Puberdade Antes dos 10 Anos: Um Novo “Normal”?

Puberdade Precoce

Resumo da matéria -

  • A puberdade precoce, que é o aparecimento de características sexuais secundárias, como os pelos pubianos ou o crescimento das mamas antes dos oito anos, ou o início da menarca antes dos nove anos, afeta pelo menos 1 em cada 5.000 crianças e a taxa está aumentando
  • A puberdade precoce está ligada a problemas emocionais e comportamentais, juntamente com um risco aumentado de diabetes, doenças cardíacas e outras doenças cardiovasculares, bem como câncer, mais tarde na vida
  • Químicos ambientais, e particularmente imitadores de estrogênio, produtos químicos “alteradores de gênero” que se libertam facilmente dos produtos que os contêm, provavelmente são os culpados; isso inclui ftalatos, parabenos, PFOA, bisfenol-A (BPA) e mais (esses produtos químicos ambientais também estão relacionados a outros riscos para a saúde, como o câncer e doenças cardíacas)
  • Entre as melhores maneiras de evitar a puberdade precoce, está limitar a exposição do seu filho (e a sua própria durante a gravidez) a produtos químicos e estressores que prejudicam os hormônios, além de otimizar os níveis de vitamina D do seu filho e incentivar que ele cumpra regularmente um programa de exercícios
Tamanho da fonte:

 Por Dr. Mercola

A puberdade precoce, que é o aparecimento de características sexuais secundárias como os pelos pubianos ou o crescimento das mamas antes dos oito anos de idade, ou o início da menarca antes dos nove anos, afeta pelo menos 1 em cada 5.000 crianças nos EUA, e a taxa está aumentando.

Inclusive, nas últimas três décadas, as crianças (particularmente as meninas) estão amadurecendo em idades cada vez mais jovens (a puberdade precoce é 10 vezes mais comum em meninas do que em meninos).

A Puberdade, Normalmente Iniciada aos 15 anos, Agora está Ocorrendo aos 7, 8 e 9 Anos de Idade

No século XIX, o início da menstruação ocorria em torno dos 15 anos de idade. Agora, a idade média da primeira menstruação, ou a menarca, é de cerca de 12 anos. O tempo durante e antes da puberdade é de rápido desenvolvimento e mudança, razão pela qual até meses são importantes quando se trata da primeira menstruação.

Antes da menstruação, as meninas mostrarão sinais iniciais de desenvolvimento, como o aumento das mamas e crescimento dos pelos pubianos. Esses sinais estão tornando-se cada vez mais comuns entre as meninas de 7, 8 e 9 anos, à medida que muitos médicos, ao invés de diagnosticar que há algo de errado com essas crianças, simplesmente mudaram a definição do que é normal... mas é realmente “normal” que meninas amadureçam em uma idade tão precoce?

Há mais perguntas do que respostas no caso da puberdade precoce, mas o que é certo é que as meninas estão desenvolvendo-se mais cedo do que há 10, 20 ou 30 anos atrás.

A puberdade precoce pode criar condições propícias ao surgimento de problemas emocionais e comportamentais e está ligada a uma menor autoestima, depressão, distúrbios alimentares, consumo de álcool, perda precoce da virgindade, mais parceiros sexuais e maior risco de doenças sexualmente transmissíveis.

Há também evidências que sugerem que essas meninas estão em um risco maior de diabetes, doenças cardíacas e outras doenças cardiovasculares, bem como câncer, mais tarde na vida.

Os Produtos Químicos Ambientais, um Fator Provável

Os cientistas trouxeram uma série de explicações potenciais para as taxas crescentes de puberdade precoce, mas a que merece atenção especial é a dos produtos químicos ambientais e, em particular, aqueles que imitam o estrogênio, produtos químicos de “alteração de gênero” que se liberam facilmente dos produtos que os contêm, contaminando tudo o que tocam, incluindo alimentos e bebidas.

Como relatou um artigo publicado no New York Times:

“... Estudos feitos com animais demonstraram que a exposição a alguns produtos químicos ambientais pode causar amadurecimentos precoce. Os mais preocupantes são os disruptores endócrinos, como os ‘xeno-estrógenos’ ou imitadores de estrogênio. Esses compostos comportam-se como os hormônios esteroides e podem alterar o tempo da puberdade.

Por razões éticas óbvias, os cientistas não podem realizar estudos controlados que comprovem o impacto direto desses produtos químicos em crianças, de modo que os pesquisadores buscam os chamados ‘experimentos naturais’, um dos quais ocorreu em 1973 em Michigan, quando gado foi alimentado acidentalmente com grãos contaminados com um químico imitador de estrogênio, o retardador de chama PBB. As filhas nascidas das gestantes que comeram a carne com PBB e bebiam leite com PBB começaram a menstruar significativamente mais cedo do que suas colegas.”

