O Óleo de Rícino Pode Ajudar a Aliviar a Artrite, Dor Ciática e nas Costas

Óleo de Rícino

Resumo da matéria -

  • O óleo de rícino, derivado da semente de rícino, tem sido usado há milhares de anos para tratar uma ampla variedade de problemas de saúde, embora sejam poucos os estudos científicos; há relatos de alguns efeitos colaterais negativos do óleo de rícino, então você deve proceder com cautela ao experimentar seu uso
  • As sementes de rícino contêm concentrações muito altas de um ácido graxo especial chamado ácido ricinoleico, que se considera como sendo a base de suas propriedades curativas
  • O rícino também contém uma potente toxina chamada ricina - tão mortal que é usada para guerra química — mas não se preocupe, esse agente NÃO está presente no óleo
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Você provavelmente está ciente de que o óleo de rícino é considerado por alguns como um remédio para o tratamento da constipação. Mas você pode não estar ciente dos relatos do seu uso como um antiviral, antibacteriano e antifúngico, ou que tem sido usado topicamente para tratar uma variedade de doenças da pele, reduzir a dor e estimular o sistema imunológico.

No entanto, independentemente do que algumas das pesquisas sugeriram, você deve ser muito cauteloso ao experimentar usar o óleo de rícino, já que a pesquisa em relação a ele é esparsa na melhor das hipóteses, e há vários relatos conhecidos de efeitos colaterais desagradáveis experimentados por alguns usuários.

História da Semente de Rícino: Ricinus Communis

O óleo de rícino vem da semente de rícino, Ricinus communis, que tem uma composição química muito incomum. O óleo de rícino é um triglicerido, composto por ácidos graxos, 90% dos quais são ácido ricinoleico.

Este ácido graxo único é encontrado em concentrações mais baixas em algumas outras sementes e óleos (0,27% no óleo de semente de algodão e 0,03% no óleo de soja) e considera-se que ele seja o responsável pelas propriedades curativas únicas do óleo de rícino. A planta de rícino é nativa da Índia.

Séculos atrás, a planta era conhecida como “Palma Christe” porque se dizia que as folhas assemelhavam-se à mão de Cristo. Essa associação provavelmente surgiu da reverência das pessoas pelas habilidades de cura desta planta.

Mais tarde, foi adotado para uso medicinal no Antigo Egito, China, Pérsia, África, Grécia, Roma e, por fim, na Europa do século XVII e nas Américas. O óleo de rícino é agora amplamente utilizado na indústria. O caule da planta é usado na indústria têxtil, particularmente na Rússia, onde o óleo de rícino é conhecido como “Kastorka”.

O óleo tem uma viscosidade muito consistente e não congela, o que o torna ideal para lubrificar equipamentos em climas extremamente frios. Usos não medicinais modernos para óleo de rícino incluem:

  • Aditivo alimentar e agente aromatizante
  • Inibidor de molde
  • Ingrediente em produtos para cuidados com a pele e cosméticos (batom, xampu, sabonete e outros)
  • Utilizado na fabricação de plásticos, borrachas, resinas sintéticas, fibras, tintas, vernizes, lubrificantes, selantes, corantes e couros; a empresa de lubrificantes Castrol recebeu o seu nome do óleo de rícino

O óleo de rícino foi usado pela primeira vez como lubrificante para aeronaves na Primeira Guerra Mundial. Portanto, o óleo de rícino tem vários usos industriais úteis. Mas você sabia que as sementes de rícino com as quais se faz o óleo de rícino podem ser LETAIS?

Parte da Semente de Rícino Cura — Mas a Outra Parte Mata!

A potente toxina ricina é produzida a partir de uma proteína nas sementes de rícino que, se ingerida (oralmente, nasalmente ou injetada), penetra nos ribossomos de suas células, impedindo a síntese proteica, que mata as células. A ricina é feita a partir da “mistura” que sobra após processar as sementes de rícino em óleo.

Apenas 1 miligrama de ricina é fatal se inalada ou ingerida, e muito menos do que isso se injetada. Comer apenas 5 a 10 sementes de rícino seria fatal.

