Como as estatinas prejudicam a saúde do cérebro


Remédios à base de estatina

Resumo da matéria -

  • Dezenas de milhões de pessoas estão tomando remédios à base de estatina para baixar os níveis de colesterol total, o que não tem um efeito significativo sobre o risco de doenças cardiovasculares
  • Esses remédios estão associados à doença degenerativa neuromuscular chamada esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig
  • O mau funcionamento da produção de energia mitocondrial causado pelo efeito das estatinas sobre o CoQ10 pode ser a causa principal da maioria dos efeitos colaterais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Dezenas de milhões de pessoas estão tomando remédios para reduzir os níveis totais de colesterol. A maioria desses remédios está em uma classe de medicamentos conhecida como estatina. Alguns médicos estão até começando a recomendar que as crianças tomem estatina para controlar os níveis de colesterol. Eu não poderia ser mais contra.

O desafio com os remédios à base de estatina é que eles tratam questões superficiais do colesterol de maneira simplista. E seu corpo é um organismo complexo que usa o colesterol todos os dias para construir novas membranas celulares, na formação da vitamina D e na produção de hormônios.

Os remédios à base de estatina são inibidores da HMG-CoA redutase. Eles bloqueiam a enzima no fígado que produz colesterol naturalmente para as funções corporais.

O remédio basicamente reduz o número do colesterol total, sem tratar as lipoproteínas de alta densidade (HDL), as lipoproteínas de baixa densidade (LDL), as lipoproteínas de baixíssima densidade (VLDL) e os níveis de triglicerídeos.

Embora o número do colesterol total proporcione uma visão geral, essa não é a informação necessária para avaliar seu risco de doenças cardiovasculares. Em vez disso, você precisa comparar os números de HDL, LDL, VLDL e triglicerídeos em relação ao colesterol total.

Estatinas podem provocar doenças neuromusculares

Os remédios à base de estatina são famosos por causar efeitos colaterais como dano muscular e fraqueza. O que foi menos divulgado é uma possível ligação entre as estatinas e uma evolução no enfraquecimento muscular, podendo levar ao diagnóstico de esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig.

O Centro de Colaboração para o Monitoramento Internacional de Medicamentos da Organização Mundial da Saúde (OMS) recebe relatórios de segurança associados aos remédios à base de estatina e observou um número desproporcionalmente alto de pacientes com lesões do neurônio motor superior entre aqueles que tomaram esses remédios.

O pesquisador Ivor Ralph Edwards é especialista em toxicologia, intoxicação aguda e crônica e reações adversas a medicamentos. Ele também é o conselheiro sênior do Centro de Monitoramento da OMS em Uppsala, na Suécia, e afirma:

"Nós defendemos a interrupção experimental do uso da estatina em pacientes com graves doenças neuromusculares como a síndrome da ELA, devido aos prognósticos ruins e à possibilidade de que o avanço da doença possa ser interrompido ou revertido".
Pesquisadores da Faculdade de Medicina Johns Hopkins alertaram os pacientes de que embora tenham descoberto uma ligação entre a ingestão de estatinas e o desenvolvimento de uma doença autoimune neuromuscular rara, esse problema poderia ser tratado com esteroides e outros medicamentos imunossupressores.

Os pesquisadores afirmaram que não havia necessidade de temer esse incrível "medicamento fantástico".

O Dr. Andrew L. Mammen, neurologista que trata pacientes com miopatias associadas à estatina na Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, é citado em um comunicado à imprensa da universidade, onde afirma: "As estatinas salvam inúmeras vidas. Elas reduzem drasticamente o risco de derrames cerebrais e ataques cardíacos".

O que ele diz é que você precisa das estatinas para reduzir o risco de ataques cardíacos e derrames cerebrais, e você deve tomá-las apesar do risco de desenvolver uma doença neurológica degenerativa para a qual precisará de medicamentos que suprimam seu sistema imunológico.

Isso tudo apesar de saber que os números do colesterol total não são indicadores do risco geral de doenças cardiovasculares. Recomendo seriamente que você avalie os riscos e benefícios e considere algumas opções antes de começar a tomar um remédio à base de estatina.

Mais efeitos adversos da estatina

A Dra. Beatrice Golomb conversou comigo sobre a manipulação de "provas científicas" e outras informações errôneas e amplamente divulgadas sobre os medicamentos.

Em 2012, a Dra. Golomb obteve reconhecimento por um estudo sobre eventos adversos em músculos e tendões associados às estatinas, mostrando que os problemas musculares estavam relacionados à concentração de estatina que estava sendo ingerida.
Outros estudos concordam que os efeitos colaterais dos remédios à base de estatina podem ser variados em diferentes pacientes conforme o histórico médico anterior, a própria estatina e a dose usada.

