Os Vegetarianos Estão Duas Vezes Mais Propensos a Ficarem Deprimidos

Dieta Vegetariana

Resumo da matéria -

  • Os vegetarianos foram quase duas vezes mais propensos a sofrer de depressão do que aqueles que consomem carne, mesmo depois de ajustarem as variáveis como condições do trabalho, histórico familiar e número de crianças
  • Os vegetarianos tendem a ter ingestões mais baixas de gorduras ômega-3, vitamina B12 e folato, o que pode afetar o risco de depressão
  • A associação também pode estar relacionada a níveis sanguíneos mais elevados de fitoestrógenos, particularmente entre aqueles que consomem muita soja, ou mesmo pesticidas, uma consequência de se consumir uma grande quantidade de produtos não orgânicos
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Sua dieta desempenha um papel intrincado no seu humor. Enquanto o excesso de açúcar foi associado à depressão, certos alimentos, como legumes de folhas verdes escuros, cogumelos e açafrão, estão ligados a emoções positivas. Em longo prazo, o que você come ou não come também pode afetar o seu humor, alterando os níveis de certas vitaminas em seu corpo, minerais e ácidos graxos envolvidos na saúde e humor do cérebro.

Embora muitas pessoas optem por ter uma dieta vegetariana ou vegana por razões de saúde, este é um fator importante a ser considerado, pois a pesquisa sugere que isso pode estar associado à depressão.

De fato, em um estudo com 9.700 homens vegetarianos (incluindo um pequeno número de veganos), os vegetarianos eram quase duas vezes mais propensos a sofrer de depressão do que aqueles que comem carne, mesmo depois de ajustar variáveis como condições de trabalho, histórico familiar e número de crianças.

Por que ser Vegetariano Aumenta o Risco de Depressão?

A associação pode existir porque as pessoas com depressão podem estar mais propensas a mudar suas preferências alimentares ou isso pode estar relacionado a níveis sanguíneos mais elevados de fitoestrógenos, particularmente entre aqueles que comem muita soja, ou mesmo pesticidas, uma consequência de consumir muito produtos não orgânicos, disseram os pesquisadores.

Mas, o que é mais provável, é que isso tem a ver com os níveis de nutrientes. Os vegetarianos tendem a ter uma ingestão mais baixa de gorduras ômega-3, vitamina B12 e folato, o que pode afetar o risco de depressão das seguintes formas:

Gorduras Ômega-3

Alimentos Ricos em Gorduras Ômega-3

Faltam na maioria das dietas dos estadunidenses gorduras saudáveis, incluindo as gorduras ômega-3 de origem animal EPA (ácido eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosahexaenóico). Embora os ômega-3 sejam mais bem conhecidos por seu papel na saúde do coração, eles também desempenham um papel fundamental na saúde cerebral e na saúde mental.

O livro de 2001, “The Omega-3 Connection: The Groundbreaking Anti-depression Diet and Brain Program” (A Conexão Ômega-3: o Programa Inovador de Dieta antidepressão e Programa para o Cérebro), do psiquiatra de Harvard, Dr. Andrew Stoll, foi um dos primeiros trabalhos a chamar a atenção e apoiar o uso de gorduras ômega-3 para tratar a depressão.

Não existe uma dose padrão recomendada de gorduras ômega-3, mas algumas organizações de saúde recomendam uma dose diária de 250 a 500 miligramas (mg) de EPA e DHA para adultos saudáveis. Se você sofre de depressão, podem ser necessárias doses mais elevadas.

As boas fontes dietéticas de ômega-3 de origem animal incluem anchovas, sardinhas, cavalas, arenque e salmão selvagem do Alasca.

Vitamina B12

Alimentos Ricos em Vitamina B12

A vitamina B12 saiu nas manchetes pelo seu poderoso papel na prevenção do declínio cognitivo e demência mais grave, como a doença de Alzheimer. A confusão mental e os problemas com a memória são, na verdade, dois dos principais sinais de alerta de que você tem deficiência de vitamina B12, o que indica sua importância para a saúde cerebral.

No entanto a ansiedade e depressão também podem ocorrer junto com uma deficiência de vitamina B12 porque ela reduz o neurotransmissor químico serotonina do cérebro, um neurotransmissor vinculado aos centros de prazer no cérebro e a dopamina, o regulador de humor que registra a memória e o humor.

Vegetarianos e veganos são especialmente suscetíveis à deficiência de B12 porque ela é derivada de produtos de origem animal como carne, frutos do mar, ovos e produtos lácteos.

