Mude o jogo assumindo o controle de sua saúde

Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Este site foi criado há 19 anos (www.mercola.com), em 1997, quando juntei minhas duas paixões na vida, saúde e tecnologia, e assumi a missão de compartilhar novos e empolgantes desenvolvimentos em saúde natural com um público maior.

Graças a vocês, este site tem sido o site de saúde natural mais visitado em todo o mundo nos últimos 11 anos.

Devido ao seu apoio fiel, temos despertado o mundo (de forma lenta, mas segura) quanto às falsas promessas da visão médica tradicional inevitavelmente falha, cuja crença alega que a doença é mais bem tratada com medicamentos e que o governo sabe o que é melhor para a sua saúde, devendo ter o direito de ditar suas opções de saúde

Neste vídeo inédito que acaba de ser concluído, falo sobre a minha própria jornada rumo à saúde, que acabou levando às minhas filosofias e recomendações atuais.

Aprendizado por meio da experiência

A experiência é um professor formidável, e muito do que ensino hoje é o resultado de lições que aprendi enquanto tentava ser mais saudável. Cometi diversos erros e acreditei em muitas mentiras, decepções e confusões da medicina tradicional.

Assim como muitas outras pessoas, cresci comendo cereal no café da manhã e acreditava totalmente que a margarina era saudável. Minha dieta tinha muitos carboidratos e açúcares e pouca gordura, e é praticamente certo que isso teve um papel significativo nas cáries que tive durante grande parte da minha vida.

Quando me tornei adulto, minha boca era cheia de restaurações de amálgama. Com o tempo, descobri a verdade sobre a amálgama (que ela é na verdade 50% mercúrio) e, em 2009, falei com Charlie Brown (presidente da Aliança para Eliminação do Mercúrio na Odontologia) na exposição Health Freedom Expo em Chicago.

No evento, ofereci uma parceria para conscientização do mercúrio na odontologia e para ajudar a eliminar essa toxina da odontologia para sempre.

Foi uma parceria de grande sucesso e, no dia 10 de outubro de 2013, foi firmado um tratado legal internacional para o controle do uso desse metal tóxico, graças em grande parte ao trabalho da Campanha de Eliminação do Mercúrio na Odontologia, projeto organizado e conduzido por Charlie Brown.

O tratado, chamado de Convenção de Minamata sobre Mercúrio, das Nações Unidas,exige a eliminação gradual de diversos produtos que contêm mercúrio até 2020.

Importante, o tratado marca o início do fim da amálgama dental em todo o mundo, uma vez que estipula que cada país elimine o seu uso imediatamente.

Desde então, trabalhei junto com diversas organizações de saúde e pesquisa que são verdadeiras defensoras e divulgadoras da saúde, entre elas GrassrootsHealth, Fluoride Action Network, National Vaccine Information Center, Institute for Responsible Technology e Organic Consumers Association.

Juntos, formamos uma coalizão sem fins lucrativos conhecida como Health Liberty (Liberdade de Saúde), dedicada à melhoria do ensino básico a todos sobre questões importantes de saúde, segurança alimentar e consentimento informado.

Uma paixão duradoura pelo exercício me colocou na medicina

Minha mãe criou em mim a paixão pela leitura. Em 1968, peguei o livro do Dr. Ken Cooper, Aerobics, que despertou uma paixão duradoura pelo exercício. Faço exercícios regularmente há 47 anos, jamais parando mais do que algum dias muito de vez em quando. 

O Dr. Cooper, na realidade, elaborou um programa de exercícios para os astronautas da NASA, mas apesar de mantê-los em forma em um ambiente antigravidade, o exercício não era visto com bons olhos aqui na Terra.

Quando comecei a correr, as pessoas atiravam objetos em mim porque achavam que eu era algum tipo de torcedor fanático ou criminoso fugindo da cena do crime! As pessoas simplesmente não corriam "por nenhuma razão" nos anos 60.

