Pílulas Anticoncepcionais: A “Conveniência que Causa Câncer” que Todas as Mulheres Deveriam Evitar

Tamanho da fonte:
Pílulas anticoncepcionais

Estudos feitos em seres humanos e animais demonstraram que um grupo de genes chamado complexo principal de histocompatibilidade (MHC) pode influenciar no odor.

Em geral, as fêmeas preferem o odor de parceiros com um MHC diferente — mas esse efeito é revertido em mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais orais.

Um estudo descobriu que as mulheres solteiras preferiam o odor de homens com MHC semelhante, mas as mulheres em um relacionamento preferiam o oposto. Isso significa que o uso de pílulas anticoncepcionais pode influenciar a preferência de parceiro.

De acordo com FYI Living:

“As mulheres que tomam pílulas preferiam homens com genes MHC semelhantes. Estudos indicam que ‘as mulheres consideram o domínio olfativo um fator importante na avaliação de parceiros em potencial’. Assim, devido a sérias alterações na preferência de odores, o uso de pílulas orais pode influenciar na escolha do parceiro.”

Por Dr. Mercola

Isso é algo que a maioria das pessoas raramente consideraria, mas, de acordo com os pesquisadores, as mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais podem inadvertidamente ser enganadas para selecionar parceiros em longo prazo menos compatíveis do que as mulheres que não tomam essa pílula.

Se isso é ou não uma preocupação real para a maioria é algo discutível, mas as pílulas anticoncepcionais também podem causar estragos na sua vida de maneiras mais diretas, que eu vou analisar logo mais.

Como a Pílula Anticoncepcional Pode Influenciar na Escolha do Parceiro de uma Mulher

É um fato bastante conhecido que o odor desempenha um papel importante ao se selecionar um parceiro. Isso inclui odores que você não pode detectar conscientemente, como feromônios (há alguns anos, os pesquisadores descobriram que um nervo olfativo específico, chamado de “Nervo O”, parece ser a rota pela qual os feromônios são processados.

O nervo “O” tem terminações na cavidade nasal, mas as fibras vão diretamente para as regiões sexuais do cérebro. Como o Nervo O contorna o córtex olfativo, ele não registra um odor de forma consciente, mas identifica sinais sexuais químicos.).

Os seres humanos, como os animais, também têm preferências de odor associadas ao complexo principal de histocompatibilidade (MHC) que influencia na escolha de parceiros. Pesquisadores descobriram que as mulheres, em geral, preferem o odor corporal de homens com MHC diferente.

Acredita-se que isso possa ser parte de um processo de seleção natural para prevenir e controlar a endogamia genética. Quando os parceiros têm um MHC semelhante, suas chances de sucesso de reprodução diminuem.

No entanto, quando uma mulher toma a pílula, suas preferências de odor mudam. A pílula basicamente imita a gravidez e, quando a mulher está grávida, ela tende a preferir o cheiro de homens com MHC semelhante ao seu — talvez como um sinal biológico para buscar e relacionar-se com membros da família em vez de parceiros em potencial.

O que isto significa é que quando você está tomando um contraceptivo hormonal, você interfere em sua biologia e corre o risco de produzir um desequilíbrio hormonal que pode torná-la mais atraída por homens com composição química similar.

Se você estava tomando a pílula quando conheceu seu cônjuge, pode, portanto, sentir-se menos atraída por ele quando parar de tomá-la — ou pior, pode ter mais dificuldade para engravidar. Não será necessário dizer que qualquer um desses cenários poderia causar problemas dentro do relacionamento…

No entanto, há outro problema que pode ser de importância ainda maior, e que são os efeitos sobre a saúde que as pílulas anticoncepcionais têm sobre o corpo feminino.

Controlar artificialmente seu ciclo menstrual com hormônios sintéticos pode certamente parecer ser um método ideal de controle de natalidade altamente eficaz, relativamente barato e facilmente reversível.

E pílulas anticoncepcionais são uma maneira conveniente de prevenir a gravidez… mas é aí que os benefícios acabam. As pílulas anticoncepcionais estão ligadas a numerosos e sérios riscos para a saúde, por isso é importante avaliar cuidadosamente o benefício da sua conveniência em relação aos seus consideráveis riscos.