Uma vez envenenado, não há antídoto, e é por isso que a ricina é usada como um agente de guerra química. Embora esse componente tóxico também seja derivado dessa semente, o óleo de rícino não é considerado perigoso.

De acordo com o relatório final do International Journal of Toxicology sobre o óleo de rícino, você não precisa se preocupar que o óleo de rícino seja contaminado pela ricina, porque a ricina não é “segregada” do óleo de rícino. O óleo de rícino tem sido adicionado aos produtos cosméticos há muitos anos, sem incidentes.

Por exemplo, óleo de rícino e o óleo de rícino hidrogenado supostamente foram usados ​​em 769 e 202 produtos cosméticos, respectivamente, em 2002. A Organização de Alimentos e Agricultura Conjunta (FAO)/Comitê de Especialistas em Aditivos Alimentares da Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu uma ingestão diária aceitável de óleo de rícino de até 0,7 mg/kg  do peso corporal.

Isso equivale a, aproximadamente, uma colher de sopa para adultos e uma colher de chá para crianças. Tomar óleo de rícino por via oral geralmente resulta em uma “purgação” do trato digestivo em cerca de quatro a seis horas.

Segundo a Associação Internacional do Óleo de Rícino, os estudos com óleo de rícino nos quais as pessoas receberam doses de óleo de rícino em concentrações dietéticas de até 10% por 90 dias não produziram nenhum efeito negativo.

Apesar do fato de que o FDA dos Estados Unidos e a Associação Internacional do Óleo de Rícino tenham declarado que o óleo de rícino é seguro, se você for tentar tomá-lo, como mencionei anteriormente, tenha um cuidado extremo porque uma série de efeitos colaterais negativos tem sido relatada.

O Óleo de Rícino NÃO está Isento de Efeitos Colaterais

Óleo de Rícino

Os principais efeitos colaterais do óleo de rícino se enquadram nas categorias de reações cutâneas e desconforto gastrointestinal, o que não é muito surpreendente, dadas as ações do agente na sua parede intestinal.

O óleo de rícino é decomposto pelo intestino delgado em ácido ricinoleico, que age como um irritante para o revestimento intestinal.

Esse efeito é o que dá ao óleo de rícino a capacidade de reverter a constipação — mas também é a razão pela qual algumas pessoas relatam desconforto digestivo, diarreia e outros efeitos colaterais gastrointestinais.

Se você sofre de cãibras, intestino irritável, úlceras, diverticulite, hemorroidas, colite, prolapsos ou se passou recentemente por uma cirurgia, provavelmente deve evitar o óleo de rícino devido a essas possíveis reações adversas.

Embora o óleo de rícino tenha sido tradicionalmente usado para ajudar a estimular o trabalho de parto em gestantes saudáveis, há relatos generalizados de náusea, incluindo um estudo feito em 2001 que descobriu que a náusea é quase universalmente vivida por essas mulheres.

Um Remédio Caseiro que Sobrevive a Milênios

Apesar dos efeitos adversos, os indianos tradicionalmente ferviam os grãos de sementes ou cascas no leite e na água, e depois consumiam a bebida para aliviar a artrite, dor lombar e ciática. De acordo com o artigo de Williams, plantas de semente de rícino são amplamente usadas na Índia para todos os tipos de problemas médicos, incluindo os seguintes:

  • Prisão de ventre
  • Disenteria
  • Doença inflamatória intestinal
  • Infecções vesicais e vaginais
  • Asma

Usos Medicinais Modernos para o Óleo de Rícino

Em geral, os usos medicinais relatados do óleo de rícino enquadram-se nas seguintes cinco categorias gerais:

  • Remédio gastrointestinal
  • Antimicrobiano (antibacteriano, antiviral e antifúngico)
  • Estimulante do trabalho de parto
  • Anti-inflamatório e analgésico
  • Sistema Imunológico e Estimulante Linfático

Os benefícios do óleo podem ser obtidos pela aplicação tópica, e parece ser útil para tratar uma variedade de problemas de pele como ceratose, dermatose, cicatrização de feridas, acne, micose, verrugas e outras infecções da pele, cistos sebáceos, coceira e até mesmo queda de cabelo.

