Como a Alimentação Pode Melhorar ou Piorar a Função Tireoidiana

Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Com tanta informação conflitante existente com relação à tireoide, especialmente com relação ao que consumir e do que ficar longe, certamente ficamos bastante confusos. E ao se tentar investigar os fatos a partir de profissionais de saúde convencionais, as contradições podem ser até mesmo frustrantes.

Você vai ouvir, “fique longe de vegetais crucíferos porque eles podem impedir que seu organismo absorva o iodo,” ou, “não tome café porque ele pode bloquear o funcionamento do medicamento de reposição do hormônio da tireoide.”

Um aspecto importante a saber sobre a tireoide é quão importante ela é para a saúde no geral, portanto é essencial mantê-la funcionando adequadamente. Igualmente importante, o hipotireoidismo é geralmente controlável através da dieta.

Para que Serve a Tireoide?

A glândula da tireoide em forma de borboleta sobre a traqueia, bem abaixo da laringe, é o “mainframe” que regula o metabolismo, controla praticamente cada função do organismo e interage com todos os outros hormônios, desde a insulina até os hormônios sexuais.

As células tireoide são as únicas células do organismo que podem absorver o iodo. A glândula tireoide absorve o iodo dos alimentos – única forma de obtenção do iodo – combina-o com um aminoácido chamado tirosina e converte-o em três tipos de hormônios: triiodotironina (T3), tiroxina (T4) e diiodotironina (T2).

O T3 e o T4 são, então, liberados na corrente sanguínea para ser transportados pelo organismo onde o oxigênio e as calorias os convertem em energia. Cada célula do organismo usa os hormônios tireoide, portanto os sintomas relacionados a problemas na tireoide podem variar.

Como os Problemas de Tireoide são Diagnosticados: Sintomas, Exames e Complicações

Existem dois distúrbios principais relacionados à glândula tireoide. O hipotireoidismo, quando a glândula tireoide não produz hormônio tireoide suficiente, é o mais comum e geralmente associado à deficiência de iodo. Os sintomas são:

  • Sensibilidade ao frio
  • Perda de cabelo, incluindo as sobrancelhas
  • Pele áspera; cabelo desgrenhado e seco
  • Letargia
  • Ganho de peso
  • Constipação
  • Hipoglicemia
  • Perda de memória

Deve-se notar, no entanto, que há dezenas de outros sintomas de hipotireoidismo aparentemente não relacionados, tais como:

  • Pé chato
  • Asma
  • Psoríase
  • Dor e rigidez no pescoço
  • Síndrome do túnel de carpo
  • Rouquidão
  • Pele pálida
  • Vertigem

Tireoide superativa, ou hipertireoidismo, frequentemente chamada de Doença de Graves, é às vezes descrita como se o organismo estivesse atacando a própria tireoide. Em alguns exemplos, seus sintomas mais comuns são opostos àqueles causados pela tireoide sub-ativa:

  • Inquietação e irritabilidade
  • Perda de peso
  • Cérebro confuso
  • Movimentos intestinais frequentes
  • Batimentos cardíacos irregulares
  • Olhos protuberantes

Existem diversos exames para se investigar a fundo o desequilíbrio tireoidiano, incluindo anticorpos da tireoide, temperatura corporal basal ou TSH (hormônio estimulante da tireoide). No entanto, exames laboratoriais para detectar problemas da tireoide são, às vezes, problemáticos.

Em torno de 80 por cento das pessoas com hipotireoidismo falham em registrar o problema com exames padrão. De acordo com a Fundação George Mateljan, organização sem fins lucrativos que compartilha informações comprovadas sobre os benefícios da alimentação saudável:

“Diversos médicos usam faixas de referência desatualizadas ao examinar a função tireoidiana. Igualmente, estudos demonstraram que os exames padrão para tireoide não estão muito bem correlacionados com os níveis do tecido tireoidiano, causando diagnósticos imprecisos.

A maioria dos médicos e endocrinologistas acredita que o TSH é o melhor indicador da função tireoidiana de uma pessoa. No entanto, uma pessoa pode sofrer de tireoide significativamente lenta apesar de ter níveis normais de TSH, T3 livre e T4 livre.

