A Importância da Verificação dos Níveis de Ferro


pílula de ferro

Resumo da matéria -

  • O Excesso de ferro é incrivelmente comum e provavelmente tão perigoso para a saúde quanto a deficiência de vitamina D, pois ele cria excesso de radicais livres que danificam o DNA mitocondrial, as membranas celulares e as proteínas que transportam elétrons.
  • O excesso de ferro é facilmente diagnosticado através da medição da ferritina. Os níveis normais de laboratório devem estar entre 20 e 80 ng/ml; 40 a 60 ng/ml é a faixa ideal.
  • O excesso de ferro tem tratamento fácil e barato. A maioria dos homens adultos e mulheres que não menstruam seria beneficiada doando sangue duas a três vezes por ano para manter as mitocôndrias saudáveis
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Um em cada 3 leitores provavelmente tem grande excesso de um mineral que pode ser mais perigoso para a saúde do que a falta de vitamina D. Este mineral é o ferro.

Para tornar a questão ainda pior, poucos médicos dão total atenção ao perigo do excesso de ferro, o que Gerry Koenig, ex-diretor do Instituto de Distúrbios do Ferro e da Fundação de Hemocromatose, discute nesta entrevista (somente em Inglês). A história pessoal de Koenig é uma ilustração poderosa do que pode acontecer com alguém que esteja com excesso de ferro no organismo.  

Aproximando-se de seu 50° aniversário, ele perdeu peso, fazia exercícios e sentia-se saudável. Aos 55 anos de idade, ele estava em boa forma, porém bebia mais do que o recomendado. Por fim, durante um exame físico, ele descobriu que o nível de enzimas hepáticas estava alto.

"O médico recomendou que eu parasse de beber,” diz Koenig. Porém, fiquei doente de novo. Ocorre que eu estava com anemia hemolítica. Meus glóbulos vermelhos estavam se destruindo.

Eu não sabia o que aquilo significava e aparentemente meu médico também não. Eles nunca testaram meu nível de ferro. Finalmente, tive um problema pelo qual fui parar no hospital. Eu estava com encefalopatia, uma condição bastante séria. Eles disseram que eu precisaria de um fígado novo.

Não fiz exame de ferro até a véspera do meu transplante de fígado em 2005. Por acaso, eu li um artigo Científico Americano. O artigo descrevia algo chamado hemocromatose, sobre o que eu não sabia nada. Decidi então que faria o exame.

Ocorre que eu tenho um gene para uma das variantes da hemocromatose – o C282Y. Por causa dele, decidi olhar mais profundamente para o assunto e comecei a pesquisar. Tenho feito isso desde então, há 11 anos."

Você Tem Alto Risco para Excesso de Ferro?

A maioria dos homens adultos e mulheres que não menstruam possui níveis prejudiciais de ferro. No entanto, existe um distúrbio genético chamado hemocromatose que faz com o organismo acumule níveis excessivos e perigosos de ferro.

Se essa condição não for tratada, o ferro pode danificar os órgãos e contribuir para o câncer, doenças cardíacas, diabetes, doenças neurodegenerativas e diversos outros distúrbios. A boa notícia é que o excesso de ferro tem tratamento fácil e barato.

Monitorando os níveis de ferritina e/ou gamaglutamiltranspeptidase (GGT), evitando suplementos de ferro e doando sangue regularmente, você evita sérios problemas de saúde.  
Infelizmente, muitos médicos estão seriamente desinformados sobre o excesso de ferro. Consequentemente, os problemas tendem a não ser detectados.

Quanto é Muito Alto?

O teste de ferritina mede o ferro armazenado. Fortemente recomendo que todos os adultos tenham seus níveis de ferro examinados (teste de ferritina) anualmente. Acredito que o excesso de ferro seja tão perigoso para a saúde quanto a deficiência de vitamina D.

Apenas não cometa o erro de analisar somente o que é considerado "normal." Em alguns laboratórios, um nível de 395 nanogramas por mililitro (ng/ml) entra na faixa normal, porém é MUITO alto para a saúde ótima. Na realidade, neste nível é garantido que você desenvolva doenças.