Uma pesquisa da Faculdade de Higiene e Medicina Tropical em Londres indica que os resultados da pesquisa foram "selecionados a dedo" de modo a apresentar o melhor cenário possível para a empresa farmacêutica. Segundo a Pacific Standard:

"Às vezes, os efeitos colaterais negativos das estatinas são subestimados e as conclusões podem ser distorcidas pelos parâmetros limitados dos testes. Conforme um estudo de 2007 do Scripps Mercy Hospital:

"A incidência da rabdomiólise (ruptura rápida do músculo esquelético) induzida pela estatina é maior na prática do que em testes controlados devido à exclusão de sujeitos potencialmente suscetíveis'".

Outro estudo revelou que 17% dos pacientes sofreram efeitos colaterais que incluíam dor muscular, problemas do sistema nervoso e náusea. Dois terços dos que relataram efeitos colaterais pararam de tomar os remédios e aproximadamente metade parou pelo menos temporariamente.

Uma análise da literatura sobre a área, publicada no American Journal of Cardiovascular Drugs, avaliou 900 estudos prévios, olhando os efeitos adversos dos remédios à base de estatina.

Os efeitos adversos dependem da dose e seus riscos à saúde podem ser ampliados por diversos fatores, como a ingestão de outros remédios (que podem aumentar o poder da estatina), síndrome metabólica ou doença da tireoide. Algumas das consequências de tomar remédios à base de estatina em doses altas ou por um longo período são:

Dor de cabeça

Dificuldade para dormir

Tontura

Inchaço

Gases

Constipação

Erupções

Nível alto de açúcar no sangue (diabetes tipo 2)

Alterações na visão

Dor na bexiga

Dificuldade para respirar

Boca seca

Dor na região lombar ou lateral

Perda de consciência

Articulações inchadas

Bolhas ou descamação da pele

Alterações no peso

Perda cognitiva

Neuropatia

Anemia

Acidose

Febres frequentes

Catarata

Disfunção sexual

Disfunção pancreática

Supressão do sistema imunológico

Polineuropatia (danos nos nervos das mãos e pés)

Disfunção hepática

Maior risco de câncer

Tecido muscular degenerativo (rabdomiólise)

Se você acha que deve tomar estatina você precisa tomar Ubiquinol ou CoQ10

As estatinas inibem a enzima que o fígado usa para produzir colesterol. No entanto, o mesmo caminho pode promover a supressão do precursor da coenzima Q10 (CoQ10), um antioxidante que sua mitocôndria usa para produzir energia. Em teoria, quando seu corpo tem carência de CoQ10, a produção de energia pela mitocôndria é deprimida, podendo acionar ou acelerar neuropatias como a ELA.

Se você toma remédios à base de estatina sem tomar o CoQ10 ou a forma reduzida, o ubiquinol, sua saúde pode estar em sério risco. Infelizmente, isso ocorre com a maioria das pessoas que tomam estatinas nos Estados Unidos. A perda de energia no nível celular pode danificar seu DNA mitocondrial e acionar um ciclo vicioso de aumento de radicais livres e danos mitocondriais.

O CoQ10 é um tratamento auxiliar eficaz na insuficiência cardíaca, uma informação importante já que as estatinas podem prejudicar a função do músculo cardíaco. Neste estudo, os pesquisadores revelaram que o grupo de controle, aquele que não estava tomando remédios à base de estatina para proteger a saúde cardiovascular, saiu-se melhor. Eles concluíram: "A terapia de estatina está associada à queda na função do miocárdio conforme avaliado em imagens de deformação".

A importância da função de energia mitocondrial não pode ser exagerada. O Grupo de Estudos da Estatina, conduzido pela Dra. Golomb, concluiu que o mau funcionamento da produção de energia mitocondrial devido à interferência dos remédios à base de estatina foi o fator de causa adjacente em todos os efeitos adversos associados ao remédio.

Após analisar as provas, se você escolher tomar um suplemento de CoQ10, é importante tomá-lo em uma forma que seu corpo possa assimilar facilmente. O CoQ10 pode ser usado geralmente por pessoas com até 30 anos. No entanto, se você tem mais de 30, deve considerar o ubiquinol, versão reduzida do CoQ10, que é muito mais eficaz.

Número de partículas de LDL é mais importante que o colesterol total

É provável que o enfoque na redução do colesterol tenha se perdido totalmente, já que o colesterol total não é a causa das doenças cardíacas, a menos que ele esteja acima de 300. Outros fatores de risco são muito mais fortes. Um dos exames mais importantes que você pode fazer para saber o risco real de doenças cardíacas é o NMR LipoProfile, que mede o número de partículas de LDL.

Esse exame específico também inclui marcadores que determinam se você é resistente à insulina, causa principal do número elevado de partículas de LDL. Quando a secreção de insulina aumenta, aumenta também a produção de colesterol. Os níveis elevados de insulina, ou uma queda na sensibilidade da insulina, estão relacionados aos alimentos que você come e ao seu exercício físico. Duas outras relações de exames de sangue que dirão mais sobre o seu risco de doenças cardiovasculares são:

  • Relação entre HDL e colesterol total. Este é um exame em jejum e deve ser superior a 25%. Ele mede a quantidade de HDL que você tem em relação ao número do colesterol total.
  • Relação entre triglicerídeos e HDL, que deve ser inferior a 2.

