Reduzir o Consumo de Sal Pode Prejudicar Pacientes com Insuficiência Cardíaca


Sal

Resumo da matéria -

  • Pacientes com insuficiência cardíaca que seguem uma dieta pobre em sódio eram 85 por cento mais propensos a morrer ou de precisar de hospitalização devido a doença cardíaca em comparação àqueles que não restringiram o seu consumo de sal.
  • Restringir o sal pode ser contraproducente, ao causar uma redução no fluido que desencadeia hormônios que tentam manter os fluidos corporais, acelerando a insuficiência cardíaca
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Se você tem insuficiência cardíaca, significa que seu coração não está bombeando sangue tão bem como deveria estar e, como resultado disso, seu corpo provavelmente não está recebendo oxigênio suficiente. Em outras palavras, você tem um coração fraco.

Atividades simples, como caminhar ou carregar as compras, podem se tornar difíceis, e você também pode sentir fadiga, falta de ar, acúmulo de líquidos e tosse.

Como a insuficiência cardíaca está associada ao acúmulo de fluido, uma dieta com baixo teor de sal é tipicamente recomendada. O excesso de sódio pode fazer com que seu corpo retenha água e, de acordo com o pensamento convencional, pode piorar o acúmulo de líquido associado à insuficiência cardíaca.

Este dogma dietético é divulgado como o fato, mas na realidade você deve pensar duas vezes sobre cortar o seu consumo de sal se você tiver insuficiência cardíaca, uma vez que uma nova pesquisa ligou fazer isso a um risco aumentado de morte.

A Redução do Consumo de Sal Pode Piorar a Saúde dos Pacientes com Insuficiência Cardíaca

Pesquisadores da Rush University Medical Center em Chicago acompanharam mais de 800 pacientes com insuficiência cardíaca por uma média de três anos. Tanto o estado de saúde quanto o consumo de sal foram analisados.

Descobriu-se que aqueles que seguem uma dieta com baixo teor de sódio tinham 85 por cento mais probabilidade de morrer ou requerer hospitalização por doença cardíaca, em comparação àqueles que não restringiram seu consumo de sal.

Entre aqueles que restringiram o consumo de sódio, 42 por cento morreram ou foram hospitalizados por problemas cardíacos durante o estudo, em comparação com 26 por cento das pessoas sem restrições de sal.

Os pesquisadores concluíram: "Em pacientes sintomáticos com IC crônica [insuficiência cardíaca], a restrição de sódio pode ter um impacto prejudicial como resultado". É possível que a restrição do sal possa ser contraproducente alterando os volumes de fluidos em uma pessoa. O pesquisador Dr. Rami Doukky disse ao Medical Xpress:

“A ideia é que a restrição de sódio leva a uma contração do volume de líquido no corpo, e isso aciona determinados hormônios que tentam reter fluidos no corpo e pode potencialmente acelerar o processo de insuficiência cardíaca."

Benefícios Cardíacos da Restrição de Sal Cada Vez Mais Questionados

Os benefícios ao coração de se restringir o consumo de sal já são questionados há algum tempo. Em 2011, uma revisão sistemática de dados envolvendo 6.500 pessoas também revelou que não havia evidências para se recomendar a restrição de sal.

Entre as pessoas com pressão arterial elevada ou pressão arterial normal, a restrição de sal não foi significativamente associada à mortalidade geral ou à mortalidade cardiovascular.

Entre aqueles com insuficiência cardíaca congestiva, entretanto, a restrição de sal foi associada a um aumento no risco de mortalidade.

Uma atualização da revisão, publicada em 2014, também identificou que "não há poder suficiente para confirmar efeitos clinicamente importantes de conselhos dietéticos e substituição de sal sobre a mortalidade cardiovascular" entre pessoas com pressão arterial elevada ou pressão arterial normal.

Outra meta-análise descobriu que as pessoas com insuficiência cardíaca que limitavam seu consumo de sódio tinham um risco de morte 160 por cento maior do que aqueles que não o faziam.

Alguns estudos mostraram um benefício modesto da restrição de sal entre algumas pessoas com pressão arterial elevada, mas a evidência não se estende ao resto da população. Então, o que realmente está acontecendo?

Para começar, há uma enorme diferença entre o sal natural e o sal processado adicionado aos alimentos processados e aos saleiros da maioria dos lares e restaurantes. O primeiro é essencial para uma boa saúde, enquanto o último é melhor evitar completamente.

Sally Fallon Morell, presidente da Fundação Weston A. Price, declarou:

" Um estudo de 1991 indicou que as pessoas precisam de cerca de uma colher e meia de chá de sal por dia.

