Por que odores podem estimular fortes memórias

odores e memórias

Resumo da matéria -

  • Memórias autobiográficas invocadas pelo olfato são emocionais e vívidas, geralmente desencadeadas por vários aromas
  • Odores são especialmente eficazes como lembretes de experiências passadas, bem mais que os sinais recebidos por outros sentidos, como a visão e a audição
  • Cheiros (mas não sons, imagens ou estímulos ao tato) são transmitidos através do seu bulbo olfatório, a região do seu cérebro que analisa os odores e está intimamente relacionada com outras regiões que gerenciam a memória e as emoções
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Você sente no ar o cheiro de torta de abóbora, cola escolar, jornal ou grama recém cortada, e é imerso repentinamente em uma enxurrada de memórias vívidas, geralmente com origem na infância. O que faz com que os cheiros sejam capazes de desencadear memórias tão fortes e reais que dão a sensação de nos transportar para o passado?

Isso é conhecido como "memória autobiográfica evocada por odor" ou o fenômeno Proust, em honra ao escritor francês Marcel Proust. Em sua famosa novela Em Busca do Tempo Perdido, o narrador mergulha um biscoito madalena em uma xícara de chá e é transportado de volta no tempo à medida que memórias a muito esquecidas de sua infância voltam a inundar sua mente.

De fato, pesquisas demonstram que os odores são especialmente eficazes como lembretes de experiências passadas, bem mais que os sinais recebidos por outros sentidos, como a visão e a audição.

Um motivo para isso pode ser a maneira como seu cérebro processa odores e memórias. Os cheiros são transportados através do seu bulbo olfatório, que é a região do seu cérebro responsável por analisar odores. Essa região está intimamente relacionada com sua amídala e seu hipocampo, regiões do cérebro que lidam com memórias e emoções.

Memórias desencadeadas por odores tendem a ser mais fortes, mais emocionais e do início da vida

Antes de chegar ao seu tálamo, os odores percorrem seu caminho através de outras regiões do cérebro, incluindo área que controlam memórias e emoções. Então, com os odores, você tem todo esse processamento extra mesmo antes de estar consciente dos aromas.

Seu corpo também possui bem mais receptores de odores (pelo menos 1.000) do que para outros sentidos, como a visão (quatro) e o tato (pelo menos quatro). Isso significa que você é capaz de distinguir entre muitos tipos diferentes de aroma, incluindo aqueles que você não pode descrever.

Tudo isso junto faz com que as memórias desencadeadas por odores sejam particularmente vívidas e diferentes das outras memórias. Em um estudo com adultos de mais idade, por exemplo, os participantes receberam três tipos de sinais (palavras, imagens e odores) e foram instigados a recuperar memórias estimuladas por esses sinais.

Como ocorreu, as memórias desencadeadas pelos odores apresentaram a tendência de ser mais antigas, da primeira década da vida, enquanto as memórias associadas com informações verbais ou visuais vinham do começo da idade adulta.

As memórias desencadeadas por odores também foram associadas com "sensações mais fortes de ser transportado de volta no tempo" e eram memórias "lembradas com menos frequência" do que as estimuladas por outros sinais.

Outra pesquisa também revelou que jovens adultos e adultos com mais idade foram capazes de se lembrar de mais que o dobro de memórias quando elas estavam associadas com algum odor, o que de acordo com os pesquisadores oferece "evidência para um sistema de sinalização olfativa substancial que se mantém notavelmente intacto com o avanço da idade".

Odores podem acionar memórias traumáticas, medos

Memórias e associações positivas não são as únicas a emergir com o estímulo dos odores. Por exemplo, sabe-se que odores podem induzir excitação fisiológica e estimular flashbacks associados com traumas.

Também acredita-se que eles desempenham um papel no acionamento de memórias perturbadoras em pessoas com transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

De maneira intrigante, até os medos de uma mãe podem ser transmitidos aos seus filhos através do aroma. Em um estudo, fêmeas de ratos foram condicionadas a ter medo do cheiro de hortelã enquanto estavam grávidas. Mais tarde, os filhotes foram expostos ao cheiro de hortelã junto com os aromas de suas mães reagindo ao cheiro da hortelã.

Os filhotes recém-nascidos aprenderam a temer o cheiro de hortelã depois de uma única exposição, mesmo quando suas mães não estavam lá. Entretanto, quando a atividade foi bloqueada na amídala dos filhotes, a região do cérebro que processa emoções, incluindo respostas ao medo, os filhos não aprenderam a temer o aroma da hortelã.

Então parece que, através dos aromas, "crianças podem aprender de suas mães sobre as ameaças em potencial no ambiente antes que o desenvolvimento de seus aparatos sensoriais e motores lhes permitam uma exploração extensa do ambiente ao redor".

