Lavar as Mãos com Água Fria Pode Realmente Matar os Germes?

Lavando as Mãos

Resumo da matéria -

  • Se você foi ensinado(a) que é necessário lavar as mãos com água quente para livrar-se da sujeira, de germes e de bactérias, um estudo realizado recentemente diz que a água fria funciona muito bem se você seguir alguns métodos importantes
  • A Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos atualmente declara que as instalações de encanamento, especialmente em restaurantes, devem verter água a uma temperatura mínima de 37°C a 42°C para que as pessoas tenham suas mãos limpas
  • Algumas pessoas, como crianças, bebês e idosos, estão em maior risco de contrair infecções e proliferá-las e, em determinados momentos, lavar as mãos é particularmente essencial, como depois de brincar com animais domésticos e manusear carne crua.
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Se você já esteve em um local ou circunstância onde não havia água corrente por alguma razão, talvez você tenha tido a vaga sensação de que lavar as mãos na única água disponível – fria – não estava realmente deixando-as limpas. Isto provavelmente acontece porque a maioria de nós fomos ensinados no jardim de infância que lavar as mãos com água quente e sabonete é indispensável para matar germes.

Mesmo usar sabonete com água fria pode não parecer tão eficaz quanto o uso de água quente, porém existe, de fato, alguma evidência científica da veracidade disto? Eis a resposta: uma pesquisa realizada recentemente mostra que se a água que você está usando para lavar as mãos está morna ou até mesmo fria, ela funciona tão bem quanto água quente para remover bactérias. É o tempo e o método de lavagem que fazem toda a diferença.

O estudo, conduzido pela Universidade Rutgers e publicado no Journal of Food Protection (Jornal da Proteção Alimentar), envolveu 21 participantes e finalizou com uma conclusão interessante: independentemente de eles terem lavado as mãos em água a temperaturas de 15, 26 ou 37 graus Celsius, não houve diferença na “limpeza” obtida quando os participantes ensaboaram as mãos e lavaram-nas por 10 segundos.

Porém, aqui está a jogada: cada um dos participantes teve altos níveis de bactéria E. coli “aplicadas” às suas mãos. Embora os cientistas no comando do estudo usassem uma cepa “não patogênica” da bactéria, cada pessoa foi solicitada a lavar as mãos usando diferentes temperaturas de água e por diferentes intervalos de tempo.

Os participantes usaram água fria, morna ou quente, entre meio mililitro e 2 mililitros (ml) de sabonete e lavaram as mãos em intervalos de tempo entre cinco e 40 segundos. Eles repetiram o experimento 20 vezes por um período de seis meses. A Time adicionou:

“Quando os pesquisadores analisaram as quantidades de bactérias restantes nas mãos após a lavagem, eles concluíram que a água nas três temperaturas funcionou igualmente bem. O mesmo aconteceu com as diferentes quantidades de sabonete usadas, embora eles informem que é necessário realizar novas pesquisas para determinar que tipo de sabonete é melhor.”

Desinformação, Recomendações e Revisões

A BBC News observou que enquanto as diretrizes americanas de limpeza são mais rigorosas, as diretrizes no Reino Unido dizem que as pessoas podem usar tanto água fria quanto água quente para lavar as mãos. No entanto, aqueles pesquisadores disseram que notaram que seu estudo foi pequeno em escopo e que é necessário um trabalho mais extenso para a determinação das melhores formas de remoção de bactérias ou “bichos” perigosos.

O importante, observou a BBC, é certificar-se de lavar as mãos por, pelo menos, 20 segundos, usar sabonete suficiente para cobrir toda a superfície da mão e esfregar as mãos juntas de formas diferentes para garantir que todas as superfícies estejam limpas.

Os autores do estudo apresentado disseram que sua pesquisa é importante porque as diretrizes atuais da Administração Americana de Alimentos e Medicamentos (U.S. Food and Drug Administration (FDA)) declaram que a água encanada e as instalações de encanamento devem verter água a uma temperatura mínima de 37°C a 42°C graus Celsius para que as pessoas tenham suas mãos limpas.

Tais diretrizes estão listadas para revisão e atualização em 2018, de forma que os pesquisadores dizem que este é o momento para que a linguagem seja alterada de forma a refletir a realidade. Eles escreveram o seguinte:

“A literatura sobre lavagem das mãos inclui uma quantidade tremenda de desinformação e faltam dados para diversas questões. Diversas recomendações para lavagem das mãos estão sendo feitas sem apoio científico e o acordo entre estas recomendações é limitado, conforme indicado pela maioria das inconsistências ocorrentes entre os sinais de lavagem das mãos.”

