A Causa Mais Comum da Fadiga é Diagnosticada Erroneamente por Médicos

Fadiga

Resumo da matéria -

  • As glândulas suprarrenais não são maiores do que uma noz e pesam menos do que uma uva, mas são responsáveis por uma das funções mais importantes no seu corpo: o controle do estresse.
  • Estima-se que até 80 por cento dos adultos sofram de fadiga adrenal durante a sua vida, mas essa continua a ser uma das doenças mais subdiagnosticadas.
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Suas glândulas suprarrenais não são maiores do que uma noz e pesam menos do que uma uva, mas são responsáveis por uma das funções mais importantes em seu corpo: o controle do estresse.

"As suprarrenais são conhecidas como "as glândulas do estresse", escreve James Wilson em seu livro Adrenal Fatigue: The 21st Century Stress Syndrome” (Fadiga Adrenal: A síndrome do estresse do século 21).

É o trabalho delas permitir que seu corpo lide com o estresse de todas as fontes possíveis, que vão desde lesões e doenças a trabalho e problemas de relacionamento. Sua resiliência, energia, resistência e sua própria vida dependem de seu bom funcionamento. "

Quando suas glândulas suprarrenais estão fatigadas, uma condição conhecida como fadiga adrenal ou exaustão adrenal, todo o seu corpo sente e sofre de exaustão extrema também.

Estima-se que até 80 por cento dos adultos sofram de fadiga adrenal durante a sua vida, mas esta continua a ser uma das doenças mais subdiagnosticadas.

A Função Plena de Suas Glândulas Suprarrenais

Seu corpo tem duas glândulas suprarrenais, localizadas logo acima de cada um de seus rins. Como parte de seu sistema endócrino, suas glândulas suprarrenais secretam mais de 50 hormônios, muitos dos quais são essenciais para a vida e incluem:

  • Glucocorticóides. Esses hormônios, entre eles o cortisol, ajudam seu corpo a converter alimentos em energia, normalizar o açúcar no sangue, responder ao estresse e manter a resposta inflamatória do sistema imunológico.
  • Mineralocorticóides. Estes hormônios, que incluem aldosterona, ajudam a manter a sua pressão arterial e volume do sangue normal, mantendo um equilíbrio adequado de sódio, potássio e água em seu corpo.
  • Adrenalina. Este hormônio aumenta a frequência cardíaca e controla o fluxo sanguíneo para os músculos e o cérebro, além de ajudar na conversão do glicogênio em glicose no fígado.

Juntos, esses hormônios e outros produzidos por suas glândulas suprarrenais controlam funções corporais como:

  • Manutenção de processos metabólicos, como o controle dos níveis de açúcar no sangue e a regulação da inflamação
  • Regulação do equilíbrio de sal e água no corpo
  • Controle de sua resposta de "luta ou fuga" ao estresse
  • Manutenção da gravidez
  • Início e controle da maturação sexual durante a infância e puberdade
  • Produção de esteróides sexuais, como estrogênio e testosterona

Ironicamente, embora suas glândulas suprarrenais estejam aí, em grande parte, para ajudá-lo a lidar com o estresse, um excesso deste é o que faz com que a função delas quebre.

Em outras palavras, uma das tarefas mais importantes de suas glândulas suprarrenais é fazer com que seu corpo fique pronto para sua resposta de "luta ou fuga" ao estresse, o que significa aumentar a adrenalina e outros hormônios.

Como parte dessa resposta, sua frequência cardíaca e pressão arterial aumentam, sua digestão diminui e seu corpo fica pronto para enfrentar uma ameaça ou desafio em potencial.

Embora esta resposta seja necessária e boa quando útil, muitos de nós somos constantemente confrontados com estressores (trabalho, toxinas ambientais, sono insuficiente, preocupação, problemas de relacionamento e outros) e, portanto, estamos neste modo de "luta ou fuga" por muito tempo -- muito mais tempo do que se pretendia de um ponto de vista biológico.

O resultado é que suas glândulas suprarrenais, confrontadas com estresse e carga excessiva, ficam sobrecarregadas e fatigadas. Alguns fatores comuns que colocam excesso de estresse em suas suprarrenais são:

  • Raiva, medo, ansiedade, culpa, depressão e outras emoções negativas
  • Excesso de trabalho, incluindo a tensão física ou mental
  • Exercício excessivo
  • Privação de sono
  •  Interrupção do ciclo de luz (como trabalhar no turno da noite ou muitas vezes dormir tarde)
  • Cirurgia, trauma ou lesão
  • Inflamação crônica, infecção, doença ou dor
  • Temperaturas extremas
  • Exposição a substâncias tóxicas
  • Deficiências nutricionais e / ou alergias graves

Sinais e Sintomas da Fadiga Adrenal

Quando suas glândulas suprarrenais ficam esgotadas, isso leva a uma diminuição de certos níveis hormonais, particularmente do cortisol. As deficiências em certos hormônios suprarrenais irão variar em cada caso, variando de leves a graves.

