Como Ajudar na Cura de Transtornos Mentais com a Alimentação

dietas

Resumo da matéria -

  • Existem quatro tipos bioquímicos de pessoas violentas. Muitas delas possuem deficiência de zinco, transtorno de pirrol, baixo nível de espermina no sangue e defeitos de metilação – combinação incomum de má bioquímica
  • Os nutrientes que promovem poderosa influência sobre a saúde mental são zinco, cobre, B-6, selênio, folatos e S-adenosilmetionina (SAMe)
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

É possível usar nutrientes específicos para melhorar a saúde mental?

Sim, é possível. William Walsh, Ph.D., presidente do Instituto de Pesquisas Walsh, sem fins lucrativos, localizado em Naperville, Illinois, e autor de “Nutrient Power: Heal Your Biochemistry and Heal Your Brain,” (O Poder dos Nutrientes: Cure sua Bioquímica e Cure seu Cérebro), especializou-se em psiquiatria baseada em nutrientes e medicina nutricional.

Ele desenvolveu programas nutricionais para atletas olímpicos, jogadores da NBA e para a maioria dos jogadores de baseball da liga principal.

Mais importante, ele passou boa parte de sua carreira procurando melhorar a saúde mental através da alimentação.

Bioquímica e o Cérebro Criminoso

Walsh recebeu informações valiosas após encontrar-se com o Dr. Carl Pfeiffer, que está trabalhando com metais pesados e esquizofrenia.

No entanto, níveis de metais, incluindo cobre, zinco e manganês, eram todos anormais em criminosos comparando-se com a população geral.

Walsh descobriu quatro tipos bioquímicos de pessoas violentas. Um desses tipos era o grupo dos sociopatas, que apresentaram grave deficiência de zinco, transtorno de pirrol, baixo nível de espermina no sangue e submetilação.

No geral, isso tudo é uma combinação incomum de má bioquímica.

Uma investigação em colaboração com Pfeiffer resultou em terapias alimentares para cada um dos tipos comportamentais.

O Transtorno de pirrol  é uma condição de estresse comumente encontrada em transtornos cerebrais. Um exame de urina desenvolvido pelo especialista em niacina Abram Hoffer junto com Pfeiffer é o exame padrão de ouro para esta condição genética, que envolve bioquímica alterada da medula óssea e do baço.

Pessoas que sofrem de transtorno de pirrol podem produzir quantidade cinco a dez vezes maior de pirrol do que o normal – subproduto de reações naturais, como formação de hemoglobina. Embora seja inofensivo por si próprio, o pirrol liga-se e extrai qualquer coisa que seja aldeído, como B-6. Ele também empobrece bruscamente o zinco.

Como resultado, pessoas com transtornos de pirrol possuem níveis excepcionalmente baixos de B-6 e de zinco, o que pode promover efeito grave no cérebro, afetando a memória e a habilidade de ler, por exemplo. Deficiência de B-6 é igualmente bastante comum entre crianças com transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDHA).

Nutrientes Envolvidos na Síntese Ditam a Função Cerebral

Mais tarde, Walsh expandiu para incluir crianças com autismo e TDHA. Apaixonado por números, Walsh começou acumulando enormes bancos de dados. No momento, ele possui um dos maiores bancos de dados químicos do mundo relacionado a autismo, depressão e transtornos comportamentais.

Sobrecarga de Cobre Associada a Autismo, Esquizofrenia e Depressão Pós-parto

O cobre é outro importante metal traço, pois desempenha papel importante na síntese da norepinefrina, neurotransmissor importante. Cobre divalente (Cu2+) é um fator considerável na proporção dopamina/norepinefrina.

Estudos realizados em animais mostraram que quando animais estão famintos por cobre até chegarem a 25 por cento da quantidade normal de cobre no sangue, a proporção entre norepinefrina e dopamina é alterada por mais de um fator entre três. A maioria das pessoas possui habilidade de controlar homeostaticamente o cobre. No entanto, algumas pessoas não possuem esta habilidade.

Como Medir o Nível de Zinco e Cobre

Especialistas em cobre tipicamente concordam que o zinco plasmático fornece a medição mais precisa. O teste de sabor possui um pequeno valor, porém está entre os menos confiáveis. Para medir o nível de cobre de forma precisa, o cobre sérico é a forma a ser usada e a maioria dos laboratórios pelo mundo proporciona boas análises para cobre.

Walsh recomenda realizar um exame de ceruloplasmina ao mesmo tempo, porque assim você pode determinar qual quantidade de cobre como radical livre você tem no organismo, o que dá a você uma boa indicação do nível de estresse oxidativo. Um teste de alta proteína C reativa sensível (CRP) pode igualmente ser útil como indicador de inflamação.

