Pare de Consumir Refrigerante

Homem tendo ataque cardíaco

Resumo da matéria -

  • Parar de consumir refrigerantes – tanto os adoçados com açúcar quanto os ‘diet’ - é um dos passos mais fundamentais que você pode tomar para melhorar sua saúde. Você provavelmente já fez essa escolha há muito tempo, mas é uma escolha importante para muitas pessoas que você conhece
  • Pesquisas sugerem que bebidas doces são responsáveis por cerca de 183.000 mortes em todo o mundo todo ano, incluindo 133.000 mortes por diabetes, 44.000 mortes por doenças cardíacas e 6.000 mortes por câncer
  • Homens que bebiam uma lata de refrigerante por dia tinham um risco 20% maior de ter um ataque cardíaco ou morrer de um ataque cardíaco do que os homens que raramente consumiam refrigerante
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Um dos passos mais diretos que você pode tomar para melhorar sua saúde NESTE INSTANTE é parar de consumir refrigerante, e quando digo isso estou falando sobre as variedades normais e diet. O problema com o refrigerante decorre do seu alto teor de açúcar - particularmente a variedade líquida de xarope de milho rico em frutose (HFCS)— e, no caso do diet, do seu teor de adoçante artificial, entre outros problemas.

Pesquisas sugerem que bebidas doces são responsáveis por cerca de 183.000 mortes em todo o mundo todo ano, incluindo 133.000 mortes por diabetes, 44.000 mortes por doenças cardíacas e 6.000 mortes por câncer. Mesmo consumindo uma ou mais porções de 250 ml (cerca de 8 onças) de refrigerante por dia aumenta o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2 em 18 por cento.

Refrigerante e outras bebidas adoçadas com açúcar (SSBs) são a principal fonte de açúcar adicionado na dieta ocidental, havendo 6 em 10 jovens e 5 em 10 adultos consumindo, pelo menos, uma dessas bebidas em um determinado dia.

Riscos Causados à Saúde Pelo Consumo de Refrigerante

A ingestão de latas de refrigerantes doces não é apenas uma questão de consumo de calorias “vazias” que podem levar ao ganho de peso, como algumas organizações de saúde pública querem que você acredite. Você não pode simplesmente desfazer os efeitos do consumo de refrigerante diminuindo as calorias em outras partes de sua alimentação, já que o próprio açúcar causa estragos no seu organismo e em sua flora intestinal.

Os pesquisadores sabem desde a década de 1960 que seu organismo metaboliza diferentes tipos de carboidratos, como glicose e frutose, de maneiras diferentes, causando respostas hormonais e fisiológicas muito diferentes que podem influenciar o acúmulo de gordura e o metabolismo.

Uma lata de 12 onças (354 g) de refrigerante regular possui cerca de 33 gramas de açúcar (8 1/4 colheres de chá) e 36 gramas de carboidratos líquidos, o que é mais do que seu organismo pode suportar com segurança, especialmente em uma sessão.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou que o açúcar deveria ser inferior a 10% da sua ingestão diária total de energia, com benefícios adicionais se você reduzi-lo a menos de 5% (equivalente a 25 gramas ou 6 colheres de chá de açúcar por dia). Para obter-se uma saúde otimizada, recomendo limitar sua ingestão de carboidratos líquidos para menos de 40 a 50 gramas por dia, o que é praticamente impossível se você consumir refrigerante.

Gary Taubes, cofundador da Nutrition Science Initiative (Iniciativa de Nutrição Científica) e autor do “The Case Against Sugar” (O Caso Contra o Açúcar), habilmente documenta a associação do açúcar com doenças crônicas e muito mais, incluindo se o açúcar deve ser mais apropriadamente descrito como droga em vez de alimento.

Ele não causa sintomas imediatos de intoxicação, como tontura, agitação, arrasto de palavras ou euforia, associados a outras "drogas", mas talvez isso só tenha permitido que suas consequências médicas a longo prazo ficassem "sem perguntas e sem respostas".

A maioria de nós hoje nunca saberá se sofremos sintomas sutis da abstinência do açúcar, porque nunca vamos ficar tempo suficiente sem ele para descobrir ”, escreveu Taubes, acrescentando que o açúcar provavelmente matou mais pessoas do que o tabaco e que o tabaco não teria matado tantas pessoas quanto a falta de açúcar.

