Qual é o aditivo alimentar mais perigoso?


Refrigerante diet

Resumo da matéria -

  • Um novo estudo concluiu que existe a possibilidade de consequências negativas associadas aos substitutos artificiais do açúcar, inclusive um risco bem maior de derrame cerebral.
  • O estudo é um tanto polêmico; alguns críticos alegaram que uma vez que os participantes relataram voluntariamente a quantidade de refrigerantes diet consumida, os resultados não são provenientes de um cenário rigorosamente controlado.
  • Já existem centenas de estudos publicados que associam os adoçantes artificiais, como o aspartame, a complicações graves de saúde
Tamanho da fonte:

Um novo estudo concluiu que existe a possibilidade de consequências negativas associadas aos substitutos artificiais do açúcar, inclusive um risco bem maior de derrame cerebral.

O estudo é um tanto polêmico; alguns críticos alegaram que uma vez que os participantes relataram voluntariamente a quantidade de refrigerantes diet consumida, os resultados não são provenientes de um cenário rigorosamente controlado.

Segundo o Seattle Post Intelligencer:

"Os pesquisadores usaram participantes voluntários para examinar fatores relacionados ao derrame cerebral e ataque cardíaco. Cerca de 900 participantes disseram que não bebiam refrigerante diet e cerca de 160 disseram que consumiam mais de uma lata de refrigerante diet todos os dias".

Por Dr. Mercola

Os últimos resultados ainda não foram publicados, a pesquisa foi apresentada recentemente na Conferência Internacional de Derrame Cerebral da Associação Americana de Derrame Cerebral.

No entanto, ainda vale a pena prestar atenção, pois já existem centenas de estudos publicados que associam os adoçantes artificiais, como o aspartame, a complicações graves de saúde. O documentário Sweet Misery (Doce Miséria) de Cori Brackett  é um excelente retrato dos problemas causados pelo aspartame. Acredito que seja um dos melhores documentários disponíveis sobre esse assunto.

No entanto, essa é a primeira vez que o consumo de refrigerante diet foi associado a um risco maior de derrames cerebrais e outros eventos vasculares.

O refrigerante diet pode realmente aumentar o risco de derrame?

Neste estudo, os voluntários foram acompanhados por nove anos. Cerca de 900 deles informaram não beber nenhum refrigerante diet, enquanto cerca de 160 informaram beber uma ou mais latas de refrigerante diet por dia.  No final, o consumo de refrigerante diet, assim como a ingestão de sal, foram associados a índices mais altos de derrame cerebral, ataque cardíaco e outros eventos vasculares mortais.

Em termos de ingestão de sal, depois de quase 10 anos, os que consumiram mais de 4.000 mg de sódio por dia duplicaram o risco de derrame em comparação aos que consumiram menos de 1.500 mg por dia.

Quanto ao refrigerante diet, os pesquisadores concluíram que:

"Este estudo indica que o refrigerante diet não é o substituto ideal de bebidas adoçadas com açúcar, e pode estar associado a um risco de derrame cerebral, infarto do miocárdio e morte vascular maior do que o refrigerante normal".

Embora sejam necessárias mais pesquisas para confirmar essa possível ligação, há muitas provas que mostram que o aspartame pode ser perigoso para a sua saúde. Acredito que o aspartame é, de longe, o adoçante artificial mais perigoso no mercado. Relatórios de reações adversas apresentados ao órgão americano FDA também apoiam essa constatação, pois o aspartame é responsável por mais de 75% das reações adversas a aditivos alimentares informadas ao FDA.

Efeitos adversos graves e de longo prazo do aspartame

Entre as reações graves que acontecem após a ingestão de aspartame, conforme relatado ao FDA, estão:

  • Dor de cabeça/enxaqueca
  • Náusea
  • Dor abdominal
  • Fadiga (bloqueia a entrada suficiente de glicose no cérebro)
  • Problemas de sono
  • Problemas de visão
  • Ataques de ansiedade
  • Depressão
  • Asma/aperto no peito
  • Distúrbios emocionais
  • Epilepsia/convulsões
  • Fibromialgia e síndrome de fadiga crônica
  • Mal de Parkinson
  • Perda de memória e mal de Alzheimer
  • Câncer

Parto prematuro e defeitos de nascença

Mulheres grávidas, cuidado!

As mulheres grávidas, em especial, precisam ter cuidado com as bebidas e alimentos adoçados artificialmente, pois eles podem prejudicar não só a mãe, mas também o bebê.