O óleo de rícino e o ácido ricinoleico também melhoram a absorção de outros agentes em toda a pele. E o óleo de rícino demonstrou algum potencial no tratamento do câncer. Eles também relatam que estudos clínicos iniciais sugerem que a ricina, quando combinada com um anticorpo para confinar este veneno a células malignas, reduz os tumores em pacientes com linfoma.

De fato, o óleo de rícino tem sido usado para tratar todas as seguintes doenças listadas abaixo. Embora eu certamente não possa atestar a eficácia do óleo de rícino para todas essas doenças (como não há pesquisas suficientes até o momento), eu as listo aqui como uma maneira de ilustrar a ampla variedade de possibilidades.

Esclerose múltipla

Mal de Parkinson

Paralisia cerebral

Artrite

Enxaqueca e outras dores de cabeça

Colecistite (inflamação da vesícula biliar)

Epilepsia

Doenças do fígado, incluindo cirrose

Esclerodermia

Apendicite, colite e outros problemas intestinais

AIDS

Desintoxicação

Câncer

Irritação ocular

Problemas ginecológicos

Estudos Comprovam a Eficácia do Óleo de Rícino Como Antimicrobiano, Anti-inflamatório e Imunoestimulante

Estudos de óleo de rícino são difíceis de encontrar, mas eu encontrei alguns notáveis, que eu resumi na tabela abaixo.

Foi identificado que o óleo de rícino tem um forte efeito supressor em alguns tumores.

Um estudo indiano em 2011 descobriu que o extrato da folha de rícino demonstrou possuir uma melhor atividade antibacteriana contra bactérias Gram-positivas e Gram-negativas do que a Gentamicina (padrão usado para a comparação).

Um estudo de 2010 descobriu que as bolsas de rícino eram um meio eficaz de diminuir a constipação em idosos.

Este estudo de 2009 revelou que o óleo de rícino efetivamente alivia os sintomas da artrite.

Um estudo feito em 1999 foi realizado para determinar se o óleo de rícino tópico estimularia ou não o sistema linfático. Os resultados foram positivos. Após um tratamento de duas horas com bolsas de rícino, houve um aumento significativo no número de células T-11, que aumentaram ao longo de um período de sete horas após o tratamento.

Neste estudo de 2000 sobre os efeitos do ácido ricinoleico na inflamação, os pesquisadores descobriram que ele exercia propriedades anti-inflamatórias semelhantes à capsaicina.

Pacientes com dermatite ocupacional podem ter uma reação positiva ao óleo de rícino ou ao ácido ricinoleico.

O Óleo de Rícino Pode Promover a Cura ao Fortalecer o seu Sistema Linfático

Um dos benefícios de saúde mais convincentes, se for verdade, é o apoio que o óleo de rícino dá ao seu sistema imunológico. E esta propriedade de cura não requer que você ingira o óleo, mas apenas que o aplique externamente.

Os benefícios das bolsas de rícino foram popularizados pelo falecido médium curador Edgar Cayce, e depois pesquisados pelo médico de cuidados primários William McGarey de Phoenix, Arizona, um seguidor do trabalho de Cayce e autor de The Oil That Heals (O Óleo Que Cura). McGarey relatou que, quando usadas adequadamente, as bolsas de rícino melhoram a função do timo e outros componentes do sistema imunológico.

Mais especificamente, ele descobriu em dois estudos separados que os pacientes que usavam bolsas de rícino abdominal tinham aumentos significativos na produção de linfócitos em comparação com as bolsas de placebo.

Os linfócitos são as células que combatem doenças do seu sistema imunológico e são produzidos e armazenados principalmente no tecido linfático1 (timo, baço e nódulos linfáticos). Centenas de quilômetros de túbulos linfáticos permitem que os resíduos sejam coletados de seus tecidos e transportados para o sangue para eliminação, um processo conhecido como drenagem linfática.

Quando o sistema linfático não está funcionando corretamente, resíduos e toxinas podem acumular-se e deixá-lo doente.