A Harvard School of Public Health (Faculdade de Saúde Pública de Harvard) compilou uma lista de estudos adicionais que demonstram a associação entre refrigerantes e doenças crônicas:

  • Homens que consumiam uma lata de refrigerante por dia tinham risco 20% maior de ter um ataque cardíaco ou morrer de um ataque cardíaco do que homens que raramente consumiam refrigerante.
  • Mulheres que consumiam uma lata de refrigerante diariamente durante um estudo realizado por 22 anos tiveram um risco 75% maior de gota do que mulheres que raramente consumiam refrigerante
  • A redução do consumo de refrigerantes pode reduzir a prevalência de obesidade e doenças relacionadas à obesidade, como diabetes tipo 2

Por que o Refrigerante Diet Não é uma Alternativa Mais "Saudável"

A ideia de que o refrigerante diet é uma opção mais saudável do que o refrigerante comum é um dos maiores mitos predominantes no campo da nutrição atualmente. Se você é um dos muitos adultos que consomem adoçantes artificiais, principalmente na forma de refrigerante diet, diariamente (até mesmo um quarto das crianças o fazem também), é importante que você saiba a verdade: O consumo de refrigerante diet coloca sua saúde em risco de desenvolvimento das seguintes doenças:

Derrame e Demência — O consumo de uma bebida artificialmente adoçada por dia pode aumentar o risco de derrame e demência em três vezes, em comparação com a ingestão de menos de um por semana. Mesmo consumir uma a seis bebidas adoçadas artificialmente por semana foi associado a um risco 2,6 maior de derrame em comparação ao não consumo dos mesmos. Um estudo realizado em 2012 também concluiu que pessoas que consumiam refrigerantes diet diariamente tinham 43% mais chances de ter sofrido de um evento vascular, incluindo derrame.

Essa associação significativa persistiu mesmo após o controle de outros fatores que poderiam aumentar o risco, como tabagismo, níveis de atividade física, consumo de álcool, diabetes, doenças cardíacas, fatores dietéticos e muito mais. Quanto à associação com a demência, essa é uma novidade e ninguém sabe ao certo como as bebidas diet podem afetar seu cérebro.

A Forbes, no entanto, compilou algumas teorias plausíveis, incluindo, que talvez isso ocorra através da disrupção que os adoçantes artificiais representam para a saúde intestinal, através do correspondente eixo cérebro-intestino. Alternativamente:

“Refrigerantes diet são projetados para enganar o cérebro, fazendo-o pensar que está recebendo uma dose extra de glicose (combustível do cérebro), mas isso está nos enganando porque o cérebro se adapta a não receber a glicose adicional, compensando de outras maneiras (levando a uma variedade de efeitos que ainda estão sendo investigados).”

Ataque Cardíaco — Pesquisas que incluíram cerca de 60.000 mulheres na pós-menopausa e foram acompanhadas por cerca de 10 anos concluíram que o consumo de apenas duas bebidas diet por dia podia aumentar drasticamente o risco de morte prematura por doença cardíaca.

Síndrome Metabólica e Diabetes Tipo 2 — Pessoas com diabetes tipo 2 são frequentemente aconselhadas a consumir adoçantes artificiais em vez de açúcar, mas pesquisas demonstraram que o consumo de refrigerantes diet pelo menos diariamente está associado a um risco relativo 36 por cento maior de síndrome metabólica e risco relativo 67 por cento maior de diabetes tipo 2 comparado com o não consumo.

Depressão — De acordo com um estudo realizado que incluiu quase 264.000 adultos americanos com mais de 50 anos, aqueles que consumiram mais de quatro latas ou copos de refrigerante diet ou outras bebidas doces diariamente tiveram um risco quase 30% maior de depressão em comparação com aqueles que não consumiram bebidas diet.

Ganho de Peso — Em abril de 2017, pesquisa realizada concluiu mais uma vez que os adoçantes artificiais promovem a disfunção metabólica que pode promover o acúmulo de gordura. Um estudo realizado com ratos também revelou que animais alimentados com água potável com aspartame ganharam peso e desenvolveram sintomas de síndrome metabólica enquanto camundongos que não receberam o adoçante artificial não o fizeram.

Além disso, pesquisadores revelaram que a fenilalanina, produto resultante da decomposição do aspartame, bloqueia a atividade de uma enzima intestinal chamada fosfatase alcalina (IAP). Em um estudo anterior, identificou-se que a IAP é capaz de prevenir o desenvolvimento da síndrome metabólica (e reduzir os sintomas em pessoas com essa doença) quando alimentaram ratos com ela. O aspartame provavelmente promove a obesidade ao interferir na atividade da IAP.

Conexões com a Indústria Perpetuam a Errônea Teoria do "Equilíbrio de Energia"

Apesar das fortes associações do refrigerante com doenças, as autoridades de saúde pública demoraram a colocar a culpa na indústria e continuam perpetuando a “teoria do balanço de energia”, que sugere que o ganho de peso é simplesmente uma questão de consumir mais calorias do que você queima e aumentar sua quantidade de exercícios, sendo essa, portanto, a solução para redução das taxas de obesidade (em vez de eliminar o refrigerante).

