Queijo - Uma Superpotência Nutricional que Pode Ajudar a Proteger seu Coração, Cérebro e Ossos

Queijo

Resumo da matéria -

  • Queijos contêm a poderosa tríade nutricional cálcio, vitamina D e vitamina K2, que juntos canalizam o cálcio para os ossos e dentes, mantendo-o fora de suas artérias; isso, combinado com gorduras ômega-3, faz do queijo um alimento saudável para o coração
  • O queijo pelo qual você optou deve ser produzido com leite de alta qualidade, idealmente um leite orgânico cru proveniente de animais alimentados com pasto que nunca foram alimentados com grãos ou soja; evite "alimentos com queijo" processados, pois eles contêm aditivos químicos
  • Excelentes opções de queijo, devido a seus altos níveis de K2, são o edam, gouda e brie, mas o cheddar, o colby, o queijo duro de cabra, o suíço e o gruyere também são boas opções
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Se você é amante de queijo lutando para resistir a eles, porque ouviu que não são bons para a saúde, então prepare-se para uma boa notícia. Queijos podem ser uma excelente fonte de nutrição, um alimento que você pode querer aumentar em sua dieta, em vez de reduzir.

Queijos, especialmente os produzidos a partir do leite de animais alimentados no pasto, são uma excelente fonte de vários nutrientes importantes.

Um dos nutrientes mais valiosos no queijo é a vitamina K2, que os últimos estudos científicos realizados indicam ser ainda mais importante para o coração, cérebro e ossos do que considerava-se anteriormente. Queijos também fornecem uma grande variedade de vitaminas, minerais (incluindo cálcio), proteína e gordura.

Mesmo que você seja intolerante à lactose, há muitos queijos que você provavelmente tolerará bem. A maior parte da lactose é removida durante o processo de fabricação dos queijos. Combinar queijos com outros alimentos aumenta a absorção de nutrientes importantes.

Este artigo tem como objetivo separar os fatos dos mitos e fornecer orientações sobre como você pode incorporar seus queijos favoritos à sua alimentação diária, com alegria e gratidão, em vez de culpa.

Queijo Vai Entupir Suas Artérias ... e Outros Mitos Alimentares

Embora ninguém saiba ao certo quando ou onde começou a fabricação de queijos, o queijo tem sido um alimento básico há milhares de anos. O queijo remonta à domesticação dos animais produtores de leite, entre 8.000 e 10.000 anos atrás. A história do queijo remonta ao Império Romano, Oriente Médio, Tibete, Mongólia, Dinastia Ming e, claro, Europa.

Apesar de sua rica história e fãs entusiasmados, queijos são muito difamado nos Estados Unidos devido ao mito gordura saturada / colesterol.

O consumo de queijo leva à obesidade e doenças cardíacas? Absolutamente não! Este mito infeliz origina-se na hipótese antiquada e seriamente errônea, perpetuada por décadas de marketing bem sucedido.

Inúmeros estudos recentes confirmaram que a gordura saturada NÃO está associada à obesidade ou a doenças cardíacas e, na verdade, está associada à melhora da saúde cardíaca. A maioria dos americanos hoje está consumindo gordura saturada inadequada.

Na verdade, gregos, franceses e alemães consomem muito mais que americanos, porém desfrutam de taxas mais baixas de hipertensão e obesidade.

Acredito que um dos principais fatores que levam à obesidade seja o consumo excessivo de açúcar, grãos refinados e alimentos processados na dieta americana padrão, agravada por um estilo de vida sedentário.

Diante desses fatos, muitos especialistas em nutrição acreditam que a maioria das pessoas precisa de 50 a 70% de gorduras saudáveis em sua alimentação para ter uma saúde otimizada, e eu concordo com isso. O queijo é uma maneira deliciosa de ajudá-lo (a) a atender a essa exigência.

O queijo possui uma riqueza de bons nutrientes, incluindo:

  • Proteína e aminoácidos de alta qualidade
  • Gorduras saturadas de alta qualidade e gorduras ômega-3
  • Vitaminas e minerais, incluindo cálcio, zinco, fósforo, vitaminas A, D, B2 (riboflavina) e B12
  • Vitamina K2
  • CLA (Ácido Linoleico Conjugado), um potente anticancerígeno que também melhora o metabolismo

Queijo Natural Versus Queijo Falso

Há uma diferença entre o queijo natural e "alimentos com queijo" processados. O queijo natural é um produto lácteo fermentado simples, produzido com nada mais do que alguns ingredientes básicos - leite, cultura inicial, sal e enzima chamada renina.

