Muitos Protetores Solares são Tóxicos e Não são tão Eficazes Quanto se Afirma

Protetores Solares Tóxicos

Resumo da matéria -

  • Muitos protetores solares são bem menos eficazes do que informado no rótulos e 24 dos 73 produtos avaliados oferecem menos da metade da proteção prometida pelo FPS declarado
  • O FPS é aplicado apenas aos raios UVB, e não aos UVA, que na verdade são os responsáveis pela maior parte dos danos causados pelos raios UV. Para proteger-se contra o UVA, você precisa procurar um produto de amplo espectro que especifique a proteção contra os raios UVA
  • Além do problema da toxicidade, o uso excessivo de protetor solar também contribui para a deficiência de vitamina D, o que por sua vez aumenta o risco de desenvolvimento de uma ampla variedade de doenças crônicas, incluindo diabetes, doenças cardíacas, osteoporose e câncer
  • Pesquisadores alertam que alguns ingredientes usados em protetores solares são neurotóxicos, colocando em risco a saúde e o desenvolvimento do cérebro
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Embora a exposição solar regular, consistente e prudente seja vital para uma saúde e bem-estar otimizados - promovendo muitos benefícios além da produção de vitamina D - a superexposição pode resultar em danos à pele que podem aumentar o risco de desenvolvimento de câncer de pele.

Isso significa que, se você passar o dia na praia ou envolver-se em atividades ao ar livre por horas a fio, provavelmente precisará usar algum tipo de proteção solar. Embora a roupa seja uma escolha ideal, a maioria das pessoas opta pelo protetor solar, que pode apresentar várias ramificações adversas.

Não só muitos protetores solares contêm ingredientes tóxicos, como muitos deles não são tão eficazes quanto informam. A Consumer Reports emitiu recentemente o Guia do Comprador para Protetores Solares 2018, que observou que testes revelam que mais de 70 produtos para proteção solar não fornecem o nível de proteção UVB indicado no rótulo.

Como resultado disso você pode acabar queimado de alguma maneira. O relatório também concluiu que apenas uma dúzia de produtos oferecia uma proteção decente contra os raios UVA e UVB.

Você Pode Confiar no Fator de Proteção Solar?

O fator de proteção solar (FPS) é uma medida de quanto tempo o produto impedirá que a sua pele queime quando exposto aos raios UVB. "Por exemplo, supondo que você aplique - e reaplique - o protetor solar corretamente, se você normalmente queimar-se depois de 20 minutos exposto (a) ao sol, um FPS de 30 protege por cerca de 10 horas", explica o Consumer Reports.

No entanto, é importante perceber que o FPS á aplicado apenas aos raios UVB, e não aos UVA, que são os responsáveis, na verdade, pela maior parte dos danos causados pelo UV.

Para proteger-se contra o UVA, você precisa procurar por um produto de amplo espectro que especifique a proteção contra o UVA. A menos que especificado, é seguro assumir que ele não protege contra o UVA. Também é importante perceber que nenhum protetor solar é capaz de bloquear 100% de UVB ou UVA. Como orientação geral:

  • FPS 30 bloqueia 97 por cento da UVB
  • FPS 50 bloqueia 98 por cento da UVB
  • FPS 100 bloqueia 99 por cento da UVB

Como nos anos anteriores, testes recentes revelam que muitos produtos exageram seu FPS . Nesta rodada de testes, 24 dos 73 produtos avaliados ofereceram menos da metade da proteção prometida pelo seu FPS declarado.

Isto significa que se um produto é rotulado como FPS 30, ele pode oferecer proteção FPS 15 ou menos, podendo levar à superexposição e queima.

Oxibenzona — Apenas um Dos Vários Ingredientes Tóxicos Usados em Protetores Solares

Uma pesquisa realizada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças mostrou que 96 por cento da população dos EUA apresentam oxibenzona em seu organismo - conhecido disruptor endócrino associado à redução da contagem de espermatozoides nos homens e à endometriose em mulheres.

A principal fonte deste produto químico? Protetores solares. A oxibenzona também é letal para certas criaturas marinhas, incluindo ovos de caranguejos-ferradura, e pesquisadores alertam que o uso generalizado de protetores solares contendo oxibenzona representa uma séria ameaça aos recifes de corais e à vida marinha.

Na verdade, legisladores havaianos aprovaram recentemente a proibição da venda de protetores solares contendo oxibenzona e oxtinoxato, os quais foram associados a graves danos a corais. Estimativas sugerem que banhistas que usam protetor solar introduzem até 6.000 toneladas métricas de protetor solar nos oceanos do mundo todo ano.

