7 Superalimentos Surpreendentes para se Procurar Na Primavera

Alimentos para a Primavera

Resumo da matéria -

  • Os cogumelos morchella estão repletos de vitamina D, que estimula a imunidade e previne doenças. Os brotos de samambaia são colhidos de samambaias avestruz que ainda não amadureceram e não se desenrolaram, e têm um sabor semelhante ao dos aspargos
  • A anona contêm aproximadamente 60% da dose diária recomendada de vitamina C e um terço das suas necessidades de vitamina B6, enquanto as urtigas fornecem quantidades saudáveis de vitamina K e cálcio
  • Uma xícara de azedinha fornece mais do que sua necessidade diária de vitaminas A e C, junto com quantidades elevadas de potássio e ferro; a beldroega é a maior fonte de ômega-3 do reino vegetal
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Comer alimentos cultivados localmente oferece muitos benefícios, desde consumir alimentos mais frescos a economizar dinheiro e proteger o meio ambiente.

Um estudo de 2007 feito pela Universidade de Alberta, no Canadá, determinou que somente o transporte dos produtos orgânicos causa um impacto ambiental grande o suficiente para anular muitos de seus benefícios.

Se você observar, verá que a maioria das frutas e legumes orgânicos no seu mercado local vêm de lugares muito mais distantes do que os produtos convencionais. Comer alimentos cultivados localmente ajuda a eliminar uma quantidade substancial da pegada de carbono associada ao transporte de alimentos.

Comer produtos locais automaticamente significa comer os alimentos da temporada. Nesta primavera, considere adicionar à sua dieta alguns dos seguintes superalimentos, muitos dos quais você pode nunca ter ouvido falar antes. A maioria deles está disponível apenas por um curto período e agora é a hora de começar a procurá-los.

Nº 1: Cogumelos Morchella

Cogumelos Morchella

Os cogumelos morchella, cuja parte superior assemelha-se às pequenas esponjas para banho, estão repletos de vitamina D, que estimula a imunização e previne doenças. Seu sabor é descrito como umami, ou salgado. Raramente cultivados, os cogumelos morchella são tipicamente colhidos na natureza e colher os cogumelos é uma tradição popular para muitos.

Dito isso, evite colher cogumelos na natureza a menos que tenha certeza absoluta de que sabe o que está colhendo. Há uma série de cogumelos tóxicos, incluindo uma espécie chamada “falsos morchella”, e é fácil confundi-los, a menos que você tenha muita experiência e saiba o que procurando.

Os cogumelos morchella são uma excelente adição se cozinhados junto a qualquer acompanhamento e combina com todos os tipos de carne e peixe. Muitas pessoas gostam de comê-los como acompanhamento por conta própria, delicadamente refogados por cinco a dez minutos com um pedaço de manteiga.

Nunca coma cogumelos morchella crus, pois eles contêm traços de uma toxina que deixa algumas pessoas doentes.

Nº 2: Brotos de Samambaia Fiddlehead

Brotos de Samambaia Fiddlehead

É provável que você nunca tenha ouvido falar de brotos de samambaias Fiddlehead, a menos que você seja um visitante frequente de mercados de agricultores e lojas de alimentos naturais especializados.

Como o nome indica, os pequenos discos encaracolados são escolhidos a partir de samambaias de avestruz que ainda não amadureceram e não se desenrolaram. O gosto tem sido comparado ao dos aspargos, mas com um pouco mais de crocância e amargor. Outros dizem que têm gosto de aspargos, espinafre e brócolis numa coisa só.

Com alto teor de antioxidantes (duas vezes a quantidade dos mirtilos) e ômega-3 de origem vegetal, os brotos de samambaias são um potente alimento anti-inflamatório. Eles também contêm vitaminas A e C, ambos importantes para ter visão e função imunológica saudáveis.

O ferro e o fósforo ajudam na produção de glóbulos vermelhos e são importantes para a formação saudável de membranas celulares e osso, enquanto o potássio dá suporte à saúde do coração e às funções eletrolíticas e musculares.

Os brotos são comumente colhidos no estado de Maine e no Canadá, mas muitas vezes podem ser encontrados em lojas de alimentos saudáveis. Sua temporada é muito breve — de duas a três semanas no máximo. Para garantir a qualidade, procure por espécimes que tenham cabeças bem enroladas com hastes de cerca de 2 centímetros de comprimento.

