Experimente tratamentos homeopáticos para asma

medicina

Resumo da matéria -

  • A asma é uma doença pulmonar crônica que afeta a sua capacidade de respirar e de trocar oxigênio. Os sintomas variam de leves a graves, podendo ocorrer rara ou diariamente. Dependendo do tipo de sintomas, talvez os remédios homeopáticos possam ajudar a aliviá-los
  • O objetivo dos profissionais homeopáticos é tratar o corpo inteiro do paciente e não apenas um sintoma ou doença, como é o caso da medicina do ocidente. Então, a primeira consulta pode levar até uma hora, pois o profissional precisará coletar muitas informações
  • De acordo com a Fundação de Asma e Alergias dos EUA, a asma é a doença crônica mais frequente em crianças, e a maior razão pela qual elas faltam aulas na escola. Nos EUA, 10 pessoas morrem de asma por dia, e muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas
  • Uma pesquisa descobriu que as pessoas que sofrem de asma podem se tornar mais resistentes à poluição do ar e sofrer menos sintomas se seguirem uma dieta rica em gorduras ômega-3. Há cada vez mais evidências de que a alimentação influencia nas reações do corpo à poluição
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A asma é uma doença crônica que afeta suas vias respiratórias. A inflamação faz com que elas inchem, provocando respirações ofegantes, falta de ar e tosse. Os sintomas variam de leves a graves, podendo ocorrer rara ou diariamente. Na maioria das pessoas, a asma se desenvolve durante a infância e dura a vida inteira.

O objetivo da medicina convencional é controlar os sintomas e evitar que estes piorem, resultando nos ataques de asma. De acordo com dados recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), 7,9% dos adultos e crianças são diagnosticados com asma.

As crianças entre 5 e 14 anos de idade são as mais afetas. 9,7% das crianças dessa faixa etária têm asma. Em crianças, a incidência da doença é maior em meninos do que em meninas, mas em adultos, ela é maior nas mulheres. O objetivo dos tratamentos convencionais é controlar os sintomas para permitir que o indivíduo faça suas atividades do dia-a-dia, mas essa é apenas uma medida paliativa.

Os tipos de tratamentos dependem da idade, da gravidade da doença, e da reação do corpo ao tratamento. Muitas pessoas com asma usam medicamentos diariamente para controlar os sintomas a longo prazo e usam inaladores para aliviar rapidamente as crises. Mas além de identificar os fatores ambientais que causam os ataques de asma, os tratamentos homeopáticos podem oferecer um alívio bom o bastante para reduzir ou até mesmo interromper o uso de medicamentos farmacêuticos.

Porém, mesmo que a asma seja tratável pela homeopatia, a Associação Homeopática Britânica recomenda que você não se automedique e procure um profissional homeopático para encontrar os melhores remédios para a o seu caso específico.

A história da homeopatia

A prática da homeopatia era popular nos EUA e na Europa no século XIX. Alguns dos maiores defensores da prática eram a realeza europeia, empreendedores americanos e gigantes literários. No entanto, apesar de ganhar popularidade, a homeopatia se tornou uma prática de oposição à medicina ocidental tradicional.

O início da homeopatia se deu com as descobertas de Samuel Hahnemann, um médico alemão, que criou a palavra “homeopatia” em referência aos princípios farmacológicos. A base da prática é a “lei dos semelhantes”, descrita por Hipócrates e utilizada em muitas culturas, como a maia, chinesa, grega e nativo americana.

Quando Hahnemann tinha 24 anos, ele podia ler e escrever em pelo menos sete idiomas, e traduziu mais de 20 livros de medicina importantes. A ideia principal de Hahnemann era identificar pequenas doses de compostos que causam mudanças biológicas.

Coincidentemente, em 1798, a descoberta de que a administração de pequenas doses do vírus da varíola bovina era capaz de imunizar as pessoas contra a varíola era aceitável, mas o trabalho de Hahnemann não era.

Muitos dos primeiros praticantes da homeopatia se graduaram em escolas de medicina prestigiadas, mas a medicina ortodoxa se encontrou ameaçada, pois os homeopatas ofereciam abordagens integradas e sistemáticas para as práticas terapêuticas, e eram muito críticos sobre o uso dos medicamentos convencionais.

Os homeopatas acreditavam que o tratamento dos sintomas, ao invés de tratar as doenças que os causam, pode causar doenças mais graves e profundas, uma teoria provada verdadeira para vários casos durante a história. Mas em 1882, a Associação Médica Americana (AMA) já havia eliminado todos os praticantes da homeopatia da associação.

Além disso, criaram um código de ética afirmando que qualquer médico que consultasse com um homeopata perderia sua filiação à associação. Na época, sem filiação às sociedades médicas locais, os médicos não tinham licença para praticar a medicina.

