Coma Mais Iogurte e Evite a Osteoporose

iogurte reduz a osteoporose

Resumo da matéria -

  • Você poderia dizer que são comestíveis as bactérias do iogurte não pasteurizado feito com o leite de animais alimentados com grama, que é surpreendentemente fácil de fazer com os ingredientes e condições certas e pode ajudar a explicar como os seres humanos conseguiram sobreviver às eras pré-históricas
  • Um estudo feito em Dublin que examinou os efeitos do iogurte em mais de 4.300 pessoas revelou que 39 por cento das mulheres e 52 por cento dos homens apresentaram um menor risco de osteoporose quando comiam iogurte em comparação com aqueles que não o fizeram
  • Ler os rótulos do iogurte que você compra é importante, pois algumas marcas podem oferecer algumas opções “limpas”, mas a maioria delas é repleta de aditivos prejudiciais, como açúcar, conservantes e açúcar e corantes artificiais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Se alguém perguntou a você quem inventou o iogurte e há quanto tempo ele faz parte do cenário alimentício, talvez você não saiba a resposta, então eu vou dizer.

O iogurte foi provavelmente um dos primeiros alimentos “processados”, já que foi criado em um acidente feliz em algum lugar da Ásia Central pelo menos desde a era Neolítica, 4.500 anos Antes da Era Comum, também conhecido como Era Cristã.

Se você já se perguntou como os seres humanos sobreviveram às épocas pré-históricas, o consumo de iogurte pode ajudar a explicar.

Como um produto de leite cultivado, já sabemos há algum tempo que ele ajuda a equilibrar suas bactérias intestinais para a saúde digestiva, mas uma nova pesquisa revelou que ele também proporciona benefícios para seus ossos.

Na verdade, a pesquisa demonstrou que uma dieta que inclui iogurte aumenta a densidade óssea e reduz o risco de osteoporose.

O iogurte, você pode recordar, é realmente leite fermentado. Você poderia até chamá-lo de bactéria comestível, que é surpreendentemente fácil de fazer se você tiver alguns ingredientes-chave e as condições certas.

Ele pode ajudar seu intestino a desenvolver uma microbioma saudável e a eliminar as toxinas. Pegue duas bactérias benéficas, lactobacillus bulgaricus e streptococcus thermophilus, adicione-as a leite não pasteurizado de alta qualidade proveniente de animais alimentados com grama, e quando ele atingir certa temperatura, ele fermentará.

Embora isso não pareça tão apetitoso, o produto final será um iogurte homogêneo e delicioso.

Produção e Consumo Primitivos de Iogurte

Os benefícios (potenciais) para a saúde dos produtos lácteos foram registrados na medicina ayurvédica pelo menos desde 6.000 AEC. Atualmente, a cozinha indiana possui centenas de tipos de iogurte, e seu nome, “iogurte”, é universal. O Hürriyet Daily News relata como isso aconteceu:

“As primeiras descobertas relativas à domesticação das vacas remontam à Líbia em torno de 9000 AEC, mas é um fato conhecido que os turcos da Ásia Central consumiram leite de cavalo muito antes do leite de vaca ser utilizado... Embora não haja uma verificação científica definitiva em relação ao consumo de iogurte naquele momento específico da história, não é difícil fazer uma suposição sobre isso, dadas as condições de vida da época.

É altamente provável que os asiáticos centrais tenham observado seu principal alimento básico, o leite, transformar-se em outra coisa devido aos organismos vivos presentes nos intestinos dos animais nos quais eram armazenados enquanto viajavam pelas estepes.”

Quando os EUA aprenderam o segredo do leite fermentado por bactérias, começaram a “diversificar” o produto, misturando-o com frutas, mel ou açúcar para torná-lo mais palatável, o que na verdade, como você aprenderá um pouco mais tarde, serviu para transformar o iogurte de um lanche saudável em um risco para a saúde.

Hoje, defensores nas regiões da Turquia e do Mediterrâneo Oriental criam produtos como uma bebida (ayran), mistura de pepino (cacık em turco), mistura de sopa (tarhana) e queijo de iogurte (çökelek em turco) preparado da mesma maneira há séculos em culturas que continuam a desenvolver-se.