O poder dos aromas revela por que a aromaterapia é tão eficaz

Quando algum odor imprevisto passa pelo seu nariz você acaba sentindo um toque daquele aroma. Você pode, contudo, colher o poder dos aromas para disparar respostas físicas e emocionais reais através do uso da aromaterapia. Por exemplo, pesquisas demonstram que:

  • Uma avaliação sistemática de 16 testes clínicos controlados aleatórios examinando os efeitos ansiolíticos (sobre a inibição da ansiedade) da aromaterapia entre pessoas com sintomas de ansiedade demonstrou que a maioria dos estudos indicavam efeitos positivos na repressão da ansiedade (e nenhum efeito colateral foi relatado)
  • Pessoas expostas à aromaterapia com óleo essencial de bergamota antes de alguma cirurgia obtiveram uma redução maior na ansiedade pré-operatória em comparação com pessoas em grupos de controle
  • Também foi descoberto que o óleo de laranja tem efeitos inibidores de ansiedade em seres humanos, apoiando seu uso frequente como tranquilizante por aromaterapeutas
  • Odores de laranja e lavanda no ambiente reduziram a ansiedade e melhoraram o humor em pacientes aguardando tratamento odontológico
  • Comparado com os grupos de controle, mulheres que foram expostas ao aroma de laranja em um consultório odontológico apresentaram ansiedade menor, humor mais positivo, e níveis mais altos de calma. Os pesquisadores concluíram que, "a exposição ao aroma de laranja no ambiente tem um efeito relaxante"

Tratar a ansiedade é, claro, apenas um dos usos da aromaterapia. Vários outros usos potenciais existem, incluindo os seguintes:

  • Aroma de maçã verde para enxaquecas — Um estudo descobriu que esse aroma alivia de maneira significativa as dores da enxaqueca Isso também pode funcionar com outros aromas que você gosta, então uma consulta com um aromaterapeuta pode ser benéfica
  • Hortelã para a memória — Foi demonstrado que o aroma de hortelã melhora a memória e aumenta a atenção
  • Náusea e vômito — Foi descoberto que uma mescla de óleos essenciais lavanda, hortelã-pimenta, gengibre e hortelã-comum, ajuda a aliviar a náusea pós-operatória
  • Lavanda para alívio da dor — For demonstrado que a aromaterapia com lavanda reduz a dor após inserções de agulhas

Seu olfato também é um indicador da sua saúde

Se você ainda tem um olfato apurado, você é uma pessoa de sorte, já que o olfato (o sentido olfativo) está fortemente conectado com muitos processos fisiológicos diferentes.

Usando dados de uma amostra de representação nacional com mais de 3.000 adultos Norte-Americanos com mais idade, pesquisadores da Universidade de Chicago descobriram que as pessoas com inabilidade para perceber odores (conhecida como anosmia) tinham mais que quatro vezes a chance de morrer nos próximos cinco anos comparado com pessoas tinham o olfato saudável.

Especificamente, 39 por cento dos participantes que foram reprovados em seu primeiro teste olfativo (que consistia na identificação de cinco odores comuns) morreram nos próximos cinco anos, comparado com 19 por cento das pessoas com perda parcial do olfato, e 10 por cento das pessoas com um olfato saudável.

A perda do olfato foi um indicador notavelmente forte da proximidade da morte, mais inclusive que as causas principais conhecidas, e independente de fatores de risco conhecidos como a nutrição, funções cognitivas, saúde mental, tabagismo, alcoolismo, ou fragilidade física.

A perda da função olfativa provavelmente não é uma causa de morte, mas ao invés disso pode "servir como um termômetro medindo a desaceleração da regeneração celular, ou como um marcador da exposição cumulativa à ambientes tóxicos", disseram os pesquisadores.

Seu olfato se beneficiaria com uma melhora?

Se as suas memórias antigas de infância estão desvanecendo porque seu olfato não é mais o mesmo de antes, você pode tomar algumas medidas para melhorar seu sentido olfativo.

Para começar, verifique se você tem deficiência de zinco. Zinco, um oligoelemento essencial, é necessário para a produção de uma enzima chamada anidrase carbônica (AC) 6, vital para o paladar e o olfato, motivo pelo qual a perda do olfato é um dos sinais clássicos de deficiência crônica de zinco.

A deficiência moderada de zinco é relativamente comum, especialmente em bebês, crianças, gestantes ou lactantes, idosos, pessoas com absorção gastrointestinal debilitada ou doenças intestinais como a doença de Crohn, e entre pessoas consumindo dietas vegetarianas ou veganas.

Boas fontes de zinco alimentar incluem carnes, ostras e peixes selvagens, leite integral, queijos integrais, feijões, e iogurte ou kefir feitos com leite integral.

Se você está saudável e tem uma dieta equilibrada, raramente vai precisar de suplementos para suprir as necessidades de zinco no seu corpo, e é melhor obter o seu zinco a partir de fontes alimentares. Experimente essas dicas, conhecidas para melhorar seu olfato:

  • Exercícios — Pesquisas demonstram que quanto mais você se exercita, menos probabilidade você tem de desenvolver problemas olfativos com o avanço da idade. Foi descoberto que se exercitar pelo menos uma vez por semana reduz o risco de perder seu olfato
  • Torne-se consciente dos aromas — Transforme em um objetivo apreciar o aroma das suas refeições antes de comer, e reparar no cheiro das flores ou da grama recém-cortada, ou até mesmo da chuva. Fazer isso regularmente vai ajudar a melhorar o seu olfato.
  • Tente a "terapia de aspiração" (sniff therapy) — Escolha três ou quatro fragrâncias diferentes, tais como floral, frutada ou café. Aspire o aroma das quatro fragrâncias de quatro a seis vezes por dia, o que vai ajudar os receptores diferentes em seu nariz a operar melhor