A Vitamina A Pode Ajudar a Combater o Câncer de Colón

Vitamina A

Resumo da matéria -

  • As mutações genéticas que causam o câncer de cólon podem sobreviver em células estaminais (células prematuras) mesmo após o tratamento do câncer e podem reaparecer para provocar uma reincidência
  • Pesquisadores recentemente estudaram o papel de um composto de vitamina A, o ácido retinoico e como ele pode prevenir reincidências de câncer de cólon e a metástase
  • Estudos demonstraram níveis mais baixos de ácido retinoico em ratos com câncer de cólon; além disso, quando seus intestinos receberam uma dose extra de ácido retinoico, a progressão da doença diminuiu
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Durante um recente estudo clínico, os cientistas descobriram uma possível ligação entre o ácido retinoico, um composto produzido no seu corpo a partir da vitamina A e a inibição do câncer de cólon, uma das principais causas de câncer em todo o mundo.

Em um artigo da Philly.com, o Dr. Edgar Engleman, professor de patologia e medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, disse que os cientistas sabiam há anos que o ácido retinoico estava envolvido na supressão da inflamação no intestino, mas sua equipe queria “ligar os pontos” para descobrir como isso relacionava-se com o desenvolvimento do câncer.

Nos estudos iniciais, publicados na revista Immunity, os pesquisadores descobriram níveis mais baixos de ácido retinoico em ratos com câncer de cólon.

Eles então descobriram que quando os intestinos dos ratos com câncer de cólon receberam uma dose extra de ácido retinoico, a progressão da doença diminuiu.

No entanto, como observou o artigo, “a pesquisa com animais nem sempre produz os mesmos resultados em seres humanos”. Como Engleman explicou:

“O intestino é constantemente bombardeado por organismos estranhos. Como resultado, seu sistema imunológico é muito complexo. Descobrimos que bactérias, ou moléculas produzidas por bactérias, podem causar uma reação inflamatória maciça no intestino que afeta diretamente o metabolismo do ácido retinoico. ”

Quando os cientistas descobriram que altos níveis de uma determinada proteína decompunham o ácido retinoico no tecido intestinal de pacientes com câncer de cólon, tornando-o inativo, esses pacientes tendiam a ter “piores resultados” do que outros pacientes. De acordo com Engleman:

“Agora que mostramos o papel da deficiência de ácido retinoico no câncer colorretal, gostaríamos de identificar os micro-organismos específicos que iniciam essas mudanças em seres humanos. Em última análise, esperamos determinar se nossos resultados podem ser úteis para a prevenção ou tratamento de câncer colorretal. ”

Reincidências do Câncer de Cólon e HOXA5

Em teoria, como o Science Daily explica, quando os pacientes com câncer de colón passam por tratamentos de quimioterapia, a maioria das células cancerosas são mortas. Contudo:

“As mutações genéticas que causaram o câncer em primeiro lugar podem sobreviver em um grupo específico de células do cólon. Estas são realmente células-tronco, o que significa que elas são células prematuras que esperam crescer em células normais do cólon.

Após o tratamento do câncer terminar, as células estaminais sobreviventes, que ainda contém as mutações cancerosas, podem reaparecer e causar uma reincidência. ”

No Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne (EPFL), estudos da equipe de Joerg Huelsken descobriram que, no intestino, a proteína identificada como HOXA5 desempenha um papel importante em restringir o número de células-tronco, bem como de células que as criam.

Os cientistas concentraram-se nos altos níveis de HOXA5, parte de uma família de proteínas que possuem a tarefa de regular o desenvolvimento inicial do feto, certificando-se de que os tecidos estão moldados corretamente e trabalham juntos como deveriam. Em adultos, proteínas semelhantes regulam as células-tronco para manter a função e a identidade dos tecidos.