Um dos estudos mais recentes publicado sobre os efeitos do aspartame à saúde revelou que o consumo diário de refrigerantes adoçados artificialmente pode aumentar o risco de parto prematuro em até 78%!

Em resposta a essas descobertas preocupantes, alguns especialistas britânicos em saúde pública estão alertando as mulheres grávidas para evitarem o aspartame presente em alimentos e bebidas para proteger o bebê, uma vez que o parto prematuro expõe o bebê a diversos riscos à saúde, sem falar nos custos crescentes de assistência médica.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres grávidas que beberam:

  • Apenas uma lata de refrigerante diet por dia, em média, aumentaram em 38% o risco de dar à luz antes da 37ª semana.
  • Quatro ou mais latas de refrigerante diet por dia aumentaram em 78% o risco de parto prematuro.
  • Não foi encontrada nenhuma associação entre as bebidas adoçadas com açúcar e partos prematuros.

Portanto, se você está grávida ou planeja ficar, evite TODAS as fontes de aspartame e outros adoçantes artificiais. E se você conhece alguém que está grávida, compartilhe essa informação também.

O que torna o aspartame tão perigoso?

O aspartame é feito de:

  • Fenilalanina 50%
  • Metanol (também conhecido como álcool de madeira/veneno): 10% formado pela ruptura da união da ligação éster do ácido aspártico e fenilalanina.

Cada um deles apresenta seu próprio arsenal de perigos à saúde. Além disso, a dicetopiperazina (DKP), produzida como um subproduto do metabolismo do aspartame no seu corpo, tem sido associada à incidência de tumores cerebrais.

Os que defendem o aspartame alegam que a fenilalanina e o ácido aspártico são inofensivos e fazem parte da alimentação. De fato, esses dois aminoácidos podem ser encontrados na maioria dos alimentos que você consome.  No entanto, a fenilalanina e o ácido aspártico só podem ser considerados naturais e inofensivos quando consumidos em combinação com outros aminoácidos nas proporções corretas e não como aminoácidos isolados.

Quando consumidos como aminoácidos livres que não fazem parte do alimento, eles entram no sistema nervoso central em concentrações extremamente altas, causando uma ativação em excesso dos neurônios cerebrais e possível morte celular. Esse conceito recebeu o nome de "excitotoxicidade" pelo renomado neurocirurgião Dr. Russell Blaylock.

Existem aproximadamente 500 referências científicas que mostram como os aminoácidos excitatórios livres, como o ácido aspártico e o ácido glutâmico (cerca de 99% do glutamato monossódico é ácido glutâmico) presentes na nossa alimentação causam graves distúrbios neurológicos crônicos e vários outros sintomas agudos.

Novamente, voltando para os perigos do  aspartame durante a gravidez, é importante saber que a barreira hematoencefálica, que normalmente protege seu cérebro contra o excesso de glutamato e aspartato (e outras toxinas), não está totalmente desenvolvida durante o período fetal e infância, portanto, os riscos são muito maiores nesse período.

Outras categorias de alto risco incluem os idosos e pessoas com determinados problemas de saúde crônicos.

Seus problemas de saúde estão relacionados ao consumo de aspartame?

Talvez você não perceba que esteja tendo uma reação ao aspartame. Na verdade, a maioria das pessoas não faz a conexão, e uma grande quantidade de tempo e dinheiro é gasta pelos "reatores" ao aspartame (pessoas sensíveis a essa substância química), tentando descobrir por que estão doentes.

Para saber se você é um desses reatores, siga estes passos:

  1. Elimine todos os adoçantes artificiais da sua alimentação por duas semanas. (Obs.: se você geralmente consome aspartame em bebidas cafeinadas, reduza gradualmente sua ingestão para evitar os sintomas de abstenção de cafeína.)
  2. Depois de duas semanas sem adoçante artificial, reintroduza o aspartame em uma quantidade significativa (cerca de três porções por dia) e evite outros adoçantes artificiais durante esse período.
  3. Faça isso de um a três dias e observe como você se sente, principalmente em comparação ao momento em que você não estava consumindo adoçantes artificiais.
  4. Se você perceber uma diferença no modo como se sente depois de reintroduzir o aspartame, pode apostar que você consegue tolerar o aspartame perfeitamente, o que significa que seu corpo não tem uma resposta adversa imediata. No entanto, isso não significa que sua saúde não será prejudicada no longo prazo por essa substância química e seus produtos derivados.