Como o Estresse Deixa Você Doente

Estresse

Resumo da matéria -

  • Quando você sente-se estressado, seu corpo aumenta a produção dos hormônios do estresse cortisol, adrenalina e norepinefrina
  • A adrenalina aumenta sua frequência cardíaca, fazendo com que seu coração bata mais rápido e, em última análise, elevando a pressão arterial
  • O cortisol pode interferir na função do revestimento interno dos vasos sanguíneos, provocando o acúmulo de placa nas artérias e aumentando o risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral
  • O estresse crônico pode influenciar a saúde do seu cérebro, coração, intestino e mais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

O estresse muitas vezes começa na sua cabeça com uma preocupação ou um medo, mas esses sentimentos de ansiedade e, talvez, mesmo de pânico, não ficam lá. Quando você sente-se estressado, seu corpo aumenta a produção dos hormônios do estresse cortisol, adrenalina e norepinefrina.

Isso desencadeia o início da resposta ao estresse e, como uma bola de neve rolando por uma montanha, ele ganha força e velocidade até estar pronto para o proverbial ataque.

A adrenalina, por exemplo, aumenta sua frequência cardíaca, fazendo com que seu coração bata mais rápido e, em última análise, elevando a pressão arterial. O cortisol pode interferir na função do revestimento interno de seus vasos sanguíneos, provocando o acúmulo de placa nas artérias e aumentando seu risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral.

Enquanto isso, seu cérebro comunica-se com o intestino, enviando a notícia de que você está estressado, e seu intestino responde de acordo, alterando o que ele normalmente estaria fazendo para que seu corpo possa trabalhar coletivamente para combater esse estressor iminente (seja ele um estressor realmente iminente ou não).

Esta resposta ao estresse pode ser bastante benéfica se você precisa correr de um predador, ou mesmo estudar rapidamente para uma grande prova. As coisas ficam complicadas, no entanto, quando você sente-se estressado sempre ou na maior parte do tempo.

Embora uma resposta ocasional ao estresse seja normal e até mesmo saudável, o estresse permanente, constante não o é. Pelo contrário, é a receita certa para enfermidades, de doenças crônicas a infecções agudas.

O que Acontece Quando Você está Estressado de Forma Crônica?

No vídeo acima, a professora de medicina da Universidade Emory, Sharon Bergquist, demonstra o que acontece com seu corpo quando você está sob estresse crônico. Digamos que você perde seu emprego ou está lutando contra o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) causado pelo abuso que você sofreu quando criança.

Um excesso de hormônios do estresse é liberado com muita frequência. Sua resposta ao estresse torna-se desequilibrada; ela não está desligando. Seu sistema imunológico sofre como resultado e mudanças epigenéticas estão ocorrendo rapidamente.

O estresse está desencadeando uma inflamação sistêmica de baixo grau e, de repente, sua pressão arterial está subindo, sua asma está descontrolada e você continua ficando gripado. Aquele corte na sua perna simplesmente não parece querer curar, e sua pele está um desastre.

Você está tendo problemas para dormir e, em um nível emocional, você sente que está próximo da exaustão. É então que você percebe que ganhou algum peso, e que também está tendo problemas digestivos. Até a sua vida íntima está sofrendo.

O estresse afeta claramente todo o seu corpo, mas, de acordo com o neurobiologista Robert Sapolsky, no documentário “Stress: Portrait of a Killer” (Estresse: Retrato de Um Assassino), os seguintes são os problemas de saúde mais comuns que são causados ou agravados pelo estresse:

Doença cardiovascular

Hipertensão

Depressão

Ansiedade

Disfunção sexual

Infertilidade e ciclos irregulares

Resfriados frequentes

Insônia e fadiga

Problema de concentração

Perda de memória

Mudanças de apetite

Problemas digestivos e disbiose

Como o Estresse Interfere no seu Intestino

O estresse crônico (e outras emoções negativas, como raiva, ansiedade e tristeza) podem desencadear sintomas e doenças no intestino. Como os pesquisadores de Harvard explicaram:

“A psicologia combina-se com fatores físicos para causar dor e outros sintomas intestinais. Fatores psicossociais influenciam a fisiologia real do intestino, bem como os sintomas.

Em outras palavras, o estresse (ou depressão ou outros fatores psicológicos) podem afetar o movimento e as contrações do trato GI, causar inflamação ou torná-lo mais suscetível à infecção.

Além disso, a pesquisa sugere que algumas pessoas com distúrbios GI funcionais percebem a dor de forma mais aguda do que outras pessoas porque seus cérebros não regulam adequadamente os sinais de dor do trato GI. O estresse pode fazer a dor existente parecer ainda pior. ”

A resposta ao estresse causa uma série de eventos prejudiciais no intestino, incluindo:

  • Diminuição da absorção de nutrientes
  • Diminuição da oxigenação no intestino
  • Tanto quanto quatro vezes menos fluxo sanguíneo para o seu sistema digestivo, o que leva à diminuição do metabolismo
  • Diminuição da produção enzimática no seu intestino em até 20.000 vezes!

Seu Intestino e seu Cérebro Estão em Comunicação Constante

Uma das razões pelas quais seu estresse mental pode prejudicar seu intestino é porque seu intestino e seu cérebro comunicam-se um com o outro regularmente.

