A Infertilidade Masculina que Está Constantemente Aumentando Pode Ameaçar a Sobrevivência da Humanidade

Infertilidade masculina

Resumo da matéria -

  • De acordo com a maior meta-análise de seu tipo, as contagens de espermatozoides em todo o mundo diminuíram em mais de 50% para 47 milhões de espermatozoides por mL, entre 1973 e 2013 e continuam a diminuir
  • Os produtos químicos que alteram o sistema endócrino, sem dúvida, contribuíram para o declínio dramático da saúde reprodutiva entre os homens. A excessiva radiação de micro-ondas de tecnologias sem fio, obesidade e inatividade também desempenham um papel significativo
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A fertilidade humana está em uma espiral descendente, advertem os cientistas, e a vida moderna - com seu “progresso” tecnológico e químico - é a possível culpada.

A infertilidade feminina tende a obter a maior atenção, mas neste caso, é a infertilidade masculina que saiu nas manchetes, já que pesquisas recentes mostraram que a concentração e a qualidade do esperma diminuíram drasticamente nas últimas décadas.

De acordo com o primeiro de dois artigos recentemente publicados, uma meta-análise de 185 estudos, a maior de seu tipo, a contagem de espermatozoides em todo o mundo diminuiu em mais de 50%, para 47 milhões de espermatozoides por mililitro (mL), entre 1973 e 2013, e continua diminuindo.

As quedas mais significativas foram encontradas em amostras de homens na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia, onde muitos tiveram concentrações de espermatozoides abaixo de 40 milhões/mL. (Os homens com suspeita de infertilidade, como aqueles que frequentam clínicas de FIV, foram excluídos do estudo).

No geral, os homens nesses países apresentaram um declínio de 52,4 por cento na concentração de espermatozoides e um declínio de 59,3 por cento na contagem total de espermatozoides (concentração de espermatozoides multiplicada pelo volume total de uma ejaculação).

Taxas de Infertilidade Masculina

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 40 milhões de espermatozoides por mL são considerados o limite no qual um homem terá problemas para fertilizar um óvulo, o que significa que metade dos homens na maioria das nações desenvolvidas está perto ou a ponto de ser infértil.

Os homens sul-americanos, asiáticos e africanos não apresentaram um declínio notável, embora essa discrepância possa ser devida aos tamanhos de amostra menores obtidos desses países.

Conforme observado por Frederick vom Saal, professor emérito de ciências biológicas da Universidade do Missouri, que não estava envolvido no estudo, essas descobertas são um alerta e um aviso de que “estamos em uma espiral mortal de infertilidade masculina”.

De fato, o autor principal, o Dr. Hagai Levine, que chamou os resultados de “profundos” e “chocantes”, preocupa-se com o fato de que a extinção humana seja uma possibilidade muito real, caso essa tendência continue inalterada.

Os Produtos Químicos que Alteram o Sistema Endócrino Destroem a Capacidade Reprodutiva dos Homens

O segundo artigo, publicado na PLOS Genetics, sugere que os produtos químicos que alteram o sistema endócrino são culpados pelo declínio dramático da saúde reprodutiva nos homens.

Ele descobriu que expor ratos machos ao etinilestradiol, um hormônio sexual sintético encontrado nas pílulas anticoncepcionais, causa problemas de desenvolvimento no trato reprodutivo, reduzindo assim a contagem de espermatozoides.

Embora os homens não usem pílulas anticoncepcionais, todavia eles estão expostos a eles, através da água contaminada e outras fontes.

Os homens também estão expostos no seu dia-a-dia a uma série de outros produtos químicos que alteram o sistema endócrino, graças ao uso pernicioso de produtos químicos que alteram o sistema endócrino em plásticos, produtos de higiene pessoal, herbicidas como o glifosato (que é um contaminante muito comum em alimentos não orgânicos) e muito mais.

O estudo também confirmou que os efeitos dos estrogênios ambientais têm efeitos geracionais. Os machos ficam sucessivamente cada vez mais estéreis a cada nova geração.