Este é um caso extremo, mas a verdade é que todos somos parte de uma “experiência secreta”, porque os produtos químicos que prejudicam os hormônios estão ao nosso redor. O bisfenol A (BPA), um produto petroquímico industrial que atua como estrogênio sintético, é encontrado em nossos plásticos e nos revestimentos de latinhas, em selantes dentários e em recibos de caixa registradora.

Testes de laboratório encomendados pelo Environmental Working Group (EWG) detectaram BPA no sangue do cordão umbilical de 90 por cento dos recém-nascidos testados  - juntamente com mais de 230 outros produtos químicos.  

Ninguém sabe o que acontece quando um feto em desenvolvimento ou uma criança pequena é exposta a centenas de produtos químicos, muitos dos quais imitam os hormônios naturais do seu corpo e podem desencadear grandes mudanças no seu corpo, mesmo já adulto, sem falar durante os períodos mais rápidos e vulneráveis do desenvolvimento (no útero e como uma criança pequena).

O BPA é, infelizmente, um exemplo. Outros incluem ftalatos, um grupo de produtos químicos industriais utilizados para tornar os plásticos como o cloreto de polivinilo (PVC) mais flexíveis e resistentes. Eles também são um dos mais penetrantes dos disruptores endócrinos, encontrados em tudo, desde embalagens de alimentos processados e cortinas de chuveiro até detergentes, brinquedos e produtos de beleza como esmalte de unhas, spray para cabelo, xampu, desodorantes e perfumes.

Outros produtos químicos ambientais como PCBs e DDE (um produto de degradação do pesticida DDT) também podem estar associados ao desenvolvimento sexual precoce nas meninas. Tanto os DDE quanto os PCBs são conhecidos por imitar ou interferir nos os hormônios sexuais.

O ácido perfluorooctanoico (PFOA), encontrado em utensílios antiaderentes, também se enquadra nesta categoria perigosa, assim como o flúor, que é adicionado à maioria dos suprimentos públicos de água nos Estados Unidos. Uma pesquisa demonstrou que os animais tratados com fluoreto apresentaram níveis mais baixos de melatonina circulante, conforme refletido por níveis reduzidos de metabolitos de melatonina na urina dos animais. Este nível reduzido de melatonina circulante foi acompanhado - como seria de esperar - por um início precoce da puberdade nos animais fêmea tratados com flúor.

Esses Produtos Químicos Também Aumentam seu Risco de Ter Câncer e Doença Cardíaca

Se um produto químico é capaz de influenciar a taxa de seu desenvolvimento reprodutivo, é óbvio que também será capaz de influenciar outros processos de crescimento sensíveis aos hormônios, e esse é realmente o caso.

Por exemplo, novas pesquisas detectaram a presença de ésteres de parabeno em 99 por cento dos tecidos de câncer de mama amostrados. Os parabenos são produtos químicos com propriedades semelhantes ao estrogênio e o estrogênio é um dos hormônios envolvidos não só na puberdade, mas também no desenvolvimento do câncer de mama.

Eles são amplamente utilizados em produtos domésticos, como:

Desodorantes e antitranspirantes

Xampus e condicionadores

Gel de barbear

Pasta de dentes

Loções e protetores solares

Maquiagem/cosméticos

Remédios farmacêuticos

Aditivos alimentares

Pesquisas recentes também confirmaram a existência de uma classe previamente desconhecida de compostos de imitação de estrogênio causadores de câncer: metais. Sim, uma ampla variedade de metais tem atuado como “metal-estrogênios” com o potencial de aumentar a carga estrogênica do corpo humano, aumentando assim o risco de câncer de mama e, possivelmente, da puberdade precoce.

Os seguintes metais, que são adicionados a milhares de produtos de consumo, incluindo vacinas, foram identificados como sendo capazes de ligar-se aos receptores de estrogênio celular e, em seguida, imitar as ações dos estrogênios fisiológicos:

Alumínio

Antimônio

Arsenito

Bário

Cádmio

Cromo

Cobalto

Cobre

Chumbo

Mercúrio

Níquel

Selenito

Estanho

Vanadato

Evitar Substâncias que Danificam os Hormônios é Crucial Tanto para Crianças quanto para Adultos

Embora as meninas jovens possam mostrar sinais óbvios de exposição a substâncias que danificam os hormônios através da puberdade precoce, outros sinais são mais insidiosos e podem não aparecer até que uma doença já esteja presente.

