Revelados os Assustadores Ingredientes Ocultos do Sushi

Sushi

Resumo da matéria -

  • Ingredientes populares do sushi e outros alimentos asiáticos geralmente contêm glutamato monossódico (MSG), edulcorantes artificiais, xarope de milho rico em frutose, ingredientes geneticamente modificados, cores artificiais e sabores artificiais
  • A salada de alga marinha, gengibre em conserva, wasabi, molho de soja e até mesmo o arroz do sushi e sementes de gergelim podem conter ingredientes e aditivos artificiais
  • O sushi servido em restaurantes é muitas vezes identificado erroneamente e pode incluir um peixe diferente do especificado no cardápio; ele também pode ser rico em mercúrio ou outros poluentes
  • Se você adora sushi, tente fazê-lo em casa comprando um peixe inteiro, livre de contaminações, como o salmão vermelho selvagem do Alasca
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A maioria das pessoas considera o sushi como uma escolha saudável quando se decide comer fora de casa, ou mesmo quando se busca uma opção rápida de comida barata, já que o sushi pré-pronto está agora amplamente disponível em supermercados.

Obviamente, se você pedir alguns rolinhos de sushi que são fritos, você provavelmente já está ciente de que nem tudo no menu do seu restaurante asiático favorito é realmente saudável.

Mas o que pode vir a ser uma surpresa - mesmo para os amantes de sushi com mais consciência sobre saúde - são os ingredientes potencialmente perigosos ocultos mesmo em escolhas aparentemente excelentes - como salada de algas marinhas, wasabi, ou o gengibre do sushi.

Ingredientes Perigosos a Espreita Em 8 Populares Pratos De Sushi

Uma reportagem reveladora feita por Andrea Donsky, fundadora da NaturallySavvy, expôs muitos ingredientes não tão saudáveis encontrados em alimentos asiáticos populares.

  1. Salada de Algas

    A alga marinha é uma excelente fonte de iodo, vitaminas e minerais, desde que provenha de águas limpas e não poluídas. Mas a salada de alga vendida em muitos restaurantes de sushi vem pré-fabricada a granel de empresas de distribuição e pode conter:

    • Xarope de milho rico em frutose
    • Óleo vegetal
    • Proteína hidrolisada (que contém glutamato monossódico ou MSG)
    • Cor artificial, como amarelo # 4 e azul # 1
    • Ingredientes geneticamente modificados (GM)

    Um sinal bem infalível de que sua salada de sushi favorita contém alguns destes ingredientes "pré-embalados" é uma cor verde brilhante não natural. Você também pode perguntar diretamente no restaurante se eles mesmos fazem a salada de algas marinhas que está sendo servida ali.

  2. Gengibre

    O gengibre possui fenomenais benefícios de saúde para condições que vão desde náuseas e artrite a saúde cardíaca e asma. Infelizmente, o gengibre em conserva muitas vezes servido ao lado do sushi é frequentemente adulterado com alguns aditivos perigosos, incluindo:

    • Glutamato monossódico
    • Aspartame  
    • Sorbato de potássio (um conservante)
    • Cores artificiais, incluindo vermelho # 40, que está ligado à hiperatividade em crianças (se o gengibre tiver uma cor rosa)
  3. Wasabi

    A mostarda japonesa verde brilhante conhecida como wasabi tem efeitos anti-inflamatórios, antimicrobianos, antiplaquetários e, potencialmente, anticancerígenos. No entanto, isso diz respeito ao wasabi autêntico (o tipo que vem da raiz wasabia japonica ou rizoma).

    O wasabi autêntico é extremamente difícil de ser encontrado, mesmo no Japão, e estima-se que apenas 5 por cento dos restaurantes no Japão e somente restaurantes de alta qualidade nos EUA sirvam o produto verdadeiro.

    Então, o que é a pasta verde que está sendo servida com o sushi? Provavelmente uma combinação de raiz-forte, mostarda chinesa e coloração alimentar verde. A reportagem em destaque encontrou o seguinte no wasabi:

    • Sabores artificiais
    •  Cores artificiais
    • Ingredientes GM em potencial (milho e soja)

    Uma alternativa melhor é procurar o "wasabi" feito somente de raiz-forte, de espirulina e do açafrão, que é provavelmente muito mais saudável do que o wasabi falso que está sendo vendido na maioria dos restaurantes de sushi.

  4. Sementes de Gergelim

    Isso mesmo... Mesmo as sementes de gergelim podem conter ingredientes ocultos! Embora a maioria dos restaurantes de sushi use sementes de gergelim simples em seus pratos, existem algumas sementes de gergelim aromatizadas no mercado que também contêm:

    • Cores artificiais
    • Adoçantes artificiais (sucralose)
  5. Molho de Soja

    O molho de soja servido ao lado do seu sushi também provavelmente contém aditivos que é melhor você evitar, incluindo:

    • Proteína de soja hidrolisada (Glutamato Monossódico)
    • Ingredientes GM (soja e milho)
    • Xarope de milho
    • Sorbato de potássio (conservante)
    • Cor de caramelo (alguns tipos podem formar subprodutos potencialmente cancerígenos)
  6. Arroz

    O arroz usado nos rolinhos de sushi também pode conter ingredientes ocultos utilizados para torná-lo mais doce. A reportagem em destaque revelou que o arroz do sushi pode conter:

    • Xarope de milho rico em frutose
    • Aspartame
  7. Kani Kama

    O Kani Kama pode ser feito da carne do Nemipterus Virgatus, um peixe próximo da extinção, e isso não é tudo. Também pode conter aditivos, incluindo:

    • Glutamato monossódico
    • Sabor artificial
  8. Ovas de peixe (caviar temperado)