Eu tinha 14 anos quando o primeiro homem pisou na lua. Juntamente com todo o restante do país, esse evento atraiu minha atenção e decidi que queria ser astronauta. A maneira mais rápida de fazer isso era entrando na Aeronáutica.

Infelizmente, era difícil conseguir uma vaga, e, neste meio tempo, continuei estudando, com enfoque em engenharia. Mais tarde mudei para o curso pré-médico, principalmente porque estava muito empolgado com os exercícios e a saúde. No início da faculdade de medicina, um dos professores falou para a turma que quando nos formássemos, a maioria das coisas que teríamos aprendido estaria ultrapassada ou obsoleta.

O principal elemento da nossa educação era nos ensinar como aprender, e isso me marcou desde então. Nunca atingi um ponto na vida em que achava que sabia tudo e não precisava mais aprender.

Essencialmente, a faculdade de medicina me ensinou como ser um eterno aluno e esse comportamento me ajudou muito. Infelizmente, a maioria dos médicos ignora essa mensagem e atem-se à prática do que é, basicamente, a medicina ultrapassada.

Nutrição como medicina

A medicina tradicional é excelente em diagnosticar doenças, mas onde ela falha enormemente é nas abordagens de tratamento. Ela concentra-se em tratar os sintomas, e não a causa, e faz isso usando drogas tóxicas que geralmente causam problemas mais perigosos do que a queixa original.

A descoberta da nutrição como método de cura foi nada mais nada menos do que algo revolucionário para mim. Abriu meus olhos e me ofereceu uma perspectiva totalmente diferente sobre saúde e cura. Comecei a explorar livros médicos sobre nutrição para leigos e a participar de conferências sobre modalidades de cura alternativas, geralmente todo mês, para adquirir o conhecimento e as habilidades necessários para ajudar as pessoas a se curarem.

Eu então aplicava o que havia aprendido no meu atendimento médico e obtinha resultados incríveis, tanto que cheguei ao ponto de dizer um dia: “Isso funciona mesmo!” e, com isso, me comprometi a praticar a medicina sem medicamentos. Quando avisei meus pacientes sobre este novo rumo, 70% deles foram embora. Eles não estavam dispostos a parar de usar os remédios que tomavam e a tratar seus problemas de saúde com nutrição e outras mudanças no estilo de vida.

Isso acabou sendo ótimo, pois os pacientes que me restaram queriam realmente ficar bons e estavam dispostos a colaborar. Com o tempo, o sucesso de suas curas se espalhou e acabei tratando pacientes do mundo todo.

Sempre à frente...

Nos últimos 18 anos, muitas vezes estive entre os primeiros na mídia a divulgar estratégias de cura e de como manter-se bem naturalmente a um público maior. A verdade é que seu corpo tem a capacidade inata de cura. Ele foi projetado para buscar a saúde e afastar a doença — desde que você forneça o suporte básico necessário em termos de nutrição, movimento físico, exposição ao sol, etc.

Por exemplo, comecei a falar sobre a importância da vitamina D para a saúde, além do raquitismo, em 2000, e alertei sobre os efeitos adversos de evitar a exposição ao sol por mais de 15 anos. Felizmente, a literatura médica já estabeleceu com segurança que a vitamina D é essencial para a saúde e que ela exerce função importante em dezenas de doenças crônicas.

Quinze anos atrás, também comecei a falar sobre os alimentos geneticamente modificados (GM), alertando as pessoas para evitá-los a fim de proteger a sua saúde.

Agora, o debate público sobre os alimentos GM finalmente veio à tona e esforços coletivos têm levado à votação de iniciativas para rotular os organismos geneticamente modificados (OGMs) em dezenas de estados, com importantes meios de comunicação, como a National Geographic, publicando que esses alimentos são uma perigosa fraude.

A batalha de quase 15 anos contra o mercúrio e o flúor continua

Em 1998, alertei meus leitores para evitar dentistas que ainda usavam amálgamas de mercúrio no seu atendimento, depois de eu mesmo ter aprendido essa lição dolorosa. As amálgamas realmente não têm lugar na odontologia moderna.

