Relatos Inspiradores Sobre Como Fazer a Artrite Reumatoide Entrar em Remissão


Artrite Reumatoide

Resumo da matéria -

  • A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune em que o organismo destrói as articulações e pode ser terminal. Menos de um por cento das pessoas que sofrem com essa doença têm remissão espontânea.
  • Uma antiga paciente minha conta como ela colocou a AR em remissão por dois anos usando protocolos nutricionais e mudanças para um estilo de vida mais saudável
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Sarah Allen, antiga paciente minha, compartilha sua experiência ao colocar a artrite reumatoide em remissão, sendo um caso de sucesso memorável.

A artrite reumatoide era uma paixão minha quando eu ainda estava atuando. Tratei mais de 3000 pacientes com esta doença. Estimo que entre 80 e 85 por cento deles experimentaram uma recuperação significativa, se não remissão, como Sarah experimentou.

Fui ao encontro de Sarah após fazer uma apresentação recentemente em Orlando onde ela estava presente. Depois de falar com ela, decidi que precisávamos compartilhar sua importante história, uma vez que ela promoveria esperança para várias pessoas que sofrem com esta doença.

Ela se consultou comigo pela primeira vez em Agosto de 2003. Mesmo que tivesse somente 28 anos de idade na época, ela vinha sentindo sintomas de AR já há três ou quatro anos.

"Achei que fosse uma pessoa muito saudável,' ela diz. 'Eu era jovem. Era uma triatleta competitiva. Acreditava manter uma boa dieta. Então, realmente não entendia por que sentia tanta dor nos dedos e nos pés.

Eu sentia dores migratórias e tinha muitos problemas de tendinite pelo corpo todo. Levou muito tempo para que os médicos ocidentais chegassem a um diagnóstico. Foram cerca de três anos indo a diferentes médicos até que descobrissem o que havia de errado comigo.

A doença não aparecia no meu sangue; eu não tinha o fator AR e meus níveis de proteína C-reativa (CRP) eram normais. Porém, a doença apareceu em um Raio-X.'"

Sinais Característicos de AR

Um dos sintomas característicos da artrite reumatoide é a dor nas mãos e/ou nos pés. Ela tende a afetar as articulações proximais mais do que as distais, ou seja, as articulações mais próximas da palma, por exemplo, opostas às articulações distantes nos dedos.

Portanto, se você sente dor nesta região, especialmente se ela for simétrica (afetando as mesmas articulações em ambas as mãos ou pés), quase por definição você tem artrite reumatoide ou uma variante da AR. Realmente não importa o que o exame de sangue mostra.

A AR é muito menos comum que a osteoartrite, ou doença degenerativa das articulações, que não é tão devastadora. Na verdade, é fácil tratar a artrite degenerativa se você entender os componentes de um estilo de vida saudável.

A artrite reumatoide é, de longe, uma doença mais complexa. É uma doença autoimune; seu organismo está em autodestruição e a doença pode ser terminal – sabe-se que algumas pessoas cometeram suicídio por causa da dor devastadora.

É notável que menos de um por cento das pessoas que sofrem com essa doença desenvolva remissão espontânea. Alguma deficiência ocorre em 50 a 70 por cento das pessoas cinco anos após o começo da doença e metade delas pararão de trabalhar em 10 anos.

A AR é Tipicamente Tratada com Medicamentos Tóxicos

Cuidados tradicionais igualmente não trazem muita esperança para sofredores de AR. Tudo o que eles fazem é amenizar ou tratar os sintomas – tipicamente usando medicamentos altamente tóxicos, incluindo prednisona, metotrexato e medicamentos que interferem no fator de necrose tumoral, como o Enbrel.

É por isso que sou tão apaixonado por compartilhar esta informação, pois, conforme Sarah pode confirmar, há uma alternativa, e esta estratégia livre de medicamentos realmente funciona. Você não precisa sofrer desnecessariamente com um tratamento modelo convencional.

Uma vez diagnosticada, Sarah foi a um renomado reumatologista em Milwaukee que disse a ela que precisava parar de correr ou corria o risco de ficar deficiente. Ele prescreveu uma dose baixa de metotrexato que é, na verdade, um medicamento anticancerígeno.

Da mesma maneira que ele pode ser eficaz, suas complicações e efeitos colaterais são atrozes. Sarah tinha que verificar a situação de seu fígado todo mês e, mesmo que estivesse sob baixa dose de medicamento por cerca de três meses, ela começou a perder cabelo.