A congestão linfática é um dos principais fatores que levam à inflamação e à doença. É aqui que entra o óleo de rícino. Quando o óleo de rícino é absorvido pela pele (de acordo com Cayce e McGarey), a contagem de linfócitos aumenta. Linfócitos aumentados aceleram a remoção de toxinas de seus tecidos, o que promove a cura.

Óleo de Rícino Topicamente

Existem várias maneiras de usar o óleo de rícino topicamente. Você pode simplesmente esfregar óleo de rícino em uma área afetada da pele. Ou, você pode anexar um curativo embebido em óleo de rícino se apenas uma área muito pequena precisar ser tratada.

Para aplicações maiores ou mais sistêmicas, ele pode ser usado como óleo de massagem, que foi relatado como sendo especialmente eficaz quando aplicado ao longo de sua coluna vertebral, massageado ao longo de suas vias de drenagem linfática. Mas o golpe final do rícino é a “bolsa de óleo de rícino”. Para fazer uma bolsa de óleo rícino, você precisará dos seguintes suprimentos:

  • Óleo de rícino prensado a frio de alta qualidade (consulte a última seção deste artigo)
  • Uma garrafa de água quente ou bolsa térmica
  • Envoltório de plástico, folha de plástico ou saco de lixo de plástico
  • Duas ou três peças quadradas de um pé (30,48 cm) de lã ou flanela de algodão, ou uma peça grande o suficiente para cobrir toda a área de tratamento quando dobrada em terços
  • Uma grande toalha de banho velha

Abaixo estão as instruções para fazer e usar uma bolsa de óleo de rícino (cortesia de Daniel H. Chong, ND):

Dobre a flanela com três camadas de espessura, de modo que ela ainda seja grande o suficiente para caber em todo o abdome superior e no fígado, ou empilhe os três quadrados.

Mergulhe a flanela com o óleo para que fique completamente encharcada. O óleo deve estar em temperatura ambiente.

Deite-se de costas com os pés elevados (usar um travesseiro sob os joelhos e os pés funciona bem), colocando a bolsa de flanela diretamente no seu abdômen; cubra a flanela lubrificada com a folha de plástico e coloque a garrafa de água quente em cima do plástico.

Cubra tudo com a toalha velha para isolar o calor. Tome cuidado para não colocar o óleo sobre outras superfícies, pois pode manchar. Se necessário, cubra essa superfície com algo para protegê-la.

Deixe a bolsa por 45 a 60 minutos.

Quando terminar, remova o óleo de sua pele lavando com uma solução de duas colheres de sopa de bicarbonato de sódio para um litro de água, ou apenas sabão e água (certifique-se de lavar somente a toalha, pois o óleo de rícino pode fazer com que outras roupas fiquem com mau cheiro se lavadas juntas).

Você pode reutilizar a bolsa várias vezes, cada vez adicionando mais óleo conforme necessário para manter a bolsa encharcada. Guarde a bolsa em um saco grande com fecho de correr ou outro recipiente de plástico em um local conveniente, como próximo à sua cama. Substitua a bolsa depois que ela começar a mudar de cor.

Para eficácia máxima, aplique pelo menos quatro dias consecutivos por semana durante um mês. Pacientes que usam a bolsa diariamente relatam obter mais benefícios.

Seja Cauteloso ao Comprar Óleo de Rícino

Como com tudo mais, você deve ter cuidado com sua fonte de óleo de rícino. Grande parte dos óleos atualmente vendidos nas lojas é derivado das sementes de rícino que foram fortemente pulverizadas com pesticidas, extraídas com solvente (o hexano é comumente usado), desodorizado ou quimicamente processado, o que danifica os fitonutrientes benéficos e pode até mesmo contaminar o óleo com agentes tóxicos.

Mais uma vez, deixe-me enfatizar, muitos dos benefícios para a saúde do óleo de rícino são mais anedóticos do que científicos, e efeitos colaterais foram relatados. Como com qualquer coisa nova, proceda com cuidado para que você possa minimizar quaisquer reações inesperadas.

Convido você a fazer seus comentários sobre quaisquer experiências — positivas ou negativas — relacionadas ao uso do óleo de rícino. Estou sempre curioso sobre suas impressões e experiências com remédios naturais, e seu feedback é bem-vindo, como sempre.