Em sua forma mais extrema, isso é conhecido como doença de Addison, uma condição que causa fraqueza muscular, perda de peso, pressão arterial baixa e baixos níveis de açúcar no sangue, e que pode ser fatal.

Felizmente, apenas cerca de quatro pessoas em 100.000 desenvolvem a doença de Addison, que é causada por uma doença autoimune na maioria dos casos, mas também pode se desenvolver após um estresse muito grave.

Do outro lado desta situação, bem como no meio, encontra-se a fadiga adrenal (também conhecida como hipoadrenia). Embora os sintomas sejam menos graves do que na doença de Addison, os sintomas de fadiga adrenal podem ser debilitantes. Como Wilson escreve:

" Hipoadrenia não-Addison (fadiga adrenal) geralmente não é grave o suficiente para ser apresentada na TV ou para ser considerada uma emergência médica. Na verdade, a medicina moderna nem sequer a reconhece como uma síndrome distinta. No entanto, pode causar estragos na sua vida. ´

Nos casos mais graves de fadiga adrenal, a atividade das glândulas suprarrenais é tão reduzida que a pessoa pode ter dificuldade em sair da cama por mais de algumas horas por dia. Com cada aumento da redução da função adrenal, cada órgão e sistema em seu corpo fica mais profundamente afetado."

Os sinais e sintomas clássicos da fadiga adrenal incluem:

  • Fadiga e fraqueza, especialmente de manhã e à tarde
  • Um sistema imunológico suprimido
  • Aumento das alergias
  • Perda muscular e óssea e fraqueza muscular
  • Depressão
  • Desejo por alimentos ricos em sal, açúcar ou gordura
  • Desequilíbrio hormonal
  • Problemas de pele
  • Doenças autoimunes
  • Sintomas aumentados de TPM ou menopausa
  • Baixa libido
  • Tonturas ao se levantar quando se estava antes sentado ou deitado
  • Diminuição da capacidade de lidar com o estresse
  • Problemas ao acordar de manhã, apesar de uma noite de sono completa
  • Pouca memória

Além disso, as pessoas com fadiga adrenal muitas vezes recebem uma explosão de energia em torno das 18 horas, seguida de sonolência às 21 ou 22 horas, à qual muitas vezes se resiste. Um "segundo fôlego" às 23 horas é então algo comum, o que muitas vezes pode impedi-lo de adormecer até a 1 da manhã.

Além disso, aqueles com fadiga adrenal muitas vezes também têm níveis anormais de açúcar no sangue e distúrbios mentais, como o aumento dos medos e ansiedade, e dependem de café, refrigerante e outras formas de cafeína para mantê-los de pé.

Como os nomes sugerem, o sintoma mais comum da fadiga adrenal é uma fadiga implacável, uma sensação de ter sido atropelado ou não ser capaz de acompanhar suas demandas diárias. E como a fadiga é um sintoma tão comum, a síndrome é muitas vezes negligenciada ou diagnosticada erroneamente por médicos.

O Exame Médico Comum Para a Função Adrenal Não Pode Diagnosticar A Fadiga Adrenal

Adicional ao problema de diagnostico errôneo é o fato de que os doutores tipicamente usam um teste de ACTH (hormônio adrenocorticotrópico) para verificar se há problemas com suas glândulas suprarrenais. No entanto, o teste só reconhece a subprodução ou superprodução extrema dos níveis hormonais, como mostrado pela parte superior e inferior em 2 por cento de uma curva sinusoidal.

Entretanto, os sintomas da disfunção adrenal só ocorrem após 15% da média em ambos os lados da curva. Assim, suas glândulas suprarrenais podem estar funcionando 20 por cento abaixo da média, e seu corpo experimentando sintomas de fadiga adrenal, e o exame padrão não vai reconhecê-lo.

O exame que irá reconhecer a fadiga adrenal, em todas as suas fases, é um teste de cortisol salivar. Este é um teste barato que você pode comprar on-line e fazer em casa, e nenhuma prescrição é necessária. No entanto, se você suspeitar que tem fadiga adrenal, um profissional de saúde natural experiente pode ajudá-lo com o diagnóstico e tratamento.

