Os maiores erros que os donos de animais de estimação cometem

dono de animal de estimação conversando com o veterinário

Resumo da matéria -

  • Uma pergunta feita a veterinários no Reddit — "Quais são os maiores erros que cometemos com nossos animais de estimação?" — recebeu mais de 9.600 respostas dos profissionais
  • Entre os maiores erros cometidos por que tem animais de estimação estão: o excesso de peso do animal, culpar o pet por um mal comportamento que, na verdade, é resultado de tédio e não cuidar das unhas e dos dentes do animal
  • Não promover a socialização dos filhotes entre as 8 semanas de vida até os primeiros 9 meses de idade e deixar de fazer check-ups anuais no veterinário são outros erros comuns que podem ter implicações duradouras na saúde física e mental do seu animal de estimação
Tamanho da fonte:

Por Dra. Karen Shaw Becker

Uma simples pergunta feita a veterinários no Reddit — "Quais são os maiores erros que cometemos com nossos animais de estimação?" — recebeu inúmeras respostas dos profissionais, no total, mais de 9.600.

Houve tópicos recorrentes, geralmente com donos bem intencionados que contribuem para os problemas de saúde e comportamento dos animais de estimação por pura e simples falta de informação ou compreensão errada. Para dar ao seu pet a melhor vida possível, leia a lista a seguir e veja se você, inadvertidamente, está cometendo os mesmos erros que os donos de animais de estimação costumam cometer.

1. Deixar seu pet acima do peso

Animal de estimação com sobrepeso

A maioria dos gatos (60%) e cães (56%) nos EUA estão acima do peso ou são obesos, mas muitos donos ignoram esse fato. O que você imagina ser apenas alguns quilinhos extras do seu pet pode resultar em sérios problemas de saúde, incluindo transtornos respiratórios, doenças ortopédicas, inflamação crônica, câncer e condições metabólicas.

Muitas pessoas equiparam a comida ao amor quando se trata dos pets, e acabam exagerando na porção das refeições ou dando guloseimas em excesso (quando não ambos). Isso somado a comidas de baixa qualidade com alto teor de carboidratos (especialmente ração) e a falta de exercício, rapidamente leva os pets ao excesso de peso.

A maioria dos fabricantes também superestima as necessidades dos pets, e isso se reflete nas recomendações de porção que trazem nas embalagens. Muitas pessoas se sentem culpadas por dar uma quantidade menor do que a indicada na embalagem, mas é exatamente isso que os fabricantes querem.

O melhor é dar comidas integrais, frescas e apropriadas (com pouco carboidrato) para a raça do seu pet, nas proporções certas, para manter alcançar e manter um peso ideal. Além disso, os cães necessitam de 20 minutos de exercício por dia para manter o ritmo cardíaco acelerado, ou mais caso esteja acima do peso.

Recomendo praticar uma hora de exercício intenso com seu cão todos os dias. Se você não sabe se seu pet precisa emagrecer, descubra primeiro se ele está acima do peso e veja o que fazer a respeito.

2. Culpar seu pet por mal comportamento — causado por tédio

repreendendo um pet arteiro

"Muitos problemas comportamentais podem ser resolvidos com exercícios diários", disse um veterinário no Reddit, e isso é totalmente verdade! Cães entediados e que não se exercitam o suficiente, desenvolvem problemas comportamentais ou comportamentos indesejáveis como uma válvula de escape para sua energia. Assim como você não espera que um filhote cheio de energia fique quieto um dia inteiro, não se pode esperar que um cachorro com energia para gastar se comporte com calma se não tiver a chance de correr, farejar e estimular sua mente canina.

Muitos cães não praticam nenhum tipo de exercício vigoroso, que acelere os batimentos cardíacos, nem recebem muito estímulo mental. Para solucionar o mau comportamento causado por tédio, leve seu cachorro para fazer caminhadas intensas, coloque-o em aulas de adestramento com foco em farejamento ou em outras atividades cardiovasculares, como natação, brincar de pegar, frisbee, competição de agilidade, corrida de obstáculos ou salto e mergulho.

Você também pode sair para andar de bicicleta e levar seu cão junto usando uma guia extra. É preciso se comprometer com uma atividade diária ou inscrever seu cachorro em algum tipo de academia para cães.

3. Não cuidar das unhas e dentes

Não cuidar das unhas e dentes

A maioria dos pets mostra sinais de doenças periodontais por volta dos 3 anos, o que aumenta o risco de doenças crônicas como doenças cardíacas e diabetes, para não mencionar mau hálito e dor para o próprio animal.