Apesar dessa opressão, a homeopatia prosperou no século XIX e no início do século XX. No entanto, mesmo a prática sendo popular entre os ricos e os pobres, a razão mais provável pela sua sobrevivência foi o seu sucesso no tratamento de doenças epidêmicas infecciosas durante o século XIX.

Conceitos básicos da homeopatia

Estatísticas mostram que a taxa de mortalidade nos hospitais homeopáticos era de 50% a 90% menor que nos hospitais médicos ortodoxos. Em 1849, durante a epidemia da cólera, homeopatas da cidade de Cincinnati obtiveram um sucesso tão grande, que publicaram uma lista com os nomes das pessoas que foram curadas e das pessoas que morreram. Apenas 3% dos seus pacientes morreram, enquanto nos hospitais médicos ortodoxos essa taxa foi de 48% a 60%.

No início do século XX, a AMA suprimia a prática da homeopática com cada vez mais eficiência, e em 1910, a Fundação Carnegie emitiu o infame Relatório de Flexner, que avaliou as escolas médicas. O relatório atribuiu pontuações baixas às faculdades homeopáticas, em parte devido às faculdades continuarem com a prática clínica e às escolas oferecerem cursos de farmacologia, que eram considerados perda de tempo.

Como resultado, os médicos formados em escolas que não receberam pontuações altas no relatório não tinham permissão de fazer o exame de licença médica. O declínio da homeopatia também pode estar relacionado com a falta de viabilidade econômica, pois a prática demanda mais tempo com o paciente.

Na homeopatia de Hahnemann, ele considerava todos os sintomas para o tratamento, e prescrevia um remédio por vez. Porém, com a progressão das práticas homeopáticas, outros médicos passaram a prescrever medicamentos para sintomas específicos, ao invés de tratarem a doença como um todo.

Hoje em dia, os remédios homeopáticos são nanomedicamentos, essencialmente. A premissa pela qual os tratamentos homeopáticos vêm sendo feitos por mais de um século é que, quanto mais diluído o remédio estiver, maior será o seu efeito. E as doses baixas dos nanomedicamentos são capazes de cruzar a barreira hematoencefálica e as membranas plasmáticas das células facilmente, sem ativarem os mecanismos de defesa do corpo.

Além disso, esses tratamentos não provocam efeitos colaterais e reações adversas. Até então, já existem mais de 300 ensaios duplo-cego controlados por placebo sobre a homeopatia, publicados e revistas médicas de revisão por pares, como:

The Lancet

BMJ (British Medical Journal)

Chest (publicação da Faculdade Americana de Médicos do Tórax)

Pediatrics (publicação da Academia Americana de Pediatria)

Cancer (revista da Sociedade Americana do Câncer)

Pediatrics Infectious Disease Journal (publicação da Sociedade Europeia das Doenças Infecciosas Pediátricas)

European Journal of Pediatrics (publicação da Sociedade Suíça de Pediatria e da Sociedade de Pediatria da Bélgica)

A asma afeta milhões de pessoas

A causa exata da asma é desconhecida, e pode variar de pessoa para pessoa. Os pesquisadores acreditam que ela é resultante de uma forte reação imunológica a alérgenos do ambiente, como as proteínas sazonais e os pelos dos animais de estimação. Esses alérgenos entram nas vias aéreas, provocando fortes reações pelo sistema imunológico.

De acordo com a Fundação de Asma e Alergias dos EUA, os afro-americanos dos EUA morrem de asma em proporções maiores que as pessoas de outras etnias. A asma é a doença crônica mais frequente em crianças, e a maior razão pela qual elas faltam aulas na escola. Em 2013, 13,8 milhões de dias letivos das escolas dos EUA foram perdidos devido à asma.

Nos EUA, 10 pessoas morrem de asma por dia, e muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas com o devido tratamento e cuidado. A chance dos adultos morrerem de asma é quatro vezes maior que das crianças, e as mulheres têm mais chances de morrer de asma do que os homens. De acordo com a CDC, os custos econômicos da asma são maiores que 80 bilhões de dólares por ano, incluindo custos médicos, dias perdidos no trabalho e nas escolas, e mortes.

No entanto, os pesquisadores acreditam que esses valores são provavelmente maiores, já que os dados incluíram somente pessoas tratadas por asma, ou seja, que tiveram pelo menos uma consulta médica ou receita médica por causa da asma dentro de um ano. Além disso, as informações do estudo não levaram em conta os custos não médicos, como transporte e a perda de produtividade no trabalho e nas escolas.

Os sinais e sintomas da asma incluem aperto no peito, tosse, falta de ar e respirações ofegantes, que provocam um chiado ao exalar. Os ataques de asma podem ocorrer repentinamente, e podem ser mortais.

Os sintomas podem ser provocados por exercícios físicos, alergias, ar frio e hiperventilação, e podem piorar durante a noite ou de manhã bem cedo, ou durante infecções virais. Os sintomas também podem aumentar e diminuir com o passar do tempo, e essas variações podem ocorrer até mesmo dentro de um só dia.