Outros Ingredientes Prejudiciais Usados em Protetores Solares

Metoxicinamato de octilo (OMC)

Ácido para-aminobenzoico (PABA)

Salicilato de octilo

Fenilbenzimidazole

Octocrileno

Octissalato

Dioxigenzona

Antranilato de mentilo

Homossalato

Octinoxato

Cinoxato

Parabenos

Infelizmente, os riscos à saúde provocados por esses produtos químicos são normalmente ignorados por completo, e muitos ainda recomendam procurar produtos que contenham esses ingredientes tóxicos. Muitos protetores solares também contêm vitamina A e/ou derivados, retinol e palmitato de retinila, que foram associados a um aumento no risco de desenvolvimento de câncer de pele, aumentando a velocidade com que as células malignas desenvolvem-se e espalham-se.

Pesquisadores Alertam para a Neurotoxicidade

Uma pesquisa publicada no ano passado também alerta que alguns ingredientes usados em protetores solares são neurotóxicos, o que representa um perigo para a saúde do cérebro.

Os autores observaram que, como protetores solares precisam ser aplicados em quantidades significativas em todo o corpo, cálculos sugerem que a quantidade total de um dado composto sendo absorvido a partir de uma única aplicação pode chegar a 200 miligramas. Estudos também demonstram que esses produtos químicos são encontrados no sangue, na urina e no leite materno após a aplicação, em alguns casos em menos de duas horas.

Aqui, os cientistas analisaram a neurotoxicidade do octil metoxicinamato, benzofenona-3 e −4, 4-metilbenzilideno cânfora, 3-benzilideno cânfora e octocrileno - protetores solares químicos que espalham e refletem os raios UV - bem como óxido de zinco e dióxido de titânio, que impedem queimaduras agindo como filtros físicos. Esses minerais possuem taxa de absorção mínima (a menos que partículas nanométricas sejam usadas), o que aumenta seu perfil de segurança.

De fato, estudos incluídos na análise mostram vários efeitos neurotóxicos. Por exemplo, concluiu-se que o metoxicinamato de octilo diminui a atividade motora em ratos fêmeas e altera a liberação de vários neurotransmissores diferentes. Concluiu-se que a benzofenona-3 diminui a viabilidade celular dos neurônios e regula positivamente genes relacionados ao estrogênio em animais machos.

A substância química 4-metilbenzilideno cânfora também diminuiu a viabilidade celular e prejudicou o desenvolvimento neuronal em animais de laboratório, enquanto o octocrileno prejudicou a expressão de genes relacionados ao desenvolvimento cerebral e ao metabolismo cerebral.

Os autores também ressaltam que a aplicação simultânea de repelentes de insetos, como o DEET, aumenta a penetração dos compostos, multiplicando, assim, seu potencial de toxicidade.

O Problema das Nanopartículas

Há também a questão das nanopartículas. Apesar de serem geralmente seguras, quando o óxido de zinco e o dióxido de titânio são nanométricos, como nos protetores solares aplicados por spray, elas também podem representar um risco significativo à saúde ao irritar tecidos pulmonares.

Pesquisas realizadas com animais demonstraram que as nanopartículas inaladas podem atingir todas as áreas do trato respiratório e, como os pulmões têm dificuldade de remover pequenas partículas, elas podem passar para a corrente sanguínea e atravessar a barreira hematoencefálica.

Se elas conseguirem penetrar os pulmões ou penetrar a pele, as nanopartículas têm o potencial de causar danos generalizados às suas células e órgãos, sistema imunológico, sistema nervoso, coração e cérebro. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer chegou a classificar partículas ultrafinas de dióxido de titânio como um "possível agente cancerígeno" quando inaladas em altas doses, observando que:

"O dióxido de titânio provoca diferentes graus de inflamação e efeitos pulmonares associados, incluindo lesão de células epiteliais pulmonares, granulomas de colesterol e fibrose. Roedores experimentaram efeitos pulmonares mais fortes após exposição a partículas ultrafinas de dióxido de titânio em comparação com partículas finas em massa."

Preocupações em relação às nanopartículas também levaram a FDA a emitir uma advertência aos pais, pedindo que evitem os protetores solares aplicados via spray. Alguns cientistas postulam que os efeitos tóxicos das nanopartículas estão relacionados a seu tamanho por estarem ao alcance de vírus, o que pode desencadear a resposta imune do seu organismo.

Protetores Solares Contribuem para a Deficiência de Vitamina D

Além do problema da toxicidade, o uso excessivo de protetores solares também contribui para a deficiência de vitamina D, o que por sua vez aumenta o risco de desenvolvimento de uma ampla variedade de doenças crônicas, incluindo diabetes, doenças cardíacas, osteoporose e câncer, só para citar algumas.

