Proteja Seu Cérebro e Suas Gengivas Com a Vitamina K2

(Vídeo em inglês)
dentes e gengivas

Resumo da matéria -

  • Enxergar sua boca como a “guardiã” do intestino pode te ajudar a lembrar de manter seu microbioma equilibrado e saudável, o que contribui para o seu bem-estar geral
  • A deficiência de vitamina K2, também chamada de menaquinona, causa sangramento nas gengivas e, deixada sem intervenção, provavelmente progredirá para os próximos três estágios da doença periodontal, o que pode resultar em perda de dentes e doenças graves
  • Além de examinar os dentes e o microbioma, olhar nos armários da cozinha e na geladeira - ou melhor ainda, os alimentos que você coloca na boca - é o primeiro passo para melhorar os dentes e as gengivas de uma ótica interna
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Já lhe ocorreu que a imagem geral da sua saúde bucal é, na verdade, um reflexo da sua saúde física? Essa é a premissa do Dr. Steven Lin, um dentista que usa uma abordagem holística e que diz que uma saúde bucal que não é exemplar resulta de problemas em outras partes do corpo.

Segundo Lin, se as pessoas enxergarem a boca como "guardiã" do intestino e mantiverem seu microbioma equilibrado e saudável, os resultados positivos irão se manifestar em uma boca saudável - dentes, gengivas e tudo mais – e em um corpo mais saudável em geral.

Sem exceção, escove seus dentes depois das refeições e use fio dental diariamente. Mas além de olhar para seus dentes e seu microbioma, Lin sugere que a próxima coisa a ver seja o conteúdo de seus armários de cozinha e geladeira ou, mais precisamente, os alimentos que você compra e depois ingere. Manter uma dieta saudável que inclua vitamina K2 suficiente irá beneficiar seus dentes e gengivas de dentro para fora.

De fato, usar essa abordagem com crianças pode garantir que elas cresçam sem esses problemas e até desenvolvam dentes naturalmente retos. Para os adultos, concentrar-se primeiro no intestino pode significar nunca ter que fazer obturações, sem mencionar outros procedimentos odontológicos que muitos dentistas e ortodontistas insistem, como esperado.

Um dos maiores problemas que as pessoas têm em relação à periodontite é que elas estão com falta de vitamina K2, também conhecida como menaquinona, que causa sangramento nas gengivas. Com o tempo, isso poderia significar a perda de gengivas e ossos. Mas mesmo se você começar a fornecer mais K2 para o seu corpo, infelizmente, suas gengivas e ossos não crescem de volta.

Encontrar o papel crucial da vitamina K2 acabou mudando a abordagem de Lin para a odontologia. Na verdade, Lin diz que tudo está relacionado à vitamina K2, tanto dentro quanto fora dos dentes. Ele mostra como a periodontite pode ser evitada, como ela pode ser interrompida - se for detectada precocemente - e por que é importante curar sua causa, não apenas tratar os sintomas.

O que é a doença periodontal (periodontite)?

Lin descreve sua perplexidade quando alguns pacientes que limpavam os dentes religiosamente sofreram, no entanto, um agravamento da gengivite. Ele começou a se perguntar se a causa ia além da acúmulo de placas nos dentes.

O termo periodontium refere-se a duas estruturas que compõem suas gengivas: o cemento e o osso alveolar. Merriam-Webster descreve o ligamento periodontal (PDL) como a camada de tecido conjuntivo fibroso que cobre o cemento de um dente e o mantém no lugar no osso maxilar. Esta é a área que a doença ataca, através de etapas:

  • Periodontite leve ⁠— gengivite ou sangramento nas gengivas
  • Periodontite moderada ⁠— Perda de fixação do ligamento, embolsando ou retraindo as gengivas
  • Periodontite severa — perda óssea alveolar e embolia de gengiva profunda
  • Periodontite avançada ⁠— Dentes frouxos e móveis e perda de dentes

É evidente que as pessoas que passam pelos primeiros estágios da periodontite recebem um alerta quando suas gengivas começam a sangrar, geralmente enquanto escovam os dentes. Com o tempo, talvez um tempo mais curto para alguns do que outros, a doença resulta em perda de dentes.

Sua gengiva é a parte do periodonto que fica ao redor da base dos dentes, e é por isso que os primeiros sinais de doença periodontal, como vermelhidão, inflamação e muitas vezes dor, são chamados de gengivite. Mas o que muitos não percebem é que a gengivite é baseada em inflamação, e a vitamina K2 pode fazer toda a diferença.

