Síndrome do Derrame de Salão de Beleza


Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Em 2013, Elizabeth Williams, uma mãe de dois filhos na Califórnia, fez algo que você provavelmente já fez muitas vezes sozinha: visitou um salão de beleza para um corte de cabelo e lavagem rotineiros. Vários dias depois, ela começou a experimentar sintomas estranhos indicativos de um derrame, incluindo fraqueza em seu lado esquerdo do corpo.

Os médicos finalmente a diagnosticaram com uma doença relativamente rara chamada dissecção da artéria vertebral da hiperextensão do pescoço, também conhecida como síndrome do derrame de salão de beleza.

O ato de estender seu pescoço sobre a borda de um lavador de cabelo foi considerado o culpado, embora não esteja claro se a doença resultou apenas de uma torção no pescoço ou de uma combinação disso com um determinado movimento na cabeça feito pelo cabeleireiro.

Smith, que posteriormente entrou com uma ação judicial contra o salão, realizou uma sondagem informal dos cabeleireiros de seus amigos e descobriu que 80 por cento deles estavam familiarizados com a possibilidade de que você poderia ter um derrame enquanto tem seu cabelo lavado.

O Que Causa a Síndrome do Derrame de Salão de Beleza?

Quando o pescoço é hiperestendido sobre a borda de um lavador de cabelo, a pressão e / ou movimentos semelhantes a chicotadas no seu pescoço podem levar a um rompimento da artéria vertebral, que fornece sangue para o seu cérebro. O Dr. Steven R. Zeiler, chefe de pesquisa de acidente vascular cerebral no Hospital Johns Hopkins, disse ao BuzzFeed:

“Quando uma dessas artérias cervicais é danificada de alguma forma, você pode obter o que é chamado de dissecção, que é o dano no interior do vaso sanguíneo, levando ao fluxo anormal e à coagulação e, em seguida, esses coágulos podem mover-se para cima em direção ao cérebro e causar um derrame .”

Ter seu cabelo lavado não é o único ato que pode causar isso - longe disso - embora seja muito raro, mesmo quando todas as causas potenciais são consideradas.

Em uma conversa com o Atlantic, o Dr. Richard Bernstein, diretor médico do Comprehensive Stroke Center no Northwestern Memorial Hospital em Chicago, explicou que o fenômeno pode ocorrer devido ao alongamento inocente, espirros ou até mesmo sair da cama de forma errada de manhã, observando que, "É tão raro que é uma perda de tempo se preocupar com isso. É tão improvável, e não há realmente nada que você possa fazer para evitar isso”.

Outros Casos Confirmados da Síndrome do Derrame de Salão de Beleza

A síndrome do derrame de salão de beleza não é inédita na literatura médica, e alguns estudos até discordam da suposta raridade do fenômeno.

No International Journal of Stroke, por exemplo, um estudo de 2016 constatou que os eventos cerebrovasculares isquêmicos (HICE) relacionados aos cabeleireiros “ocorrem frequentemente em mulheres sem predileção pela circulação posterior”.

Os pesquisadores observaram que, embora alguns casos possam ocorrer por acaso, em outros casos as idas ao cabeleireiro podem ter um papel causal.

Um estudo de caso de 2006 também relatou o caso de uma mulher de 63 anos de idade que desenvolveu tonturas repentinas, náuseas e vômitos ao ter seu cabelo lavado com xampu em um salão de beleza. Ela foi diagnosticada com a síndrome do derrame de salão de beleza com os pesquisadores observando que:

“Em conjunto, a hiperextensão combinada com pendurar a cabeça para trás em uma pia para lavar cabelo pode ser vista como um fator de risco para a isquemia de circulação posterior. Provavelmente ocorre mais frequentemente do que se tem conhecimento...”

Caso em questão: Em dezembro de 2016 um homem do Reino Unido ganhou de um acordo mais de US $ 100.000 de um salão de beleza depois de sofrer um derrame dois dias depois de ter tido seu cabelo lavado. O Daily Mail também reportou sobre outra mulher britânica que sofreu um derrame em 2000 depois de ter tido seu cabelo lavado em um salão.