Portanto o HOXA5, que vem de um gene específico, determina em certa medida quantas células-tronco desenvolvem-se. As células-tronco do câncer de cólon usam um mecanismo biológico, ou via de sinalização, para bloquear o HOXA5. Uma molécula ativa a outra, que ativa a próxima, em um efeito dominó. De acordo com o Science Daily:

“O propósito de uma via de sinalização é transmitir informações biológicas de uma parte da célula para outra, por exemplo, da membrana externa até o núcleo. Ao bloquear o gene HOXA5, as células estaminais cancerosas do cólon podem crescer incontrolavelmente e espalhar-se, causando reincidências e metástases. ”

Os pesquisadores da EPFL procuraram maneiras de reverter a capacidade das células estaminais do câncer de bloquear a HOXA5 e descobriram que os retinoides podem reativá-lo. Conforme explicado no Science Daily:

“Nos ratos com câncer de cólon, o tratamento com retinoides bloqueou a progressão do tumor e normalizou o tecido.

Ao transformar o gene em HOXA5 novamente, este tratamento eliminou as células estaminais do câncer e impediu a metástase nos animais vivos. Os pesquisadores obtiveram resultados semelhantes com amostras de pacientes reais. ”

Os cientistas da EPFL esperam que seu estudo seja o ponto central sobre o qual a “terapia de diferenciação retinoide” possa mudar o curso fatal do câncer de cólon, não apenas para pacientes que já têm essa doença, mas como medida preventiva para futuros pacientes.

Estudos Demonstram uma Abundância de Evidências: A Vitamina A Ajuda a Combater o Câncer

Não há muito tempo atrás, alguns cientistas acreditavam que a vitamina A realmente causava o câncer, mesmo reconhecendo que era “necessária para o desenvolvimento embrionário, precisamente porque ajuda a ‘diferenciar’ células-tronco, estimulando-as a tornar-se o tecido necessário”, de acordo com um artigo na Orthomolecular.org.

Então, um estudo realizado em 1926 provocou o que pode ter sido a primeira ligação que indica que a vitamina A pode inibir o câncer. Era simples: os ratos alimentados com uma dieta baixa em vitamina A desenvolveram câncer de estômago. Em 1941, um estudo focado envolvendo humanos com o mesmo câncer descobriu níveis baixos de vitamina A.

Esse resultado foi semelhante ao que a Engleman descobriu 75 anos depois. Talvez fossem aquelas primeiras tentativas em relação à vitamina A que deu a dica a cientistas que descobriram uma menor incidência de mesotelioma em pacientes com retinol.

Além disso, o Instituto Linus Pauling relatou:

“Estudos feitos com cultura celular e modelos animais documentaram a capacidade de retinóides naturais e sintéticos de reduzir significativamente a carcinógenos na pele, mama, fígado, cólon, próstata e outros locais.”

Um medicamento anticancerígeno chamado VN/14-1, que bloqueia a degradação do ácido retinóico, levou a uma redução de cerca de 50% nos tamanhos de tumores em ratos implantados com células de câncer de próstata humana e, após cinco semanas, nenhum crescimento tumoral adicional foi detectado.

Outro estudo descobriu que, trabalhando em conjunto, as vitaminas A e C aplicadas em células de câncer de mama cultivadas eram mais de três vezes mais efetivas para inibir a proliferação em comparação com as células não tratadas. De acordo com o Journal of Nutritional Biochemistry:

“A capacidade do ácido retinoico (vitamina A) de inibir a proliferação de células tumorais é bem conhecida, embora seu mecanismo não tenha sido definido.

Os autores sugerem que o efeito sinérgico observado neste estudo é devido à capacidade do ácido ascórbico de retardar a degradação do ácido retinoico, aumentando assim os efeitos inibitórios da proliferação celular da vitamina A.”

De fato, a vitamina A funciona de forma sinérgica com várias outras vitaminas e minerais, incluindo vitaminas D e K2, zinco e magnésio, e sem essa cooperação, a vitamina A não consegue funcionar como deve.

Vitamina A: Retinóides e Carotenóides

Muitas pessoas pensam que, se comerem muitas cenouras e batatas doces, provavelmente estarão obtendo uma quantidade de vitamina A adequada, mas esse não é necessariamente o caso.

Existem dois tipos diferentes de vitamina A: retinóides biodisponíveis de animais; e carotenóides, encontrados em alimentos à base de plantas.

