Cada Vez Mais Mulheres Jovens Estão Desenvolvendo Câncer de Mama

Prevenção do Câncer de Mama

Resumo da matéria -

  • Um número recorde de mulheres abaixo dos 50 anos de idade tem sido diagnosticado com câncer de mama
  • Um estudo realizado pelo JAMA similarmente concluiu que o número de mulheres jovens (idade entre 25 a 39 anos) nos EUA sendo diagnosticadas com câncer de mama avançado também está aumentando
  • Fatores ambientais, incluindo exposição a hormônios sintéticos encontrados em pílulas anticoncepcionais, produtos para cuidados pessoais e alimentos, estão provavelmente fomentando tal aumento
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Novos dados reveladores apresentados pelos relatórios da organização Britânica Cancer Research UK (Pesquisas para o Câncer do Reino Unido) indicam que um número recorde de mulheres abaixo de 50 anos de idade tem sido diagnosticado com câncer de mama.

Pela primeira vez, mais de 10.000 mulheres com idade abaixo de 50 anos foram diagnosticadas com a doença no Reino Unido, o que indica uma em cada cinco mulheres diagnosticadas com câncer de mama.

A notícia é proveniente de um estudo realizado pelo JAMA publicado no começo deste ano, o qual similarmente concluiu que o número de mulheres jovens (idades entre 25 a 39 anos) nos EUA sendo diagnosticadas com câncer de mama avançado também está aumentando.

Tipicamente, o câncer é mais suscetível de ser desenvolvido quando você envelhece. A organização sem fins lucrativos BreastCancer.org ainda declara o seguinte:

“ …o processo de envelhecimento é o maior fator de risco para o câncer de mama. Isto ocorre porque quanto mais vivemos, mais oportunidades de danos genéticos (mutações) aparecem no organismo. E, conforme envelhecemos, nossos organismos vão ficando menos capazes de reparar danos genéticos.”

O Que Está Causando Câncer de Mama em Mulheres Jovens?

Ninguém sabe exatamente o motivo, porém é bastante seguro dizer que existem diversos contribuintes, muitos deles por motivos ambientais. A Cancer Research UK mencionou fatores hormonais, como ter filhos mais tarde, ter poucos filhos ou consumo de pílulas anticoncepcionais.

Isto faz sentido, pois em 2002, um dos maiores e melhores estudos projetados sobre a terapia de reposição hormonal foi interrompido porque mulheres que estavam consumindo estes hormônios sintéticos estavam com risco muito maior de desenvolver câncer de mama (e ter ataques cardíacos, AVC e coagulação sanguínea), de forma que continuar com o estudo não seria ético.

A notícia tomou as manchetes porque milhões de mulheres já estavam consumindo estes hormônios sintéticos, porém felizmente isto fez com que muitas delas parassem com a terapia imediatamente. E o que você acha que aconteceu depois que milhares de mulheres pararam com a terapia de reposição hormonal? A incidência de desenvolvimento de câncer de mama caiu dramaticamente – sete por cento!

O que isto tem a ver com a pílula? Pílulas anticoncepcionais contêm o MESMO tipo de hormônios sintéticos – estrógenos e progestina – usados no estudo fadado ao fracasso!

Mesmo mulheres que não estão consumindo pílulas anticoncepcionais estão expostas aos hormônios sintéticos que se tornaram incrivelmente difundidos recentemente.

Por exemplo, os parabenos são produtos químicos que possuem propriedades parecidas com o estrógeno e o estrógeno é um dos hormônios envolvidos no desenvolvimento do câncer de mama. Os parabenos são amplamente usados em produtos de cuidados pessoais como xampus, loções, desodorantes, gel de barbear e cosméticos.

Estes produtos químicos foram detectados em tecidos de câncer de mama em concentrações de até 1 milhão de vezes mais altas que os níveis de estrógeno (estradiol) naturalmente encontrados no tecido mamário em humanos. O propilparabeno, em particular, foi encontrado na mais alta concentração na área das axilas, onde desodorantes são normalmente usados e onde a prevalência de câncer de mama está em seu nível mais alto.

Claramente, estes produtos químicos estão acumulando em concentrações alarmantemente altas, provavelmente devido à sua propagação e persistente uso diário. E a exposição geralmente começa no útero e os efeitos para a saúde são completamente desconhecidos.

Agressões Tóxicas e Deficiências Nutricionais Por Trás de Diversos Casos de Câncer de Mama

As principais causas do câncer de mama – deficiências nutricionais, exposição à toxicidade ambiental, inflamações, dominância do estrógeno e o colapso resultante da integridade genética e da vigilância imunológica – ainda manifestam-se como doença principalmente entre pessoas com mais de 50 anos de idade. No entanto, as agressões tóxicas estão agora atingindo as gerações mais jovens, que estão muito mais suscetíveis a seus efeitos colaterais à saúde.