O tempo que as pessoas usam para lavar suas mãos é importante, pois testes reais provaram que cinco segundos não são suficientes, e que 10 segundos de esfregação são tão eficazes para obtenção de mãos limpas quanto a lavagem por períodos mais longos.

“O tempo que você perde abrindo a torneira, colocando sabonete nas mãos e lavando-as depois não conta”, informa o coautor do estudo Donald Schaffner, distinto professor e especialista em ciência alimentar da Rutgers. Sua conclusão de acordo com a Medical News Today (Notícias Médicas Hoje):

“Este estudo pode ter implicações significantes com relação à energia hídrica, uma vez que usar água fria economiza mais dinheiro do que a água morna ou quente. Deveria haver uma mudança política. Em vez de haver um requisito para temperatura, a política deveria apenas informar que água quente ou confortável deve ser fornecida. Estamos gastando energia para aquecer a água de forma não necessária.”

Como Garantir que Suas Mãos Estão Realmente Limpas Mesmo usando Água Fria

Dez segundos é o tempo mínimo necessário para realizar o trabalho. Porém, existem indicativos de quando é necessário lavar as mãos por tempo mais longo que este ou usar métodos diferentes? Absolutamente, diz Schaffner. “Se você acabou de trocar uma fralda ou se esteve no jardim ou está cortando um frango cru, não pense duas vezes para aumentar o tempo para 10 segundos se ainda sentir algo estranho nas mãos. De qualquer modo, continue esfregando.”

No entanto, se tiver água quente disponível, algo tão importante quanto manter uma temperatura confortável da água pode fazer toda a diferença para encorajar as pessoas a lavar as mãos por tempo adequado para ter as mãos limpas. Caso contrário, “você não vai realizar um bom trabalho”, ele informa.

De acordo com especialistas, existe uma forma correta e uma forma errada de fazer quase tudo, porém quando se trata de limpar as mãos, especialmente quando você quer lavar algo particularmente desagradável, existe uma prova infalível, procedimento passo a passo, que começa com perder tanto tempo esfregando as mãos quanto cantando a música “parabéns a você” duas vezes. O procedimento, fornecido pela Organização Mundial da Saúde (World Health Organization), é o seguinte:

  1. Molhe as mãos e aplique quantidade suficiente de sabonete para cobrir cada superfície.
  2. Esfregue as palmas juntas com os dedos entrelaçados.
  3. Esfregue cada palma sobre as costas da outra mão, esfregando entre os dedos.
  4. Esfregue entre os dedos, as costas dos dedos, passando uma mão sobre a outra e em volta de cada dedão.
  5. Com as mãos ainda ensaboadas, esfregue ambas as palmas com os dedos e, então lave vigorosamente com água quente e água fria.

A NHS Choices aconselha que você use um produto para higienização de mãos à base de álcool se não tiver acesso imediato a água e sabonete. Após isso, seque vigorosamente as mãos com toalha descartável, se possível. Se você ainda não criou o hábito, use papel toalha para fechar a torneira e também para abrir as portas, caso você esteja em banheiro público.

Há Mais Coisas a Considerar do que Simples “Germes”

Usar água morna ou fria para lavar as mãos por tempo adequado pode promover diversas vantagens, tais como limitação do tempo em que a água fica correndo para esquentar, o que poderia economizar dinheiro e energia, especialmente em restaurantes e outros estabelecimentos alimentícios, diz Schaffner. Similarmente, usar água muito quente pode irritar e até danificar a pele.

Na verdade, quando pessoas regularmente aplicam loção ou hidratante para as mãos, eles ajudam não somente a reparar a pele seca e danificada (que é mais difícil de limpar), mas também mantém as mãos com menos bactérias depois da lavagem do que as pessoas que não usam loção (certifique-se de ser um tipo natural).

Porém, alguns germes são mais graves do que outros, e algumas pessoas, como crianças, bebês e idosos, estão em maior risco de contrair infecções e espalhá-las. A NHS Choices relaciona casos em que é particularmente importante lavar as mãos e certificar-se de que as crianças o façam também:

  • Após usar o banheiro
  • Após manusear alimentos crus — não somente frango e outras carnes, mas também vegetais crus
  • Antes de consumir ou manusear alimentos, mesmo que sejam “prontos para consumo”
  • Após contato com animais, incluindo domésticos
  • Depois de visitar alguém no hospital ou outro estabelecimento de cuidados de saúde

Lavar as mãos adequadamente remove a sujeira, as bactérias e os vírus que podem ser espalhados a outras pessoas e objetos, podendo provocar resfriados, intoxicação alimentar e diarreia. O professor Jeremy Hawker, consultor epidemiologista da Saúde Pública da Inglaterra (Public Health England), explica:

“As mãos são facilmente contaminadas com bactérias fecais (excremento) com a ida ao banheiro e isto pode ser facilmente espalhado para outras coisas através do toque, incluindo alimentos.