Embora as mulheres também sejam afetadas negativamente por esses tipos de produtos químicos, os homens são desproporcionalmente afetados devido à forma como o sistema reprodutivo masculino se desenvolve no útero. No início, fetos masculinos e femininos são bastante idênticos. Os hormônios sexuais são o que impulsiona a diferenciação entre os sexos.

Infelizmente, quando as substâncias químicas sintéticas que imitam estes hormônios mais importantes entram na mistura, isso confunde o processo e interfere no processo biológico que transforma o feto em masculino.

Corrupção e Mentiras Ameaçam a Saúde Humana e sua Sobrevivência

Os Estados Unidos permitem que mais de 84 mil produtos químicos sejam usados ​​em produtos domésticos, cosméticos, alimentos e embalagens de alimentos, e a maioria deles nunca foi testada quanto à sua segurança. De acordo com o Accountability Office (Escritório de Prestação de Contas) do Governo dos EUA, 85% das novas solicitações de produtos químicos não incluem nenhum teste.

O que é pior, a indústria química tem um longo histórico de mentir sobre a segurança de suas mercadorias, e seu lobby poderoso permitiu que a indústria saturasse o mundo com produtos químicos extremamente perigosos com pouca ou nenhuma supervisão.

Conforme revelado por Grant David Gillham, um consultor político que dirigiu a Citizens for Fire Safety (Cidadãos pela Segurança contra Incêndio), o Conselho Americano de Química (o grupo de comércio da indústria química) mentiu quando disse que não tinha envolvimento com o Citizens for Fire Safety.

O grupo foi de fato criado com o objetivo específico de defender o uso de retardadores de chama nos móveis - apesar de não funcionarem e serem profundamente tóxicos - para proteger os interesses da indústria.

Tudo o que uma futura mãe leva ao seu corpo pode potencialmente ser transmitida ao seu filho em desenvolvimento, e evidências científicas sugerem fortemente que a exposição a produtos químicos está contribuindo para o câncer, anormalidades reprodutivas, puberdade precoce e uma série de outros problemas endócrinos, neurológicos e metabólicos.

Produtos Químicos que Alteram os Hormônios

Bisfenol-A (BPA)

Dioxina

Atrazina

Ftalatos

Perclorato

Retardadores de fogo

Chumbo

Mercúrio

Arsênico

Produtos químicos perfluorados(PFCs)

Pesticidas organofosforados

Éteres de glicol

Outras das Principais Causas da Infertilidade

Embora os produtos químicos que alteram o sistema endócrino estejam no topo da lista de fatores contribuintes, eles não são os únicos. Outras variáveis que podem afetar a capacidade reprodutiva de um homem incluem:

  • Exposições a campos eletromagnéticos (EMF)
  • Deficiências nutricionais e/ou intolerâncias alimentares
  • Estresse
  • Deficiências imunológicas
  • Obesidade e/ou inatividade

Esses fatores sutis, mas vitais, interagem de forma sinérgica para impactar a qualidade dos óvulos de uma mulher e o esperma de um homem, afetando a habilidade de um casal de conceber e a saúde do embrião.

Por exemplo, embora a intolerância ao glúten por si só não possa causar infertilidade, a inflamação intestinal resultante pode afetar sua absorção de nutrientes e levar a deficiências nos nutrientes que você precisa para ter uma produção otimizada de esperma, óvulos e hormônios e uma gravidez saudável.

Em termos de dieta, certos nutrientes também são mais importantes do que outros quando se trata de fertilidade. As gorduras ômega-3 de origem animal e a vitamina D são dois componentes vitais que podem ter um impacto significativo. Ambos também são cruciais durante a gravidez para proteger a saúde da mãe e da criança.

Otimizar os níveis de vitamina D pode ser uma das coisas mais importantes que uma mulher poderia fazer na gravidez, uma vez que uma pesquisa demonstrou claramente que atingir um nível sérico de vitamina D de pelo menos 40 ng/mL (100 nmol/L) reduz o risco de parto prematuro em 60 por cento.