Infelizmente, nosso estilo de vida moderno promove fortemente o estresse oxidativo, sendo os alimentos processados, os óleos vegetais processados, o excesso de carboidrato líquido e o excesso de proteína os fatores de maior potencial. Este tipo de dieta causa uma redução nas cetonas e um aumento radical em espécimes de oxigênio reativo e radicais livres secundários.

A exposição a campos eletromagnéticos, glifosato e outros pesticidas não nativos, água contaminada com fluoreto e outras exposições tóxicas, somente aumenta o problema. Tipicamente, os níveis de cobre e ceruloplasmina tendem a acompanhar um ao outro, sendo tanto altos quanto baixos ao mesmo tempo.

O nível ideal de cobre, com relação à saúde mental, é algo em torno de 75 a 100 microgramas por decilitro (mcg/dL) em soro.  A quantidade ideal de ceruloplasmina tem a ver com o nível de cobre existente.

Idealmente, a porcentagem de cobre em sua ceruloplasmina deve ficar em torno de 85 a 90 por cento. “É realmente ótimo fazer ambos simultaneamente, pois assim você tem um quadro ótimo não somente da situação do cobre, mas igualmente do nível de estresse oxidativo,” diz Walsh.

Metais Pesados e o Cérebro Autista

Walsh examinou 6.500 pacientes autistas. Como grupo, eles possuem níveis de metais tóxicos muito mais elevados do que seus irmãos ou a população geral. Walsh acredita que sua carga tóxica seja provavelmente devida à predisposição congênita que os faz acumular mais toxinas e/ou os faz mais vulneráveis aos efeitos das toxinas.

“Milhares destes pais, talvez mais da metade, contaram histórias muito tristes sobre como eles tinham uma criança desenvolvendo-se normalmente, começando a falar e cantando e encantando seus avós e, de repente, a criança ficou doente.

Eles a levaram ao pediatra e este – ouvi esta história centenas de vezes – disse, ‘Oh, você está atrasado com suas obrigações. Está atrasado com a vacinação ’ Levaram uma criança doente e deram a ela múltiplas vacinas, naquele momento, com timerosal e mercúrio.

Centenas destas famílias disseram que em um dia ou dois, a criança mudou para sempre. Perdeu toda a fala, sua personalidade mudou, tornou-se uma criança doente. Ficou intolerante a alimentos oferecidos. Tornou-se apenas um pequeno ser humano perturbado.

Quando foram a especialistas, finalmente concluíram o diagnóstico de autismo e foram informados que era um estado incurável e que não havia esperança de recuperação. Percebemos muito sofrimento apenas conversando com essas famílias. É uma coisa chocante e terrível.”

Walsh suspeita que crianças autistas possuam insuficiência de antioxidantes naturais, tais como glutationa e metalotioneína, deixando-as mais vulneráveis aos efeitos das exposições ambientais, incluindo vacinas e dieta ruim.

Vale notar que uma em cada três crianças diagnosticadas com autismo não têm o autismo verdadeiro causado pelas variações epigenéticas.

Muitas dessas crianças têm grande chance de recuperação, enquanto o autismo clássico de Kanner é uma condição permanente, epigenética de vida longa (nomeada em homenagem a Leo Kanner, que foi quem descobriu o autismo nos anos 1940), embora alguma medida de melhoria possa ser realizada até mesmo nestes casos.

Sobre o Timerosal

Walsh igualmente investigou sobre a questão do timerosal, procurando por evidências da toxicidade do mercúrio no cérebro de crianças autistas. Na verdade, ele foi a primeira pessoa a realmente medir o nível de mercúrio em cérebros autistas.

Ele conseguiu receber amostras do tecido cerebral de Johns Hopkins e, usando um centro em Argonne chamado Advanced Photon Source, realizou um milhão de análises químicas no tecido cerebral de crianças autistas e não autistas. Toda criança autista analisada recebeu vacinas contendo timerosal.

No entanto, nenhum mercúrio foi encontrado no tecido cerebral. Uma explicação para isto é que os testes foram realizados anos após as vacinações. A meia-vida do mercúrio no organismo humano é de 42 dias. A meia-vida do etil ou metil mercúrio no cérebro é de 70 dias.

Terapia Alimentar de Promoção da Metalotioneína para Autismo

O fato de que crianças autistas tendem a possuir desequilíbrios extraordinários de cobre e zinco significa que sua proteína metalotioneína não está funcionando.  A metalotioneína é necessária para o controle homeostático do cobre e do zinco.

Walsh desenvolveu a terapia alimentar de promoção de metalotioneína: uma formulação incluindo 22 nutrientes conhecidos como melhoradores da expressão genética e da função da metalotioneína. Este protocolo foi usado em mais de 2.000 pacientes autistas com efeitos de melhoria mensurável.

