Vontade de Comer Gelo? Você Pode Estar Com Deficiência de Ferro


vontade de comer gelo

Resumo da matéria -

  • Mastigar gelo, também conhecido como pagofagia, pode ser um vício que indica um problema com deficiência de ferro e possivelmente anemia
  • Mastigar gelo pode ocasionar danos aos dentes e gengivas, e pode inflamar os tendões e ligamentos em sua mandíbula
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Mastigar gelo em um dia quente de verão pode aliviar um pouco do calor, mas se você tem vontade de comer gelo com frequência isso pode significar algo mais. Mastigar gelo é uma forma de alotriogeusia, ou o desejo de comer algo não nutricional.

A alotriogeusia é vista mais frequentemente em crianças, mas a mastigação do gelo é um vício que está presente em todas as idades. Ter vontade de uma substância não nutricional está geralmente relacionado a uma deficiência nutricional.

Neste caso, a mastigação do gelo pode ser um sintoma de deficiência de ferro ou anemia.

Para se adequar aos critérios da pagofagia, ou o vício de mastigar gelo, você deve persistir em mascar gelo por um mês ou mais. As pessoas que são viciadas em mascar gelo vão procurar gelo, chegando ao ponto de comer as raspas de gelo do congelador para atender às suas necessidades.

Embora uma vontade simples por gelo possa significar que você tem deficiência de ferro, há uma complexa interação entre as necessidades nutricionais e comportamento. Em muitos casos, a simples suplementação de ferro pode corrigir o problema.

No entanto, uma vez que os níveis de ferro podem criar problemas significativos quando estão muito altos ou muito baixos, é importante entender este processo e monitorar seus níveis de ferro.

Pagofagia Com Deficiência de Ferro

Para demonstrar a associação entre mastigar gelo e a deficiência de ferro, um estudo avaliou o comportamento de 81 pacientes que sofriam de anemia ferropriva e descobriram que a pagofagia era uma forma comum de alotriogeusia.

Nesta população, 16 por cento dos participantes que tinham pagofagia mostraram um alívio de seus sintomas mais rapidamente com a suplementação de ferro do que a recuperação de seus níveis de hemoglobina podem ter indicado.

Embora os sintomas de alotriogeusia estejam presentes há séculos, parece haver uma comunidade jovem de médicos que podem não estar cientes das ligações entre a vontade de substâncias não nutricionais e uma deficiência nutricional.

Em um estudo de caso, tanto os pacientes quanto os médicos que os tratavam não tinham consciência da importância do comportamento de alotriogeusia e as ligações à deficiência de ferro.

Os pesquisadores recomendam que os médicos busquem atentamente por sinais da perda crônica de sangue em pacientes que apresentam comportamentos de alotriogeusia, pois podem ser uma indicação da perda de sangue lenta e deficiência de ferro.

A anemia é causada quando seu nível de glóbulos vermelhos é mais baixo do que o normal e reduz a quantidade de oxigênio que seu corpo pode fornecer a suas células.

Sem oxigênio seu corpo é incapaz de funcionar eficazmente. No entanto, quando a perda ocorre lentamente seu corpo pode se adaptar e você pode não notar uma diferença no seu desempenho ou funções até que o nível de glóbulos vermelhos se torne perigosamente baixo. Em outras palavras, você pode se tornar praticamente anêmico.

Riscos Associados À Mastigação de Gelo

Neste pequeno vídeo (disponível apenas em inglês) você descobrirá algumas das maneiras pelas quais o gelo pode danificar os dentes e os maxilares. Um vício de mascar gelo pode parecer inócuo, mas há perigos ligados à condição.

Os efeitos colaterais não são tão perigosos quanto um vício em produtos químicos, como tabaco, drogas ou álcool,  no entanto, pode causar danos aos dentes e a falta de tratamento da anemia pode causar problemas cardíacos.

Alguns pacientes estão tão viciados que chegam a comprar máquinas de raspadinha para ter em sua casa e no seu trabalho e assim atender às necessidades de seu vício. No entanto, quando não estiver mastigando gelo esmagado ou raspadinhas você pode estar tentado a morder um cubo de gelo comum, aumentando o potencial de danos aos seus dentes.

No auge da dependência você pode ansiar por gelo como um fumante que precisa de um cigarro para acalmar seu desejo. Mastigar gelo pode lascar seus dentes, danificar suas gengivas, danificar o esmalte dos seus dentes ou danificar os preenchimentos ou coroas existentes.

Você também pode vir a ter músculos da mandíbula doloridos ou agravar um distúrbio da articulação temporomandibular.

Qual é a Ligação Entre Gelo e Anemia?

Existem várias teorias sobre por que você pode desejar mascar gelo quando você tem uma deficiência de ferro. Alguns dos sintomas gastrointestinais de uma deficiência de ferro são feridas na língua, boca seca, senso de gosto alterado, dificuldade em engolir e feridas na boca.

Cada um destes sintomas pode ser aliviado ao se mastigar ou chupar gelo frio que pode ajudar a reduzir o inchaço e reduzir o desconforto. No entanto, pesquisas adicionais também descobriram que mastigar gelo quando se está com deficiência de ferro muda processamentos neurológicos que melhoram o funcionamento cognitivo.

