Curcumina pode ajudar a reduzir a inflamação

Curcumina

Resumo da matéria -

  • A inflamação crônica está associada à síndrome metabólica
  • Depois de ingerir a curcumina por oito semanas, as pessoas com síndrome metabólica apresentaram níveis mais baixos de inflamação e açúcar no sangue
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A síndrome metabólica é um termo usado para descrever um grupo de sintomas que aumenta o risco de doenças cardíacas, diabetes, derrame cerebral e outras doenças crônicas.

Entre esses sintomas estão ampla circunferência da cintura, pressão alta, nível alto de açúcar no sangue, baixos níveis de colesterol HDL e altos níveis de triglicerídeos.

Embora a princípio pareçam ser sintomas muito diferentes, eles têm uma característica em comum, assim como a síndrome metabólica e a doença cardíaca associada, ou seja, a "inflamação". A inflamação crônica está associada à síndrome metabólica, conforme observado por pesquisadores de um periódico:

"Ficou claro que o problema inflamatório associado à obesidade e sobrepeso exerce um papel importante na etiologia da síndrome metabólica e contribui amplamente para os resultados patológicos relacionados".

Sendo assim, faz sentido afirmar que a curcumina, um dos anti-inflamatórios mais potentes por natureza, também ajudaria a reduzir a inflamação de pessoas com o distúrbio.

O Consumo Diário de Curcumina Reduz a Inflamação e os Níveis de Açúcar no Sangue

Os pesquisadores acompanharam 117 pessoas diagnosticadas com síndrome metabólica em um estudo para saber os efeitos da curcumina na inflamação. A curcumina é o ingrediente ativo da cúrcuma, tempero curry amarelo. Metade dos participantes ingeriu um grama de curcumina em pó diariamente por oito semanas enquanto a outra metade recebeu um comprimido placebo.

No final do estudo, o grupo da curcumina apresentou níveis mais baixos de três marcadores sanguíneos de inflamação, entre eles a proteína C reativa (PCR), juntamente com a redução de açúcar no sangue em jejum e hemoglobina glicada (A1c), uma medida dos níveis de açúcar no sangue em prazo mais longo.

Para fazer uma comparação, o grupo do placebo apresentou níveis mais altos de açúcar no sangue e maior inflamação após oito semanas. Quando os pesquisadores avaliaram oito estudos anteriores, eles também confirmaram que a curcumina causou reduções nos níveis de PCR.

A conclusão foi que a suplementação de curto prazo com a curcumina biodisponível melhora significativamente o status oxidativo e inflamatório nas pessoas com síndrome metabólica, e pode ser considerado um agente "natural, seguro e eficaz na redução da PCR".

A Curcumina Pode Ter Mais de 150 Propriedades Terapêuticas

Os pesquisadores já haviam investigado a curcumina anteriormente sobre sua possível função na melhoria do mal de Parkinson, Alzheimer e danos causados por derrame cerebral. Ela também pode ajudar na saúde do cérebro em geral, graças a suas potentes propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias — as mesmas que mostram uma promessa na melhoria da síndrome metabólica.
 
A curcumina exibe mais de 150 atividades de potencial terapêutico, inclusive potentes propriedades anticâncer. A curcumina também consegue atravessar a barreira hematoencefálica, sendo este um dos motivos por que é promissora como um agente neuroprotetor em uma ampla variedade de distúrbios neurológicos.

Uma das maneiras em que ela funciona, semelhante à vitamina D, é modulando grandes quantidades dos genes. Pesquisas anteriores também mostraram que a curcumina atua inserindo-se nas membranas celulares, onde altera as propriedades físicas da própria membrana, tornando-a mais ordenada.

Quanto a suas propriedades anti-inflamatórias, a curcumina é capaz de inibir a atividade e a síntese da ciclo-oxigenase-2 (COX2) e 5-lipo-oxigenase (5-LOX), além de outras enzimas envolvidas na inflamação.

Um estudo de 2006 também revelou que o extrato de cúrcuma composto por curcuminoides (a curcumina é o curcuminoide mais estudado) bloqueia as vias inflamatórias, evitando, de modo eficaz, o lançamento de uma proteína que causa inchaço e dor.

Se Você Quer Experimentar Um Tempero... Experimente a Curcumina

A cúrcuma pode ser muito bem considerada uma das ervas mais úteis do mundo e, na Índia, ela é geralmente chamada de "tempero da vida". A curcumina presente na cúrcuma é capaz de modular a atividade e a expressão genética — destruindo as células cancerígenas e promovendo um funcionamento celular saudável.

Ela também estimula a antiangiogênese, ou seja, ajuda a prevenir o desenvolvimento de suprimento sanguíneo adicional, necessário para o crescimento de células cancerígenas. A curcumina parece ter uma utilidade universal no combate a praticamente qualquer tipo de câncer. Além disso, segundo um corpo clínico de estudos cada vez maior, a curcumina pode ajudar a:

Manter níveis saudáveis de colesterol Prevenir a oxidação da LDL (lipoproteína de baixa densidade) Inibir a agregação plaquetária
Conter a trombose e o infarto do miocárdio Conter os sintomas associados à diabetes tipo 2 Conter os sintomas da artrite reumatoide
Conter os sintomas da esclerose múltipla Conter os sintomas do mal de Alzheimer Inibir a replicação do vírus HIV
Conter a formação de tumores Melhorar a cicatrização Proteger contra danos ao fígado
Aumentar a secreção de bile Proteger contra a catarata Proteger contra a toxicidade e a fibrose pulmonar

Um estudo publicado no Natural Product Reports em 2011 explica ainda melhor por que a curcumina pode ser útil no grupo de condições que compõe a síndrome metabólica, pois descreve a curcumina como terapêutica para uma ampla variedade de doenças, entre elas:

Doenças pulmonares e hepáticas Doenças neurológicas Doenças metabólicas
Doenças autoimunes Doenças cardiovasculares Doenças inflamatórias

O Consumo da Cúrcuma Oferece os Mesmos Benefícios?