Qualquer coisa menor que isso faz com que diversos hormônios tenham de recuperar o sódio do fluxo de resíduos, hormônios que tornam as pessoas vulneráveis a doenças cardíacas e problemas renais. Isto é bioquímica comprovada.”

Pouco Sal Pode Ser Perigoso

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e o Food Safety Inspection Service (FSIS) recomendam limitar o consumo diário de sódio para menos de 2.300 miligramas (mg).

Eles aconselham uma redução adicional para 1.500 mg (pouco mais de meia colher de chá) para pessoas com 51 anos ou mais, afro-americanos, ou aqueles que têm hipertensão, diabetes ou doença renal crônica (isso abrange cerca de metade da população dos EUA).

No entanto, existem riscos muito reais de se comer muito pouco sal, e as recomendações feitas para toda a população para se restringir o consumo de sal a níveis muito baixos poderia de fato aumentar as taxas de uma ampla gama de doenças.

Por exemplo, em um estudo, uma dieta com baixo teor de sal levou a um aumento da resistência à insulina, que é um fator de risco para diabetes tipo 2 – e a mudança ocorreu em apenas sete dias.

Pesquisas publicadas no JAMA também descobriram que consumir menos de 3.000 mg de sódio por dia pode aumentar o risco de se morrer de doença cardíaca.

Uma dieta com baixo teor de sódio está até ligada a aumentos no colesterol LDL e triglicérides, e um risco aumentado de morte para diabéticos (outra população que muitas vezes é aconselhada a restringir o consumo de sódio).

Há também a hiponatremia, que faz com que seu corpo tenha muito pouco sódio, fazendo com que os níveis de líquido aumentem e com que suas células inchem. A hiponatremia é mais comum em adultos mais velhos e atletas (cujos níveis de sódio podem se esgotar pela transpiração excessiva e por beber muita água).

Este inchaço pode causar uma série de problemas de saúde, de leves a graves. Na pior das hipóteses, a hiponatremia pode ser fatal, levando ao inchaço cerebral, coma e morte.

Mas a hiponatremia leve a moderada tem efeitos mais sutis que você ou seu médico nem podem nem mesmo ligar a um problema de deficiência de sódio, incluindo:

Náuseas, vômitos e alterações no apetiteDor de cabeça Confusão Alucinações
Perda de energia Fadiga Incontinência urinaria Nervosismo, agitação e irritabilidade e outras alterações de humor
Fraqueza muscular, espasmos ou cólicas Convulsões Inconsciência Coma

Sua Relação Sódio/Potássio

Outro fator que pode ter um impacto significativo sobre se o sal irá prejudicar ou ajudar a sua saúde é a relação entre o sal e potássio na sua dieta.

Seu corpo precisa de potássio  para manter níveis de pH adequados em seus fluidos corporais, e também desempenha um papel fundamental na regulação da pressão arterial. É possível que a deficiência de potássio possa ser mais responsável pela hipertensão (que é um fator de risco para doença cardíaca) do que o excesso de sódio.

Um desequilíbrio na sua proporção de sódio/ potássio pode levar à hipertensão, e a maneira mais fácil de alcançar esse desequilíbrio é mantendo uma dieta com alimentos processados, que são notoriamente pobres em potássio ao mesmo tempo em que são ricas em sódio.

Alimentos processados também estão repletos de frutose, que está claramente associada a um aumento no risco de hipertensão, bem como praticamente a todas as doenças crônicas. Isso também pode explicar por que as dietas ricas em sódio parecem afetar algumas pessoas, mas não outras.

De acordo com um estudo federal de 2011 sobre o consumo de sódio e potássio, quem apresentou um maior risco de doença cardiovascular foram aqueles que tinham uma combinação de muito sódio, juntamente com muito pouco potássio.

De acordo com a Dra. Elena Kuklina, uma das principais autoras do estudo, o potássio pode neutralizar os efeitos prejudiciais do sal ao coração. Reveladoramente, aqueles que comiam muito sal e muito pouco potássio tinham mais de duas vezes mais chances de morrer de um ataque cardíaco do que aqueles que comiam quantidades iguais de ambos os nutrientes.

Enquanto o potássio é encontrado em muitos alimentos comumente consumidos nos EUA - incluindo frutas, legumes, produtos lácteos, salmão, sardinha e nozes - apenas 2 por cento dos adultos norte-americanos recebem a quantidade diária recomendada de 4.700 mg. A maneira mais fácil de alcançar um desequilíbrio em sua relação sódio/potássio é mantendo uma dieta de alimentos processados, que são notoriamente pobres em potássio ao mesmo tempo em que são ricos em sal processado.