Mastigar Gelo Melhora a Função Cognitiva?

Outros sintomas de deficiência de ferro e anemia são fadiga e exaustão que muitas vezes afetam habilidades cognitivas e habilidades. Os pesquisadores levantaram a hipótese de que mastigar gelo pode provocar alterações no sistema vascular do cérebro que podem levar a uma maior quantidade de oxigênio.
 

Esta perfusão aumentada de sangue e oxigênio pode então resultar em um aumento na agilidade e velocidade de processamento. Neste estudo os pesquisadores foram capazes de demonstrar que a mastigação de gelo por indivíduos que sofrem de deficiência de ferro, na verdade, melhorou a sua velocidade de processamento, enquanto que isso não teve nenhum efeito sobre o grupo de controle saudável.

Eles compararam os resultados dos testes entre pessoas que eram deficientes em ferro e tinham água em relação àqueles que mascaram gelo diretamente antes do teste. Os pesquisadores teorizam que o aumento reflexivo no fluxo sanguíneo para o cérebro pode estar relacionado a um reflexo de mergulho.

A autora do estudo Melissa Hunt, Ph.D., psicóloga clínica da University of Pennsylvania, descreve o reflexo:

"Se você pensar em baleias e golfinhos mergulhando, a água fica mais fria e seus vasos sanguíneos periféricos se contraem e desviam todo o sangue para os órgãos internos e o cérebro. É um pouco vestigial, mas os humanos demonstram ter o reflexo de mergulho."

Este reflexo parece ser desencadeado quando a água fria toca o rosto, desviando mais fluxo de sangue para o cérebro, proporcionando assim um impulso no funcionamento cognitivo. Hunt não tinha ouvido os participantes ou seus pacientes descreverem uma necessidade de gelo para terem um aumento de energia, mas sim algo como uma vontade.

O Dr. Michael Bromberg, hematologista da Temple University, disse:

“Pacientes tendem a ser discretos sobre esses tipos de comportamentos. Você tem que provocar isso. Uma paciente me disse: ‘Eu amo o gelo. É melhor do que sexo.'”

Como a Anemia Ferropriva Afeta Sua Saúde

Existem várias maneiras de você vivenciar a deficiência de ferro, com ou sem anemia. Ela pode originar-se de uma perda crônica de sangue, como a proveniente de pólipos gastrointestinais, intensos fluxos menstruais crônicos, sangramento crônico de úlceras do estômago ou após certos procedimentos cirúrgicos que reduzem a quantidade de ferro que seu corpo pode absorver, como um procedimento de bypass gástrico.

A condição pode resultar em danos em longo prazo tanto a partir do problema original que causa a anemia quanto da própria anemia.

O primeiro passo é descobrir a razão por trás da perda de sangue. A perda de oxigênio para suas células pode ser experimentada como fadiga crônica, falta de ar, tontura e batimentos cardíacos rápidos ou irregulares.

Complicações da deficiência de ferro em longo prazo e anemia crônica podem incluir insuficiência cardíaca por longos períodos de tempo, quando seu coração precisa bater mais rápido para fornecer mais sangue para suas células para atender a necessidade de oxigênio.

As crianças também correm risco de sofrer anemia por deficiência de ferro. Durante a gravidez, você pode dar à luz seu filho muito cedo ou com baixo peso ao nascer, ambos fatores associados a resultados negativos para a criança. As crianças cronicamente anêmicas podem sofrer um atraso no crescimento e desenvolvimento e possuem uma maior vulnerabilidade a infecções.

Peça Estes Exames de Sangue

Antes de tomar as rédeas da situação, é importante que você saiba se você possui deficiência de ferro. Ter ferro em excesso em seu corpo pode ser ainda mais prejudicial para sua saúde do que ter muito pouco. Como com a maioria dos nutrientes, deve haver um meio termo razoável dentro do qual seu corpo funcione de forma ideal.

Existem três razões básicas que indicam que alguém sofre de anemia: perda de sangue, produção de células sanguíneas reduzida ou a destruição de células sanguíneas. Em cada caso, é importante não só diagnosticar a anemia, mas também encontrar a razão pela qual você está tendo perda de sangue, já que em alguns casos, a suplementação de ferro pode causar sérios danos.

A verificação de deficiência e sobrecarga de ferro pode ser feita com um simples exame de sangue chamado teste de ferritina sérica. Ele mede a molécula em seu sangue que transporta ferro. Se seus níveis de ferritina são baixos, então seus níveis de ferro também são baixos. Um intervalo saudável para a ferritina sérica é entre 20 e 80 nanogramas por mililitro (ng / ml).

Alguns laboratórios estendem o nível mais alto aceitável para 300 ng / ml, mas eu acredito que isto está muito alto. Os perigos da sobrecarga de ferro são graves e potencialmente fatais. Você pode ler mais no meu artigo anterior, "Iron in Your Blood.” (Ferro no Seu Sangue).