Mesmo que os animais submetidos a uma alimentação natural, que seja adequada para sua raça, apresentem taxas menores de doenças periodontais, nada garante que os dentes de seu pet continuarão perfeitos sem nenhum tipo de intervenção.

A escovação regular é extremamente importante, e pode ajudar a manter os dentes limpos e minimizar problemas dentários, além de diminuir a necessidade de ida ao veterinário para a limpeza do tártaro (sob anestesia).

As unhas de seu pet também precisam de atenção regular para evitar ferimentos caso se prenda a alguma coisa ou cresça demais e machuque a própria pata. Mesmo que demande um pouco de adaptação (especialmente se seu pet não estiver acostumado a ter a unhas aparadas), é possível cortar as unhas de seu cão ou gato com facilidade.

4. Não promover a socialização do pet quando filhote

Filhote que não se socializa com pessoas e outros animais

Os filhotes que não se socializam adequadamente em seus primeiros 3 meses de vida apresentam um risco muito maior de desenvolver problemas comportamentais, como agressão, medo e esquiva. A falta de socialização após esse ponto pode afetar negativamente o comportamento do seu cão para o resto da vida.

Cães com problemas devido à falta de socialização quando filhotes lotam abrigos e agências de resgate em todo os EUA, embora não tenham culpa por serem assim. O fato é que o filhote passa por diversos estágios de desenvolvimento em suas primeiras semanas e meses de vida, e cabe a você garantir que ele tenha uma variedade de exposições e interações positivas nesse período. Por exemplo, nos primeiros 2 meses, o filhote deve:

  • Ser apresentado ao máximo de pessoas, animais, lugares, situações, vistas e sons seguros e saudáveis, de um modo positivo e agradável, de acordo com a personalidade do animal (em geral, sugiro que ele encontre pelo menos três seres vivos por dia).
  • Ser encorajado a explorar e investigar seu ambiente, com supervisão.
  • Ser exposto a muitos brinquedos, jogos, superfícies e outros estímulos.
  • Passear diariamente de carro para ambientes novos, que não sejam familiares.

É preciso continuar essa socialização e treinamento na idade adulta, mas se você deixar passar essa janela dos primeiros meses de vida, isso pode ter repercussões duradouras para a saúde mental do seu pet.

5. Não fazer check-ups anuais

Check-up anual

Muitos podem achar desnecessário levar um pet ao veterinário quando ele está saudável, mas se você costuma ler minhas publicações aqui, então sabe que eu discordo veementemente dessa abordagem. Se você esperar até que seu pet esteja doente para procurar um veterinário, talvez seja tarde demais; você estará reagindo, não agindo.

O objetivo dos veterinários proativos, como eu, é prevenir a ocorrência de doenças. Mas não podemos fazer isso se vemos seu pet apenas quando ele já está doente. Dessa forma, nós nunca teremos a oportunidade de promover um bem-estar intencional através de um plano de vida criado especificamente para o animal.

Os veterinários proativos desenvolvem protocolos de bem-estar quando os pets estão com saúde a fim de manter seus corpos em estado de vitalidade e equilíbrio durante toda a vida. A verdade é que se você não estiver promovendo a saúde do seu pet intencionalmente, através de escolhas inteligentes, então está deixando essa saúde escapar passivamente. Manter a saúde é um processo ativo que requer sua atuação, do contrário, ela não se sustentará sozinha.

Os veterinários proativos abordam as predisposições genéticas e da raça do seu pet, a rotina de exercícios/atividade física, o bem-estar mental e o estresse no ambiente, a carga química, alimentação e outros fatores da vida do pet para formular planos de bem-estar para cada estágio da vida. Se você não tem interesse pela medicina pró-ativa, recomendo que, no mínimo, leve seu pet ao veterinário uma vez por ano para imunização, pesagem e verificação da função dos órgãos (como a saúde do coração, fígado e rins, por exemplo).

A maioria das pessoas tenta dar o melhor o que pode a seus animais de estimação. Ao se atentar a esses erros tão comuns, tendo o cuidado de manter seu pet em um peso saudável, promovendo a quantidade adequada de exercício físico e estímulo mental, juntamente com a socialização no início da vida e atenção à higiene e cuidado veterinário, você evitará as armadilhas mais comuns e vai assegurar que seu pet tenha uma vida longa, feliz e saudável ao seu lado.

Curiosamente, não se falou de nutrição nesta pesquisa, e por motivos óbvios: os veterinários convencionais não veem problema em passar a vida inteira alimentando os pets com comida altamente processada. Mas eu vejo. Eu acredito que a comida é a base da saúde, e ignorar a nutrição adequada a cada espécie é um dos maiores erros que uma pessoa pode cometer com seu pet.