Sete Alimentos para um Sexo Melhor

Tamanho da fonte:
Alimentos para um Sexo Melhor

Por Dr. Mercola

Por milhares de anos, a humanidade procurou alimentos para melhorar o desejo e o desempenho sexual.

A palavra “afrodisíaco” tem suas raízes na mitologia grega, baseada em Afrodite, a deusa grega do amor que se diz ter surgido do mar em cima de uma ostra.

Dado esse visual dramático, não é muito surpreendente que o bivalve sobre o qual a deusa do amor estava empoleirada seja geralmente considerado como o afrodisíaco mais antigo do mundo.

Foi relatado que Casanova consumia mais de uma dúzia de ostras por dia para manter sua energia sexual no máximo.

As ostras são ricas em zinco. O zinco é importante para a produção de esperma e testosterona, desempenhando um papel na libido tanto nos homens quanto nas mulheres. Então, é compreensível, do ponto de vista científico, que as ostras sejam boas para o seu desejo sexual.

Uma variedade de produtos comestíveis foram registrados através das eras como “alimentos com benefícios”, incluindo cenouras, espargos, anis, noz-moscada e cravo, rúcula, manjericão, pimenta, mostarda, urtigas, erva-doce, pistache e até caracóis, para citar alguns.

Mas algum desses alimentos REALMENTE ajuda?

Afrodisíacos do Mundo Antigo - Alguns são Muito Divertidos

Apesar de milhares de anos de interesse literário e anedótico em alimentos que aumentam a libido, os estudos científicos reais são bastante escassos e a maioria dos estudos até o momento concentram-se em remédios e hormônios, ao invés de em alimentos com supostas propriedades afrodisíacas.

Apesar deste fato, a história humana está repleta de folclore sobre alimentos que podem dar a você esse incentivo sexual.

Os afrodisíacos foram procurados primeiro como remédios para várias ansiedades sexuais e para o aumento da fertilidade, uma vez que a procriação tem historicamente um importante significado moral e religioso. Uma das principais questões nas primeiras épocas era a nutrição.

O alimento estava menos disponível do que atualmente, e a má nutrição geralmente resultava na diminuição da libido e na infertilidade.

Mas algumas das primeiras teorias são um pouco estranhas, embora divertidas.

Na Europa, o médico romano Galeno (129 d.C.– 200 d.C.) escreveu amplamente sobre alimentos sexualmente estimulantes, chamando esses alimentos de “quentes e úmidos” e também “ventosos”, ou produtores de flatulências. Ele pensava que o “vento” era necessário para inflar o pênis, causando uma ereção, portanto qualquer coisa que o tornasse flatulento também colocaria vento na sua pipa, por assim dizer.

Galeno não era o único com sexo na sua mente:

  • São Tomás de Aquino escreveu que os alimentos afrodisíacos tinham que produzir boa nutrição e um “espírito vital”, atribuindo esses traços à carne e ao vinho.
  • Entre 40 e 90 E.C., Dioscórides (considerado o fundador da farmacologia) escreveu sobre sátiro, uma espécie de orquídea selvagem que ele acreditava ser um poderoso afrodisíaco.
  • Outros alegaram que uma planta de floresta selvagem chamada Stafylinos fez mágica por seus desejos sexuais, ficando tão popular que deu origem a uma bebida chamada de “poção sexual”.
  • O imperador chinês Huang Ti, autor do século III do Manual do Sexo, consumiu regularmente uma mistura de 22 ervas misturadas com vinho e foi registrado como sendo um dos maiores amantes de toda a história.

Nem todos os supostos afrodisíacos eram tão esotéricos, no entanto.

No antigo Egito, o mel foi usado para fazer poções que se dizia ser capazes de curar esterilidade e impotência. O hidromel, uma bebida fermentada feita de mel, era consumida por recém-casados que acreditavam que bebê-la iria “adoçar seu casamento”. O mel é rico em várias vitaminas do complexo B, necessárias para a testosterona, e boro, que é importante na produção de estrogênio e testosterona.

As batatas, doces e brancas, já foram consideradas afrodisíacas na Europa, provavelmente porque eram uma iguaria rara quando foram trazidas das Américas.