Natural e Simples, Etapas para Se Recuperar da Fadiga Adrenal

Leva tempo para esgotar suas glândulas suprarrenais, e como você pode já ter suspeitado, também leva algum tempo para se recuperar. Você pode esperar:

  • Seis a nove meses de tempo de recuperação para a fadiga adrenal menor
  • De 12 a 18 meses para fadiga adrenal moderada
  • Até 24 meses para fadiga adrenal grave

A boa notícia é que os tratamentos naturais são muito eficazes para esta síndrome, e com tempo, paciência, e as seguintes dicas é possível se recuperar.

  • Provavelmente a área mais importante é ter poderosas ferramentas e estratégias para abordar os traumas emocionais atuais e passados em sua vida. Oração, meditação e meridian tapping techniques (técnicas de toque dos meridianos) podem ser muito úteis aqui. Se você fosse se concentrar apenas em uma área, seria melhor se concentrar nesta área, já que ela é realmente a chave central para restaurar a sua saúde adrenal.
  • Ouça o seu corpo e descanse quando se sentir cansado (isto inclui durante o dia, tirando sonecas curtas ou apenas se deitando)
  • Dormir (até as 9 da manhã se você sentir vontade)
  • Se exercite regularmente usando um programa abrangente de treinamentos de força, aeróbica, treino core e treino intervalado
  • Tenha uma dieta saudável rica em nutrientes como a descrita em meu plano nutricional, de acordo com seu Tipo Nutricional
  • Evite estimulantes como café e refrigerante, pois estes podem esgotar ainda mais as suas glândulas suprarrenais  

Além disso, para manter uma boa função adrenal é obrigatório controlar seus níveis de açúcar no sangue. Se você está comendo os alimentos certos para suas demandas nutricionais, seus níveis de açúcar no sangue devem ficar bem balanceados, e as seguintes orientações ajudarão também:

  • Coma uma pequena refeição ou lanche a cada três a quatro horas
  • Coma dentro da primeira hora após despertar
  • Coma um pequeno lanche perto da hora de dormir
  • Coma antes de ficar com fome. Se estiver com fome, você já se permitiu ficar sem combustível (baixo nível de açúcar no sangue), o que coloca estresse adicional em suas glândulas suprarrenais

Você também pode querer ver um médico bem entendido em reposição hormonal bioidêntica, e fazer testes para ver se você poderia se beneficiar do uso de DHEA. O DHEA é um esteróide natural e um hormônio precursor produzido pelas suprarrenais, e os níveis são muitas vezes muito baixos em pessoas com fadiga adrenal.

Tenha em mente, é claro, que o uso de DHEA não propicia cura rápida, e ele não deve ser usado como único tratamento.

Tratar da fadiga adrenal exige uma abordagem que atinja todo o corpo, que aborde o excesso de estresse e um estilo de vida e hábitos insalubres que foi o que desgastou suas suprarrenais em primeiro lugar.

Curiosamente, o primeiro passo na normalização dos hormônios sexuais, sejam masculinos ou femininos, é primeiramente tratar do sistema hormonal adrenal. Por exemplo, se você fosse só medir hormônios femininos e, em seguida, substituí-los com a terapia de hormônio bioidêntico, você praticamente teria a garantia de falhar nisso porque as suprarrenais enfraquecidas nunca permitiriam que os hormônios se equilibrassem corretamente.

Uma vez que a sua saúde adrenal é tão importante para a sua saúde geral e bem-estar, eu recomendo que você trabalhe com um profissional de saúde natural experiente para descobrir se você tem fadiga adrenal e, em seguida, remediar isso.

As dicas acima são um excelente ponto de partida, no entanto, e podem ser usadas por quase todos para ajudar a dar a suas glândulas suprarrenais um estimulo saudável.

+ Recursos e Referências
  • Wilson, James. "Adrenal Fatigue: The 21st Century Stress Syndrome." Smart Publications, p. 3, 2002.
  • Wilson, James. "Adrenal Fatigue: The 21st Century Stress Syndrome." Smart Publications, p. 6, 2002.
  • MayoClinic.com Addison's Disease www.mayoclinic.com/health/addisons-disease/DS00361/DSECTION=causes(Accessed June 11, 2009)
  • National Institutes of Health, Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development, "Adrenal Gland Disorders"  (Accessed June 11, 2009)
  • Understanding Adrenal Function August 27, 2000, Mercola.com articles.mercola.com/sites/articles/archive/2000/08/27/adrenals.aspx (Accessed June 11, 2009)
  • Wilson, James. "Adrenal Fatigue: The 21st Century Stress Syndrome." Smart Publications, p. 7, 2002.
  • Veracity, Dani. "Recovering From Adrenal Fatigue: How Your Body Can Overcome Chronic Stress and Feel Energized Again." Natural News, April 6, 2006 www.naturalnews.com/019339.html (Accessed June 11, 2009)