro distritos declarem estado de emergência. No vídeo acima do Palm Beach Post, vê-se um peixe-boi nadando em meio a algas verdes espessas que cobrem um canal em Stuart, Flórida, em 29 de junho de 2016.

As algas que cobrem os canais e praias da Flórida vêm do Lago Okeechobee, o maior lago de água doce na Flórida, que recebe escoamento agrícola de fazendas de gado ao norte e de campos de cana-de-açúcar ao longo da costa sul. A água contaminada então flui para a costa leste e oeste através do Rio Caloosahatchee e do Canal St. Lucie. 

Segurança na praia

As algas, entretanto, não são o único perigo oculto nos locais de banho e nas praias. Diferentemente das algas, que você pode ver claramente, outras bactérias perigosas também podem contaminar a água sem que se suspeite.

Em julho, um homem de 50 anos de idade que passou a tarde de domingo nadando em Galveston, Texas, foi infectado pela bactéria Vibrio vulnificus. Quando ele chegou ao hospital quatro dias mais tarde, os médicos informaram que ele precisaria amputar a perna ou provavelmente morreria pela infecção.

Então, o que você pode fazer para minimizar seus riscos e os da sua família ao visitar lagos e praias neste verão? Steve Fleischli, diretor de programas hídricos no Conselho de Defesa de Recursos Naturais (Natural Resources Defense Council, NRDC), dá as seguintes sugestões:

Verifique o site do departamento de saúde estadual e local quanto a alertas sobre a qualidade da água. Você também pode verificar o Swim Guide, guia que oferece relatórios sobre a qualidade da água em 7.000 praias nos Estados Unidos e Canadá. Eles têm até um aplicativo que você pode baixar no seu smartphone. Independentemente de haver um alerta atual ou não, evite praias que tenham um histórico de problemas de qualidade da água.
Quando você chegar à praia, procure por sinais de alertas sobre a água.
Nas áreas urbanas, evite entrar na água depois de muita chuva. Aguarde pelo menos um dia; o ideal é dois ou três dias.
Fique longe de áreas próximas a canos, canais ou aquedutos. Também evite riachos que desaguam no mar.
Pequenos lagos afastados do mar tendem a ter maior risco devido à água parada. Se sentir algum cheiro ou observar limo, afaste-se.
Não entre na água se tiver algum corte ou ferimento aberto. Também evite mergulhar, uma vez que isso permitirá que a água entre nos olhos, nariz ou boca.
Quando for pescar, lave bem e desinfete machucados e arranhões na pele. Evite tocar em iscas e baldes de isca com as mãos nuas.
Caso você apresente sinais ou sintomas de infecção após uma viagem à praia, como vermelhidão, febre, vômitos, diarreia ou dor abdominal, consulte um médico.

Acha que a poluição da água é ruim? Espere até que os aquíferos sejam drenados

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency, EPA), os estados americanos com alta concentração de operações de alimentação de animais em confinamento (CAFOs) apresentam de 20 a 30 problemas graves de qualidade da água a cada ano. Mas isso não é tudo. Os CAFOs e grandes fazendas de cultivo único também estão esvaziando aquíferos com valiosa água potável.

Estamos esgotando os lençóis freáticos muito mais rápido do que o tempo necessário para seu reabastecimento. A agricultura é um dos fatores que mais contribui para esse problema, consumindo 70% da água fresca do mundo — volume que poderia ser reduzido com a implementação de métodos agrícolas sustentáveis e renováveis, melhorando a capacidade do solo de reter água e evitar o escoamento.

A produção de energia que utiliza muita água, como as operações de fraturamento hidráulico, também estão esgotando fontes valiosas de água fresca. Segundo James Famiglietti, cientista sênior do Laboratório de Propulsão de Jatos da NASA, a maioria dos lençóis freáticos globais “já passou dos pontos cruciais de sustentabilidade”, o que significa que estamos indo rumo ao esgotamento da água fresca em todo o mundo.

E uma vez que os aquíferos de água fresca são drenados, é aí que a crise será instaurada, dando um provável início à "guerra das águas" e caos social em todo o planeta.