Como as vitaminas K2 e D ajudam seus dentes, gengivas e mais

Mais especificamente, sinaliza uma “perda de tolerância entre o seu microbioma oral” e um sistema imunológico desequilibrado. Os sangramentos nas gengivas também estão ligados às quantidades de vitamina D no corpo. A vitamina K2 é um cofator para a vitamina D e para o cálcio, ao auxiliando a saúde dos ossos, mas também ajuda a reduzir a inflamação e os fatores envolvidos com a doença periodontal ao:

  • Diminuir da produção de marcadores inflamatórios
  • Regular as células imunes que causam inflamação
  • Diminuir as células fibroblásticas

As vitaminas K2 e D (junto ao cálcio e ao magnésio) têm uma relação de sinergia. O cálcio fortalece os ossos e melhora a saúde geral do esqueleto, mas só funciona quando chega ao lugar certo. A vitamina K2 direciona o cálcio para o osso e impede que ele seja depositado ao longo das paredes dos vasos sanguíneos. Segundo Lin, o K2 melhora a inflamação da gengiva de duas maneiras:

“Diminui os fibroblastos conhecidos por alimentar o processo da periodontite. No processo de cicatrização, os fibroblastos atuam para formar tecido cicatricial. Mas na periodontite, sua ação é prejudicial e pode promover a calcificação do ligamento periodontal - um sinal de princípio de doença periodontal.

Ativa a proteína GLA da matriz: Demonstrou-se que esta proteína, dependente da vitamina K2, previne a calcificação do ligamento periodontal. Muitos estudos demonstraram que a vitamina K2 tem os mesmos efeitos anti-calcificação em todo o corpo, inclusive no coração, nos rins e na próstata”.

A proteína GLA da matriz, como explicado em um estudo, é importante porque inibe a calcificação. Para finalizar, existem outros nutrientes vitais que trabalham com o K2 para promover a saúde bucal.

Por exemplo, os fibroblastos gengivais humanos (HGFs) são descritos em um estudo japonês como a célula estrutural mais abundante no tecido periodontal. Outra pesquisa mostra que os HGFs podem atuar como células imunes “acessórias” que trabalham para amplificar as respostas imunes a lipopolissacarídeos, que são encontrados nas membranas externas das bactérias causadoras de infecções, que causam inflamação e promovem a destruição dos tecidos.

Outra substância que ameniza a inflamação é Coenzima Q10, também conhecida como CoQ10, que é produzida naturalmente no corpo. Um estudo observa que a CoQ10 “diminuiu o dano oxidativo ao DNA e aos osteoclastos positivos para fosfatase ácida resistente ao tartarato no tecido periodontal”, enquanto suprimia a inflamação.

O papel da vitamina K2 no seu cérebro

Provavelmente, a maneira mais óbvia pela qual a K2 faz tanta diferença na sua saúde bucal é a maneira como ele funciona com a vitamina D para ajudar a reduzir a inflamação e regular as células do sistema imunológico. No cérebro, ela pode ajudar a prevenir doenças cardíacas, embolia cardíaca e derrame, porque a proteína GLA da matriz beneficia tanto o cérebro quanto o coração.

Outra maneira que ela se manifesta é ao longo dos sistemas nervosos central e periférico. Pode ser até um antioxidante no cérebro, observa um estudo. Por outro lado, a pesquisa mostra como a droga varfarina pode reduzir a vitamina K2 no seu sistema:

“A relação entre a quantidade de vitamina K e as habilidades cognitivas precisa ser mais investigada. Notavelmente, e apesar dos desafios metodológicos que tais estudos enfrentam, seria importante determinar o efeito a longo prazo da terapia com varfarina nas habilidades cognitivas.

Um potente agente contra a vitamina K, a varfarina é amplamente prescrita para a profilaxia e tratamento de condições tromboembólicas [...] Quando os indivíduos tratados com varfarina estão em um estado relativo de deficiência de vitamina K, eles podem estar em maior risco de ter problemas cognitivos com base nas ações da vitamina K no sistema nervoso”.

A vitamina K2, trabalhando com a K1, parece aumentar os efeitos da glutationa para prevenir a morte das células nervosas, bem como prevenir danos cerebrais. A K2 também pode ser significativa em seu papel de prevenir danos neurodegenerativos, prevenindo tanto o estresse oxidativo quanto a inflamação cerebral.

Lin observa que possuir pouca vitamina K2 parece influenciar negativamente a incidência da doença de Alzheimer e, em geral, ingerir uma quantidade adequada de K2, ou tomá-la na forma de suplemento, é importante para prevenir doenças degenerativas e promover um bom funcionamento cerebral.

Um dos efeitos de ser deficiente em vitamina K2 é que ela produz os sintomas da toxicidade da vitamina D, que inclui calcificação inadequada dos tecidos moles que pode levar à aterosclerose.

Osteocalcina — Crucial em curar a doença de gengiva

Lin diz que a primeira atitude para acabar com as doenças da gengiva é acalmar o sistema imunológico e, ao primeiro sinal de sangramento nas gengivas, a ingestão de vitamina K2 deve aumentar. Isso porque sua capacidade de reparar danos causados por doenças no periodonto depende da liberação de proteínas ativadas pela vitamina K2.