Um pesquisador em reumatologia da Clínica Mayo, com o qual ela se consultou, disse a ela para continuar com o medicamento, porém esperava que ele tirasse 15 a 20 anos de sua vida.

"Eu estava realmente amedrontada pelo que o medicamento faria com meu organismo,' diz Sarah. 'O fisioterapeuta que me recomendou que fizesse o exame para detector a AR disse que havia muita coisa que eu poderia fazer naturalmente. Então, li vários livros sobre a artrite reumatoide e sobre diferentes alternativas de tratamentos.

Li que havia uma possibilidade de a doença estar associada a uma infecção e que uma dose baixa de antibióticos estava sendo prescrita. Foi aí que vi seu nome em um livro. Procurei pelo senhor, encontrei-o em Chicago, e agendei uma consulta.'"

Protocolo do Dr. Brown

O livro ao qual ela se refere é o The Road Back: Rheumatoid Arthritis, its Cause and its Treatment (O Caminho de Volta: Artrite Reumatoide, sua Causa e Tratamento, em tradução livre), escrito pelo Dr. Thomas McPherson Brown e Henry Scammell. Dr. Brown era um respeitado reumatologista (falecido em 1989), porém era um rebelde.

Ele não concordava com o uso da prednisona, que era o tratamento padrão para AR nos anos 40 e 50. Ele acreditava que a AR era uma infecção causada por micoplasmas, portanto usava o antibiótico tetraciclina em vez da prednisona.

Eventualmente, ele modificava seu tratamento com formas criteriosas mais potentes da tetraciclina, tais como a minociclina. Dr. Brown ajudou a colocar mais de 10.000 pacientes em remissão. Vi seu trabalho pela primeira vez em um especial do 20/20 (programa de TV norte-americano) feito pouco antes de sua morte em 1989 e aquilo realmente me inspirou.

Decidi estudar seu trabalho, comecei a usar seu protocolo em pacientes com AR durante meus anos de prática, e fiquei realmente impressionado com os resultados. Por fim modifiquei o protocolo até o momento em que abandonei de vez os antibióticos.

Tratamento da Sarah

Na primeira vez que vi Sarah, discutimos sua dieta e sugeri que poderia haver uma influência genética envolvida, uma vez que Sarah é descendente de escoceses e irlandeses. Vários membros de sua família igualmente tinham problemas autoimunes, incluindo esclerose múltipla (EM) e esclerose lateral amiotrófica (ELA). Seu passado genético sugeria que ela poderia ter intolerância a trigo e glúten.

"O senhor disse que eu deveria eliminar aquelas substâncias de minha dieta, assim como alimentos processados e açúcar. O senhor igualmente realizou uma tipificação metabólica. Passei por um questionamento minucioso sobre como o alimento é metabolizado em meu organismo, sobre meus níveis energéticos e sobre o estresse em minha vida.

De acordo com meu tipo de sangue, recebi um protocolo especial informando quais alimentos ajudariam na minha cura. Consumi diversos sumos de vegetais, os quais realmente me ajudaram. Consumi provavelmente em torno de 1,4 kg de suco verde por dia.

Igualmente consumi muita carne de vaca alimentada com pasto orgânico, avestruz, bisão, frango não criado em cativeiro e sem tempero e laticínios crus, diariamente. O senhor inclusive recomendou ovos crus e gemas de ovos cruas. Por eu estar em Wisconsin, encontrei uma fazenda de produtos orgânicos próxima a mim.

Comprei a maior parte de minha carne, leite cru e ovos dessa fazenda. Também comprei todos os vegetais frescos em mercados de fazendeiros locais. Tive que conhecer os fazendeiros da região e aprender como eram suas práticas agrícolas.

Eu comprava uma variedade de vegetais e carnes deles porque eu sabia como eles produziam seus alimentos e como criavam seus animais. Inclusive, eu costumava encontrar-me com a criadora de avestruzes em um estacionamento do outro lado da cooperativa onde ela costumava vender sua carne e comprava-a por um preço mais baixo.

Igualmente incorporei vários produtos probióticos à minha dieta e aumentei os níveis de vitamina D. Em vez suprimir meu sistema imunológico com medicamentos para controle da doença, usava os alimentos para reprojetar meu sistema imunológico e torná-lo o mais forte possível.

Além da dieta, outra questão importante com a qual o senhor me aconselhou a lidar foi o nível de estresse em minha vida. Naquela época, eu era professora, nova e apaixonada pela área. Trabalhava longas horas, além do que era possivelmente saudável. Além disso, dedicava várias horas por semana ao treinamento do triatletismo, e experimentava um pouco de estresse emocional.