A indústria de refrigerantes tem sido fundamental para transferir a culpa do refrigerante para praticamente qualquer outro bode expiatório. Em 2015, por exemplo, a Coca-Cola Co. foi exposta por estar secretamente financiando e apoiando a já extinta Global Energy Balance Network (Rede Global de Equilíbrio Energético), grupo de fachada sem fins lucrativos que promoveu a ideia da prática de exercícios como solução para a obesidade e minimizou significativamente o papel da alimentação e bebidas doces do mercado na equação da perda de peso.

Autoridades de saúde pública acusaram o grupo de usar táticas da indústria de tabaco para levantar dúvidas sobre os riscos do refrigerante, e uma carta assinada por mais de três dúzias de cientistas informou que o grupo estava disseminando "bobagens científicas". Mesmo assim a indústria de refrigerantes mantém muitas conexões com organizações que continuam a promover o mito do balanço de energia (e financia diretamente essas organizações):

  • A Academy of Nutrition and Dietetics (Academia de Nutrição e Dieta -AND), que foi financiada pela Coca-Cola até 2015. Eles também fundaram um programa chamado “Energy Balance 4 Kids With Play” (Balanço de Energia para Crianças Brincando) em parceria com a Healthy Weight Commitment Foundation (Fundação do Compromisso com o Peso Saudável - HWCF), “organização industrial representando a Coca-Cola, PepsiCo, Nestlé, General Mills e outros distribuidores de produtos doces.”
  • A International Food Information Council Foundation (Fundação do Conselho Internacional de Informações Alimentares), que é financiada pela Coca-Cola e pela PepsiCo, promove a ideia de que "quando se trata de controle de peso ou perda de peso, são as calorias totais que mais importam.”
  • National Institutes of Health (Institutos Nacionais de Saúde). Campanha “We Can!” (Nós Podemos!). A Coca-Cola doou milhões para essa instituição, e a campanha aconselha a consumir refrigerante apenas “de vez em quando” e sugere equilibrar os dias em que as crianças consomem muitos alimentos / bebidas com alto teor de açúcar com mais atividade física.

Experimente o Chá de Hibisco

Se a ideia de trocar seu refrigerante diário por água não parecer atraente, considere trocá-lo por chá. Isto vai lhe dar o melhor dos dois mundos: sabor e melhora saudável à sua alimentação, pois o chá de alta qualidade pode oferecer alguns benefícios para a saúde. O chá de hibisco é uma dessas opções. Ele possui sabor agradavelmente pronunciado, semelhante à acidez do oxicoco, e você pode encontrá-lo na forma de extrato líquido que permite que você adicione algumas doses dele ao copo de água.

Ao contrário do refrigerante que o sobrecarrega com açúcar e/ou adoçantes artificiais, o chá de hibisco é rico em vitamina C, minerais e antioxidantes, e estudos sugerem que ele pode melhorar a pressão arterial, ajuda a prevenir a síndrome metabólica, protege seu fígado e até mesmo promove efeitos anticancerígenos. É o oposto do consumo refrigerante em termos do que ele faz pela saúde! Não é só o chá de hibisco que oferece benefícios, é claro. Se você preferir chá verde ou branco, essas também são escolhas saudáveis.

Estudos demonstraram que o consumo de chá verde melhora a função cerebral, além de evitar distúrbios cognitivos como o Alzheimer, ajudando a prevenir cáries dentárias, combater doenças inflamatórias como artrite e até combater vários tipos de câncer, muito semelhante ao chá de hibisco.

A ideia é que, ao fazer essa mudança saudável - trocar seu refrigerante diário por uma xícara diária de chá - você pode reduzir significativamente o seu risco de doenças crônicas e obesidade. Além disso, se surgir uma ânsia por refrigerante, faça uma rápida secessão de exercícios, beba uma xícara de café preto orgânico ou consuma algo azedo (como legumes fermentados ou água com limão).

Tudo isso pode ajudar você a acabar com suas ânsias por açúcar. As Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Techniques-EFT) são outra ótima opção, e demonstraram reduzir significativamente tais ânsias, ao mesmo tempo em que aumenta a capacidade das pessoas de mostrar contenção - mesmo depois de seis meses.

Abaixo está uma demonstração em vídeo, mas aqui está a abordagem básica, que você pode começar a usar agora:

  • Identifique um alimento ou bebida pelo qual você tem ânsia visualizando-o (a) ou imaginando que o (a) está consumindo
  • Toque em seus pensamentos ativados (por exemplo, “Eu quero isso”, “Eu tenho que ter”)
  • Toque em cada uma das sensações específicas ou pensamentos que você tem sobre o alimento (doçura, salinidade, cremosidade, crocância, como o sente em sua boca, qual seu odor)
  • Analise seu corpo em busca de qualquer tensão e toque nele também
(Vídeo apenas em Inglês)