Outros testes que podem ser importantes no diagnóstico de sua deficiência de ferro incluem um hemograma completo durante o qual um técnico irá determinar o tamanho, número e volume de suas células sanguíneas.

Em combinação com um nível de ferritina sérica, o seu médico também pode pedir outros testes se ele suspeitar que você possa sofrer um ataque imunológico em seus glóbulos vermelhos ou que há defeitos nas enzimas, hemoglobina ou coagulação.

Aumente os Seus Estoques de Ferro Naturalmente

Dependendo de seus níveis de ferro, você pode ser capaz de aliviar a sua deficiência de ferro melhorando seus hábitos alimentares. Existem dois tipos diferentes de ferro que você encontra nos alimentos: ferro heme e não-heme. O ferro heme é encontrado na carne e frutos do mar.

Alimentos à base de plantas, como frutas, legumes e nozes, contêm ferro não-heme. Embora estas fontes não possam ser absorvidas tão rapidamente quanto as ferro do heme, são uma parte muito importante de uma dieta nutritiva. Esteja você comendo fontes nutricionais de ferro heme ou não-heme, você deve incluir também alimentos ricos em vitamina C para melhorar a absorção.

Tomates, pimentões amarelos e vermelhos, frutas cítricas, couve, brócolis e couves de Bruxelas lideram a lista de alimentos ricos em vitamina C. Os alimentos que são ricos em ferro incluem:

Carne

Presunto

Cordeiro

Peru

Frango

Vitela

Porco

Camarão

Mexilhão

Vieiras

Ostras

Atum

Espinafre

Batatas Doces

Ervilha

Brócolis

Vagem

Folhas de Beterraba

Couve

Melancia

Tâmaras

Figos

Passas

Ameixas

Tomates

Ervilhas Secas

Lentilhas

Feijões Secos

Melaço

Produtos a base de Tomate

Se você precisar de mais do que alimentos ricos em ferro para aumentar seus níveis de ferro até níveis normais, depois de você saber por que seus níveis são baixos, considere um suplemento que tenha bisglicinato ferroso em vez de sulfato ferroso.

O suplemento mais comumente prescrito é 325 miligramas (mg) de sulfato ferroso tomado três vezes por dia.

No entanto, os efeitos colaterais aumentam a probabilidade de os pacientes pararem de tomar a medicação. Em comparações feitas entre prescrições de diferentes preparações orais de suplementos de ferro, os pesquisadores encontraram grandes variações no tempo em que os suplementos se dissolvem e a biodisponibilidade do suplemento.

Fatores importantes incluíam o tipo de preparação e a forma do ferro no suplemento. Em pesquisas recentes, a biodisponibilidade de água mineral rica em ferro pareceu equivalente a formulações de ferro sintético.

A suplementação com bisglicinato ferroso tem o benefício adicional de ter poucos ou nenhum efeito colateral gastrointestinal, doses mais baixas necessárias para corrigir os níveis de ferro, e muitas vezes um custo mais baixo.

Como a Vitamina D Pode Afetar o Seus Níveis de Ferro

A vitamina D pode ter um efeito sobre a produção de glóbulos vermelhos, chamada eritropoiese. Em um estudo que avaliou as amostras de sangue de mais de 550 participantes, os pesquisadores foram capazes de demonstrar uma associação entre a deficiência de vitamina D e um aumento no risco de anemia.

Isso não surpreende já que a vitamina D desempenha um papel fundamental em muitas das funções do seu corpo, incluindo a saúde gastrointestinal, depressão, saúde do cérebro, funcionamento metabólico e cânceres. Normalizar seus níveis de vitamina D é uma maneira simples, eficaz e barata de otimizar sua saúde geral.

Estima-se que 50 por cento da população em geral está em risco de ter deficiência e insuficiência de vitamina D. A luz solar é a maneira ideal para otimizar seus níveis de vitamina D, mas a única maneira de saber se você tem níveis terapêuticos é medindo-o.

Há uma diferença significativa entre o nível de vitamina D para prevenir doenças e para melhorar a sua saúde.

No meu artigo anterior, "Do You Need a Vitamin D Supplement to Maintain Ideal Levels? " (Você Precisa de Um Suplemento de Vitamina D Para Manter Níveis Ideais?”) eu discuto sobre quando você pode considerar um suplemento, o que é importante fazer concomitantemente ao tomar esse suplemento e como aumentar a sua absorção de vitamina D proveniente do sol.

O Papel da Vitamina D na Prevenção de Doenças

Um conjunto crescente de evidências mostra que a vitamina D desempenha um papel crucial na prevenção de doenças e na manutenção de uma ótima saúde. Existem cerca de 30.000 genes em seu corpo, e a vitamina D afeta quase 3.000 deles, bem como os receptores de vitamina D localizados em todo o seu corpo.

De acordo com um estudo feito em larga escala, os níveis ideais de vitamina D podem reduzir seu risco de câncer em até 60%. Manter seus níveis otimizados pode ajudar a prevenir pelo menos 16 tipos diferentes de câncer, incluindo câncer de pâncreas, pulmão, ovário, próstata e pele.