Dr. Mercola enfatizou como o estresse e as emoções são impactantes e, agora que estou estudando a medicina oriental, aprendi que estes dois fatores são as causas primárias da doença. Ainda questiono se foi a quantidade de trabalho e estresse em minha vida que provocaram a instalação de minha doença.

Depois que comecei a consultar-me com o Dr. Mercola, limitei a quantidade de horas que estava trabalhando e o que eu estava fazendo e deixei mais tempo para o descanso e diversão. Dr. Mercola também me mostrou a Técnica da Libertação Emocional, método de toque dos meridianos da acupuntura energética tradicional para me ajudar na questão do alívio emocional.

Comecei a incorporar a EFT à minha vida diária, o que foi um método fácil e eficaz ao longo do tempo e me ajudou a lidar melhor com o estresse e a ansiedade do dia a dia.

A Importância da Vitamina D

A Vitamina D é, de fato, um componente importante. Ela estimula entre 200 e 300 peptídeos antimicrobianos que são mais poderosos que os antibióticos, ajudando a melhorar e regular o sistema imunológico e combater infecções. Sarah, assim como várias outras pessoas com AR, observou que seus sintomas eram piores durante o inverno e frequentemente se dissipavam durante o verão. Isto é o que você chama de grande evidência de que a vitamina D está funcionando.

Invariavelmente, a menos que você esteja tratando de forma agressiva o nível de vitamina D com exposição ao sol ou suplementação, o nível de vitamina D no sangue cai a níveis perigosamente baixos entre os meses de janeiro, fevereiro e março, quando a exposição ao sol é menor. Otimizar a vitamina D é de extrema importância; eu tipicamente recomendo que pessoas que sofrem de AR mantenham uma checagem mensal destes níveis para ajustar a dosagem que estão consumindo.

Essencialmente, se você está usando um suplemento, você deve consumir a dosagem necessária para alcançar e manter um nível terapêutico entre 50 a 70 ng/ml. A nutrição do microbioma intestinal é um componente igualmente importante. Além de consumir mais alimentos fermentados,  é igualmente importante cortar açúcar da dieta, uma vez que ele alimenta os micróbios patogênicos e dizima o sistema imunológico, deixando-o (a) suscetível a doenças autoimunes de todos os tipos.

 "Aprendi como fermentar meus próprios vegetais e lácteos. Fiz minha própria kombucha, meu iogurte, minha manteiga cultivada, meu kefir de leite e meu kefir de coco. Levou quase dois anos para que meu sistema ficasse em equilíbrio, porém, logo em seguida comecei a perceber uma diferença. Em cerca de duas semanas, meu desejo por trigo, pães e açúcar diminuiu.

O senhor realizou uma análise das células vivas antes e depois da dieta. Minha análise de células vivas mostrou que eu tinha intestino permeável e proteínas digestivas na minha corrente sanguínea. Voltei três meses depois de estar sob rigorosa dieta. Sentia-me melhor; havia perdido 4,5 kg.

Tinha muito mais energia e sentia-me mais leve. Porém, quando a análise de células vivas foi realizada e eu vi na tela que minhas células sanguíneas estavam perfeitamente arredondadas, fortes e saudáveis – quando vi que meu sangue havia mudado completamente – foi quando percebi que o alimento é o verdadeiro medicamento.

Fui capaz de reduzir minhas atividades regulares. Fui capaz de voltar a competir. Naquele ano, depois de seguir seu protocolo por um ano, eu conquistei um triatlo completo. Portanto, fui do ponto onde fui informada que não poderia voltar a correr jamais até o ponto onde venci uma competição. Vagarosamente, os sintomas reduziram-se. Após dois anos sob dieta restrita, meus sintomas ficaram em completa remissão e continuam dessa forma. Já se passaram 10 anos.

Eu ainda faço exercícios. No momento, eu treino capoeira, que incorpora artes marciais, dança e movimentos acrobáticos. Ainda consigo fazer ginástica. Ainda consigo fazer saltos mortais de costas aos 43 anos de idade. Eu ainda corro ocasionalmente. Eu ainda nado e ando de bicicleta. Faço ioga e esqui nórdico. Sou muito ativa e saudável. Na verdade, sinto que com sua ajuda, minha vida realmente foi estendida. Sinto-me muito mais jovem do que realmente sou."

+ Recursos e Referências