Magnésio pode ajudar a prevenir fraturas do quadril


Fraturas do quadril

Resumo da matéria -

  • O magnésio na água potável pode ajudar a proteger contra fraturas do quadril
  • O magnésio influencia as atividades dos osteoblastos (células responsáveis pela formação óssea) e dos osteoclastos (células que decompõem o osso)
  • O magnésio também pode ter um papel na prevenção e combate à osteoporose e exerce uma função importante na saúde do coração e muito mais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

O magnésio é um mineral fundamental para a saúde, exercendo uma ampla gama de funções biológicas, inclusive um papel importante na saúde dos ossos. Na verdade, dos 25 gramas de magnésio encontrados em um adulto comum, até 60% disso se encontra nos ossos.

Diversos estudos mostraram que o consumo maior de magnésio está associado a uma maior densidade mineral óssea nos homens e nas mulheres, e pesquisas recentes da Noruega já encontraram uma associação entre o magnésio na água potável e o risco de fraturas do quadril.

Magnésio pode reduzir o risco de fraturas do quadril

A Noruega tem um alto índice de fraturas do quadril, mas os pesquisadores observaram que sua incidência varia conforme a região, sendo que as pessoas que vivem em áreas urbanas têm maior probabilidade de ter fraturas do quadril do que as que moram em áreas rurais. Eles indicaram que isso poderia ser devido aos níveis que variam naturalmente de minerais, como o magnésio na água potável, embora esse não tenha sido o caso.

O que eles realmente encontraram, no entanto, foi que embora as concentrações de magnésio (e cálcio) na água potável fossem baixas em geral, houve uma associação inversa entre a concentração de magnésio e o risco de fratura do quadril tanto nos homens quanto nas mulheres. Os pesquisadores concluíram:

"O magnésio na água potável pode ter um papel protetor contra fraturas do quadril".

A descoberta é importante considerando-se o quanto uma fratura de quadril pode ser debilitadora, principalmente entre os idosos. Um quadril fraturado carrega um grande risco de complicações e geralmente requer tratamento especializado prolongado de recuperação. Estima-se que 25% dos idosos que sofrem de fratura do quadril morrem como consequência direta desse problema.

Magnésio está envolvido na formação e saúde dos ossos

Várias pessoas apresentam deficiência de magnésio, o que pode ter uma grande influência na saúde dos ossos. O magnésio influencia atividades dos osteoblastos (células responsáveis pela formação óssea) e os osteoclastos (células que decompõem o osso).

Acredita-se que o magnésio exerce um papel na prevenção e combate à osteoporose. Segundo o Departamento nacional de suplementos alimentares (National Office of Dietary Supplements):

"O magnésio também afeta as concentrações do hormônio da paratireoide e a forma ativa da vitamina D, que são reguladores importantes da homeostase óssea…

Uma pesquisa revelou que as mulheres com osteoporose têm níveis séricos de magnésio mais baixos do que as mulheres com osteopenia e do que as que não têm osteoporose ou osteopenia. Essas e outras descobertas indicam que a deficiência de magnésio talvez seja um fator de risco para a osteoporose".

Na verdade, um estudo revelou que as mulheres na pós-menopausa com osteoporose conseguiram suprimir a remodelação óssea (o que indica redução da perda óssea) ingerindo apenas 290 mg/dia de magnésio por 30 dias.

Relação cálcio-magnésio: você está tomando muito cálcio?

Nos últimos 30 anos, as mulheres foram aconselhadas a tomar suplementos de cálcio para evitar a osteoporose. Diversos alimentos foram também fortificados com cálcio extra para prevenir a deficiência de cálcio entre a população em geral.

Apesar dessas medidas, a osteoporose continua crescendo e isso se deve, em parte, à relação desequilibrada entre cálcio e magnésio. Segundo Carolyn Dean, médica naturopata:

"Já escutei estatísticas como um aumento de 700% na osteoporose em um período de 10 anos, mesmo durante a ingestão de todo esse cálcio. O mito criado ao redor do cálcio é que precisamos de duas vezes mais cálcio do que magnésio. A maioria dos suplementos reafirma isso. Estamos em uma situação em que as pessoas estão tomando 1.200 a 1.500 miligramas de cálcio e talvez algumas centenas de miligramas de magnésio.

A relação 2:1 foi um erro, um erro de tradução do pesquisador francês Jean Durlach, que disse para jamais ir além de duas partes de cálcio para uma parte de magnésio na sua comida, água ou consumo de suplementos combinados".