Mas aqui algumas das crenças mais estranhas sobre afrodisíacos:

  • De acordo com a WebMD, dizia-se que Afrodite considerava os pardais como sendo sagrados e especialmente lascivos, então os antigos europeus consumiam pardais - particularmente seus cérebros - como afrodisíacos.
  • Um tipo de lagarto chamado scincidae foi considerado durante séculos como sendo capaz de melhorar a destreza sexual, uma alegação feita por três autores notáveis da época.
  • O âmbar-gris, derivado de intestinos de baleia, foi considerado como tendo propriedades afrodisíacas, o que na verdade tem algum suporte em estudos com animais. Identificou-se que o âmbar-gris aumenta o nível de testosterona no sangue.

Você já Notou que Alguns Alimentos Lembram a Genitália Humana?

Alguns alimentos foram considerados afrodisíacos simplesmente por causa de sua semelhança física com os órgãos reprodutores humanos.

Por exemplo, a raiz de mandrágora foi consumida para aumentar o desejo e a fertilidade porque a raiz bifurcada supostamente assemelhava-se às coxas de uma mulher. Dizia-se até mesmo que ostras e moluscos assemelhavam-se à genitália feminina.

As semelhanças entre as formas de alimentos e os órgãos reprodutivos humanos são discutidas pela Encyclopedia Britannica como forma de entender as crenças antigas:

“Foi-se sugerido que a atribuição universal dos efeitos libidinosos dados a certos alimentos originou-se na antiga crença da eficácia terapêutica das assinaturas: se um objeto lembrava a genitália, ele possuía, seguindo a crença da época, poderes sexuais. Daí os lendários poderes afrodisíacos de raiz de ginseng e chifre de rinoceronte em pó. ”

E se você pensar sobre isso, muitos dos alimentos afrodisíacos relatados REALMENTE lembram os órgãos reprodutivos humanos! Por exemplo, os médicos geralmente referem-se aos ovários como “em forma de amêndoa”. E, as frutas cítricas podem ser descritas como tendo uma forma muito redonda, “semelhante a seios”. Abacates e figos parecem um pouco com o útero humano.

E, coincidentemente, você sabia que um abacate precisa de cerca de nove meses para ir da flor ao fruto?

Se você pensar sobre isso, muitos alimentos realmente lembram as partes do corpo para as quais elas são boas. Obviamente, muitas pessoas já pensaram nisso, como você pode ver pelos numerosos artigos sobre o tema.

Independentemente de você acreditar ou não que um alimento pode aumentar seu desejo sexual, sua sexualidade está conectada à sua longevidade. E um relacionamento sexual saudável é uma parte importante de qualquer parceria romântica de longo prazo.

Agora, antes que você esteja tentado a colocar o seu melhor álbum de Kenny G e sentar-se com seu parceiro para provar um prato de carne de scincidae e cérebro de pardal, você deve conferir esta lista de superalimentos que o crudívoro David Wolfe promove como seus “cinco melhores” potenciadores da libido — como uma alternativa mais palatável.

Sete Alimentos para ter um Sexo Melhor

A Health.com lista alguns dos ingredientes alimentares que não são apenas historicamente considerados afrodisíacos, mas que tem o apoio da ciência moderna em relação a essas afirmações:

Abacates: Os abacates são ricos em gorduras saudáveis para o coração, e qualquer coisa que mantenha seu coração batendo forte ajuda a manter o sangue fluindo para os lugares certos.

Amêndoas: As amêndoas são repletas de nutrientes e ricas em sais minerais que são importantes para a saúde e reprodução sexual, como o zinco, o selênio e a vitamina E.

Morangos: As morangos são uma excelente fonte de ácido fólico, uma vitamina do complexo B que ajuda a prevenir defeitos congênitos e também pode estar ligada a uma contagem de espermatozoides mais alta.

Frutos do mar: As ostras são uma das melhores fontes de zinco e peixes oleosos como salmão selvagem e arenque contêm gorduras ômega-3 saudáveis para o coração.

Rúcula: A rúcula contém minerais traço e antioxidantes que bloqueiam a absorção de contaminantes ambientais que se considera que têm um impacto negativo na sua libido.