Por que isso é significativo? Porque o que foi descoberto pelos pesquisadores do Trinity College em Dublin, na Irlanda, no início de 2017, foi que além de melhorar o condicionamento físico geral, comer iogurte diariamente foi ligado a um risco 31 por cento menor de osteopenia e um risco 39 por cento menor de osteoporose, assim como um risco 52 por cento menor em homens em comparação com aqueles que não comem iogurte.

Bel Marra Health relatou que:

“A fim de identificar a lógica por trás dessa associação e os fatores de risco associados a um diagnóstico de osteoporose, uma análise de vários fatores como IMC, função renal, atividade física, porções de leite ou queijo e suplementos de cálcio ou vitamina D, bem como fatores tradicionais de risco para a saúde óssea - como fumar e o consumo de álcool - foram levados em consideração.”

Comer Iogurte de Alta Qualidade Pode Proteger Seus Ossos

O New York Times disse que os cientistas monitoraram mais de 4.300 adultos, levando vários fatores em consideração, e descobriram que, comparados a pessoas que não comiam iogurte, aqueles que comiam diariamente tiveram um aumento de três a quatro por cento na densidade óssea.

A perda óssea é a causa da osteoporose, ou literalmente “ossos porosos”, uma doença que atinge 40 milhões de pessoas nos EUA, a maioria mulheres, de acordo com a Medical News Today. Incrivelmente, os remédios que muitos médicos dão a seus pacientes para esta doença podem causar fraturas devido ao aumento da perda óssea e estão ligados a um maior risco de câncer.

Os pesquisadores também descobriram que os biomarcadores de perda de osso dos participantes eram 9,5 por cento menores para aqueles que consumiram mais iogurte, indicando que eles apresentaram uma menor deterioração óssea em comparação a aqueles que consumiram menos. Eamon Laird, autor principal do estudo e pesquisador de pós-doutorado no Trinity College de Dublin, observou:

“O iogurte é uma fonte rica de diferentes nutrientes que promovem o crescimento dos ossos e, portanto, nossas descobertas em alguns aspectos não são surpreendentes. Os dados sugerem que aumentar o consumo de iogurte pode ser uma estratégia para manter a saúde óssea, no entanto, é necessário que isso seja verificado através de pesquisas futuras, pois nossa pesquisa é apenas observacional.

Os resultados demonstram que há uma ligação significativa entre saúde e fragilidade óssea e este produto alimentar relativamente simples e barato. O que é necessário agora é a verificação dessas observações de ensaios controlados randomizados, pois ainda não compreendemos os mecanismos exatos que podem ser devidos aos benefícios da macro ou microbiota e a composição dos micronutrientes contidos no iogurte.”

No entanto, Laird acrescentou que, como seu estudo era de natureza observacional, ele necessariamente não provou causa e efeito. Ele disse que uma coisa que o estudo prova, no entanto, é que o iogurte é uma boa fonte de micronutrientes, vitamina D, vitaminas B e cálcio, para não mencionar proteínas e probióticos.

Mas, embora outros produtos lácteos não tenham os mesmos efeitos benéficos que o iogurte tem, o iogurte muitas vezes é carregado de tantos aditivos e açúcares que quaisquer vantagens são deixadas de lado. Em vez de serem nutricionalmente positivos, esses aditivos tornam o iogurte em um produto nocivo para a saúde. Laird advertiu: “Precisamos ter cuidado com isso”.

Problemas aos Quais se Deve Atentar ao Comprar Iogurte

É importante ler os rótulos do iogurte que você compra no supermercado. Algumas marcas podem oferecer algumas opções “limpas”, mas a maioria delas está repleta de aditivos nocivos. O Cornucopia Institute oferece uma “tabela de desempenho” para iogurtes comerciais, por marca em oposição a produtos individuais, para que os consumidores tenham uma ideia melhor do que estão comprando e:

“Para responsabilizar os fabricantes e os comerciantes por transformar o iogurte - um alimento antigo e saudável - em uma conveniência/junk food repleta de adoçantes, conservantes, espessantes, substituições de leite e sabores e cores artificiais. Os alimentos orgânicos reduzem drasticamente a exposição a agroquímicos tóxicos.

Além disso, pesquisas publicadas, revisadas por pares, indicam que o leite orgânico é nutricionalmente superior ao leite convencional, que muitas vezes vem de vacas leiteiras confinadas em fazendas de engorda, alimentadas com grãos OGM (e)... nutrição além de níveis mais baixos de resíduos químicos.”