Manipular Artificialmente Seus Hormônios é uma Proposta Arriscada

A maioria das pílulas anticoncepcionais, adesivos, anéis vaginais e implantes contêm uma combinação dos derivados dos hormônios estrogênio e progesterona. Eles funcionam imitando esses hormônios em seu corpo para enganar seu sistema reprodutivo e produzir os seguintes efeitos:

  • Previnem que os seus ovários liberem os óvulos
  • Engrossam o muco cervical para ajudar a bloquear o esperma, impedindo assim a fertilização do óvulo
  • Dilui o revestimento do seu útero, o que dificulta a implantação de um óvulo, caso ele seja fertilizado

No entanto, o seu sistema reprodutivo não existe em uma bolha… ele está conectado a todos os outros sistemas corporais e, portanto, a pílula é capaz de alterar muito mais do que o seu estado reprodutivo.

Riscos Bem Documentados do Estrogênio e Progestina Sintéticos

Se você estiver tomando um dos métodos anticoncepcionais hormonais (seja a pílula, adesivo, anel vaginal ou implante), é importante entender que você está tomando progesterona sintética e estrogênio sintético — algo que claramente não é vantajoso se você quer manter uma saúde otimizada.

Esses contraceptivos contêm os mesmos hormônios sintéticos usados na terapia de reposição hormonal (TRH), que apresenta riscos bem documentados, incluindo um risco aumentado de coágulos sanguíneos, acidente vascular cerebral, ataque cardíaco e câncer de mama.

De fato, estudos descobriram que a TRH aumenta o risco de câncer de mama pós-menopausa em pelo menos um por cento ao ano e a TRH com progestina aumenta seu risco em oito por cento ao ano, chegando a trinta por cento após apenas quatro anos de uso!

Então, quais serão os riscos para as mulheres que começam a tomar hormônios sintéticos quando jovens e os permanecem usando por até 15 anos ou mais?

Em troca da conveniência de prevenir a gravidez (o que você pode fazer naturalmente também, e eu vou explicar como abaixo), você está colocando a si mesma em risco de:

Câncer: As mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais aumentam seu risco de câncer do colo do útero e de mama, e, possivelmente, de câncer de fígado também.

Ossos mais finos: As mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais têm uma menor densidade mineral óssea (DMO) do que as mulheres que nunca usaram contraceptivos orais.

Doença cardíaca: O uso prolongado de pílulas anticoncepcionais pode aumentar o acúmulo de placas no seu corpo, o que pode aumentar o risco de doença cardíaca.

Coágulos sanguíneos fatais: Todas as pílulas anticoncepcionais aumentam o risco de coágulos sanguíneos e derrame subsequente. E se a sua receita contiver o desogestrel, um hormônio sintético, o seu risco de desenvolver coágulos sanguíneos fatais é quase o dobro!

Ganho muscular prejudicado: Um estudo recente revelou que o uso de contraceptivos orais prejudica os ganhos musculares advindos do treinamento de resistência nas mulheres.

Disfunção sexual em longo prazo: A pílula pode interferir em uma proteína que mantém a testosterona indisponível, levando à disfunção sexual em longo prazo, incluindo a diminuição do desejo e da excitação.

Enxaquecas

Ganho de peso e alterações de humor

Supercrescimento de fungos e infecção

Novos Métodos Hormonais de Controle de Natalidade Podem Ser Ainda Mais Arriscados

Dois dos mais novos contraceptivos hormonais — o anel vaginal liberador de hormônios, NuvaRing, e as pílulas combinadas Yaz e Yasmin, que também contêm o hormônio drospirenona, além do estrogênio e da progesterona — podem ser ainda mais preocupantes do que os “clássicos” mais antigos.

O NuvaRing é um anel vaginal flexível que é substituído uma vez por mês. Libera estradiol e etonogestrel.

Este último é conhecido como uma progestina desogestrel de “terceira geração”, que tem sido associada a sérios problemas de saúde e pode dobrar seu risco de ter coágulos sanguíneos quando comparado aos contraceptivos de segunda geração. O NuvaRing fornece uma dose relativamente alta deste hormônio.

Outros tipos de controle de natalidade também contêm este hormônio de terceira geração, incluindo alguns implantes.