Suporte Cervical Reduziu Tonturas e Outros Sintomas Durante a Lavagem do Cabelo

Outro estudo, publicado em 2002, examinou os sintomas da síndrome do derrame de salão de beleza entre os 25 voluntários que haviam relatado previamente tonturas durante a lavagem de cabelo no salão.

Entre esta população, vertigem forte, dor no pescoço e fluxo de sangue da carótida foram relatados enquanto estendiam seus pescoços sobre uma lavatório de salão, mas os sintomas foram significativamente reduzidos quando um suporte cervical adicional foi usado.

Indivíduos com um histórico de tais sintomas devem provavelmente ter cautela ao decidir se querem receber uma lavagem de cabelo no salão", concluíram os pesquisadores.

Ainda outro estudo em 2000 ligou a posição hiperestendida do pescoço durante lavagem de cabelo no salão com a insuficiência vascular cerebelar e recomendou que "a educação pública deve levar a se evitar esta posição durante a lavagem de cabelo com xampu em salões de beleza”.

Embora o risco de ser machucado durante uma lavagem de cabelo com xampu geralmente seja mínimo, se você tiver experimentado vertigem ou outros sintomas ao ter seu cabelo lavado previamente, você deve renunciar a esse risco e ao invés disso lavar seus cabelos em casa.

No mínimo, alguns sugeriram que adicionar uma camada grossa de toalhas para apoiar o pescoço e reduzir a hiperextensão pode ajudar.

Existem Riscos em Fazer as Suas Unhas?

Lavar o cabelo não é o único risco em potencial no salão de beleza, especialmente se você planeja fazer suas unhas. Os serviços de manicure são um negócio grande nos Estados Unidos, somando $ 8.54 bilhões nos gastos em 2014.

Os gases liberados pelos produtos para as unhas  (e outros produtos de cuidado estéticos) são uma preocupação, particularmente para os trabalhadores do salão de beleza; entretanto, os próprios tratamentos de unha podem também causar dano ou infecção a suas unhas.

Escrevendo para o Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology, os pesquisadores identificaram doenças de unha que são induzidas por cosméticos para unhas através de procedimentos destinados a embelezar as unhas. Paradoxalmente, muitos podem levar à aparência ruim das unhas e outros riscos.

“Os riscos conhecidos das manicures tradicionais incluem infecções relacionadas a procedimentos (bacterianas, fúngicas, micobacterianas e virais, incluindo o vírus do papiloma humano e o vírus do herpes simples).

Instrumentos esterilizados inadequadamente, tais como cortadores de unha, lâminas, lixas, furadeiras elétricas de unhas e banhos de pés, podem abrigar e promover o crescimento de micro-organismos.

Micro e macrotraumas podem ser induzidos através da limpeza, lixamento e corte das cutículas, permitindo assim a infiltração de micro-organismos.

Materiais, tais como esmaltes e fortalecedores de unhas, contêm certos produtos químicos que podem servir como sensibilizadores de contato quando acidentalmente aplicados na pele periungueal [pele ao redor da unha].

Os produtos químicos, incluindo os acrilatos, formaldeído e resina tolueno sulfonamida-formaldeído, podem levar à dermatite de contato e paroníquia crônica [um distúrbio inflamatório da pele ao redor da unha]. Primers e removedores de esmalte, que são em grande parte solventes, podem ressecar as unhas e contribuir para a fragilidade.”

As doenças menos comuns que podem ser causadas por uma ida a manicure incluem:

  • Infecção micobacteriana, que pode ocorrer particularmente a partir de banhos de pé feitos na manicure usando equipamentos que não são devidamente esterilizados ou mantidos com trocas regulares do filtro.
  • Neuropatia periférica, um tipo de lesão nervosa que é uma complicação rara das unhas acrílicas, possivelmente devido a metacrilatos  que são às vezes utilizados em produtos de unhas artificiais.
  • Afinamento das unhas, fraqueza, fragilidade, pseudoleuconíquia (manchas brancas) e onicosquizia lamelar (quebra das unhas), que podem ocorrer devido à remoção do gel.
  • Unhas desgastadas ou com preenchimento excessivo, que são causadas pelo trauma mecânico que ocorre quando os as unhas de acrílico são removidas.
  • A onicólise traumática, a separação da placa ungueal da base, é muito comum em pessoas com unhas de acrílico.