De acordo com a Fundação George Mateljan, que se concentra em compartilhar informações cientificamente comprovadas e ajudar as pessoas a comer e cozinhar para ter uma saúde otimizada:

“Essas duas formas não são apenas quimicamente diferentes - elas também nos fornecem diferentes tipos de benefícios para a saúde. Existem alguns benefícios imunológicos, inflamatórios, genéticos e relacionados com a reprodução específicos da vitamina A, que só podem ser obtidos a partir das formas retinóides da vitamina.

Estas formas retinóides podem ser especialmente importantes em relação à gravidez e ao parto, infância, crescimento na infância, visão noturna, produção de glóbulos vermelhos e resistência a doenças infecciosas. No entanto, mesmo que não tenhamos de encarar essas situações particulares, cada um de nós precisa da forma retinóide de vitamina A.”

Você pode ter percebido que apenas a versão retinóide da vitamina A é absorvível pelo seu corpo. Por outro lado, seu corpo precisa converter os carotenóides baseados em plantas em retinóides, mas certos fatores podem impedir esse processo, como:

Uso de álcool

Certos alimentos

Uma dieta com baixo teor de gordura

Exposição a toxicidades

Certos medicamentos

Problemas médicos que impedem a absorção de gordura

A má notícia é que essa lista inclui a maioria das pessoas. Embora a deficiência de vitamina A não seja considerada comum nos EUA, certamente é nos países em desenvolvimento. Um dos primeiros sinais disso é a cegueira noturna, que pode piorar se a sua ingestão de vitamina A não for aumentada.

Vitamina A: Boa para Visão, Crescimento Celular, Função Neurológica e Mais

A vitamina A é um antioxidante, por isso ajuda a combater a inflamação e os danos causados pelos radicais livres. Entre as fontes de vitamina A retinóides e carotenóides, os benefícios para o seu corpo incluem:

Função do sistema imunológico

Regulação genética

Diferenciação celular

Desaceleração do processo de envelhecimento

Visão saudável

Ossos fortes

Função neurológica

Pele saudável

Boas Fontes de Vitamina A

A melhor maneira de “aumentar” sua ingestão de vitamina A é através dos alimentos. Os ovos de galinhas alimentadas com pasto (especialmente crus ou o mais próximos disso possível), o leite cru integral e o creme de vacas orgânicas alimentadas com grama e a manteiga e o queijo crus e orgânicos de vacas alimentadas com grama são excelentes fontes.

Outros alimentos que contêm altas quantidades de vitamina A incluem:

Fígado de animais cultivados de forma orgânica

Espinafre

Abóbora de inverno

Folhas de mostarda e couve-galega

Camarão (mas tenha cuidado, pois a maioria dos camarões são cultivados em tanques)

Cenouras

Salmão selvagem do Alasca

Couve

Batatas doces

Alface romana

Vitaminas e Minerais São Necessários Para ter uma Saúde Ideal

Aliás, o artigo da Orthomolecular.org também observa a frequência com que os benefícios nutricionais dos alimentos são estudados para o propósito expresso de desenvolver medicamentos a partir deles em vez de incentivar as pessoas a comerem os alimentos que fornecem os nutrientes, ou seja “deixar que o alimento seja seu remédio e o remédio a sua comida”.

“Os alertas sensacionalistas e as distorções completas dizendo que a vitamina A natural pode ‘provocar’ o câncer realmente servem para instigar os leitores de jornais e aqueles que veem televisão. Após um exame mais aprofundado, um estudo dizendo que a ‘vitamina promove câncer’ geralmente tem a aparência de ter sido conduzido para provar um ponto planejado.

Conforme os autores alimentam os medos sobre a vitamina A, eles também deixam claro seu objetivo, em suas próprias palavras, afirmando que ‘essas descobertas abrem uma nova porta para o desenvolvimento de medicamentos’. Novas vias de comercialização para o desenvolvimento de medicamentos patenteáveis de vitamina A são uma oportunidade comercial que a indústria farmacêutica não negligenciou.”