Idealmente, a ferritina deveria estar entre 20 e 80 ng/ml, certamente não mais alto que isso. Como regra geral, algo entre 40 e 60 ng/ml é a faixa ideal para homens adultos e mulheres sem menstruação.

Infelizmente, algumas poucas crianças, mulheres na pré-menopausa que perdem sangue através da menstruação mensal e aquelas pessoas com perda grave de sangue como uma úlcera hemorrágica possuem estes níveis ideais.  

"Mesmo algumas mulheres na pré-menopausa (se não estiverem sob controle) aumentarão o nível para 60 a 70, o que é perigoso se engravidarem. Há uma maior chance de obterem-se resultados piores na gravidez.

Os Estados Unidos são o 35° país no mundo em sobrevivência infantil. É uma situação horrível se você analisar os números. Não há motivo para isso. Não há motivo para termos uma população tão insalubre considerando o sistema de cuidados médicos que temos," diz Koenig.

Novamente, se o nível de ferro estiver alto, a solução é simplesmente doar sangue. Se você é um adulto do sexo masculino, você pode doar sangue de duas a três vezes por ano se seus níveis estiverem normais. Se o nível de ferritina estiver acima de 200 ng/ml, um cronograma de flebotomia mais agressivo é recomendado. Tudo o que você precisa é de uma ordem médica.

Testes Laboratoriais Recomendados

Um painel completo de ferro que verifica o ferro sérico, a capacidade de ligação do ferro e a ferritina pode ser útil; você só precisa do teste de ferritina. Seu médico pode solicitá-lo. O teste de GGT foi recentemente adicionado.

O GGT mede as enzimas hepáticas, o que pode dizer se você tem algum dano no fígado. Também pode ser usado como um indicador de controle de excesso de ferro. O ferro livre medido pelo GGT é igualmente um ótimo indicador de morte cardíaca súbita.

"Se você analisar apenas aquele indicador (GGT), você tem uma indicação do ferro que não está corretamente ligada. Quando você tem ferro no soro, ele geralmente está ligado pela transferrina a qual carrega dois átomos de ferro pelo soro.

A ferritina pode reter entre 4.000 a 4.500 moléculas de ferro e colocá-las dentro das células. Se estas medidas estiverem altas, elas são perigosas porque você não sabe como seu organismo vai conseguir manter esse ferro quando as células se desintegrarem ao longo do tempo ocorrendo hemólise ou catabolismo.

Nossa dieta é o maior fator hoje em dia que está realmente causando este problema. Não é exatamente porque estamos consumindo ferro em demasia. O fato é que o ferro que temos em nosso organismo pode efetivamente nos prejudicar. É aqui que entra o GGT. É uma medida alternativa de ferro livre."

Para mulheres, um nível saudável de GGT está em torno de 9 U/L, enquanto o ponto alto das faixas “normais” de GGT indicadas em laboratório é de 40 a 45 U/L para mulheres. Para homens, Koenig recomenda um nível de 16 U/L (a faixa normal indicada em laboratório para homens é 65 a 70 U/L).

"Mulheres com GGT acima de 30 U/L têm maior risco de desenvolver cânceres – câncer de mama, todos os tipos de câncer – e terão maior risco de desenvolver doença autoimune," avisa Koenig.

O que Causa o Excesso de Ferro?

Além de possuir um ou ambos os genes para hemocromatose, você pode igualmente desenvolver altos níveis de ferro pelo simples fato de a maioria das pessoas não excretar muito bem o ferro. Portanto, qual a biologia por trás do excesso de ferro?

Noventa por cento da energia que seu organismo produz é proveniente da queima de carboidratos ou gordura com oxigênio na mitocôndria para produção de adenosina trifosfato (ATP). Você precisa de oxigênio para queimar o combustível porque ele atravessa o ciclo de Krebs. Noventa e cinco por cento do tempo, o oxigênio é convertido em água.

Porém, em qualquer lugar entre 0,5 a 5 por cento do tempo, você vai desenvolver o que é chamado de espécies reativas de oxigênio (EROs). O primeiro é o superóxido, que então transforma-se nas próximas EROs, que é o peróxido de hidrogênio.  