Infelizmente, nem todas as pessoas lavam as mãos consistentemente após a ida ao banheiro ou antes de manusear alimentos. Lavar as mãos com sabonete e água é suficiente para remover a sujeira, os vírus e as bactérias e pode reduzir os riscos de ocorrência de diarreia em cerca de 50%.”

E os Sabonetes Antibacterianos?

Muitas casas, hospitais e salas de aula usam sabonetes antibacterianos por via de regra, mas eles são realmente melhores? São seguros? Eis o que muitas pessoas, incluindo na classe médica, não entendem sobre o sabonete antibacteriano: o primeiro sabonete antibacteriano foi apresentado por Dial nos anos 1940.

O que ele continha, porém, era o produto hexaclorofeno, agente antibacteriano comprovadamente causador de danos cerebrais a bebês. A companhia foi obrigada a retirar o produto do mercado.

Então, alguns outros empreendedores desenvolveram outro produto chamado triclosan, o qual, alguns devem lembrar-se, dizia “matar germes pelo contato”. Até pode, até certo grau, mas ele também matava outras coisas pelo caminho.

Diversas companhias embarcaram nesse lucrativo negócio e sabonetes “antibacterianos” começaram a aparecer em todos os lugares, pois diziam “tornar o meio ambiente mais seguro e promover camada extra de proteção contra doenças”. Porém, no fim de 2013, a FDA decidiu dar uma nova olhada no triclosan e, assim, observou dois problemas diferentes:

  • Possível interferência nos níveis hormonais em animais de laboratório
  • Aumento no crescimento de bactérias resistentes a medicamentos

Poucos dias mais tarde, eles fizeram uma nova declaração dizendo que não encontraram qualquer evidência de que os “sabonetes antibacterianos vendidos no balcão sejam mais eficazes na prevenção de doenças do que a lavagem com sabonete comum e água”.

De acordo com ChemicalWatch Global Risk & Regulation News (ChemicalWatch Notícias Globais sobre Riscos & Regulamento), o Natural Resources Defense Council (NRDC) (Conselho de Defesa dos Recursos Naturais) abriu processo contra a FDA em 2010, alegando que ela “violou o Ato Para Procedimento Administrativo e o Ato Federal Para Alimentos, Medicamentos e Cosméticos ‘atrasando de forma não razoável a questão das monografias estabelecendo condições para o uso de certos produtos contendo triclosan como ingrediente ativo’”.

Perigos Relacionados ao Triclosan, Ingrediente Encontrado nos Sabonetes Antibacterianos

Especialistas dizem que os sabonetes antibacterianos contendo triclosan não são recomendados para uso em cortes e arranhões porque eles prolongam a cura da ferida e aumentam o risco de formação de cicatrizes. Porém, pior que isso, a União Europeia anunciou que eliminaria o triclosan da lista de produtos de higiene porque os riscos promovidos por ele prevaleciam sobre os benefícios! Entre outros, os riscos são:

  • Risco elevado de desenvolvimento de câncer
  • Interferência na contração e atividade muscular
  • Interferência nos hormônios endócrinos
  • Dano à função da tireoide
  • Aumento de ocorrência de alergias a amendoim e febre do feno

Vários produtos antibacterianos contêm o triclosan, porém a Beyond Chemicals (Além dos Produtos Químicos) observa que, devido à pressão feita por consumidores informados, uma série de fabricantes grandes começou, sem muito alarde, a reformular pelo menos alguns de seus produtos sem o triclosan. Portanto:

“A formulação dos produtos pode mudar sem notificação… Lembre-se de sempre ler os rótulos dos produtos para determinar se possuem triclosan na lista de ingredientes. Algumas lojas podem ainda possuir em estoque produtos com a formulação antiga. Procurem por rótulos que declaram: ‘proteção antimicrobiana’. Alguns sabonetes antibacterianos podem usar o primo do triclosan, triclocarbano, no lugar do triclosan.”

A conclusão é que se você não tem nada além de água fria disponível, lave as mãos usando métodos de esfregação adequados por pelo menos 10 segundos e usando sabonete comum sem o rótulo “antibacteriano”, isso fará com que suas mãos fiquem limpas.