O Que Há Em Um Beijo? Mais do que Você Perceber…

Beijo

Resumo da matéria -

  • O beijo como indicação de um vínculo pode ter começado com uma “alimentação por beijos” - trocando alimentos pré-mastigados de uma boca para outra.
  • O vínculo emocional pode estar inicialmente ligado ao reconhecimento facial precoce de uma mãe durante a amamentação, não apenas como fonte de alimento, mas como uma fonte de segurança e bem-estar.
  • O desmame conduzido pelo bebê (Baby-led weaning - BLW) afeta o risco de obesidade para a criança, o desenvolvimento do maxilar, coordenação mão-olho e possivelmente futuros vínculos de relacionamento.
  • Testes clínicos iniciais feitos com macacos bebês, patinhos e filhotes não só foram controversos, como também forneceram informações sobre a incerteza quanto à forma como os humanos formam vínculos.
  • Beijar também podem significar sentimentos de respeito e confiança, bem como de atração sexual levando a possíveis comportamentos reprodutivos.
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Na vida média, a maioria das pessoas gasta 20.160 minutos beijando. Um beijo apaixonado pode queimar até cinco calorias por minuto.

O beijo mais longo, gravado na Tailândia em fevereiro de 2013 pelo Guinness World Records, durou 58 horas, 35 minutos e 58 segundos. Mas esses factoides de filanatologia realmente não explicam por que as pessoas beijam.

O beijo não só faz você se sentir bem, também é bom para você. Ele alivia o estresse e libera epinefrina no seu sangue, fazendo com que ele seja bombeado mais rapidamente, o que sinaliza uma redução do colesterol LDL.

Mas embora “trocar saliva” na cultura atual denote mais frequentemente atração sexual, há mais do que somente isso atuando:

“As membranas mucosas dentro da boca são permeáveis aos hormônios como a testosterona.

Através do beijo de boca aberta, homens introduziram testosterona na boca de uma mulher ‘que’ é absorvida através das membranas mucosas... e aumenta a excitação e a probabilidade que ela se envolva em comportamento reprodutivo.”

Mas por conta de algumas culturas não incluírem o beijo em seus rituais de acasalamento, é possível que o primeiro beijo tenha sido dado por uma mãe em seu filho em vez de ter sido compartilhado por um casal.

Os psicólogos conjecturaram que a alimentação por beijos - a troca de alimentos pré-mastigados de uma boca para outra era como os bebês recebiam os nutrientes necessários para crescerem fortes e saudáveis (pois estes nem sempre estão disponíveis no leite materno). Isso inicia o processo de digestão e torna as vitaminas como a B-12 mais facilmente absorvíveis.

Foi lançado recentemente no blog da atriz Alicia Silverstone um vídeo dela alimentando com beijos seu filho, que ela apelidou de Bear (urso em inglês), oferecendo uma pista em relação ao significado do contato boca a boca da perspectiva de uma criança:

“Acabei de tomar um delicioso café da manhã de sopa miso, couve e rabanete cozido no vapor, regado com óleo de linho, mochi de ferro com Nori e daikon ralado. Que gostoso! Eu alimentei o Bear com mochi e com alguns legumes da sopa da minha boca para a dele. É o seu favorito... e o meu.

Ele literalmente engatinha através da sala para atacar minha boca se estiver comendo.”  

Como o Abraço, a Amamentação e o Desmame Natural Relacionam-se com a Saúde Emocional dos Bebês

Há uma escola de pensamento que afirma que o abraço, o vínculo visual e a ligação emocional que ocorre entre mãe e filho durante a amamentação e/ou beijo-alimentação ajuda a criança a estabelecer atitudes saudáveis em relação ao alimento mais tarde na vida.

Diz-se que o subsequente desmame conduzido pelo bebê (Baby-Led Weaning -BLW), que inclui pré-mastigar alimentos integrais regulares em vez de servir alimentos processados para bebês e alimentá-los com uma colher:

  • Melhora o prazer da refeição
  • Ajuda a reduzir o risco de obesidade da criança
  • Promove o desenvolvimento natural do maxilar
  • Melhora a coordenação olho-mão e destreza

Mas também se diz que isso ajuda as crianças a desenvolver confiança e segurança em seus relacionamentos futuros. Claro, com o que você alimenta seu bebê após a amamentação também é crucial. Fazer essa mudança da amamentação sob demanda até ir introduzindo progressivamente alimentos regulares é o que os humanos se adaptaram para fazer.