Aqui está a chave: quando você tem excesso de ferro no sangue, a reação química (reação de Fenton) não produz água. Em vez disso, o ferro em excesso catalisa a formação do radical livre hidroxila que é o mais potente e destrutivo radical livre conhecido do homem. Eles vão dizimar o DNA mitocondrial, as proteínas mitocondriais de transporte de elétrons e as membranas celulares.  

É dessa forma que o excesso de ferro acelera todas as doenças das quais temos conhecimento. É dessa forma que ele provoca as patologias, especialmente no fígado e as doenças cardiovasculares. Acredite, poucos profissionais da saúde entendem a biologia molecular desta reação, e é por isso que virtualmente ninguém soa o alarme sobre os níveis excessivos de ferro. É por isso que você precisa compartilhar este artigo com seus amigos e familiares, pois você pode literalmente salvar muitas vidas.

É absolutamente vital confirmar se você possui níveis seguros de ferro e, uma vez que estejam em uma faixa segura, continue monitorando-os para que não subam. Lembre-se de que você não precisa ter hemocromatose para ser afetado. De acordo com Koenig, os níveis de ferro literalmente DOBRARAM de forma geral entre a população nas últimas quatro décadas.

Cuidado com a Combinação de Altos Níveis de Ferro e Carboidrato na Dieta

Se você consome grande quantidade de net carbs (carboidrato total menos fibra), a situação é agravada. Infelizmente, a maioria dos leitores está queimando carboidrato como seu combustível primário, o que adiciona outros 30 a 40 por cento de EROs em cima do radical livre hidroxila gerado pela presença de alto nível de ferro.

"O que as pessoas geralmente conseguem quando mantêm uma dieta melhor, em termos de retardamento das pequenas chamas antes que elas se transformem em um enorme incêndio são os antioxidantes," dizKoenig. "O mais importante é a glutationa.

Se você não tem uma boa saúde celular, incluindo a glutationa, aquelas chamas (inflamação) vão autoinflamar e acontecerá uma reação em cadeia dos efeitos que vão tomando conta de você até te deixar realmente doente.  

Foi o que aconteceu comigo. Eu tive neuropatia periférica. Eles tentam dizer que é um problema dos diabéticos, mas eu nunca tive diabetes. Minhas pernas estavam queimando. A dor era inacreditável. Você acaba indo a um especialista no assunto, um neurologista.

Porém, quando as membranas do sistema neurológico essencialmente chamejam e derretem, a dor é insuportável. Porém, ninguém relaciona isso ao ferro."

Hemocromatose, Outra Doença Provocada pelo Ferro

Se você possui ambos os genes para hemocromatose, então o risco de você desenvolver excesso de ferro e problemas associados à saúde aumenta significativamente.  

Aproximadamente 1 milhão de pessoas possuem a variante dupla do gene (C282Y/C282Y), o que é considerado o genótipo mais preditivo de complicações de doenças hepáticas. No entanto, isto apenas se torna um problema sério se um significante excesso de ferro ocorrer antes que um diagnóstico seja feito e tratamento adequado possa ser administrado.

A cada ano ocorrem aproximadamente 36.000 mortes por causa de doenças hepáticas e em torno de 6.000 transplantes de fígado. A maioria destes casos é afetada pelo excesso de ferro, independente desses pacientes terem ou não o genótipo para hemocromatose.

A causa primária para transplante de fígado e morte hepática é a doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), condição que pode avançar para esteato-hepatite não alcoólica (NASH) e cirrose. Excesso de frutose dietética é provavelmente o contribuinte primário ou iniciador da NAFLD nos dias de hoje (especialmente em crianças e adultos jovens), porém o alto nível de ferro é outro culpado que provoca resistência à insulina e progressão da doença.

Certamente, se você combinar uma dieta rica em açúcar com excesso de ferro, você está procurando problema. Isso criará uma sinergia venenosa e mortal poderosa que acelerará qualquer patologia. Se você leu este artigo até aqui, você provavelmente sabe mais sobre este assunto do que seu médico.

O alto nível de ferro simplesmente não é levado à atenção dos médicos através da literatura.  E o motivo para eu conhecer tanto sobre o assunto é que eu fui pessoalmente afetado por ele. Meu pai teve beta talassemia e ele me passou o gene, que é uma forma de anemia hemolítica (similar à anemia falciforme).