Alguns ainda analisam o T3. Algumas pessoas podem ainda ter baixo T3 e mostrar T4 e TSH normais. Muitos praticantes não percebem que isto indica deficiência de selênio ou zinco, em vez problema com a tireoide.”

Naturopatas e médicos que usam uma abordagem mais holística tendem a entender a importância da análise dos sintomas do paciente em combinação com os exames.

Principais Minerais: Por que o Iodo e o Selênio são Importantes para a Tireoide

O Iodo está diretamente envolvido com o desenvolvimento do esqueleto, do cérebro e de outras partes essenciais do organismo. O iodo é um mineral residual encontrado primariamente em frutos do mar, algas marinhas, plantas que crescem em solos ricos em iodo, sal marinho não refinado e sal de mesa iodado. Muitas pessoas não consomem iodo suficiente e, ao contrário da crença popular, isto inclui muitas pessoas em países desenvolvidos.

O iodo proveniente do sal iodado é muito pouco absorvido e não é uma opção saudável para se elevar os níveis de iodo na dieta. O sal de mesa refinado contribui para uma série de problemas de saúde. O iodo é absolutamente necessário para a função tireoidiana, porém iodo em excesso (especialmente o iodo vindo de fora da alimentação) pode igualmente impactar a função tireoidiana.”

É difícil superestimar a importância do iodo na prevenção de distúrbios, tais como doenças da tireoide e fibromialgia. No caso do câncer, o iodo induz a apoptose, o que significa que ele provoca a autodestruição das células.

Boas fontes de iodo são vegetais marinhos, orgânicos, iogurte feito com leite de animal criado no pasto, leite cru e orgânico de vaca criada no pasto, sal marinho celta e ovos.

O selênio, importante para a saúde da tireoide, ajuda na redução de inflamações, regula as respostas imunes e previne doenças crônicas. É encontrado na água, no solo, no salmão pescado na forma selvagem no Alasca, nas castanhas brasileiras, em produtos lácteos, alho, cebolas, tomates e sementes de girassol. Um bilhão de pessoas no mundo sofre com deficiência de selênio.

A tirosina é um aminoácido envolvido em praticamente todas as proteínas do organismo. É parte essencial da produção de diversos produtos químicos do cérebro, tais como os neurotransmissores e a dopamina, regulando hormônios como os da tireoide e, até mesmo, afetando o humor.

Poucos alimentos que contêm tirosina, como trigo e soja, não são saudáveis, especialmente para pessoas com hipotireoidismo. No entanto, diversas fontes saudáveis incluem amêndoas, bananas, salmão pescado na forma selvagem no Alasca, aves criadas ao ar livre em pasto orgânico, abacates, semente de abóbora e ovos orgânicos de aves criadas ao ar livre.

O Consumo de Vegetais Crucíferos Pode Melhorar a Disfunção da Tireoide

Você ouve isto desde criança: coma os vegetais. Pessoas com hipotireoidismo cujos médicos aconselharam não consumir vegetais crucíferos devem ficar surpresas ao saber que a ingestão de rabanete, repolho, brócolis e couve galega pode melhorar a função tireoidiana porque estes vegetais aumentam os níveis de glutationa.

Nos anos 50, cientistas analisaram alimentos com a possibilidade de que, além de desempenhar papel nutritivo, alguns poderiam ainda causar risco negativo, particularmente com relação à tireoide.

Eles chamaram estes alimentos de alimentos goitrogênicos, potencialmente causando inchaço no pescoço conhecido como bócio. Os glucosinolatos encontrados nos vegetais crucíferos eram implicados como prováveis culpados. No entanto, estudos relacionados e este fato são escassos, conforme explica um artigo:

“Em termos de pesquisa feita em humanos, estudos que sugerem forte relação entre vegetais crucíferos e doenças da tireoide são limitados. A maioria das pesquisas apoia o consumo de vegetais crucíferos para a prevenção do câncer de tireoide.”