Tratamentos homeopáticos para a asma

Durante a consulta, o médico homeopata vai encontrar um tratamento para ajudar seu corpo a reduzir ou eliminar as dificuldades de respiração associadas à asma. Por isso, talvez essas consultas levem até uma hora, pois o médico irá determinar quais são os melhores medicamentos para começar o tratamento. Os medicamentos homeopáticos normalmente receitados para a asma são:

Ipecacuanha — Derivado de uma planta nativa do Brasil, a Cephaelis ipecacuanha, esse medicamento é indicado para tratar as respirações ofegantes e tosses repentinas com engasgos e vômitos constantes. Pode beneficiar pacientes com chiados no peito, suor, sensação de suor, náuseas e agravamento dos sintomas durante climas quentes e úmidos ou durante o calor.

Arsenicum Album — Esse medicamento é indicado para tratar dificuldades de respiração durante a noite, sensação de sede acompanhada pelo consumo frequente de água, e ansiedade associada à dificuldade de respiração. O paciente pode se sentir exausto, mas inquieto e ansioso, E sentir dificuldades de respirar enquanto deitado, e os sintomas geralmente são mais intensos entre a meia noite e as 2h da manhã.

Natrum sulphuricum — Esse medicamento é prescrito para a asma em clima úmido, quando o paciente estiver com escarro grosso e esverdeado.

Nux vomica — Esse medicamento é prescrito para os sintomas de asma que ocorrem juntamente com um mal-estar no estômago. Os ataques são piores durante as manhãs, após refeições ou durante climas secos.

Lobelia inflata — Esse medicamento é prescrito quando há uma inflação excessiva dos pulmões e falta de ar, juntamente com respirações ofegantes. Os sintomas podem ser causados pela ansiedade, causando um esforço desnecessário para respirar, ou pelo hábito de fumar.

A lobelia inflata pode ajudar a controlar os ataques de asma durante o trabalho ou durante o parto. Os pacientes que sentiram alívio também notaram que o clima úmido e frio piora os sintomas da asma, e respirações lentas e profundas os aliviam.

Antimonium tartaricum — Esse medicamento é usado tradicionalmente como um emético, induzindo o vômito. As doses usadas pela homeopatia são infinitesimalmente pequenas, e são benéficas para crianças e idosos, quando os sintomas estão associados com infecções e grande quantidades de muco. Outros sintomas incluem respirações rápidas e com dificuldade, e dificuldade em expelir o muco.

Sambucus nigra — O extrato do sabugueiro também pode ser utilizado como um antiviral. Na homeopatia, ele pode ser beneficial para pessoas que sofrem sensações de sufocamento durante a noite ou pessoas cujos sintomas pioram entre a meia noite e as 3h da manhã.

Natrum sulphuricum — Esse medicamento é útil para crianças e adultos cujos sintomas da asma pioram por volta das 4h da manhã, durante climas úmidos, e antes da menstruação.

Pulsatilla — Esse medicamento pode ser usado quando os sintomas da asma aparecem quando o paciente está aquecido ou após comer alimentos nutritivos. Se você está com muco amarelado e sofre de engasgos, sufocamentos e aperto no peito durante a noite, e se sente aliviado respirando ar fresco e frio, pode ser que a Pulsatilla seja um bom tratamento.

Spongia tosta — Esse medicamento é indicado para asmas com tosses difíceis, intensas e secas. Pode ser que consumir bebidas mornas ou se sentar com a cabeça deitada para trás ajudem a aliviar Os sintomas, que aparecem com maior frequência antes da meia noite.

O equilíbrio das gorduras ômega pode reduzir os sintomas da asma

Se você sofre de asma, considere o seu consumo de ômega-3. Seu corpo necessita de um equilíbrio entre os ácidos graxos ômega-3 e ômega-6. Infelizmente, a dieta da maioria dos americanos é muito rica em ômega-6 e muito pobre em ômega-3. Um estudo do centro médico Johns Hopkins Medicine demonstrou que crianças diagnosticadas com asma que apresentaram altos níveis de gordura ômega-3 sofreram menos sintomas da doença.

No estudo, os dados foram coletados de 135 crianças com idades entre 5 e 12 anos. Cerca de um terço das crianças sofria de sintomas leves de asma, outro terço sofria de sintomas moderados, e o último terço sofria de sintomas intensos. Foram coletados dados sobre suas dietas, sintomas e uso de inaladores, através de questionários.

Os pesquisadores se concentraram em expor a poluição do ar como causadora dos sintomas da asma, E descobriram que as crianças que consumiam mais ômega-3 demonstraram ser mais resistentes à poluição do ar interior, pois suas reações asmáticas à poluição foram menores. Há cada vez mais evidências de que a alimentação influencia nas reações do corpo à poluição e pode ajudar a reduzir os sintomas da asma.