Por exemplo, garotas que receberam radiação no peito para tratar câncer na infância têm alto risco de desenvolver câncer de mama enquanto jovens, de acordo com pesquisa realizada. Mesmo aquelas que receberam pequenas doses do tratamento comum para o câncer encaram um risco elevado de desenvolvimento de câncer de mama mais tarde, dizem os cientistas.

Ademais, nos EUA, mulheres ainda são incentivadas a fazer uma mamografia anualmente a partir dos 40 anos de idade. O principal perigo da mamografia é a radiação por ionização que pode, na verdade, aumentar o risco de desenvolvimento de câncer.

De acordo com um estudo realizado em 2010, o exame de imagem anual usando mamografia digital ou com écran-filme em mulheres em idades entre 40 e 80 anos está associado à incidência de câncer induzido e taxa de câncer de mama fatal de 20 a 25 casos em cada 100.000 mulheres.

Isto significa que as mamografias anuais causam 20 a 25 casos de câncer fatal em cada 100.000 mulheres que fazem o exame. E, agora com a “nova e melhorada” mamografia TOMOSSÍNTESE em 3D, as mulheres ficarão ainda mais expostas à radiação.

O Rastreamento por Ultrassom Detecta Cânceres Não Detectados na Mamografia

Muitas mulheres não estão cientes de que se possuírem tecido mamário denso (40 a 50% das mulheres), as mamografias são basicamente inúteis para elas. Tecido mamário denso e câncer ambos aparecem em raio-X, tornando quase impossível a radiologistas detectarem câncer nestas mulheres. É como tentar encontrar uma agulha em um palheiro.

Alguns radiologistas já fornecem informações sobre a densidade a seus pacientes e incentivam-nas a usar outras opções de exame de imagem, como termografia, ultrassom e/ou MRI. Uma pesquisa realizada recentemente, na verdade, revelou que para mulheres com mamas densas, a realização de um ultrassom de mama depois de uma mamografia detectou 3,4 lesões cancerosas adicionais ou de alto risco em cada 1.000 mulheres.

Acredito que as mulheres tenham que confiar que seu radiologista não esconda informações vitais sobre densidade. Infelizmente, muitos esconderam estes dados potencialmente salvadores de vidas durante décadas.

Principais Estratégias de Prevenção de Câncer de Mama

O exame de imagem para detectar câncer NÃO se equipara à prevenção do câncer e, embora a detecção precoce seja importante, usar métodos de escaneamento de imagem, que por si sós aumentam os riscos de desenvolvimento de câncer, simplesmente não é uma boa solução.

A prevenção do câncer de mama é muito mais importante e poderosa do que simplesmente tentar detectá-lo depois de formado, e é por isso que quero compartilhar algumas dicas de como prevenir esta doença antes de tudo.

Na maior revisão da pesquisa sobre estilo de vida e câncer de mama, o American Institute of Cancer Research (Instituto Americano para Pesquisas do Câncer) estimou que cerca de 40% dos casos de câncer de mama poderiam ter sido evitados se as pessoas tivessem optado por estilos de vida mais inteligentes.

Acredito que estas estimativas sejam muito baixas e que provavelmente entre 75 a 90% dos casos de câncer de mama poderiam ser evitados aplicando-se estritamente as recomendações abaixo, que são as mesmas para mulheres jovens e mais velhas.

Evite açúcar, especialmente frutose. Todas as formas de açúcar são prejudiciais à saúde no geral e promovem câncer. A frutose, no entanto, é claramente uma das mais prejudiciais e deveria ser evitada o máximo possível.

Melhore os níveis de vitamina D. A Vitamina D influencia praticamente cada célula do organismo e é um dos combatentes naturais mais potentes contra o câncer. A vitamina D é, na verdade, capaz de adentrar as células cancerígenas e desencadear a apoptose (morte programada das células). Se você tem câncer, seus níveis de vitamina D devem estar entre 70 e 100ng/ml.

A vitamina D funciona sinergeticamente com qualquer tratamento de câncer que conheço, sem efeitos colaterais.

Lembre-se de que se você consome suplementos orais de vitamina D3, você também precisa aumentar o consumo de vitamina K2, pois a vitamina D aumenta a necessidade de a K2 funcionar adequadamente.

Consuma muita vitamina A natural. Existem evidências que mostram que a vitamina A também desempenha função na prevenção do câncer de mama. É melhor obtê-la em alimentos ricos em vitamina A do que em suplementos. As melhores fontes são gema de ovos orgânicos, manteiga bruta, leite integral bruto e fígado de boi ou de galinha.