De acordo com uma análise clínica publicada no Journal of American Osteopathic Association no ano passado, o uso excessivo de protetor solar é uma das razões pelas quais essa deficiência tornou-se tão disseminada. O coautor Dr. Kim Pfotenhauer, professor assistente na Universidade de Touro, afirmou:

"As pessoas estão gastando menos tempo ao ar livre e, quando saem, normalmente usam protetor solar, o que essencialmente anula a capacidade do organismo de produzir vitamina D. Embora queiramos que as pessoas protejam-se contra o câncer de pele, há níveis saudáveis e moderados de exposição solar desprotegida que podem ser muito úteis para aumentar os níveis de vitamina D…

A ciência tem tentado encontrar uma correspondência um-para-um entre os níveis de vitamina D e doenças específicas. Dada a função onipresente da vitamina D no organismo, acredito que um nível adequado de vitamina D esteja mais relacionado à saúde geral."

De acordo com este estudo, cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo possuem níveis insuficientes de vitamina D para a saúde, definidos aqui como abaixo de 30 ng / mL.

Afro-americanos são desproporcionalmente afetados, principalmente devido ao fato de que as pessoas de pele escura precisam de muito mais exposição solar para atingir os níveis ideais. Os resultados apresentados aqui sugerem que um escalonamento de 95 por cento dos adultos afro-americanos possuem níveis insuficientes ou deficientes de vitamina D.

Se você decidir evitar toda a exposição ao sol, será preciso estar muito atento para monitorar seu nível de vitamina D durante todo o ano e otimizar seu nível consumindo um suplemento oral de vitamina D, certificando-se de equilibrar a vitamina D3 com o consumo de vitamina K2, magnésio e cálcio.

Basta manter em mente que a vitamina D oral não pode fornecer todos os benefícios da exposição à luz solar, por isso não é uma solução perfeita. De qualquer forma, a suplementação é melhor do que nada.

De Quanta Exposição Solar Desprotegida você precisa?

Caucasianos e outras pessoas com pele mais pálida atingirão um "ponto de equilíbrio" após cerca de 20 minutos de exposição à luz UVB, ponto em que a vitamina D deixará de ser produzida. Você pode dizer que atingiu uma exposição otimizada para o dia quando sua pele fica com um tom muito claro de rosa. Depois disso, você só estará aumentando suas chances de queimar-se, algo que você definitivamente deve evitar.

Parece não haver benefícios adicionais em permanecer no sol além deste ponto. Você só estará arriscando-se. Se você possui pele mais escura, atingir esse ponto de equilíbrio pode necessitar duas a seis vezes mais tempo (ou até uma ou duas horas), dependendo de sua pigmentação. Agora, embora pessoas que vivam em regiões tropicais tenham à sua disposição uma abundância de luz solar, há indivíduos que dificilmente recebem exposição a ela.

Não faz muito sentido expor sua pele ao sol quando a temperatura é inferior a 50 graus F ( 10 graus C), em que há uma escassez de raios UVB. Isso ocorre na maioria das regiões dos EUA, especialmente naquelas que experimentam as quatro estações do ano.

Protetores Solares Mais Seguros

Voltando ao protetor solar, sua melhor aposta é cobrir-se com roupas, uma vez que você tenha atingido seu tempo ideal de exposição ao sol.

Se você realmente quiser usar uma loção ou creme de proteção solar, sua aposta mais segura é usar óxido de zinco tópico ou um produto com dióxido de titânio que não contenha partículas nanométricas. Como observado pelo Environmental Working Group (EWG), que também publica um guia anual de protetores solares:

"Quase três quartos dos produtos que examinamos oferecem proteção solar inferior ou contêm ingredientes preocupantes, como oxibenzona, disruptor de hormônios, ou palmitato de retinila, uma forma de vitamina A que pode prejudicar a pele. E apesar das poucas evidências, o governo ainda permite que a maioria dos protetores solares alegue que ajudam a prevenir o câncer de pele…

Protetores solares que usam óxido de zinco e dióxido de titânio tendem a ser bem avaliados em nossa análise: eles são estáveis sob a luz solar, oferecem um bom equilíbrio entre a proteção contra os dois tipos de radiação ultravioleta - UVA e UVB - e geralmente não contêm aditivos potencialmente prejudiciais."

No ano passado, meu protetor solar Mercola FPS 50 encabeçou a lista das principais opções de protetores solares altamente recomendados do EWG. O EWG ainda não divulgou suas escolhas para este ano. Outros produtos recomendados incluem True Natural Neutral Unscented Sunscreen FPS 50; o bastão de Loving Naturals Adorable Baby Sunscreen FPS 30 + O Blue Lizard Australian Sensitive Sunscreen FPS 30 e Burnout Ocean Tested Physical Sunscreen FPS 30.

Catorze dos protetores solares para crianças com a pior pontuação incluíam várias marcas populares, incluindo dois produtos Banana Boat, sete produtos da Coppertone, um protetor solar da marca CVS e dois produtos Neutrogena.