Aconselha-se aos vegetarianos aumentar a sua ingestão de B12 abastecendo-se de muito fermento nutricional, óleo de coco e leite de coco fortificado, mas mesmo assim uma dieta vegana ou vegetariana rigorosa não é recomendada.

Folato

Alimentos Ricos em Folato

O folato ajuda seu corpo a produzir neurotransmissores que regulam o humor, incluindo serotonina e dopamina. Um estudo realizado em 2012 revelou que as pessoas que consumiram mais folato apresentaram menor risco de depressão do que aqueles que consumiram menos.

Esta é uma deficiência que deve ser fácil para os vegetarianos e os veganos corrigirem, pois o folato é encontrado nos legumes de folhas verde-escuras, como espinafre, abacate e outros legumes frescos.

O Aumento do Consumo de Gorduras Ômega-6 Também Pode Desempenhar um Papel

De acordo com o estudo em apresentado, os vegetarianos também são conhecidos por ter uma maior ingestão de gorduras ômega-6, o que também está associado a um maior risco de depressão. Uma fonte importante de gorduras ômega-6 para muitos vegetarianos é o óleo vegetal, que está ligado a uma série de problemas de saúde, incluindo ataque cardíaco.

Essas gorduras ômega-6 poliinsaturadas, quando tomadas em grandes quantidades, não podem ser queimadas como combustível. Em vez disso, elas são incorporadas às membranas celulares e mitocondriais, onde são altamente suscetíveis a danos oxidativos, o que prejudica o sistema metabólico. Pior ainda, a maior parte destes óleos vegetais é altamente processada e cultivada como plantações OGM repletas de resíduos tóxicos de herbicidas, como o Roundup.

Embora seu corpo precise de um pouco de ômega-6, a maioria obtém muito dele em comparação com o ômega-3, e essa proporção desequilibrada também pode ter consequências adversas para a saúde. Além disso, quando aquecidos, os óleos vegetais tendem a oxidar.

De acordo com o Dr. Fred Kummerow, que pesquisou lipídios e doenças cardíacas por oito décadas antes de morrer há alguns meses aos 102 anos, o colesterol oxidado é o verdadeiro culpado pelas doenças cardíacas.

Ao desencadear a inflamação, ele também provoca problemas cardíacos, bem como, provavelmente, a depressão. Enquanto outros fatores também podem estar envolvidos, a inflamação pode ter um impacto profundo na sua saúde mental.

Conforme observado em um estudo feito em 2012 pela revista Neuropsychopharmacology:

“Foram identificados biomarcadores elevados de inflamação, incluindo citoquinas inflamatórias e proteínas de fase aguda em pacientes deprimidos, e a administração de estímulos inflamatórios tem sido associada ao desenvolvimento de sintomas depressivos.

O estresse psicossocial, a dieta, a obesidade, um intestino permeável e um desequilíbrio entre as células T reguladoras e pró-inflamatórias também contribuem para a inflamação e podem servir de foco para estratégias preventivas relevantes para o desenvolvimento da depressão e sua recorrência.”

Tenha Cuidado ao Optar por uma Alimentação Muito Rica em Grãos e Favas, Sem Produtos de Origem Animal

Ter uma dieta baseada em plantas pode certamente ser saudável, especialmente se estiver adequadamente equilibrada com gorduras saudáveis. No entanto, a ausência de todos os alimentos de origem animal pode ter consequências ao longo do tempo porque certos nutrientes não podem ser obtidos no reino vegetal - carnosina, carnitina, taurina, vitamina B12 e gorduras ômega-3 de origem animal, para citar alguns.

Conforme observado pelo Dr. Steven Gundry, autor de “The Plant Paradox” (O paradoxo das Plantas) (que foi vegetariano por 15 anos, período no qual ele dizia nunca ter estado antes “tão doente”), muitos vegetarianos e veganos enfrentam problemas de saúde porque eles não comem legumes, mas sim grãos e favas, e grãos e favas são muito elevados em lectinas inflamatórias— proteínas vegetais que causam danos através de mimetismo molecular.

Surpreendentemente, as lectinas como aglutinina de germe de trigo (Wheat Germ Agglutinin -WGA), encontradas no trigo e galactanos, encontradas nas favas, até promovem o armazenamento de gordura - apesar de sua fonte ser o reino vegetal. Ainda mais surpreendente, levando em consideração as propriedades da saúde cardíaca que são aceitas sobre o trigo integral, o WGA é uma das formas mais eficazes de induzir doenças cardíacas em animais de laboratório.