A infraestrutura em decadência coloca a saúde em grave risco

Somando-se a essas questões cada vez maiores está a falta de investimento em infraestrutura. As tubulações de água antigas podem soltar chumbo e outros materiais tóxicos, causando uma catástrofe. A contaminação em Flint, Michigan, é apenas um exemplo.

Em agosto de 2015, cientistas da Virginia Tech, comandados por Marc Edwards, descobriram que a água de torneira de Flint estava contaminada, e, em alguns casos, com níveis altíssimos de chumbo. 

Eles também descobriram várias outras toxinas, entre elas altos níveis de trihalometanos — subprodutos carcinogênicos do tratamento da água — e bactérias perigosas como E.coli e Legionella, sendo esta última suspeita de causar uma epidemia da Doença dos Legionários. O estado de Illinois também lutou contra uma epidemia dessa doença no ano passado, graças à água potável contaminada.

Cinquenta e três habitantes do Lar de Veteranos em Quincy (um centro que existe há 129 anos) ficaram doentes e 12 morreram, o que levou à implementação de uma unidade de tratamento de água no valor de US$ 5 milhões e um novo sistema de abastecimento. Ainda assim, um mês após a reconstrução, mais dois veteranos contraíram a doença. As autoridades estão trabalhando para identificar a fonte da nova epidemia.

Edwards também foi o portador da notícia da água contaminada com chumbo em Washington, D.C., em 2003. Assim como em Flint, alguns níveis de chumbo na água foram altos o suficiente para serem classificados como lixo perigoso. Porém, nos dois casos, o EPA manteve os casos de contaminação em segredo.

Contaminação com chumbo parece estar disseminada nos EUA

A contaminação com chumbo pode estar espalhada nos Estados Unidos bem mais do que se imaginava, uma vez que as cidades têm protelado a substituição das tubulações de água antigas. Por exemplo, 8,5% das crianças na Pensilvânia têm níveis elevados de chumbo, assim como 6,7% em áreas do estado de Nova York e 20% em Detroit.

Em Baltimore, as escolas têm usado garrafas de água há vários anos devido aos altos níveis de chumbo na água da torneira. Segundo pesquisas recentes, pelo menos 350 escolas e creches nos Estados Unidos apresentam teor de chumbo na água superior ao nível permitido pela EPA. Nos Estados Unidos, mais de meio milhão de crianças com idades entre 1 e 5 anos sofrem com a contaminação de chumbo.

Segurança da água questionada em Massachusetts 

As águas subterrâneas corrosivas aceleram e aumentam a liberação de metais tóxicos de tubulações de água antigas. Esse problema foi destacado recentemente em um relatório do Boston Globe, que indicava que 90% das águas subterrâneas de Massachusetts podem ser corrosivas o suficiente para liberar metais tóxicos das tubulações das casas.

Os habitantes que extraem água de poços privados estão correndo grande risco. Entre os sinais que indicam um problema de corrosão estão:

  • Manchas verde-azuladas na pia
  • Água com gosto metálico
  • Pequenos vazamentos nos canos

Fazendas industriais estão entre os piores poluentes do mundo

É uma triste ironia que a agricultura tenha se tornado um dos piores poluentes do mundo, contaminando a terra, o ar e a água com agentes tóxicos no desenvolvimento da produção alimentar. Segundo um relatório da Environment America, a Tyson Foods Inc. é o maior poluente de hidrovias nos Estados Unidos, liberando 47,3 mil toneladas de lixo tóxico em canais entre 2010 e 2014, perdendo apenas para uma empresa siderúrgica.

Em terceiro lugar, temos o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, seguido da Cargill e de outra empresa siderúrgica. Dos 15 maiores poluentes nesta lista, seis são empresas de alimentos, que se misturam a alguns dos maiores produtores químicos do mundo, como a DuPont e a BASF.

Existem soluções. As tubulações antigas podem ser trocadas, resolvendo, assim, a contaminação com chumbo, mas, para resolver a contaminação da água como um todo, sem mencionar o esgotamento dos aquíferos de água fresca, devemos evitar, em primeiro lugar, que a contaminação chegue até a água e reduzir o consumo de água.