Se escolher os seus próprios, certifique-se de saber como identificar samambaias de avestruz, uma vez que elas são comumente confundidas com samambaia bracken — uma espécie conhecida por causar câncer em animais de laboratório.

Além disso, os brotos de samambaias Fiddlehead podem causar desconforto gastrointestinal quando consumidos crus, por isso é recomendável cozinha-los de modo semelhante ao de cozinhar aspargos. Você também pode fazer uma conserva deles para aumentar assim a sua vida útil.

Nº 3: Anona

Anona

Esta fruta tropical com uma casca semelhante a “escamas de dragão” e forma de coração tem uma polpa doce e amanteigada por dentro. Selecione aquelas que estão duras e verdes. Como os abacates, a anona amadurece rapidamente quando não refrigerada.

Quando a casca ficar com uma cor bronze e estiver macia ao toque, ela está pronta para ser comida. Simplesmente descasque e corte. Seu sabor foi comparado a uma combinação de banana, mamão e abacaxi. Se amassada até virar um purê, ela também pode ser adicionada a vitaminas.

Uma única fruta contém aproximadamente 60% da dose diária recomendada de vitamina C e um terço das suas necessidades de vitamina B6. No México, a fruta tem sido tradicionalmente usada para aliviar a ansiedade, graças à presença de GABA (ácido gama-aminobutírico), que tem efeitos antidepressivos moderados.

Ela também é rica em fibras, ferro e niacina e contém compostos poderosos que demonstram ser capazes de combater o câncer, a malária e os parasitas humanos. A anona fornece quantidades elevadas de potássio que ajudam a controlar a frequência cardíaca e pressão arterial. Além disso, ela contém um peso mineral por peso maior do que muitas das frutas mais comuns, incluindo as maçãs.

Nº 4: Azedinha

Azedinha

A azedinha, também conhecida como azeda ou azeda-brava, é uma erva perene frondosa cultivada em todo o mundo. Repleta de benefícios para a saúde e de sabor picante, semelhante ao do limão, ela adiciona sabor a praticamente qualquer salada ou prato, incluindo sopas cremosas.

Uma xícara de azedinha fornece mais do que sua necessidade diária de vitaminas A e C, juntamente com quantidades elevadas de potássio e ferro. Tenha em mente que a azedinha contém ácido oxálico, o que é contraindicado para aqueles que já possuem ou estão propensos a desenvolver pedras nos rins formadas por oxalato. Para a maioria das pessoas, pequenas quantidades são completamente seguras e proporcionam benefícios valiosos para a saúde.

Nº 5: Urtiga

Urtiga

Embora normalmente consideradas como uma erva daninha desagradável e dolorosa, a urtigas possui benefícios exclusivos para a saúde — em uma nota a parte, se você cultivá-las no seu quintal, elas são, na verdade, um sinal de um solo rico e saudável. Apenas use luvas durante o manuseio até que elas estejam cozidas, para evitar irritações de pele dolorosas.

Uma vez branqueadas ou refogadas, elas podem ser consumidas com segurança, fornecendo quantidades saudáveis de vitamina K e cálcio. Tradicionalmente, as urtigas são valorizadas por suas propriedades de purificação do sangue e também podem ser transformadas em um chá, o que, por sua vez, ajuda a aliviar o congestionamento e aliviar as alergias e a asma.

O chá de urtiga também pode aumentar a produção de leite, se você estiver amamentando, e ajuda a estimular suas glândulas digestivas, incluindo seus intestinos, fígado, pâncreas e vesícula biliar.

Nº 6: Beldroega

Beldroega

A beldroega (também chamada de beldroega comum e onze-horas), é a maior fonte de ômega-3 do reino vegetal, e há uma grande probabilidade de que tenha uma crescendo no seu quintal neste momento. Segundo a Mother Earth News, é a espécie de erva daninha mais encontrada no mundo.

A beldroega parece muito com uma planta de jade em miniatura, com folhas suculentas carnudas e caules avermelhados. As hastes crescem no chão e irradiam-se de uma única raiz principal, às vezes formando grandes folhas circulares planas de até 16 polegadas (40 cm) de diâmetro. Em meados de julho, ela desenvolve pequenas flores amarelas com cerca de um quarto de polegada (0,635 cm) de diâmetro.