Estratégias para Tratar a Infertilidade e Aumentar a Fertilidade Naturalmente

Minimize sua exposição a produtos químicos tóxicos

A exposição a toxinas ambientais, tanto no útero como neonatalmente, pode afetar drasticamente a fertilidade do feto quando adulto. Os compostos que podem alterar a função hormonal e resultar em efeitos adversos para a saúde reprodutiva incluem, entre outros, metais pesados; alteradores endócrinos; ftalatos (associados à toxicidade testicular e à ruptura hormonal mesmo em níveis baixos); produtos químicos VCH utilizados em pneus de borracha, plásticos e pesticidas; HAP liberados por cigarros, fumaça de automóveis e alcatrão de asfalto; pesticidas e herbicidas; formaldeído; bisfenois encontrados em produtos plásticos; solventes orgânicos; produtos químicos para limpeza a seco e vapores de tinta.

Evite beber água não filtrada da torneira

Nossas vias fluviais são constantemente poluídas por resíduos industriais e subprodutos de medicamentos (como pílulas anticoncepcionais e outras terapias hormonais), pesticidas e produtos de limpeza comercial. Os metais pesados são as toxinas reprodutivas mais comuns que chegam ao nosso abastecimento de água através de resíduos industriais, resíduo de vazão de combustível de aviação e uma variedade de outras fontes.

Alimente-se de uma dieta de fertilidade otimizada

Fazer uma dieta de fertilidade otimizada trata-se tanto do que evitar quanto do que incluir. Coma alimentos DE VERDADE, idealmente orgânicos, para evitar resíduos de pesticidas e que tenham sido cultivados localmente. Os alimentos processados e embalados são uma fonte comum, não só de pesticidas, mas também de produtos químicos como o bisfenol-A e ftalatos.

Os elementos principais são as fontes de proteínas de boa qualidade (orgânicos e de animais alimentados com grama quando se trata de produtos de origem animal) e gorduras saudáveis.

Evite produtos de origem animal provenientes de fazendas industriais, gorduras trans prejudiciais e os óleos vegetais processados. Também evite produtos de soja não fermentada, pois a soja contém fitoestrógenos que atuam sobre os hormônios.

Para obter uma melhora adicional, considere adicionar mais dos seguintes alimentos “estimulantes de espermatozoides”: ovos orgânicos de animais alimentados com pasto, espinafre, banana, chocolate amargo, aspargo, brócolis, romã, nozes, alho e todos os alimentos ricos em zinco (pois o zinco desempenha um papel vital no desenvolvimento do espermatozoide).

Evite alérgenos comuns

Um sistema imunológico hiperativo está mais propenso a atacar as células do seu próprio corpo, e a ligação entre intolerâncias alimentares e anticorpos antiespermatozoide já está bem estabelecida. As duas intolerâncias alimentares mais difundidas são ao glúten e a produtos lácteos.

O leite cultivado em fazendas industriais também pode ser uma fonte de estrogênio que pode prejudicar a fertilidade de um homem. Os hormônios encontrados na produção de leite de vaca de fazendas industriais incluem:

  • Prolactina
  • Somatostatina
  • Melatonina
  • Oxitocina
  • Hormônio do crescimento
  • Hormônio liberador luteinizante
  • Hormônio estimulante da tireóide
  • Estrógenos
  • Progesterona
  • Insulina
  • Corticosteróides e muito mais

Minimizar a sua exposição às micro-ondas

Evite transportar seu celular no seu corpo enquanto estiver ligado e evite usar laptops e tablets no colo. De forma mais geral, também seria aconselhável limitar a sua exposição total ao desligar o seu Wi-Fi durante a noite e fazer do seu quarto uma zona sem EMF.

Faça um exame de doenças sexualmente transmissíveis (DST)

Algumas DSTs podem ser assintomáticas, o que significa que você pode não estar ciente de que as possui, pois não há sintomas óbvios. Uma dessas DSTs é a infecção por clamídia. Nos homens, a clamídia pode levar a anormalidades espermáticas, incluindo anticorpos espermáticos.