Existem marcas de iogurte por aí com 22 ou mais gramas de açúcar por porção - a mesma quantidade ou mais do que em um Twinkie! Os efeitos negativos do açúcar são muito superiores aos benefícios mínimos oferecidos pelos probióticos do iogurte comprado no supermercado.

Alguns dos problemas aos quais você deve atentar-se ao comprar um iogurte incluem:

Espessantes e estabilizadores como carragenina, goma guar e pectina. A carragenina, o Instituto diz, é conhecida como “um agente inflamatório intestinal potente que causa uma miríade de resultados negativos para a saúde, incluindo possíveis cânceres”

Os adoçantes artificiais, como a sucralose (que podem ter efeitos neurotóxicos, aumentar os níveis de insulina e causar câncer), aspartame e sacarina - que confundem seu metabolismo - são todos criados em laboratório

Xarope de milho de alta frutose (High-Fructose Corn Syrup - HFCS), que um estudo da Universidade de Princeton disse que “induz consideravelmente um aumento maior de peso”

Corantes artificiais, geralmente de operações industriais de processamento de alimentos usando produtos químicos sintéticos

Os nutrientes sintéticos, como o concentrado de proteína do leite, que muitas vezes deslocam o produto real, são usados pelos fabricantes de iogurte para economizar dinheiro

Conservantes como o benzoato de sódio, ingredientes geneticamente modificados (GM), hormônios do crescimento, herbicidas e pesticidas

Leite de operações concentradas de alimentação de animais (Concentrated Animal Feeding Operations - CAFOs)

O Iogurte é Bom para Você Quando é “Limpo”

Os probióticos desempenham um papel incrivelmente benéfico na sua saúde intestinal. O tipo e quantidade de micro-organismos no seu intestino interagem com seu corpo de maneiras que podem prevenir ou estimular o desenvolvimento de muitas doenças.

O iogurte é uma ótima fonte de bactérias naturais e saudáveis, desde que não seja pasteurizado e tenha sido feito com leite de vacas alimentadas com grama e não contenha açúcares adicionados ou adoçantes artificiais.

Food Babe diz que o único iogurte que ela recomenda é o simples iogurte orgânico, grego ou regular (eu acrescentaria que também deve ter sido feito com o leite de vacas alimentadas com grama) e afirma:

“A indústria de alimentos tem uma reputação de pegar itens incrivelmente saudáveis e transformá-los em lixo processado e isso é exatamente o que aconteceu com a maioria dos iogurtes disponíveis no mercado.

O iogurte convencional geralmente vem do leite produzido por vacas que são confinadas e não podem pastar em locais abertos. Geralmente, elas são alimentadas com grãos OGM, não com grama. Conforme o iogurte fermenta, antiespumantes químicos às vezes são adicionados... Essas práticas alarmam-me, já que o iogurte tem sido um alimento saudável que promove a longevidade há eras.”

O que você pode não perceber ao escolher um iogurte na área de lácteos do supermercado é que o iogurte é tão bom quanto o leite que foi usado para fazê-lo. Para garantir que seu iogurte contenha todos os ingredientes bons e nenhum daqueles maus para ter saúde otimizada, não é difícil fazer o seu próprio, usando 100% de leite orgânico, não pasteurizado e de vacas alimentadas com grama.

A maioria das pessoas sabe que o iogurte fornece cálcio, um mineral que a National Osteoporosis Foundation diz que é necessário para a vida, porque ele constrói ossos, ajuda o sangue a coagular, permite que os seus músculos contraiam-se e que seus nervos enviem mensagens. Além disso, quando você não recebe cálcio suficiente (e o melhor é aquele derivado da comida), ele é levado dos seus ossos.

Além da muito importante vitamina D, as vitaminas B são outro motivo para consumir iogurte feito com leite de vacas alimentadas com grama. Há também o fósforo, potássio e riboflavina, bem como proteínas de alta qualidade, probióticos benéficos e o anticancerígeno ácido linoleico conjugado, ou CLA (Conjugated Linoleic Acid), um ácido graxo muito importante, do qual uma das únicas outras fontes é a carne bovina de animais alimentados com grama.