Ademais, descobriram-se as enzimas deiodinases, importantes para a produção de hormônios da tireoide. Cientistas, desde então, modificaram sua teoria sobre os vegetais crucíferos. Em vez disso, focaram em conectar as pessoas aos nutrientes necessários para sua função tireoidiana ideal e individual. De acordo com a Fundação George Mateljan:

“Durante os últimos 50 anos, pesquisadores determinaram que não existem substâncias ‘negativas’ nos alimentos e sim nutrientes de suporte à saúde que não são indicados a certas pessoas, exclusivamente por causa de seu histórico e situação de saúde. Cinco décadas de pesquisa igualmente determinaram que certos nutrientes – como a tirosina, o iodo e o selênio – desempenham papel único na saúde da tireoide.”

Ao examinar suas próprias necessidades nutricionais, lembre-se de que pequenas quantidades são melhores, pois o excesso de alguns alimentos, especialmente vegetais crucíferos, pode evitar que o organismo absorva o iodo e, ao contrário, impactar a função ideal da tireoide.

Outros Alimentos Indicados para Pessoas com Tireoide Sub-ativa

Existem diversas outras formas de expandir as opções culinárias para pessoas com hipotireoidismo, particularmente alimentos baseados em vegetais contendo vários antioxidantes e eletrólitos, tais como sódio e potássio, incluindo os abaixo relacionados (tenha em mente que a maioria das frutas deve ser consumida com moderação pela maioria das pessoas, devido a seu alto conteúdo de frutose):

  • Abóbora
  • Pimentão
  • Cenoura
  • Feijão verde
  • Ervilha
  • Tomate
  • Aipo
  • Pepino
  • Aspargo
  • Berinjela
  • Uva roxa
  • Manga
  • Romã
  • Mirtilo
  • Abacaxi
  • Kiwi
  • Maçã
  • Frutas cítricas
  • Cereja
  • Damasco

Outro nutriente saudável para a tireoide é a niacina. Alguns alimentos contendo este nutriente, ainda não listados, são cordeiro e peru.

Quais Alimentos Desencadeiam Problemas na Tireoide?

Se você pergunta a si mesmo(a) quais alimentos podem provocar problemas para a tireoide, os piores têm uma coisa em comum: eles não são reais. Conforme observado pela Mind Body Green:

“Alimentos refinados, processados, homogeneizados, pasteurizados, geneticamente modificados e artificialmente aromatizados (ou coloridos ou conservados). A chave para estabilizar o organismo, não somente encobrindo as enfermidades ou alterando os sintomas, mas realmente estabilizando o organismo, é produzir. A chave para a deterioração da saúde são os alimentos refinados, processados.”

Em particular, os seguintes alimentos, frequentemente encontrados em alimentos processados, podem ser problemáticos. Em primeiro lugar:

  • Glúten: em caso de qualquer problema com a tireoide, a primeira coisa a ser eliminada é o glúten. Ele causa inflamação, mau funcionamento gastrointestinal, distúrbio da tireoide e outros problemas.
  • Soja não fermentada: não importa quantas afirmações informando que produtos naturais à base de soja são saudáveis, a soja pode alterar a função hormonal, especialmente em mulheres. Uma infinidade de estudos indica que os fitoestrógenos da soja podem danificar a tireoide e causar declínios cognitivos.
  • Alimentos Geneticamente Modificados (GE): alimentos geneticamente modificados podem desencadear tanto a Doença de Graves quanto a doença de Hashimoto corroendo o revestimento intestinal.
  • Brominas: a bromina é um aditivo alimentar processado, prejudicial ao sistema endócrino, frequentemente encontrado na farinha usada em pães e alimentos de panificação, refrigerantes, bebidas esportivas, creme dental, enxaguante bucal, peças plásticas de computadores, estofados e pesticidas dispersados em morangos.

Uma boa alimentação desempenha grande papel no gerenciamento e, até mesmo, na reversão dos sintomas de hipotireoidismo. Como sempre, é melhor obter nutrientes através de alimentos do que através de suplementos, se possível.