É uma prática antiquada e não faz nenhum sentido colocar uma neurotoxina a alguns centímetros do seu cérebro. Conforme mencionado anteriormente, o tratado internacional sobre mercúrio anuncia agora o começo do fim do mercúrio na odontologia.

Também em 1998, comecei a escrever sobre os perigos da aplicação de flúor na água, indicando que o fluoreto é uma droga tóxica que se acumula no seu corpo capaz de destruir enzimas humanas. Desde então, são cada vez mais contundentes as provas contra o flúor como um remédio para cáries dentárias, e a batalha para eliminá-lo dos abastecimentos de água municipais continua.

Nessa questão, estamos trabalhando com a Fluoride Action Network, cuja intenção (e minha também) é eliminar o flúor da água potável não só nos Estados Unidos, mas em todo o mundo.

Como mostram todos esses exemplos, geralmente leva uma década ou mais para reverter esses mitos médicos profundamente enraizados, não importa o quanto eles carecem de base científica. Mas, no final das contas, a verdade tende a prevalecer, e eu acredito que é só uma questão de tempo até que a aplicação de flúor na água seja vista pelo que realmente é — um dos maiores erros públicos de saúde na história dos EUA, em vez de uma das maiores conquistas públicas de saúde do século 20...

No início deste ano, o governo dos Estados Unidos finalmente admitiu que os americanos sofreram superexposição ao flúor, e, pela primeira vez desde 1962, rebaixaram o nível recomendado dessa substância na água potável.

Não é suficiente, mas é um passo na direção certa. Também comecei a trabalhar com uma organização no México que está desenvolvendo um sistema de baixa tecnologia de remoção de flúor que até mesmo as comunidades rurais mais pobres poderão utilizar para deixar sua água potável mais segura.

Alertas precoces, com anos de antecedência

Em 2006, comecei a alertar sobre o adoçante artificial aspartame, convencido de que era um dos aditivos mais perigosos no abastecimento alimentar. Desde então, a literatura médica tem estado repleta de estudos que demonstram seus efeitos prejudiciais. Não só os adoçantes artificiais realmente promovem a obesidade, como também pioram o diabetes, além de apresentar diversos efeitos colaterais.

Fui o primeiro na mídia a emitir um grave alerta contra o Vioxx. Em 1999, divulguei um estudo que mostrava que as pessoas que tomavam esse medicamento tinham um risco imensamente maior de morrer de doenças cardíacas e enfarto, e publiquei essas informações no meu boletim informativo.

Na verdade, fiz o primeiro alerta público sobre o Vioxx enquanto ele ainda estava passando por testes clínicos, um ano antes de ser disponibilizado por prescrição. Previ que o Vioxx seria retirado do mercado assim que finalmente fosse reconhecido o aumento nas doenças cardíacas e, de fato, foi exatamente isso que aconteceu.

Mas não antes da morte de mais de 60.000 pessoas pela ingestão dessa droga devastadora...

Assuma o controle de sua saúde, pela vida!

Incentivo todos que são céticos a avaliar verdadeiramente as evidências e a testar alguns desses princípios de estilo de vida saudável, pois a própria experiência é a prova definitiva para a maioria das pessoas. Funciona ou não.

Você se sente melhor e fica mais saudável ou não. Meu mantra é “Assuma o controle de sua saúde” e minha meta é ensiná-lo como sair do ciclo de remédios, que geralmente tratam apenas os sintomas enquanto pioram sua saúde na realidade.

Os remédios também podem ser letais, e até mesmo quando receitados e administrados matam centenas de milhares de pessoas a cada ano. Minha mensagem é: existem alternativas mais seguras e menos caras capazes de tratar verdadeiramente a causa da sua doença.

Invariavelmente, recuperar a saúde e tratar a doença envolve cuidar da dieta, exercícios e outros fatores de estilo de vida, sendo que a maioria deles custa pouco ou nada.