O sal é um ingrediente crucial para o sabor, amadurecimento e preservação. Você pode identificar um queijo natural por seu rótulo, que irá indicar o nome da variedade de queijo, como "queijo cheddar", "queijo azul" ou "brie". Os queijos de verdade precisam ser refrigerados.

Os métodos de cultura e fabricação de queijos são o que dá a cada variedade de queijo seu sabor, textura, forma e perfil nutricional particulares. Os seguintes fatores diferenciam entre uma variedade de queijo e outra:

  • Cultura inicial específica, que é a bactéria ou cepas de mofo que amadurecem o queijo
  • Tipo de leite usado (vaca, ovelha, cabra, etc.) e as condições sob as quais esses animais foram criados
  • Métodos de coagulação, corte, cozimento e formação da coalhada
  • Condições de amadurecimento, como temperatura, umidade e tempo de envelhecimento (cura)

Queijos processados ou "alimentos com queijo" são uma história diferente. Estes produtos são tipicamente pasteurizados e adulterados com uma variedade de aditivos que diminuem seu valor nutricional. O rótulo sempre incluirá as palavras "processo de pasteurização", o que lhe fornece uma pista que fará com que você os deixe de lado. O queijo velveeta é um exemplo, com aditivos como fosfato de sódio, citronato de sódio e vários agentes corantes.

Outra pista é que a maioria não requer refrigeração. Então, seja velveeta, cheese whizz, queijo líquido, queijo em spray, ou algum outro impostor - estes não são queijos de verdade e devem ser banidos do seu carrinho de compras.

Queijo Cru Proveniente de Animais Alimentados no Pasto é o Melhor

Idealmente, o queijo que você consome deve ser produzido com leite de animais alimentados criados e alimentados no pasto, em vez de animais alimentados com grãos ou alimentados com soja, que estiveram confinados.

A dieta biologicamente apropriada para as vacas é a grama, mas 90% dos queijos encontrados em supermercados padrão são produzidos a partir do leite de vacas de operações de alimentação animal concentrada . Estes queijos são nutricionalmente inferiores aos provenientes de animais alimentados no pasto. Quanto melhor a qualidade do leite, melhor será a qualidade do queijo ... simples assim.

Até mesmo os queijeiros lhe dirão que o queijo cru tem um sabor mais rico e mais profundo do que o queijo produzido com leite pasteurizado, porque o calor destrói as enzimas e boas bactérias que dão sabor ao queijo. Eles explicam que o queijo cru tem sabores que derivam das pastagens que nutrem os animais que produzem o leite, assim como diz-se que o vinho extrai seus sabores únicos de vinhedos individuais. Produtos lácteos de animais que foram alimentados com capim não só têm um sabor melhor, como também são nutricionalmente superiores:

  • Queijo produzido com leite de vacas alimentadas no pasto possuem a proporção ideal de gordura ômega-6 e ômega-3 de 2: 1. Por outro lado, a relação ômega-6 a ômega-3 do leite de animais alimentados com grãos inclina-se fortemente para o lado das gorduras ômega-6 (25: 1), que já são excessivas na dieta padrão americana. Produtos lácteos produzidos com o leite de animais alimentados com capim combatem inflamações no organismo, enquanto que produtos lácteos produzidos com o leite proveniente de animais alimentados com grãos contribuem para isso.
  • Queijo produzido com leite proveniente de animais alimentados com capim contém cerca de cinco vezes o CLA do queijo produzido com leite proveniente de animais alimentados com grãos.
  • Como o queijo cru não é pasteurizado, as enzimas naturais do leite são preservadas, aumentando seu impacto nutricional.
  • O queijo feito com o leite de animais alimentados com capim é consideravelmente mais rico em cálcio, magnésio, beta-caroteno e vitaminas A, C, D e E.
  • Queijo orgânico produzido com o leite de animais alimentados com capim é livre de antibióticos e hormônios de crescimento.