Essa é a única maneira de resolver adequadamente a queda na qualidade e quantidade da água, e isso exigiria grandes mudanças em indústrias inteiras. O que precisamos é de disposição — individual, corporativa e política — suficiente para implementar as mudanças necessárias.

Como você pode proteger a saúde e promover mudanças saudáveis

Por enquanto, é prudente tomar precauções para proteger sua saúde da melhor forma possível, o que inclui avaliar a segurança da água e certificar-se de que seja adequadamente filtrada.

Você também pode promover uma mudança positiva adquirindo alimentos de produtores agrícolas que tenham implementado práticas de renovação. Lembre-se, toda vez que você compra comida, você está votando em um sistema.

Ou você está promovendo o status quo, que destrói nosso ar, terra e água, ou você está favorecendo um sistema mais limpo e sustentável. Unidos, podemos exercer grande impacto no modo como os alimentos são plantados e cultivados. Se você mora nos

Estados Unidos, as seguintes organizações podem ajudá-lo a encontrar alimentos de cultivo orgânico e fora de CAFOs:

EatWild.com
A EatWild.com fornece uma lista de produtores orgânicos certificados que produzem laticínios integrais, além de carne de gado de animais alimentados com pasto e outros produtos orgânicos. Ali você também encontra informações sobre mercados locais de produtores agrícolas, lojas e restaurantes que vendem produtos de animais alimentados com pasto.
Weston A. Price Foundation
A Weston A Price tem escritórios locais na maioria dos estados, e a maioria deles conectados com clubes de compra, nos quais é possível comprar facilmente alimentos orgânicos, inclusive laticínios oriundos de animais alimentados com pasto, como leite e manteiga.
Grassfed Exchange
A Grassfed Exchange tem uma lista de produtores que vende carne de animais alimentados com pasto e produtos orgânicos nos Estados Unidos.
Local Harvest
Este site ajudará a encontrar os mercados dos produtores agrícolas, fazendas familiares e outras fontes de alimentos produzidos de forma sustentável na sua área, onde você pode comprar produtos, carnes de animais alimentados com pasto e várias outras mercadorias.
Farmers' Markets
Uma lista dos mercados de produtores agrícolas dos EUA.
Eat Well Guide: alimentos integrais de animais saudáveis
O Eat Well Guide é um diretório on-line gratuito de carnes, aves, laticínios e ovos produzidos de forma sustentável encontrados em fazendas, lojas, restaurantes, pousadas e hotéis, e em lojas on-line nos Estados Unidos e no Canadá.
Community Involved in Sustaining Agriculture (CISA)
A CISA é voltada para o apoio à agricultura e promoção de produtos de pequenos produtores agrícolas.
FoodRoutes
O mapa "Find Good Food" (Encontre bons alimentos) da FoodRoutes ajuda a conectá-lo com produtores agrícolas locais para encontrar o alimento mais fresco e saboroso possível. No mapa interativo, é possível obter uma lista dos produtores locais, unidades agrícolas apoiadas pela comunidade e mercados próximos a você.
The Cornucopia Institute
O Cornucopia Institute mantém ferramentas na Internet que classificam todas as marcas orgânicas certificadas de ovos, laticínios e outros produtos, com base na origem ética e práticas agrícolas autênticas que separam a produção "orgânica" de CAFOs das práticas orgânicas autênticas.
RealMilk.com
Se você ainda não tem certeza de onde encontrar leite de vaca, acesse Raw-Milk-Facts.com e RealMilk.com. Eles podem informar qual é o status de legalidade em seu estado e fornecer uma lista das fazendas de laticínios in natura na sua área. Também é possível obter diversas informações sobre leite de vaca na página de fatos sobre o verdadeiro leite de vaca.
O Fundo de Defesa Legal da Fazenda para o Consumidor (Farm to Consumer Legal Defense Fund) também oferece um análise das leis sobre o leite de vaca, estado por estado. Os moradores da Califórnia também podem encontrar vendedores de leite de vaca usando o localizador de lojas disponível em www.OrganicPastures.com.