Massagem mamária linfática pode ajudar a melhorar a capacidade natural que o organismo tem de eliminar toxinas cancerígenas. Ela pode ser aplicada por um terapeuta licenciado ou você pode implantar a automassagem linfática. Ela também promove a autonutrição.

Evite carbonizar a carne que você consome. A carne cozida no carvão ou grelhada no fogo está associada ao aumento do risco de desenvolvimento de câncer de mama. A acrilamida — carcinógeno desenvolvido quando alimentos ricos em amido são assados, tostados ou fritos — também demonstrou aumentar os riscos de desenvolvimento de câncer de mama.

Evite produtos à base de soja não fermentados. A soja não fermentada é rica em estrógenos vegetais, ou fitoestrógenos, também conhecidos com isoflavonas. Em alguns estudos realizados, a soja parece funcionar em conjunto com o estrógeno humano aumentando a proliferação das células mamárias, o que aumenta as chances de mutações de células cancerosas.

Acredita-se que a fermentação realmente transforma fitoestrógenos da soja como a daidzina e a glicitina genistina em compostos fitoestrogênicos mais ativos como dadzeína, gliciteína e genisteína. Porém, estes fitoestrógenos são adaptogênicos e podem até bloquear estradiol endógeno e estrógenos xenobióticos, reduzindo seu perigo ao menor nível, pelo menos em teoria.

Melhore sua sensibilidade ao receptor da insulina. A melhor forma de fazer isto é evitando açúcar e grãos e certificando-se de praticar exercícios, especialmente com Peak fitness.

Mantenha um peso corpóreo saudável. Isto ocorrerá naturalmente quando você começar uma dieta adequada para seu tipo nutricional e a praticar exercícios. É importante perder excesso de gordura corpórea porque a gordura produz estrógeno.

Beba de meio a um litro de suco de legumes orgânicos verdes diariamente.

Consuma muita gordura ômega-3 de origem animal de alta qualidade como, por exemplo, óleo de krill. Deficiência em ômega-3 é um fator adjacente comum para o câncer.

Curcumina. Este é o principal ingrediente ativo do açafrão que, em altas concentrações, especialmente quando combinado com um fosfolipídeo como a fosfatidilcolina ou a piperina da pimenta do reino, pode ser um adjunto bastante útil no tratamento do câncer de mama. A curcumina demonstra imenso potencial terapêutico na prevenção da metástase do câncer de mama. É importante saber que a curcumina geralmente não é muito bem absorvida.

Evite beber álcool ou, pelo menos, limite bebidas alcoólicas a uma por dia.

Amamente exclusivamente por até seis meses. Pesquisa realizada mostra que a amamentação pode reduzir os riscos de câncer de mama.

Evite usar sutiã com armação. Existem dados interessantes que indicam que o sutiã com armação de metal pode aumentar os riscos de desenvolvimento de câncer de mama.

Evite os campos eletromagnéticos o máximo possível. Até cobertores elétricos podem aumentar os riscos de desenvolvimento de câncer.

Evite terapias de reposição hormonal sintética.  O câncer de mama é um câncer relacionado ao estrógeno e, de acordo com um estudo publicado no Journal of the National Câncer Institute (Jornal do Instituto Nacional do Câncer) as taxas de câncer de mama em mulheres caíram com a redução do uso da terapia de reposição hormonal. (Conforme mencionado, existem riscos similares para mulheres jovens que usam contraceptivos orais. Pílulas anticoncepcionais, que são hormônios sintéticos comprimidos, foram associadas a cânceres cervical e de mama).

Se você está experimentando sintomas excessivos da menopausa, você pode considerar uma terapia de reposição hormonal bioidêntica que usa hormônios molecularmente idênticos aos que o organismo produz e não causam danos ao seu sistema. Esta é uma alternativa muito mais segura.

Evite o BPA, os ftalatos e outros xenoestrógenos. Estes são compostos similares ao estrógeno e foram associados ao aumento dos riscos de desenvolvimento de câncer.

Certifique-se de não estar deficiente em iodo, pois existe evidência convincente associando a deficiência em iodo ao câncer de mama. Dr. David Brownstein, autor do livro Iodine: Why You Need It, Why You Can't Live Without It (Iodo: Por que Você Precisa Dele, Por que Você Não Pode Viver Sem Ele, em tradução livre) é um defensor do iodo contra o câncer de mama. Ele, na verdade, possui propriedades anticancerígenas e demonstrou provocar morte de células cancerígenas na mama e na tireoide.