É onde entra a osteocalcina. A osteocalcina é um hormônio proteico encontrado nos ossos e na dentina. O tecido da gengiva a libera onde há inflamação e periodontite, especialmente para mulheres na pós-menopausa. Na verdade, é crucial para a capacidade do seu corpo em curar a periodontite.

Se você é deficiente em vitamina K2, seu corpo pode liberar osteocalcina, mas ela não estará ativa. A osteocalcina também aumenta a sua sensibilidade à insulina, fazendo a diabetes tipo 2 e a periodontite avançada estarem associadas a esta proteína. Segundo Lin:

“A vitamina K2 tem um papel crucial na perda óssea tanto na periodontite quanto na osteoporose. A vitamina K2 inibe a perda óssea por meio da reabsorção induzindo a apoptose de osteoclastos. A gravidade da perda óssea na periodontite é pior na presença de osteoporose”.

Lin diz que enquanto mais estudos são necessários, a periodontite e a vitamina K2 estão ligadas porque a K2 é um mediador central na inflamação, com a regulação imunológica, a proteína GLA da matriz e a osteocalcina. Qualquer um que perceba sangramento nas gengivas ou estágios avançados da periodontite pode considerar tomar suplementos de vitamina K2, mas também começar a comer mais alimentos que ajudarão a supri-la.

Como conseguir mais vitamina K2

Alimentos com quantidades significativas de vitamina K2 são raros, acrescenta Lin, então você precisa escolher ingeri-la, porque provavelmente não está comendo o suficiente. É importante saber como os alimentos que contêm K2 são tratados e preparados porque isso faz a diferença na quantidade é disponibilizada ao seu corpo no final do processo.

Com isso em mente, Lin explica que, se a K2 é derivada de animais, eles devem ser criados livres em pastos. Os queijos Brie e Gouda, por exemplo, são particularmente ricos em K2, assim como manteiga de vaca alimentada com capim ou ghee e ovos orgânicos. A lista parcial de Lin de carnes ricas em K2 inclui:

  • 50g a 60g de patê de frango, pato ou fígado de ganso
  • 170g a 340g de coxa ou contra coxa de frango de pasto
  • 2 a 3 fatias de carne de boi terminado a pasto ou de carneiro orgânica;

Um dos motivos pelos quais você quer escolher apenas carne bovina alimentada com grama é porque, se as vacas forem alimentadas com soja ou grãos, elas não irão ingerir K1, o que significa que não poderão convertê-la em K2. Se as vacas comem feno "morto" que não tem mais os nutrientes adequados, elas podem não produzir produtos lácteos ricos em K2. Além disso, Lin diz:

“Uma dúzia de ovos por dia de galinhas enjauladas não fornecem K2 suficiente para sua necessidade diária, enquanto que dois a quatro ovos por dia de galinhas criadas em pasto podem fornecer K2 suficiente [...] Alimentos fermentados também fornecem uma forma diferente de vitamina K2, no entanto precisam ser cultivados adequadamente e depois armazenados em um refrigerador, sem pasteurizar e evitando contaminações. Hoje em dia nós comemos muito menos alimentos fermentados ricos em vitamina K2.”

No mundo das plantas, as folhas verdes são uma excelente fonte de vitamina K1, e você pode escolher entre mais do que apenas tipos de alface. Estão incluídos o nabo, a mostarda, a couve, a beterraba e, claro, o espinafre e a couve.

Nem é preciso dizer que folhas orgânicas são a escolha ideal, à luz da informação da lista Dirty Dozen do Grupo de Trabalho Ambiental de 2019: Os alimentos vegetais com a maior carga tóxica do abuso de pesticidas e agrotóxicos incluem o espinafre e a couve em primeiro e segundo lugar respectivamente.

Para a vitamina K2, no entanto, a nattokinase (natto), que é a soja fermentada, é uma fonte vegetariana de vitamina K2. A fermentação remove as desvantagens associadas à ingestão de soja crua ou cozida. Outras boas fontes de K2 incluem vegetais fermentados em casa usando uma cultura inicial de bactérias produtoras de vitamina K2.

Se você acha que pode não estar ingerindo vitamina K2 o suficiente, além de comer produtos lácteos crus, carne, ovos e alimentos fermentados de animais alimentados com grama, usar suplementos é outra opção, mas deve ser a menaquinona-7 (MK-7), uma forma específica de vitamina K2 que permanece em seu fígado e ajuda a promover ossos fortes, mas também ajuda a reduzir a incidência de doenças cardíacas e câncer.

Recomendo consumir cerca de 150 microgramas (mcg) de vitamina K2 por dia, embora outros recomendem um pouco mais, como 180 ou 200 mcg por dia.