Sementes de beldroegas são extremamente resistentes, algumas permanecendo viáveis no solo por 40 anos, e podem crescer em quase qualquer coisa, desde a terra fértil de um jardim até o solo árido do deserto — até mesmo entre as pedras do caminho que leva à sua casa.

Apenas seja muito cuidadoso para não confundir a beldroega com Euphorbia, porque elas podem ser bem parecidas, e a Euphorbia pode deixá-lo doente. O vídeo a seguir mostra como diferenciá-las.

A beldroega possui um perfil de ácido graxo ômega-3 estelar, em comparação com outros vegetais, contendo algo entre 300 a 400 miligramas (mg) de ômega-3 por xícara.

Também contém seis vezes mais vitamina E do que o espinafre, sete vezes mais betacaroteno do que as cenouras, fornecendo cerca de 44% das necessidades diárias de vitamina A por 100 gramas, 25 mg de vitamina C por xícara, além de magnésio, cálcio, ferro, riboflavina, potássio, fósforo e manganês.

A beldroega pode ser comida crua ou cozida. Se você estiver pensando em comer beldroegas, certifique-se de que nenhum pesticida ou herbicida foi sido usado nas proximidades dela. Se você tiver pulverizado Roundup no seu quintal, nunca coma ervas daninhas coletadas na área.

Também evite fazer isso se o seu vizinho tiver usado o Roundup no quintal dele, pois os produtos químicos podem facilmente passar de uma propriedade para outra. Como precaução, lave bem as folhas e os caules antes de consumir. Normalmente, as pessoas comem as folhas e hastes das beldroegas para evitar as partes mais duras da planta.

Para comê-la cozida, existem inúmeras maneiras de incorporar esta erva a seus pratos favoritos. Você pode fervê-la em água por 10 minutos e escorrer, ou simplesmente adicioná-la a outras receitas para dar ao prato uma crocância adicional.

Nº 7: Alho-poró Selvagem

Alho-poró Selvagem

O alho-poró selvagem possui pequenos bulbos brancos com raízes cabeludas. Embora se assemelhe a cebola verde na aparência, seu sabor é mais semelhante ao do alho. Se você tiver a sorte de encontrá-los, certifique-se de colher alguns. O alho-poró selvagem está tornando-se cada vez mais escasso, pois possui um crescimento lento e só fica na temporada por algumas semanas na primavera.

Procure por espécimes que estejam firmes, com folhas verdes brilhantes. Não os compre ou use se notar manchas marrons ou áreas viscosas. Se não estiver lavado e for embrulhado em um saco plástico, o alho-poró selvagem pode ser refrigerado por até uma semana. O alho-poró selvagem é uma boa fonte de vitaminas A e C, selênio e cromo, o último dos quais ajuda a estabilizar o açúcar no sangue.

Oito Sinais de Alimentos de Alta Qualidade

Por último, mas nem por isso menos importante, aqui estão algumas dicas gerais sobre o que procurar ao tentar determinar quais são os alimentos mais saudáveis possíveis, não importa onde você faça suas compras. Você deve buscar alimentos que sejam:

Cultivados sem pesticidas e fertilizantes químicos (alimentos orgânicos encaixam-se nesta descrição, mas também há alguns alimentos não orgânicos que se encaixam). Se você for colher ervas daninhas ou plantas comestíveis de seu jardim, certifique-se de que nenhum pesticida ou herbicida tenha sido aplicado na área.

Não geneticamente modificados

Não contenham hormônios de crescimento, antibióticos ou outros medicamentos

Não contenham nada artificial, nem conservantes

Frescos (se você tem que escolher entre produtos orgânicos murchos ou produtos convencionais frescos, este segundo pode ser a melhor opção)

Que não tenham sido cultivados em uma fazenda industrial

Cultivados com as leis da natureza em mente (ou seja, os animais são alimentados com suas dietas nativas, não com uma mistura de grãos e subprodutos animais, e que tenham acesso livre ao ar livre)

Cultivados de maneira sustentável (usando quantidades mínimas de água, protegendo o solo do esgotamento e transformando resíduos animais em fertilizantes naturais em vez de poluentes ambientais)