Mais de 4.000 processos também foram feitos contra a Bayer por efeitos colaterais graves sofridos por mulheres que tomaram as novas pílulas anticoncepcionais Yaz e Yasmin. Os quatro efeitos adversos mais comuns são coágulos sanguíneos, doença da vesícula biliar, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

Opções Mais Seguras Existem — Os Oito Principais Métodos Naturais de Controle de Natalidade

Como os riscos para a saúde dos contraceptivos hormonais são tão graves e uma vez que existem outras opções mais seguras, eu sou veementemente contra eles.

Muitas mulheres optam por contraceptivos hormonais porque desconhecem outros métodos eficazes de controle de natalidade. As opções a seguir, que incluem planejamento familiar natural e métodos de barreira, são formas eficazes de prevenir a gravidez sem danificar sua saúde.

  • Preservativos masculinos: Os preservativos têm uma taxa de efetividade de 98% quando usados corretamente. Um lubrificante à base de água aumentará a eficácia; não use lubrificante à base de óleo, pois pode romper o látex.
  • Preservativos femininos: Essas bolsas de poliuretano macias e finas instaladas dentro da vagina antes de se fazer sexo têm eficácia de 95%. Preservativos femininos são menos propensos a rasgar do que os preservativos masculinos.
  • Diafragma: Os diafragmas, que devem ser colocados por um médico, atuam como uma barreira para o esperma. Quando usados corretamente com geleias espermicidas, têm eficácia de 92 a 98%.
  • Capuz cervical: Este forte capuz de borracha encaixa firmemente no colo do útero e pode ser deixado no lugar por 48 horas. Como o diafragma, um médico deve encaixar o capuz. O encaixe correto aumenta a eficácia acima de 91%.
  • Esponjas cervicais: A esponja, feita de espuma de poliuretano, é umedecida com água e inserida na vagina antes do sexo. Funciona como uma barreira entre o espermatozoide e o colo do útero, prendendo e absorvendo espermatozoides e liberando um espermicida para matá-los. Pode ser deixada por até 24 horas por vez. Quando usado corretamente, a esponja têm eficácia de cerca de 89 a 91%.

Além desses métodos de barreira, há também ferramentas de planejamento familiar natural (PFN) que uma mulher pode usar para acompanhar sua ovulação. Muitas mulheres sentem-se empoderadas pelo PFN porque isso permite a elas entrar em contato com seu ciclo de fertilidade.

Alguns dos métodos mais populares de PFN incluem:

Método da Tabelinha: Abstenção do sexo durante a semana em que a mulher está ovulando. Essa técnica funciona melhor quando o ciclo menstrual da mulher é muito regular. No entanto, pode não funcionar muito bem para casais que o usam como único meio de contracepção, já que sua taxa de sucesso é de apenas cerca de 75%. Você pode aumentar sua eficácia combinando-a com os métodos de temperatura e muco descritos abaixo.

Método da Temperatura: Esta é uma maneira de identificar o dia da ovulação para que o sexo possa ser evitado por alguns dias antes e depois. Envolve medir sua temperatura corporal basal (sua temperatura ao acordar pela primeira vez) a cada manhã com um termômetro “basal” preciso, e observar o aumento da temperatura que ocorre após a ovulação.

Atente-se ao fato de que doença ou falta de sono podem alterar a temperatura do seu corpo e tornar este método pouco confiável por si só, mas quando combinado com o método do muco, pode ser uma forma precisa de avaliar a fertilidade. Os dois métodos combinados podem ter uma taxa de sucesso de até 98%.

O Método do Muco:Envolve monitorar mudanças na quantidade e na textura do corrimento vaginal, que refletem os níveis crescentes de estrogênio no seu corpo. Nos primeiros dias após o período menstrual, muitas vezes não há secreção, mas haverá um muco turvo e pegajoso à medida que o estrogênio começa a elevar-se. Quando a secreção começa a aumentar de volume e torna-se clara e fibrosa, a ovulação está próxima. Um retorno ao muco pegajoso, turvo ou sem secreção significa que a ovulação passou.

Como você pode ver, existem muitas alternativas disponíveis para a pílula e outros contraceptivos hormonais, e meu conselho para as mulheres é avaliar seriamente os riscos em relação aos benefícios antes de tomar qualquer tipo de pílula anticoncepcional.

+ Recursos e Referências
  • FYI Living June 7, 2011