Eu não sou contra o vegetarianismo. Eu como pequenas quantidades de proteína animal; principalmente peixes. Ocasionalmente, eu como uma carne certificada de animal estadunidense alimentado com grama. Mas as carnes não são um alimento básico na minha dieta, e acredito que a maioria das pessoas poderia beneficiar-se com a redução do consumo de carne.

Não acredito que ela deva ser completamente excluída, no entanto, porque os alimentos animais contêm nutrientes muito valiosos que seu corpo precisa para ter uma saúde otimizada. Os ovos orgânicos e a manteiga crua são uma fonte adicional de nutrientes incrivelmente saudáveis.

Se, no entanto, você optar por permanecer estritamente vegetariano ou vegano, fique atento em relação aos nutrientes que você pode precisar para complementar sua dieta, bem como sobre evitar as complicações associadas a uma dieta que só inclui plantas que favorece os grãos e leguminosas cheios de lectinas que estimulam a autoimunidade.

Um Teste On-line Pode Dizer-lhe se Você Está Deprimido?

Em notícias relacionadas, se você fizer uma pesquisa do Google para obter informações sobre depressão em um dispositivo móvel, você notará um questionário de triagem chamado PHQ-9 pop up nos resultados da pesquisa.

Se você clicar em “verificar se você está clinicamente deprimido”, isso levará você a uma autoavaliação que deveria dizer-lhe se você está deprimido ou não. Parece que seria uma ferramenta útil, mas lembre-se de que já vimos esses tipos de exame no passado.

A detecção de depressão on-line do WebMD foi patrocinada pela farmacêutica Eli Lilly, fabricante do antidepressivo Cymbalta, e conduziu os usuários a discutir o tratamento com seus médicos. No caso do Google, eles recentemente associaram-se à National Alliance on Mental Illness (NAMI) Aliança Nacional em Problemas Mentais, livremente traduzido.

Conforme observado pela PsychCentral, quase 75% do financiamento da NAMI vem de empresas farmacêuticas e, enquanto ela vende-se como um grupo em defesa do paciente, é realmente mais um grupo de fachada para a indústria farmacêutica.

Portanto, seja muito cauteloso ao aceitar conselhos sobre a sua saúde mental a partir de uma avaliação on-line, especialmente uma mostrada pelo Google, que está no negócio de capturar dados do usuário e repetidamente foi pego infringindo os direitos de privacidade.

Dito isto, quando a depressão não é tratada, ela pode ser debilitante e potencialmente fatal. A depressão pode interferir nos relacionamentos pessoais e profissionais, reduzir o desempenho laboral ou acadêmico e também afetar sua saúde física.

A depressão reduz a sua capacidade de cuidar de si mesmo e tomar decisões corretas sobre a sua saúde, incluindo nutrição e sono. Desequilíbrios na nutrição, flutuações de peso e maus hábitos de sono também podem levar ao comprometimento da função imunológica.

Estima-se que metade das pessoas com depressão não recebe tratamento, então este é um passo importante se você ou um ente querido estiver lutando contra a depressão. No entanto, certifique-se de que o tratamento que você procura é apropriado para você — muitos podem ser ajudados sem o uso de antidepressivos.

Ioga, exercício e Terapia cognitivo-comportamental (TCC) são exemplos de alguns tratamentos não baseados em remédios que foram comprovadamente eficazes na redução de sintomas de depressão. Cuidar da sua dieta, como mencionado, também é importante.

Certifique-se de Cuidar da sua Dieta para ter uma Saúde Mental Melhor

Os homens que consumiam mais de 67 gramas de açúcar por dia eram 23% mais propensos a desenvolver ansiedade ou depressão ao longo de cinco anos do que aqueles cujo consumo de açúcar era inferior a 40 gramas por dia, por exemplo, por isso limitar o açúcar é uma estratégia.

Isso irá ajudá-lo a apoiar sua saúde intestinal, outro fator importante para a saúde mental. Comer alimentos fermentados regularmente, ou tomar um suplemento probiótico também pode ajudar em relação a esse objetivo.

Considere um pequeno estudo envolvendo adultos diagnosticados com SCI (Síndrome do cólon irritável) e depressão que revelou que o probiótico Bifidobacterium longum forneceu alívio da depressão. Em seis semanas, 64% do grupo de tratamento reduziu as pontuações de depressão em comparação com 32% do grupo controle que recebeu um placebo.

Além disso, você não precisa esperar para descobrir se a revelação do estudo apresentado — que uma dieta vegetariana aumenta o risco de depressão — é, de fato, uma causa. Se você é vegetariano ou vegano, certifique-se de aumentar a quantidade de ômega-3, folato e a vitamina B12 de origem animal na sua dieta para proteger sua saúde mental e geral.