O FDA Toma Medidas Contra o Queijo Cru

Durante anos, os reguladores federais ameaçaram proibir os produtos lácteos crus, incluindo queijo cru, por alegarem ser um aumento dos riscos de segurança. Ultimamente, eles começaram a atacar produtores de queijos artesanais, já que esta é uma indústria em rápido crescimento nos Estados Unidos.

No entanto, a repressão da FDA ao queijo cru é baseada em um argumento falho. De acordo com Grist, entre 1973 e 1999 não há um único relato de doença causada por queijos crus ou pasteurizados. No entanto, desde o ano 2000, doenças começaram a aparecer tanto no queijo cru quanto no pasteurizado. A maioria dos surtos foi resultado de contaminação pós-produção e flexibilidade no controle de qualidade, não falta de pasteurização.

A verdade é que o queijo cru não é inerentemente perigoso, desde que altos padrões sejam implementados no processo de fabricação de queijos. Queijos duros como o cheddar secam à medida que envelhecem, tornando-os relativamente inóspitos para as bactérias invasoras. O ataque da FDA ao queijo cru não é baseado em fatos, mas simplesmente em uma extensão de sua hostilidade de longa data em relação ao leite cru em geral.

O Conteúdo de Sal Provoca Gritos de 'Armagedom do Queijo'

Outra preocupação recente é que o queijo contém níveis excessivamente altos de sal. O Consensus Action on Salt and Health (CASH) é um grupo interessado em reduzir o sal em alimentos processados e está incentivando a indústria de queijos a reduzir a quantidade de sal no mesmo. É verdade que o alimento americano é o alimento mais salgado do mundo. Mas quanto o queijo é responsável pelo excesso de sódio na dieta americana?

O queijo parece ser um inimigo menor quando você considera a quantidade de sal nos alimentos processados e alimentos servidos em restaurantes, e a quantidade destes consumida a mais com relação aos queijos.

Dê uma olhada na tabela abaixo que compara os níveis de sal nos queijos mais salgados e nos pratos salgados servidos em restaurantes, e você verá o que quero dizer. Tenha em mente que sua ingestão de sódio deve ser inferior a cerca de 2.300 mg por dia, o que é aproximadamente uma colher de chá.

Cerca de 90% do sal da dieta americana padrão vem de alimentos embalados e de restaurantes. Apenas cerca de 11 por cento é atribuível ao sal que você adiciona durante o cozimento e na mesa de jantar. Sua ingestão de sódio é ainda menor se você salgar sua comida com sal marinho natural em vez de sal processado.

Parece claro para mim que, se levarmos em consideração todos os fatores nutritivos incluídos em um pequeno pedaço de queijo, o sódio não é um grande problema, particularmente se você minimizar os alimentos processados ou embalados e não comer fora com frequência.

Alimentos (queijos listados são as variedades mais saborosas) Sódio (mg)

Queijo roquefort (100g)

1.300

Queijo edam (100g)

1.200

Queijo feta (100g)

1.200

McNuggets de Frango (100g)

1.600

Bagel de sal da Dunkin Donuts

3.420

Piccata de frango do Ruby Tuesday

4.194

Porco Mu Shu do P.F. Chang's

5.820

Buffalo Clucks e Batatas Fritas do Red Robin

4.479

A carne de porco e macarrão frito duas vezes do P.F. Chang´s - premiado como sendo o "alimento mais salgado dos EUA"

7.900

Vitamina k2, Vitamina d3 e Cálcio - Todos em Um!

O queijo contém uma mistura sinérgica de nutrientes que o tornam uma verdadeira superpotência nutricional. Quando consumidos juntos, as vitaminas K2 e D3 e o cálcio são especialmente poderosos para proteger seus ossos, cérebro e coração. E o queijo contém todos os três!

A Dra. Kate Rheamue-Bleue, médica naturopata, escreveu um dos livros mais completos sobre vitamina K2. A vitamina K2 desempenha função fundamental na proteção do coração, cérebro e ossos, além de dar a você alguma proteção contra o câncer.

A K2 não só ajuda a canalizar o cálcio para as áreas corretas do corpo (ossos e dentes), como também impede que ele seja depositado em áreas onde não deveria, como artérias e tecidos moles.