Isso foi interpretado de modo equivocado, indicando que a relação 2:1 era uma relação adequada, o que não é verdade. Uma relação mais adequada entre cálcio e magnésio é 1:1. Isso pode não só representar um risco para seus ossos, mas também para seu coração. Se você tem muito cálcio e insuficiente magnésio, seus músculos tendem a entrar em espasmo.

Sendo assim, as quantidades de cálcio em excesso sem o contrapeso do magnésio podem levar a ataques cardíacos e morte súbita. Colocado de forma simples, com as quantidades insuficientes de magnésio, seu coração simplesmente é incapaz de funcionar corretamente.

É preciso balancear o magnésio com as vitaminas K2 e D

Ao equilibrar os níveis de cálcio e magnésio, tenha em mente também que eles devem ser balanceados com as vitaminas K2 e D. Esses quatro nutrientes executam uma dança conjunta, um apoiando o outro. A falta de equilíbrio entre esses nutrientes é o motivo por que os suplementos de cálcio foram associados ao risco maior de ataques cardíacos e derrame cerebral, e a razão por que algumas pessoas sofrem de intoxicação por vitamina D.

Parte da explicação para esses efeitos colaterais adversos é que a vitamina K2 mantém o cálcio no seu local adequado. Se você apresenta deficiência de K2, a adição de cálcio pode causar mais problemas do que soluções através do acúmulo nos locais errados, como tecidos moles.

De modo semelhante, se você opta pela vitamina D oral, é preciso consumi-la nos seus alimentos ou tomar suplemento de vitamina K2 e mais magnésio. O consumo de altíssimas doses de suplementos de vitamina D sem as quantidades suficientes de K2 e magnésio pode levar à intoxicação por vitamina D e sintomas de deficiência de magnésio, inclusive a calcificação inadequada, que pode danificar seu coração.

O magnésio e a vitamina K2 complementam-se entre si, pois o magnésio ajuda a baixar a pressão, um componente importante nas doenças cardíacas. Então, concluindo, sempre que você estiver tomando algum dos seguintes nutrientes: magnésio, cálcio, vitamina D3 ou vitamina K2, é preciso levar todos os outros em consideração também, já que eles trabalham de modo sinérgico um com o outro.

Para que mais serve o magnésio?

Seria equivocado classificar o magnésio simplesmente como um mineral para os ossos ou coração. Os pesquisadores já detectaram 3.751 centros de ligação de magnésio nas proteínas humanas, indicando que sua função na saúde e nas doenças humanas talvez tenha sido amplamente subestimada.

O magnésio também é encontrado em mais de 300 enzimas diferentes no corpo e exerce um papel nos processos de desintoxicação, o que é importante para ajudar a prevenir danos causados por substâncias químicas ambientais, metais pesados e outras toxinas. Até mesmo a glutationa, o mais potente antioxidante do seu corpo que já foi chamado de "antioxidante mestre", exige magnésio para sua síntese.

Uma pesquisa recente também mostrou que o consumo maior de magnésio alimentar esteve associado a um risco menor de tumores colorretais. Até hoje, já foram identificados mais de 100 benefícios do magnésio à saúde, inclusive benefícios terapêuticos para:

Fibromialgia

Fibrilação atrial

Diabetes tipo 2

Tensão pré-menstrual

Doenças cardiovasculares

Enxaqueca

Envelhecimento

Mortalidade

Sintomas da deficiência de magnésio

Se você desconfia que não está ingerindo a quantidade suficiente de magnésio, você deve ficar atento aos sintomas da deficiência. Se você tem uma alimentação fraca, inclusive uma que seja principalmente à base de alimentos processados, isso pode se aplicar a você.

Além disso, se algum dos problemas abaixo se aplicar a você, você deve tomar precauções extras para certificar-se de que esteja obtendo a quantidade suficiente de magnésio na sua alimentação ou, se necessário, de um suplemento de magnésio, para evitar sua deficiência.

Sistema digestivo doente, que atrapalha a capacidade do corpo de absorver magnésio (doença de Crohn, intestino permeável etc.)