“Os antioxidantes mais importantes do cérebro são um pouco diferentes dos antioxidantes do resto do organismo. Posso chamá-los de três mosqueteiros: glutationa, metalotioneína e selênio. Isto é específico para o cérebro,” explica ele.

Tecnicamente, o selênio não é um antioxidante por si próprio, porém ele aumenta os níveis de glutationa e melhora a função da metalotioneína e, no cérebro, a glutationa e a metalotioneína trabalham juntas. A glutationa é sua primeira linha de defesa.

O problema é que crianças autistas tipicamente têm dieta ruim (é difícil fazê-las consumir qualquer alimento) e com a sobrecarga oxidativa, elas rapidamente ficam sem glutationa. Quando você fica sem glutationa no cérebro, seu nível de metalotioneína aumenta.

“A metalotioneína não funciona a menos que você tenha glutationa oxidada. É uma situação de associação. É o sistema de backup para a glutationa no cérebro e sabemos que sem selênio, todo o sistema não funciona direito,” explica Walsh.

Eu consumo selênio todo dia. É um metal traço, portanto você não precisa de muito. Até 200 mcg por dia e você definitivamente precisa ficar atento para não ultrapassar a dose. Conforme observado por Walsh, de todos os minerais traço, o selênio possui a mais estreita divisão entre a deficiência e a sobrecarga, portanto você deve tomar cuidado ao consumir suplementos dele.

O zinco igualmente precisa ser normalizado, pois é o fator nº 1 da capacitação funcional da metalotioneína e de suporte da glutationa. De acordo com Walsh, para saúde mental e física, você precisa manter um nível de zinco plasmático entre 90 e 130 mcg/dL.

Muitos pacientes psiquiátricos possuem fraqueza genética de normalização do zinco; eles nascem deficientes em zinco e precisam de quantidades muito maiores do que o normal para tipicamente manter um nível saudável de zinco.

Mudando a Face da Psiquiatria

Walsh está convencido de que o uso de medicamentos psiquiátricos eventualmente desaparecerá conforme conhecemos mais sobre a normalização da função cerebral através de intervenções alimentares. “Estes poderosos medicamentos não normalizam o cérebro. Eles causam condições anormais,” ele adverte.

“Eles podem corrigir depressão ou ansiedade, porém você acabará com alguma coisa que não é normal.”

O Instituto de Pesquisas Walsh é uma entidade pública beneficente sem fins lucrativos e eles estão, vagarosamente, porém seguramente, ajudando a mudar a psiquiatria convencional. Walsh tem ministrado palestras nos mais altos níveis, incluindo o escritório Geral de Cirurgiões, o Senado Norte-Americano e Institutos Nacionais de Saúde (NIH).

Ele também ministrou palestra na reunião anual da Associação Psiquiátrica Americana (APA) diversas vezes.

“Na última vez em que estive lá, eles finalmente me ouviram. Estive lá há cerca de dois anos e meio. Ministrei palestra sobre depressão. Basicamente expliquei a eles que estavam considerando a depressão de forma errada. Eles realmente me ouviram.

Mostrei a eles nosso enorme banco de dados químico e expliquei que a depressão é um nome dado a, pelo menos, cinco transtornos completamente diferentes, cada um envolvendo sintomas diferentes e cada um envolvendo diferentes neurotransmissores que não estão funcionando direito.

Então, descrevi cada um destes biótipos e realmente mostrei a eles que se eles simplesmente solicitassem um exame barato de sangue e urina, eles poderiam identificar quais pessoas seriam boas candidatas a inibidores de recaptação seletiva de serotonina (IRSRs) ou quais delas se dariam melhor com benzodiazepina, porém ainda mais importante, como eles podem corrigir a doença com nutrientes.”

Por Que os IRSRs Induzem a Violência

Um grande problema com os antidepressivos IRSR é o risco de automutilação e agressão como efeito colateral. Depressores com baixo nível de folatos e super metilados são intolerantes aos IRSRs e evidências sugerem que esta intolerância genética pode ter sido fator em vários tiroteios em escolas.

Walsh, que estudou este fenômeno, notou que 42 dos 50 tiroteios ocorridos em escolas nos EUA desde 1990 foram provocados por adolescentes ou adultos jovens consumindo IRSR.

“Discuti isso antes da APA. Tentei explicar a eles que eles podem realizar um exame de sangue; eles podem descobrir quais crianças ou quais adultos são mais suscetíveis a tornarem-se violentos se consumirem um IRSR. Escrevi sobre isso diversas vezes; publiquei o assunto em revistas.

Se você compra Prozac ou Paxil, a bula adverte que algumas pessoas ficam propensas a cometer suicídio ou desenvolver comportamento homicida. Agora sabemos quem são elas! ”

+ Recursos e Referências