Autoridades de saúde nos Estados Unidos pedem que todos com mais de 20 anos avaliem seu colesterol a cada cinco anos. Um dos elementos desse teste é o colesterol total, ou a soma do teor de colesterol no sangue, incluindo HDL, LDL e VLDL.

Lembre-se de que essas são simplesmente diretrizes e que há muito mais implicado no risco de doenças cardíacas do que qualquer número é capaz de lhe dizer. Foi somente depois que os pesquisadores descobriram que o colesterol total era um indicador ruim de doenças cardíacas que o colesterol HDL e o LDL passaram a ser medidos. Eles dão a você uma ideia melhor do que está acontecendo, mas ainda não mostram tudo.

Melhore naturalmente os níveis de colesterol

O único motivo real para tomar remédios de controle do nível de colesterol é se você sofre de hipercolesterolemia hereditária. Esse é um problema genético, passado de geração em geração. Começa no nascimento e afeta os níveis de LDL, causando, às vezes, ataques cardíacos em idade prematura.

Em outros casos, o colesterol pode ser controlado fazendo-se escolhas diferentes de estilo de vida e nutrição. O fato é que 75% do seu colesterol é produzido pelo fígado, influenciado pelos níveis de insulina. Isso significa que se você melhorar os níveis de insulina, também estará melhorando os níveis de colesterol. Para regular com segurança o açúcar no sangue, a sensibilidade à insulina e os níveis de colesterol, é importante modificar sua alimentação e as escolhas de estilo de vida.

Melhore seus níveis de vitamina D

A boa exposição ao sol ajudará a normalizar os níveis de colesterol e a evitar doenças cardíacas.24 Para obter uma explicação completa sobre o processo, consulte o artigo intitulado "Será que ESTE é o fator oculto por trás da obesidade, doenças cardíacas e fadiga crônica?"

Normalize seu peso e reduza os carboidratos, principalmente a frutose

Normalize seu peso usando um plano de eliminação de grãos e açúcares na sua alimentação. Tome muito cuidado para não ingerir mais de 25 gramas de frutose por dia. Esses produtos fazem o nível de insulina disparar e acionam o desenvolvimento do colesterol. O ideal é que você boa parte dos alimentos consumidos seja cru.

Inclua alimentos saudáveis para o coração

Certifique-se de ingerir boas quantidades de gorduras ômega 3 de origem animal de alta qualidade. Alguns dos alimentos saudáveis para o coração são: azeite de oliva, coco e óleo de coco, laticínios e ovos orgânicos, abacate, nozes e sementes cruas e carnes de animais alimentados com pasto.

Movimente-se mais diariamente e pratique exercícios com regularidade

Embora eu recomende adotar os exercícios de Peak Fitness, que também melhoram a produção do hormônio do crescimento (GH), a movimentação normal (e não a do exercício) talvez seja ainda mais importante. O ideal é manter-se ativo o máximo possível todos os dias. Recomendo levantar-se no trabalho e caminhar pelo local o máximo que puder. Além disso, tenha um programa completo de treino físico que inclua treino de força e exercícios de alta intensidade.

Reduza seu nível de estresse

Cada um de nós sofre com o estresse nessa vida acelerada. Experimente lidar com os desafios emocionais usando minha técnica favorita de gerenciamento do estresse, a Técnica de Liberação Emocional (EFT). Você pode facilmente aprender a usar essa técnica em casa e incorporá-la mesmo quando estiver ocupado.

Melhore a qualidade do seu sono

Um sono de boa qualidade ajuda a reduzir os níveis de estresse, a normalizar os níveis de insulina e a ter um bom desempenho durante o dia. Se você tem problemas para adormecer ou ficar acordado, talvez queira experimentar algumas das estratégias do meu artigo: "Quer ter uma boa noite de sono? Então não faça isso antes de ir para a cama".

Evite o álcool e o cigarro em excesso

O álcool é rico em carboidratos líquidos, que afetam os níveis de insulina. O cigarro afeta o sistema arterial, elevando temporariamente a pressão.

Substitua os óleos vegetais

Substitua os óleos vegetais e as gorduras trans sintéticas prejudiciais por gorduras saudáveis, como o azeite de oliva, manteiga e óleo de coco (lembre-se que o azeite deve ser usado somente frio; use o óleo de coco para cozinhar e assar).

Inclua alimentos fermentados

Inclua alimentos fermentados na alimentação diária. Eles não só irão melhorar sua microflora intestinal, reforçando a imunidade em geral, mas também levarão bactérias benéficas para a sua boca. A saúde oral deficiente é outro indicador importante de maior risco de doenças cardíacas.

+ Recursos e Referências