Alcoolismo — até 60% dos alcoólatras têm níveis baixos de magnésio no sangue

Rins doentes, que contribuem para a perda excessiva de magnésio na urina

Idade – os adultos mais velhos têm maior probabilidade de apresentarem deficiência de magnésio porque a absorção diminui com a idade e os idosos têm mais chances de tomar remédios que possam interferir na absorção

A diabetes, principalmente se mal controlada, pode causar maior perda de magnésio na urina Determinados medicamentos — diuréticos, antibióticos e remédios usados para tratar o câncer podem resultar em deficiência de magnésio

Em seu livro, The Magnesium Miracle, (O Milagre do Magnésio), a Dra. Dean lista 100 fatores que ajudarão você a saber se tem deficiência ou não. Os primeiros sinais de deficiência de magnésio são perda de apetite, dor de cabeça, náusea, fadiga e fraqueza. A deficiência contínua de magnésio pode provocar sintomas mais graves, tais como:

Dormência e formigamento

Contrações e cãibras musculares

Convulsões

Alterações de personalidade

Arritmia

Espasmos coronários

Quais são as melhores fontes alimentares de magnésio?

Várias pessoas apresentam baixo nível de magnésio. Para garantir que você está obtendo a quantidade suficiente, primeiro é necessário ter certeza de que você está seguindo uma alimentação variada com alimentos integrais, como a que descrevo no meu plano de nutrição (disponível somente em inglês). As verduras folhosas como o espinafre e a acelga são fontes excelentes de magnésio, assim como algumas favas, nozes e sementes, como amêndoas, sementes de abóbora, de girassol e de gergelim.

O abacate também é uma boa fonte. Os sucos de vegetais também são uma excelente opção para garantir a quantidade suficiente na sua alimentação.

Um ponto importante a ser mencionado, entretanto, é que os níveis de magnésio nos alimentos dependem dos níveis de magnésio do solo em que são plantados. Os alimentos orgânicos têm mais magnésio, uma vez que a maioria dos fertilizantes utilizados nas granjas convencionais depende bastante de nitrogênio, fósforo e potássio, em vez de magnésio.

Outro benefício importante em obter os nutrientes de uma alimentação variada e integral é que você tem muito menos probabilidade de acabar com excesso de um nutriente à custa de outros. Os alimentos em geral contêm todos os fatores auxiliares e conutrientes necessários nas quantidades certas para uma saúde ideal, o que elimina as suposições.

Quando você está tomando suplementos, é preciso saber melhor como os nutrientes influenciam e afetam-se de modo sinérgico.

Caso você tenha interesse, outra maneira de melhorar o nível de magnésio é tomar banhos periódicos de banheira ou imersões para pés com sal de Epsom. O sal de Epsom é o sulfato de magnésio que pode ser absorvido pelo seu corpo diretamente através da pele. O óleo de magnésio (do cloreto de magnésio) também pode ser usado para aplicação tópica e absorção.

Os oito tipos de suplementos de magnésio: qual deles é o melhor?

Se você optar por um suplemento de magnésio, esteja ciente de que existem vários tipos diferentes de magnésio. A razão da ampla gama de suplementos de magnésio disponíveis no mercado é porque o magnésio deve ser ligado a outra substância. Não existe um suplemento composto 100% por magnésio (exceto o magnésio de pico iônico).

A substância utilizada em um determinado composto suplementar pode afetar a absorção e a biodisponibilidade do magnésio, além de fornecer benefícios à saúde levemente diferentes ou direcionados. A seguir, encontra-se um guia geral para ajudá-lo a resolver as oito fórmulas diferentes que você pode vir a encontrar:

Glicinato de magnésio é uma forma quelada de magnésio que tende a oferecer os níveis mais altos de absorção e biodisponibilidade e é geralmente considerado o ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência

Treonato de magnésio é um tipo mais novo e emergente de suplemento de magnésio que parece ser promissor, principalmente devido à sua maior capacidade de penetrar na membrana mitocondrial

Cloreto de magnésio/lactato de magnésio contêm somente 12% de magnésio, mas têm melhor absorção do que outros, como o óxido de magnésio, que contém cinco vezes mais magnésio

Sulfato de magnésio/hidróxido de magnésio (leite de magnésia) são geralmente usados como laxantes. Tome cuidado pois é fácil consumir doses em excesso, portanto use SOMENTE conforme orientado

Carbonato de magnésio, com propriedades antiácidas,contém 45% de magnésio Taurato de magnésio contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido. Juntos, eles tendem a oferecer um efeito calmante sobre o corpo e a mente
Citrato de magnésio é magnésio com ácido cítrico, que contém propriedades laxantes Óxido de magnésio é um tipo não quelado de magnésio, ligado ao oxigênio de carga negativa (óxido). Ele contém 60% de magnésio e possui propriedades que amolecem as fezes