    Os ovos de peixe de cor alaranjada frequentemente servidos com pratos de sushi também estão comumente cheios de aditivos como os encontrados em outros alimentos asiáticos. Entre eles:

    • Glutamato monossódico
    • Xarope de milho rico em frutose
    • Cor Artificial (amarelo # 6)

O Sushi de Atum e Anchova Vermelha Provavelmente Não É Feito Do Que Você Imaginava

Quando você soma todos os aditivos encontrados em muitos pratos de sushi, torna-se claro que este alimento potencialmente saudável sucumbiu à armadilha dos alimentos processados com aditivos artificiais e enchimentos em vez de ingredientes reais, de qualidade. Mas há mais nesta história do que apenas isso... Quando você come atum em seu restaurante de sushi favorito, há uma boa chance de você não estar realmente comendo atum.

Em vez disso, a maioria dos peixes rotulados "atum branco" pode realmente ser um peixe-escolar, um tipo de peixe que pode causar graves efeitos digestivos, incluindo vazamento anal oleoso.

A Oceana realizou testes de DNA em mais de 1.200 amostras de peixes nos Estados Unidos e descobriu que um terço tinha sido identificado erroneamente. Enquanto a anchova vermelha tinha as maiores taxas de identificação errônea (87% das amostras de "anchova vermelha" não eram realmente de anchova vermelha), o atum ficou em segundo lugar, com 59% das amostras identificadas erroneamente.

Em restaurantes de sushi, no entanto, 74 por cento das amostras de peixes foram identificadas erroneamente. Isto incluiu todos os restaurante de sushi de onde as amostras foram testadas, mesmo em importantes áreas metropolitanas como Chicago, Austin, Nova Iorque e Washington DC.

Em muitos casos, os peixes identificados erroneamente tinham sido substituídos por variedades de peixe mais baratas, menos desejáveis e / ou mais prontamente disponíveis. Mais de 90% dos frutos do mar consumidos nos EUA são importados, mas apenas 1% das importações são inspecionadas contra fraude, o que pode explicar essa situação claramente fora de controle.

O Sushi de Atum É Tipicamente Rico Em Mercúrio

A maior parte das principais vias navegáveis do mundo está contaminada com mercúrio, metais pesados e produtos químicos como dioxinas, PCBs (ascarel) e outros produtos químicos agrícolas que acabam indo parar no meio ambiente.

O peixe sempre foi a melhor fonte para as gorduras ômega-3 de origem animal EPA e DHA, mas como os níveis de poluição aumentaram, este tesouro de saúde alimentício tornou-se cada vez menos viável como fonte primária de gorduras benéficas.

Isto é particularmente verdadeiro para o atum, que tende a ser um peixe rico em mercúrio. Um estudo do US Geological Survey descobriu que TODOS os atuns testados continham quantidades elevadas de mercúrio. A contaminação pode ser ainda pior nos restaurantes, novamente confirmando que comer atum de restaurante é uma proposta arriscada.

Além disso, de acordo com um estudo separado, testes toxicológicos revelaram que o atum vendido em restaurantes realmente continha quantidades de mercúrio maiores do que a variedade comprada em lojas.

A razão é que os restaurantes tendem a favorecer certas espécies de atum, como o atum rabilho e atum patudo, que tem níveis significativamente mais elevados de mercúrio do que o toro de rabilho e o atum albacora. Infelizmente, o mercúrio tende a acumular-se em maior grau nos músculos do que nas gorduras, tornando estas espécies altamente apreciadas e mais magras de atum mais suscetíveis a uma contaminação elevada.

Você Ainda Pode Desfrutar Do Sushi Que Ama?

Se você ama sushi, e quer apreciá-lo sem correr riscos desnecessários à saúde, tente fazê-lo em casa. Você pode comprar um peixe inteiro, com baixo teor de mercúrio, como o salmão vermelho selvagem do Alasca, e usar versões naturais de gengibre e wasabi como temperos. Se isso parece difícil, existem muitos guias disponíveis na internet sobre como fazer seu próprio sushi em casa.

Além disso, sempre que eu como peixe, eu me asseguro de também tomar comprimidos de chlorella. O chlorella é um aglutinante potente do mercúrio e, se tomado junto com os peixes, ajudará a segurar o mercúrio antes que você consiga absorvê-lo, para que ele possa ser excretado com segurança em suas fezes.

Se você quiser comer fora de casa, procure por um restaurante de alta qualidade que faça seus próprios pratos, como salada de algas marinhas, e que sejam sinceros ao revelar quais são os ingredientes. Evite o atum devido ao seu teor de mercúrio e prefira o  salmão selvagem com níveis mais baixos de mercúrio, e considere trazer de casa suas próprias versões naturais de wasabi ou gengibre em conserva (disponível em algumas lojas de alimentos saudáveis).

 Você também pode experimentar algumas das opções que usam só vegetais e renunciar aos frutos do mar inteiramente, se você estiver em dúvida sobre sua variedade ou pureza.

Certifique-se de evitar qualquer sushi feito de peixes de viveiro. Lembre-se, as pisciculturas são a versão aquática de uma operação concentrada de alimentação de animais (concentrated animal feeding operation -CAFO) e, assim como as fazendas de gado e frango, as pisciculturas geram doenças devido à aglomeração de muitos peixes em um pequeno espaço.  

Eles também produzem resíduos tóxicos e peixes de qualidade inferior. Estes peixes são ainda mais contaminados por remédios e rações geneticamente modificadas de milho e farelo de soja, e no caso do salmão, astaxantina sintética, que é fabricada a partir de produtos petroquímicos não aprovados para consumo humano.