Além do cérebro na sua cabeça, incorporado na parede do seu intestino está o seu sistema nervoso entérico (SNE), que funciona de forma independente e em conjunto com o cérebro na sua cabeça.

Esta comunicação entre seus “dois cérebros” funciona em ambos os sentidos, e é a rota para como os alimentos afetam seu humor ou por que a ansiedade pode torná-lo doente do estômago, por exemplo.

A Dra. Jane Foster, professora associada de Psiquiatria e Neurociências Comportamentais da Universidade McMaster, descreveu para o Medicine Net as múltiplas formas pelas quais seus micróbios intestinais comunicam-se com seu cérebro - e o papel que o estresse pode desempenhar.

“…As bactérias intestinais podem alterar o funcionamento do sistema imunológico, o que pode afetar o cérebro. As bactérias intestinais também estão envolvidas na digestão, e as substâncias que elas produzem quando decompõem os alimentos podem afetar o cérebro.

E sob certas condições, como estresse ou infecção, bactérias intestinais potencialmente causadoras de doenças ou bactérias ruins, podem vazar através da parede intestinal e entrar na corrente sanguínea, permitindo que elas e os produtos químicos que elas fabricam comuniquem-se com o cérebro através de células nas paredes dos vasos sanguíneos.

As bactérias também podem comunicar-se diretamente com células em certas regiões do cérebro, incluindo aquelas localizadas perto de áreas envolvidas no estresse e humor…”

Seu Cérebro e seu Coração Sofrem Quando Você Está Estressado

O estresse prolongado também pode danificar suas células cerebrais e fazer você perder a capacidade de lembrar-se das coisas. As células cerebrais de ratos estressados são muito menores, especialmente na área de seu hipocampo, que é a sede da aprendizagem e da memória.

O estresse interrompe seus sistemas neuroendócrinos e imunológicos e parece desencadear um processo degenerativo no seu cérebro que pode resultar na doença de Alzheimer. O ganho de peso induzido pelo estresse também é real, e normalmente envolve um aumento da gordura da barriga, que é a gordura mais perigosa para o seu corpo acumular e aumenta seu risco cardiovascular.

Durante momentos de alto estresse, seu corpo libera hormônios como a norepinefrina, que pode até causar a dispersão de biofilmes bacterianos das paredes das suas artérias. Esta dispersão pode permitir que os depósitos de placas subitamente soltem-se, provocando um ataque cardíaco.

Além disso, quando o estresse torna-se crônico, seu sistema imunológico torna-se cada vez mais insensível ao cortisol, e uma vez que a inflamação é parcialmente regulada por esse hormônio, essa diminuição da sensibilidade aumenta a resposta inflamatória e permite que a inflamação fique fora de controle. A inflamação crônica é uma marca registrada das doenças cardíacas e de muitas doenças crônicas.

Dicas para Vencer o Estresse

O controle regular do estresse é fundamental para quase todos. Para alguns, isso pode incluir ficar afastado de indivíduos negativos ou excessivamente estressados, ou no mínimo não ver o telejornal noturno se este for muito perturbador, para evitar sentir estresse empático.

Em última análise, no entanto, o que você faz para aliviar o estresse é uma escolha pessoal, pois suas técnicas de controle de estresse devem ser atraentes para você e, mais importante, trabalhar para você. Se uma rodada de kickboxing ajuda você a eliminar a sua frustração, então faça isso. Se a meditação é mais do seu agrado, isso também está bem.

Mesmo dar uma boa chorada de vez em quando pode ser benéfico, pois as lágrimas que são derramadas devido a uma resposta emocional, como tristeza ou felicidade extrema, contêm uma alta concentração de hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) - um produto químico ligado ao estresse.

Uma teoria do por que você chora quando está triste é que isso ajuda seu corpo a liberar alguns desses produtos químicos de excesso de estresse, ajudando-o a se sentir mais calmo e relaxado.

Este domingo, você pode ver minha entrevista com James Redfield, autor de “The Celestine Prophecy” (A Profecia Celestina), na qual ele discute meditação e outros métodos de alívio do estresse (e motivação, o que é importante, pois o estresse crônico também pode acabar com sua motivação).

Um truque que ele sugere é meditar de manhã cedo, mesmo antes de sair da cama, para tirar proveito de sua mente estar em uma zona tranquila (embora outras pessoas considerem fácil meditar em outros lugares, como no chuveiro, por exemplo).

Além disso, você é mais vulnerável aos efeitos adversos do estresse, se você sentir que não tem controle, sem saída, sentir que as coisas estão piorando e tiver pouco apoio social. Se você não tem um amigo ou membro da família para conversar sobre isso, considere juntar-se a um grupo de suporte local ou mesmo a um fórum on-line.

Você também pode procurar por suporte profissional, além de usar as Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Techniques -EFT) para lidar com cicatrizes e traumas emocionais existentes que podem prejudicar sua saúde. O estresse crônico é semelhante à cicatrização emocional, pois também pode causar danos contínuos às células se não for tratado.

Outra estratégia vital é garantir que você tenha um sono adequado, uma vez que a privação do sono prejudica drasticamente a capacidade do seu corpo de lidar com o estresse. Isso, juntamente com uma atividade física regular e uma dieta saudável, são os elementos fundamentais dos quais o seu corpo precisa para recuperar-se de um evento estressante.