Como resultado disso, meus glóbulos vermelhos morrem mais rapidamente do que o normal e fico suscetível ao excesso de ferro. Meu pai tinha nível de ferritina de 800 quando o diagnostiquei 20 anos atrás.  

Ele estaria morto agora se nós não tivéssemos tomado as medidas necessárias para correção. Ele tem agora 90 anos de idade. Ele foi recentemente hospitalizado com pneumonia. Seu médico fez um teste de ferro que mostrou como resultado um “nível baixo”, apesar de estar acima de 200 ng/ml!

Eles iam aplicar uma injeção de ferro quando minha irmã interveio e os interrompeu. Se ela não estivesse lá naquele momento, ele poderia ter se tornado outra estatística de erro médico.

Pontos Chave para Tratamento

Para relembrar, os três pontos chave para controle desta situação são:

  1. Reduza o consumo de net carb e aumente o consumo de gorduras saudáveis, incluindo ômega-3 de origem animal, para mudar para o modo de queima de gordura e proteger suas mitocôndrias. Isto o (a) ajudará a radicalmente reduzir espécies reativas de oxigênio (EROs) e produção de radicais livres secundários.  
  2. Regularmente teste o nível de ferro com ferritina ou GGT para confirmar que você não está com excesso de ferro, e se você estiver, doe sangue para baixar seus níveis.
  3. Se você for um adulto do sexo masculino ou mulher que não menstrua, certifique-se de doar sangue pelo menos duas vezes ao ano.

Depender de antioxidantes para indiscriminadamente suprimir as EROs pode ser um tiro pela culatra, pois as EROs igualmente agem como importantes moléculas sinalizadoras. Elas não são de todo mal. Elas causam danos somente quando produzidas em excesso. É melhor você reduzir a produção delas do que destruí-las depois de produzidas.

Portanto, melhore biologicamente seus níveis de EROs em vez de depender de vitaminas e suplementos. O consumo de gorduras saudáveis pode fazer uma diferença maior do que você imagina, especialmente se você tem alto nível de ferro.

Tenha em Mente as Combinações de Alimentos que Promovem Retenção de Ferro

Aqui estão outras dicas e sugestões com relação à dieta. Consumir alimentos ricos em vitamina C junto com uma refeição que contenha ferro aumentará a absorção do ferro. Se você estiver anêmico (a), isto pode ser bom, porém se você sofre com excesso de ferro, evite combinar alimentos ricos em vitamina C e ferro. Por outro lado, o cálcio faz ligação com o ferro, limitando a absorção.  

Ele afeta o ferro, assim dizendo, portanto se você tem alto nível de ferro, considere consumir alimentos ricos em ferro com alimentos ricos em cálcio. Interessante é que a curcumina (derivada do açafrão) age como potente quelante do ferro e pode ser um suplemento útil se o nível de ferro está elevado.

Outras Informações

A menos que você seja uma mulher que menstrua, simplesmente doe sangue duas a três vezes ao ano. Se você não pode doar devido a restrições por causa da hemocromatose, peça ao seu médico uma prescrição para fazer uma flebotomia terapêutica.

Infelizmente, quase todos os médicos ainda desconhecem este problema e, portanto, você precisa ser seu próprio defensor se suspeitar (ou souber) que seu nível de ferro está alto.  
Acredito que a correção dos níveis elevados de ferro seja tão importante, se não mais importante, do que melhorar o índice de vitamina D. Se você tem alto nível de ferro, você definitivamente está com o pé no acelerador no que se refere ao aumento da velocidade para desenvolvimento de doenças e envelhecimento. Koenig é um exemplo perfeito. Ele acabou precisando de transplante de fígado como resultado do excesso de ferro.  

Concluindo, Koenig observa que:

"Se seu médico te diz que você tem uma doença hepática gordurosa, você provavelmente tem nível alto de ferro, de ferritina. Ele provavelmente não solicitará que você faça o teste para diagnosticá-lo. Você pode beneficiar-se doando sangue ou mudando sua dieta. No meu site, tenho em torno de 700 publicações. Se você deseja aprofundar-se no assunto, há um capítulo sobre ele. Saiba como reduzir [o ferro] somente com dieta. Isso já foi feito com sucesso."