Nas mulheres, pode levar a cicatrizes, trompas bloqueadas e aborto. A maioria das DSTs é fácil de tratar, por isso vale a pena que ambos os parceiros façam um exame de DSTs. Não há nenhum sentido em apenas um parceiro fazer um exame já que o outro parceiro pode infectá-lo novamente.

Evite café, fumo e álcool

Enquanto o café preto orgânico tem uma série de benefícios para a saúde, a fertilidade não parece ser uma delas. Pelo contrário, os estudos sugerem que ele diminui a fertilidade. Em um estudo, homens que beberam três ou mais bebidas com cafeína por dia durante a fase de concepção elevaram o risco de aborto espontâneo de suas parceiras em mais de 70%.

O álcool também é prejudicial para óvulos e espermatozoides, e aumenta o risco de aborto espontâneo. Não é necessário dizer que o fumo e drogas recreativas também têm um efeito adverso sobre a fertilidade, reduzindo o tamanho de seus testículos e diminuindo a contagem de espermatozoides.

Exercite-se regularmente

De acordo com pesquisas recentes, conseguir fazer pelo menos 30 minutos de exercício três vezes por semana pode ajudar a aumentar a contagem de espermatozoides dos homens. E, para manter espermatozoides saudáveis, você precisa permanecer ativo - dentro um mês após parar de exercitar-se, a contagem de espermatozoides começa a diminuir novamente. Dito isto, esteja ciente de que fazer ciclismo pode ter um efeito adverso no seu esperma. Em um estudo, homens que rotineiramente faziam 300 quilômetros de ciclismo por semana acabaram tendo problemas de fertilidade.

Normalize seu peso

A obesidade contribui para a infertilidade, então a normalização do seu peso pode ajudar a melhorar a qualidade e quantidade de seus espermatozoides.

Limite a sua quantidade de banhos quentes e sauna

Embora os banhos quentes e as saunas tenham uma miríade de benefícios para a saúde, o calor pode afetar o esperma. Em um estudo de três anos, cinco dos onze homens que deixaram de tomar banhos quentes foram capazes de aumentar a sua contagem de esperma em quase 500 por cento. Assim, limitar sua quantidade de banhos quentes e idas a saunas por alguns meses pode ser útil durante a fase de concepção. Eu faço uma sauna de infravermelho quase todos os dias, mas coloco um pequeno bloco de gelo ao lado da virilha para manter a temperatura baixa.

Combata o estresse

Desde certificar-se de que você está conseguindo quantidades suficientes de sono, exercitar-se regularmente, a incorporar uma ferramenta como as Técnicas de Libertação Emocional ou fazer ioga ou meditação, existem muitas maneiras de tratar o estresse. Experimente algumas coisas diferentes e continue a fazer o que quer que funcione pra você.

Limpe o ambiente da sua casa

Use produtos de limpeza naturais ou faça o seu próprio. Evite aqueles que contenham 2-butoxietanol (EGBE) e metoxidiglicol (DEGME) - dois éteres tóxicos de glicol que podem comprometer sua fertilidade e causar danos ao feto. Procure por produtos feitos por empresas ecológicas, sustentáveis, com certificações orgânicas e livres de OGM.

Isto aplica-se a tudo, desde alimentos e produtos de higiene pessoal até materiais de construção, carpetes, tintas, móveis, colchões e outros.

Ao comprar novos produtos, como móveis, colchões ou enchimento de tapetes, considere comprar variedades sem retardador de chamas, contendo materiais naturalmente menos inflamáveis, como couro, lã, algodão, seda e Kevlar. Evite roupas, móveis e tapetes resistentes a manchas e à água para evitar produtos químicos perfluorados. Use um aspirador com um filtro HEPA para remover a poeira da casa contaminada. Esta é uma das principais rotas de exposição a produtos químicos de retardadores de chama.