De acordo com o Dr. Kevin Boyd, estudos antropológicos o levaram a determinar que a saúde dental das crianças depende muito dessa transição, bem como a ausência de carboidratos e açúcar em suas dietas.

Curiosamente, os bebês com até quatro meses de idade só podem se concentrar em objetos que estão de oito a dez centímetros de seus rostos - aproximadamente a mesma distância entre os bebês e o rosto de sua mãe ao amamentar - sugerindo que o reconhecimento facial é o começo do vínculo emocional, não só do físico.

O fenômeno da pareidolia - enxergar rostos em flores e formações de nuvens - pode reforçar a possibilidade de que a busca por apego emocional possa ser um dos instintos mais elementares da humanidade.

Testes Científicos Feitos com Animais Mostram Como os Macacos Bebês se Vinculam a Outra “Mãe”

Na década de 1950, o Dr. Harry Harlow conduziu experimentos sobre o vínculo na Universidade de Wisconsin, que hoje, sem dúvida, seriam considerados cruéis. Harlow separou os macacos jovens de suas mães logo após seus nascimentos e os colocou em gaiolas com duas mães “falsas”.

Uma era uma boneca imóvel feita de pano macio, enquanto a segunda “mãe” mecânica era feita de fios frios e inflexíveis que, no entanto, forneciam comida. Os macacos jovens foram confrontados com um engenho assustador e ameaçador. Mas ao invés de correr para a fonte de comida mecânica, eles invariavelmente correram para as suas mães macias e fofinhas, mostrando que para eles o conforto era mais importante do que comida. 

Harlow também criou uma “mãe” que rejeitava usando um jato de ar pressurizado para empurrar os macacos bebê para longe. Mas eles se apegaram ainda mais fortemente a essas figuras maternais. Os cientistas observaram que a “rejeição” na verdade fortalecia a determinação dos macacos bebês de manter-se lá, e essencialmente, de vincular-se.

Na década de 1960, experiências semelhantes conduzidas pelo Dr. Eckhard Hess na Universidade de Chicago envolveram choques elétricos para evitar que os patinhos se ligassem às figuras às quais eles se apegaram. Mas isso só fortaleceu o comportamento dos patinhos e os fez seguir ainda mais perto.

Experimentos feitos por A.E. Fisher em filhotes de cachorro em 1955 os dividiu em três grupos. O primeiro foi tratado gentilmente, enquanto o segundo grupo foi tratado com dureza e punido quando se aproximava dos pesquisadores. O terceiro grupo experimentou bondade aleatória misturada com punição, então eles nunca sabiam o que esperar.

Mas o terceiro grupo de cachorros formou o vínculo mais forte aos pesquisadores. Guy Murchie chamou isso de princípio de polaridade, que estabelece que o estresse da incerteza é um dos fatores mais fortes que afetam o vínculo, o amor e a dependência.

A Natureza Paradoxal do Vínculo... O que Não o Conforta Pode Torná-lo Mais Forte

Esses testes clínicos apresentam um paradoxo, que podem ser valiosos professores na psique humana. Assim como os macacos bebês, patinhos e filhotes de cachorro, a incerteza pode afetar os vínculos e os comportamentos mais profundos - incluindo quem e como você beija.

Mas o que acontece quando o vínculo precoce foi “duvidoso”, se não totalmente ausente, ou quando vínculos ou relacionamentos posteriores deixam você se sentido negligenciado ou mesmo abandonado?

Este é apenas um tipo de estresse que você pode tratar usando as Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Technique - EFT), que podem ajudá-lo a eliminar as “cicatrizes” emocionais, reduzir o impacto emocional das memórias que desencadeiam distúrbios emocionais e reprogramar a resposta do seu corpo aos estressores emocionais.

As EFT, juntamente com comer bem, dormir adequadamente e se exercitar regularmente, pode ajudar a restaurar seus meridianos de energia, bem como seu equilíbrio mente/corpo - quer você gaste ou não 20.160 minutos da sua vida beijando.