Aqui estão 11 medidas que você pode implementar imediatamente para ajudar a proteger você e seus filhos de substâncias tóxicas comuns que podem causar puberdade precoce e outros problemas de saúde em longo prazo:

Tanto quanto possível, compre e coma produtos orgânicos e carnes orgânicas para reduzir sua exposição a hormônios, pesticidas e fertilizantes adicionados. Evite também o leite e outros produtos lácteos que contenham o hormônio de crescimento bovino recombinante geneticamente modificado (rBGH ou rBST).

Coma principalmente alimentos crus e frescos. Os alimentos processados, pré-embalados (de todos os tipos) são uma das principais fontes de soja e produtos químicos, como BPA e ftalatos.

Armazene seus alimentos e bebidas em vidro em vez de plástico e evite usar embalagens de plástico e alimentos enlatados (que geralmente são revestidos com envoltórios que contêm BPA).

No caso de crianças pequenas use garrafinhas e copinhos de vidro sem BPA.

Certifique-se de que os brinquedos do seu bebê estejam livres de BPA, como chupetas, anéis de dentição e qualquer coisa que seu filho possa estar propenso a chupar.

Use apenas produtos de limpeza naturais na sua casa para evitar ftalatos.

Mude para marcas naturais de artigos de higiene como xampu, pasta de dente, antitranspirantes e cosméticos.

Evite o uso de purificadores de ar artificiais, toalhas de papel, amaciantes de tecido ou outras fragrâncias sintéticas, muitas das quais também podem prejudicar seu equilíbrio hormonal.

Substitua suas panelas e frigideiras antiaderentes por utensílios de cerâmica ou de vidro.

Ao refazer sua casa, procure alternativas “verdes”, sem toxinas, em vez de revestimentos regulares de tinta e vinil.

Substitua sua cortina de chuveiro de vinil por uma feita de tecido.

Evite a soja não fermentada, especialmente se estiver grávida ou estiver usando fórmula infantil.

A Vitamina D Também Foi Ligada à Puberdade Precoce

Foi sugerido que as meninas que vivem mais perto do equador entram na puberdade em uma idade posterior às meninas que moram nas regiões do norte. Uma vez que isso indica uma conexão potencial com a exposição ao sol, os pesquisadores decidiram investigar se a vitamina D estava, de fato, relacionada. Ao medir os níveis de vitamina D em 242 garotas de 5 a 12 anos, pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan descobriram que aquelas que eram deficientes em vitamina D tinham duas vezes mais chances de iniciar a menstruação durante o período de estudo que aquelas com níveis mais altos.

Especificamente, entre as meninas deficientes em vitamina D, 57 por cento começaram a menstruar durante o estudo, em comparação com 23 por cento com níveis adequados de vitamina D. Contudo, os pesquisadores definiram que a quantidade adequada de vitamina D como sendo de ≥ 30 ng/mL, o que na verdade ainda é um estado de deficiência! Para ter uma saúde otimizada, os níveis de vitamina D devem ser de no mínimo de 50 ng/mL, o que significa que o número de meninas deficientes em vitamina D com puberdade precoce provavelmente foi muito maior do que o estudo reportou.

Quanto mais cedo você entra na puberdade, mais tempo você estará exposta a níveis elevados do hormônio feminino estrogênio, que é um fator de risco para certos tipos de câncer, como o câncer de mama. Essa foi a principal “ligação” entre a puberdade precoce e o câncer que foi explorada, mas é importante entender que a deficiência de vitamina D também é um importante fator de risco para câncer, doenças cardíacas e muitas outras doenças. Assim, pode ser que alguns dos riscos aumentados que vêm da puberdade precoce estejam ligados a baixos níveis de vitamina D.

O Que Você Deve Saber Sobre Obesidade, Estresse e Exercício

A obesidade (que expõe as meninas a mais estrogênio porque o estrogênio é armazenado e produzido no tecido adiposo) é outro fator provável da puberdade precoce.

Quanto ao estresse, ele também foi associado à puberdade precoce, com meninas cujos pais divorciaram-se quando tinham entre os 3 e 8 anos de idade estavam significativamente mais propensas a sofrer de puberdade precoce.

“A psicologia evolutiva oferece uma teoria”, informou o New York Times. “Uma infância estressante predispõe o corpo a uma reprodução precoce, se a vida é difícil, é melhor amadurecer jovem. Mas tais teorias são difíceis de provar”. Curiosamente, além de evitar produtos químicos ambientais, obesidade e estresse e otimizar seus níveis de vitamina D, o exercício regular parece ser uma das maneiras mais conhecidas de ajudar a prevenir a puberdade precoce.