É causada pela inserção de objetos finos afiados para limpar sob as unhas. De acordo com o estudo, "estas pacientes geralmente usam unhas muito longas, e a adesão da unha de acrílico à placa ungueal é mais forte do que a adesão da placa da unha à base da unha”.

O Que Mais Pode Causar a Dissecção da Artéria Vertebral por Hiperextensão do Pescoço?

Como mencionado, ter seu cabelo lavado é somente um fator de precipitação. O Dr. Wouter I. Schievink do Instituto Neurológico Cedars-Sinai em Los Angeles sugeriu que a cada ano cerca de 1 a 1,5 a cada 100.000 pessoas podem sofrer de dissecção espontânea da artéria vertebral causada pela hiperextensão do pescoço e isso pode representar até um quarto dos acidentes vasculares cerebrais não hemorrágicos em adultos jovens e de meia-idade.

Além de ter seu cabelo lavado em um salão de beleza, outras causas possíveis incluem a manipulação quiroprática da espinha, levantar objetos pesados ou até mesmo beber uma dose de álcool (que é conhecido de acordo com The New York Times como "dissecção de talagada").

No caso da manipulação quiroprática, considera-se que até um quarto das pessoas que sofrem uma dissecção arterial podem ter um distúrbio subjacente ou defeito que os deixa predispostos à dissecção, e a dor relacionada pode ser o que os leva inicialmente a procurar um acompanhamento quiroprático. O Times continua:

“Um nadador campeão desenvolveu uma dissecção de carótida ao fazer o nado de costas em excesso. O Dr. Schievink também lista os eventos precipitantes associados à hiperextensão do pescoço, incluindo "praticar ioga, pintar um teto, tossir, vomitar e espirrar", bem como procedimentos médicos como receber uma anestesia ou ser ressuscitado e causas traumáticas como acidentes com veículos motorizados ou lesões esportivas.

… Também pode haver um fator infeccioso em alguns casos, uma vez que a ocorrência das dissecções da artéria carótida e vertebral sem causa aparente têm picos no outono, quando as infecções respiratórias são mais comuns.”

Um artigo do Journal of Korean Neurosurgical Society, sugeriu que muitos eventos associados com hiperextensão ou rotação do pescoço podem resultar na dissecção da artéria. "Esses movimentos do pescoço, particularmente quando são repentinos, podem ferir a artéria como resultado de um alongamento mecânico", notaram os pesquisadores. Os sintomas da dissecção arterial dependem de qual artéria é afetada e podem incluir os seguintes:

Dor em um lado da cabeça, rosto ou pescoço

Paralisia de um olho

Dor de cabeça constante em um lado da sua cabeça

Dor atrás de um olho

Diminuição do paladar

Zumbido

Perda visual

Perda temporária de consciência

Você Deve Evitar Que Seu Cabelo Seja Lavado no Salão?

Há muitas causas potenciais para as dissecções arteriais, por isso você não deve taxar lavar seu cabelo em um salão como um risco particularmente grave. Dito isto, se você sentir algum desconforto ou tontura quando estiver em uma posição que exija a extensão do seu pescoço ou em uma posição olhando para cima por um longo período de tempo, você deve levar isso a sério, mudar a posição e procurar acompanhamento médico se os sintomas persistirem.

Se você estiver preocupado, fale com seu cabeleireiro e peça por um suporte de pescoço extra durante a lavagem. Idealmente, a cadeira e o suporte para o pescoço devem ser ajustáveis para que você possa evitar hiperestender seu pescoço. Você também pode evitar o processo inteiramente e lavar o cabelo em casa.

Em última análise, o risco de sofrer da síndrome do derrame de salão de beleza é pequeno, mas acontece.