Então, consumir suplementos de cálcio quando você não tem um nível adequado de vitamina K2 ajuda a criar uma armadilha que vai levar à calcificação arterial e problemas cardiovasculares.

Como todos os queijos são produzidos por diferentes cepas de bactérias, seu conteúdo total de vitamina difere, bem como em seu subtipo de K2. Queijos contêm principalmente os subtipos MK-4, MK-8 e MK-9, em proporções variáveis.

O MK-4 é a forma menos biologicamente ativa (mas a forma mais abundante no queijo), então é preciso maior quantidade dele para que o seu corpo possa beneficiar-se. O MK-7, MK-8 e MK-9 permanecem ativos no seu organismo por mais tempo, portanto seu organismo pode beneficiar-se de níveis muito mais baixos dos mesmos.

De acordo com um estudo holandês realizado em 2009, os subtipos MK-7, MK-8 e MK-9 estão associados à redução da calcificação vascular mesmo em pequenas ingestões dietéticas (tão baixas quanto 1 a 2 mcg por dia).

Quando se Trata de K2, Qual dos Seus Queijos Favoritos Possui o Maior Conteúdo?

A Dra. Rheamue-Bleue identificou que os queijos com os maiores níveis de K2 são Gouda e Brie, que contêm cerca de 75 mcg por onça (28 g). Os queijos duros são cerca de 30% mais ricos em vitamina K2 do que os queijos macios. Ao ler atentamente as tabelas nutricionais, achei interessante que os queijos mais ricos em vitamina K2 também tendem a ser os mais ricos em proteína e cálcio - portanto, os mais nutritivos em geral.

Basta perceber que os valores listados para "vitamina K" nas tabelas nutricionais comuns possuem um valor limitado, porque eles não especificam o TIPO de vitamina K que estão medindo.

Acontece que os cientistas descobriram altos níveis de MK-7 em um tipo de queijo: o Edam. Esta é uma notícia maravilhosa para aqueles que preferem sentar e comer uma fatia de Edam a uma tigela de natto! (O Natto, produto de soja japonês altamente fermentado, possui o mais alto nível de MK-7 que qualquer alimento).

Anteriormente, defendi que você optasse por queijos crus produzidos com leite proveniente de animais alimentados com grama e pasto. No entanto, o queijo contém uma forma de K2 derivada de bactérias, portanto, não importa se o queijo foi produzido a partir de leite de animais alimentados com capim ou não - as bactérias usadas para cultivar o queijo são as mesmas.

O fato de um produto lácteo ser produzido com leite proveniente de animais alimentados com capim é importante por outras razões que já discuti - não especificamente por conta do K2. Para resumir, se você for selecionar um queijo tendo como objetivo principal que ele seja uma boa fonte de vitamina K2, os melhores são:

  • Gouda
  • Brie
  • Edam
  • Outros queijos com níveis menores, mas significativos, de K2: cheddar, colby, queijo de cabra , duro, suíço e gruyère.

Sorria e Diga Cheese (Xiiiis)!

Alegrem-se amantes do queijo! Não tenham medo de adicionar queijos saudáveis de alta qualidade à sua dieta. Queijos oferecem uma mistura sinérgica de vitaminas, minerais, aminoácidos e ácidos graxos ômega-3, incluindo o trio de vitamina D3, vitamina K2 e cálcio.

Essa tríade nutricional é de vital importância para a redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e osteoporose. E não tenha medo do queijo cru (desde que ele tenha sido produzido por um bem conceituado produtor de queijo), que é melhor que o queijo comum tanto em questão de sabor quanto de nutrição.

Sua melhor opção é o queijo produzido com o leite de vacas, ovelhas e cabras alimentadas com pasto, ao contrário daquele vindo de rebanhos alimentados com grãos e soja.

Embora alguns queijos sejam bastante ricos em sal, seus níveis de sódio não são nada em comparação àqueles comuns de fast foods, alimentos processados e entradas de restaurantes populares que compõem uma grande parte da dieta americana padrão.

As minhas principais opções são os queijos gouda, brie e edam, mas você não irá errar se optar por um cheddar, queijo suíço, colby, queijo Gruyere e queijo de cabra de alta qualidade.