Figos: Os figos contêm fibras, que são importantes para a saúde do coração.

Cítricos: Qualquer cítrico é rico em antioxidantes, vitamina C e ácido fólico, todos essenciais para a saúde reprodutiva dos homens.

Escolhas de Estilo de Vida que Podem Melhorar ou Danificar sua Vida Sexual

Se você fez sua lição de casa, descobrirá que está se tornando cada vez mais evidente que a disfunção erétil (DE) é apenas um sintoma de um estilo de vida não saudável, e nenhuma quantidade de remédios poderá curar isso.

Se você está enfrentando problemas com a ereção, é muito provável que seus sintomas melhorem ou desapareçam completamente se você simplesmente implementar o seguinte:

Siga uma dieta adequada e limite severamente a sua ingestão de açúcar, o que irá normalizar sua insulina

Otimize seu nível de vitamina D

Faça atividades físicas adequadas regularmente

Obtenha muito sono restaurador

Evite medicamentos, muitos dos quais podem causar ou exacerbar a impotência

Evite fumar e beber excessivamente

Trate o seu nível de estresse; minha ferramenta favorita para isso são as Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Techniques - EFT)

Se você já está seguindo as sugestões acima, mas continua a ter dificuldades com ereção ou libido, existem alguns suplementos que você pode achar útil.

Formas Suplementares de Melhorar a Função Sexual

Todos sabemos que remédios como o Viagra são usados para a disfunção erétil. Eles funcionam aumentando sua produção de óxido nítrico, que relaxa os vasos sanguíneos, o que, por sua vez, aumenta o fluxo sanguíneo para o pênis.

No entanto, o preço que você paga por esses medicamentos contra DE é uma série de efeitos colaterais potencialmente perigosos - incluindo doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e esterilidade – doenças que claramente não o levarão a ter uma vida longa, saudável e cheia de romance.

Mas há agentes naturais cientificamente comprovados eficazes contra a DE quando usados sozinhos ou em várias combinações, e eles são muito mais seguros que os remédios.

Entre os vários que merecem destaque estão:

  • Panax ginseng
  • Raiz de maca (Lepidium meyenii), uma planta medicinal do Peru
  • L-arginina
  • Ioimbina, um alcaloide da planta de Yohimbe
  • Colina e vitamina B5

Uma pesquisa demonstrou que a doença arterial coronária está por trás de algumas formas de disfunção erétil. Na verdade, 75 por cento dos homens com doença cardíaca têm problemas com ereções. A l-arginina aumenta a ação do óxido nítrico - semelhante a remédios como o Viagra, mas SEM os efeitos colaterais potencialmente perigosos.

Estudos científicos mostraram que a l-arginina pode ser particularmente eficaz quando usada em combinação com outros dois agentes naturais:

  1. L-arginina e ioimbina foram consideradas aumentadoras da excitação sexual em um estudo de 2002 em mulheres pós-menopáusicas com transtorno de excitação sexual.
  2. L-arginina e picnogenol resultaram em melhora significativa na função sexual em homens com DE, de acordo com este estudo de 2003.

Em termos de dosagem, um estudo piloto publicado na revista European Urology revelou que 6 gramas de l-arginina combinadas com 6 mg de ioimbina teve sucesso no tratamento de homens com DE.

O panax ginseng e a raiz da Maca têm sido utilizados há séculos como potenciadores da libido. O aminoácido l-arginina pode ser útil, especialmente se a sua DE estiver relacionada a doenças cardiovasculares, pelo seguinte motivo.

Por fim, a combinação de colina (1.000-3.000 mg) e vitamina B5 (500-1.500 mg) ajudam a construir acetilcolina (ACH), que é um dos neurotransmissores do seu cérebro responsável pela transmissão de mensagens sexuais.

Se você escolheu usar colina, eu recomendaria fontes de lecitina de girassol em vez de lecitina de soja. Por favor, entenda que não há “poção mágica” para tratar a função sexual. Mas esperemos que essa análise geral tenha dado a você algo para refletir sobre o uso de alimentos para o sexo.

+ Recursos e Referências