De acordo com o FDA, 77 por cento do consumo de sódio dos americanos vem de alimentos processados e de restaurantes; quando você reduz os alimentos processados na sua dieta, você também reduz automaticamente seu consumo de sal processado.

Como Melhorar sua Relação Sódio/Potássio

Se você comer muitos alimentos processados  e não muitos vegetais, há uma possibilidade boa de sua relação sódio/potássio estar desequilibrada. Se você não tiver certeza, experimente um aplicativo gratuito como o My Fitness Pal, que permite que você escreva quais são os alimentos que você come e, em seguida, calcula a proporção automaticamente.

É geralmente recomendado que você consuma cinco vezes mais potássio do que sódio, mas a maioria dos americanos consume duas vezes mais sódio do que potássio. Se a sua relação está fora de equilíbrio:

  • Elimine todos os alimentos processados, que são muito ricos em sal processado e pobres em potássio e outros nutrientes essenciais
  • Siga uma dieta de alimentos integrais, não processados, idealmente orgânicos e cultivados localmente para assegurar o conteúdo de nutrientes otimizados. Este tipo de dieta irá fornecer naturalmente quantidades muito maiores de potássio em relação ao sódio
  • Quando for adicionar sal, use um sal natural. Acredito que o sal do Himalaia possa ser ideal, uma vez que contém níveis menores de sódio e mais elevados de potássio em comparação a outros sais

Pode ser difícil conseguir obter potássio suficiente na sua dieta, mas a melhor maneira de fazer isso é aumentando a quantidade de vegetais que você consome. Fazer juicing com legumes verdes é uma excelente maneira de garantir que você está recebendo nutrientes suficientes para uma saúde otimizada, incluindo cerca de 300 a 400 mg de potássio por xícara. Algumas fontes ricas adicionais de potássio são:

  • Feijão de Lima (955 mg / xícara)
  • Abóbora moranga (896 mg / xícara)
  • Espinafre cozido (839 mg / xícara)
  • Abacate (500 mg por meio)

Outras frutas e vegetais ricos em potássio incluem:

  • Frutasmamão, ameixas secas, melão cantaloupe e bananas. (Mas tenha cuidado com as bananas pois elas são ricas em açúcar e têm metade do potássio de uma quantidade equivalente de vegetais verdes. É um mito dizer que você está recebendo muito potássio ao comer bananas, o potássio é duas vezes mais elevado em legumes verdes.)
  • Legumes: brócolis, couves de Bruxelas, abacates, aspargos, abóbora, acelga e folhas de beterraba

Dicas para Prevenir a Insuficiência Cardíaca e Outros Problemas Cardíacos

Há muitas estratégias que podem proteger seu coração não importa qual seja a sua idade. Por favor, não espere até você ter sintomas de ataque cardíaco ou insuficiência cardíaca para tomar as medidas necessárias, porque se chegar a este ponto pode ser tarde demais. Faça isso agora para evitar danos duradouros:

  • Consuma gorduras animais saturadas não processadas, e ignore a mídia, pois você irá se beneficiar destas gorduras. Muitos também podem se beneficiar ao aumentar a gordura saudável em sua dieta em 50 a 85 por cento das calorias diárias.
  • Evite açúcares, incluindo frutose e grãos processados se você tiver resistência à insulina e leptina. Não importa se eles são convencionais ou orgânicos, pois uma dieta rica em açúcar e em grãos promove a resistência à insulina e leptina, que é um condutor primário da doença cardíaca.
  • Minimize o consumo de sal a partir de alimentos processados e, em vez disso, use sal do Himalaia natural para dar sabor à sua comida de verdade.
  • Exercite-se regularmente. Pessoas que se fazem pelo menos 150 minutos de exercício moderado, ou 75 minutos de exercício vigoroso por semana, tiveram um risco 33 por cento menor de insuficiência cardíaca do que pessoas inativas. Use uma combinação de treinamento intervalado de alta intensidade, treinamento de força, alongamento e exercícios para o tronco.
  • Evite ficar muito tempo sentado; tenha como objetivo ficar sentado somente três horas por dia ou menos e tente dar 10.000 passos por dia (além do seu programa de exercícios).
  • Ande descalço regularmente para fazer seu pé ter contato com o chão. Quando você o faz, elétrons livres são transferidos do chão para o seu corpo; este efeito do contato com a terra é um dos antioxidantes mais potentes que conhecemos e ajuda a aliviar a inflamação em todo o seu corpo.
  • Administre seu estresse diariamente. Uma das minhas ferramentas favoritas para a administração do estresse são as Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Technique -EFT).