A cúrcuma é um tempero maravilhoso com um cálido sabor natural e apimentado. As tradições culturais do Oriente, como a medicina chinesa tradicional e a Ayurveda, valorizam a cúrcuma por suas propriedades medicinais e sabor há mais de 5.000 anos.

Esse é um tempero que recomendo ter sempre na sua cozinha, pois funciona bem em molhos de tomate, sopas, ensopados, verduras folhosas, pratos refogados, couve-flor e outras hortaliças, até mesmo ovos.

Optar pela cúrcuma em pó de alta qualidade em vez do curry em pó ajuda você a obter mais da curcumina ativa. No entanto, se você está buscando efeitos terapêuticos, um suplemento pode ser adequado.

É difícil obter as mesmas doses de curcumina utilizadas nas pesquisas a partir da alimentação apenas. O estudo apresentado utilizou um grama de curcumina, enquanto as doses típicas anticâncer são de até três gramas do extrato de curcumina biodisponível, três a quatro vezes por dia, e isso é difícil de obter usando-se a curcumina em pó comum. A própria raiz da cúrcuma contém uma concentração de curcumina de apenas 3%.

Um método para aumentar a absorção é fazer uma microemulsão misturando uma colher de sopa de curcumina em pó com 1-2 gemas de ovo e uma ou duas colheres de chá de óleo de coco derretido. Em seguida, use um mixer em alta velocidade para emulsificar o pó.

Outra estratégia que se pode usar para aumentar a absorção é colocar uma colher de sopa da curcumina em pó em um litro de água fervente. Ela deve estar fervendo quando o pó for adicionado, pois não funcionará tão bem se você adicioná-lo à água em temperatura ambiente e aquecer a água e a curcumina juntas.

Após 10 minutos de fervura, você terá criado uma solução de 12% e poderá bebê-la depois de ter esfriado. A curcumina desaparecerá da solução com o passar do tempo e em cerca de seis horas, ela será uma solução de 6%, então é melhor beber a água dentro de quatro horas.

A curcumina é um pigmento amarelo bastante potente e pode descolorir permanentemente as superfícies se você não tomar cuidado. Para evitar a "síndrome da cozinha amarela", recomendo fazer as misturas sob a coifa do fogão ligada para assegurar que nenhum pó fique na cozinha.

Como opção, é muito mais fácil tomar a curcumina em forma de suplemento — apenas certifique-se de que seja uma marca de alta qualidade formulada para aumentar a biodisponibilidade. E procure o extrato de cúrcuma, com pelo menos 95% de curcuminoides. Saiba apenas que ele é relativamente raro e difícil de encontrar.

A Resistência à Insulina Também Exerce Um Papel na Síndrome Metabólica

Se você tem síndrome metabólica, é muito provável que você seja resistente à insulina. Segundo o Dr. Robert Lustig, professor de endocrinologia pediátrica na Universidade da Califórnia, San Francisco (USCF), o órgão que se torna resistente à insulina acaba manifestando sua própria doença metabólica crônica. Por exemplo, quando você tem resistência à insulina no fígado, você acaba com diabetes tipo 2.

Quando você tem resistência à insulina no cérebro, você acaba com mal de Alzheimer. A resistência à insulina no rim leva a uma doença renal crônica e assim por diante. Todas essas doenças são estados de resistência à insulina. A questão é: o que causa a resistência à insulina em primeiro lugar?

"Temos alguns dados novos com os quais estamos muito empolgados, que demonstram que se você sobrecarregar as mitocôndrias (as pequenas fábricas de queima de energia dentro das células) em algum órgão, você acabará manifestando diversas formas de doença metabólica crônica",

Afirma o Dr. Lustig afirma. "As substâncias químicas que mais sobrecarregam as mitocôndrias são as gorduras trans. Mas, depois delas, a substância química que mais sobrecarrega as mitocôndrias é o açúcar. As gorduras trans e o açúcar caracterizam bem a dieta com alimentos processados".

O açúcar alimentar em excesso, principalmente a frutose, que causa efeitos adversos em todos os hormônios metabólicos, tem conduzido os elevados índices de resistência à insulina nos Estados Unidos. Portanto, é importante cuidar a frutose na alimentação, mantendo-a abaixo de 25 gramas por dia e, se você tem síndrome metabólica, abaixo de 15 gramas por dia.

Em poucas palavras, você tem que cortar os alimentos processados da alimentação e se concentrar nos alimentos reais (que, de forma benéfica, também ajudarão a reduzir os níveis de inflamação crônica). O jejum intermitente pode ser outra maneira de combater a resistência à insulina, assim como o exercício.

O exercício físico é fundamental para resolver a síndrome metabólica porque ele aumenta a massa muscular, que aumenta as mitocôndrias e isso, por sua vez, aumenta a sensibilidade à insulina. Também é importante melhorar sua flora intestinal, o ideal é que seja comendo alimentos tradicionalmente fermentados.

Tenha em mente que os alimentos processados em geral tendem a destruir a microflora saudável, portanto, se você mudar para uma alimentação integral e pobre em açúcar, estará melhorando automaticamente sua saúde intestinal também.